1975

O Palmeiras iniciou o ano de 1975 com a disputa do Torneio Laudo Natel, competição de verão já em sua terceira edição. Sem nenhuma contratação, o time subiu dois meninos da base: o lateral esquerdo Donizetti e o meiocampista Zé Mário. A saída de César, para o SCCP, deu espaço para o Mário, prata-da-casa que estava emprestado.

Depois de passar por América, Ferroviária e Juventus na fase inicial, o Verdão foi para o quadrangular final com SCCP, Santos e Portuguesa. Santos e Palmeiras chegaram à rodada final com 4 e 3 pontos, respectivamente, e o Santos jogou pelo empate – o que conseguiu, segurando o resultado desde os 5 do segundo tempo, quando Leivinha fez de cabeça o 2 a 2.

Veio o Campeonato Paulista e no primeiro turno o Palmeiras fez uma campanha aceitável, marcando 27 dos 36 pontos possíveis – mas o SPFC encaixou uma fase iluminada e fez 33 pontos, já se classificando para a final.

No segundo “turno”, os 19 clubes foram divididos em duas chaves (de 10 e 9) e um grupo jogou contra outro. Os três melhores de cada chave avançaram ao hexagonal e o Palmeiras fez 14 dos 18 pontos possíveis, ficando em segundo lugar e avançando facilmente.

Campeonato Paulista 1975

Nesta fase decisiva, no entanto, o time sentiu bastante a falta de Dudu, em evidente declínio físico, de Zeca, que se machucou no último jogo da fase de classificação, contra o SPFC, e principalmente do treinador Oswaldo Brandão, que assumiu a Seleção Brasileira a um jogo de começar o hexagonal.

O Verdão até começou bem a disputa, ganhando do Santos por 2 a 0, mas sob o comando de Valdir de Morais, não venceu mais nos quatro jogos restantes e acabou eliminado, já sem chances de se classificar com uma rodada de antecedência.

Em agosto começou o Brasileiro e o Palmeiras, já sob o comando de Dino Sani, trouxe reforços.

Chegaram o goleiro Bernardino, do Juventus; o volante Didi e o ponta Zuza, do América; o lateral Jorge Tabajara, que estava no Sport; e o atacante Itamar, que veio do SPFC.

Depois de duas partidas no Brasileiro o Palmeiras partiu rumo à Espanha, para buscar o tri do Ramón de Carranza. O primeiro jogo foi contra o Real Zaragoza e o Verdão venceu por 1 a 0, gol de Ademir.

A final foi contra o Real Madrid e o Verdão não deu chances: vitória categórica por 3 a 1, com gols de Edu, Leivinha e Itamar. A partida marcou as despedidas de Leivinha e Luís Pereira, que haviam sido negociados com o Atlético de Madrid.

Com desfalques desta envergadura, o Palmeiras voltou para a disputa do Brasileiro e patinou na Primeira Fase, mas fez o suficiente para avançar. Uma derrota para o Tiradentes no meio do caminho não pegou bem para Dino Sani.

Na Segunda Fase, mesmo com mais uma campanha medíocre (3 vitórias, 5 empates e 2 derrotas), o Verdão se classificou segurando um empate em Porto Alegre contra o Inter na rodada final, assegurando o quinto lugar no grupo. Como reforço, chegou Erb, do Guarani.

Na Terceira Fase o elenco já entendia o sistema do novo treinador e voltou a alcançar resultados. Com os 16 clubes classificados divididos em duas chaves, o objetivo era ficar entre os dois primeiros após sete jogos.

Campeonato Brasileiro 1975

Com cinco rodadas disputadas, o Palmeiras tinha 10 pontos ganhos e estava entre os classificados, mas perdeu o Derby na penúltima rodada, com um gol de pênalti aos 47 do segundo tempo. A infração só existiu aos olhos do juiz carioca Luiz Carlos Felix, que assim deixou a decisão da vaga para o último jogo, entre Fluminense e Palmeiras, no Maracanã.

O Fluminense tinha um time muito forte e fez uma grande partida. Virou o primeiro tempo vencendo por 2 a 0 – no segundo gol nossa defesa tentou marcar um impedimento no grito e parou na jogada que Paulo César Caju tocou para o gol vazio. O time carioca chegou a abrir 4 a 0 no início do segundo tempo, com dois golaços de Gil e Toninho; o Palmeiras reagiu com gols de Edu e Alfredo, mas acabou mesmo eliminado com a derrota.

Ao final do ano, o primeiro desde 1971 que o Palmeiras fechou sem erguer um campeonato, vários jogadores deixaram o clube, sendo Eurico o principal deles. Além do grande lateral direito da Academia, foram liberados o talismã Fedato, Jorge Tabajara, De Rosis, Edson Cegonha, Itamar e Mário.

Jogos no ano de 1975

Jogadores no ano de 1975