1999

Evair e RivarolaAs conquistas de 1998 reacenderam o desejo profundo pela conquista da Libertadores. A Copa do Brasil, levantada pela primeira vez, mais o título da Copa Mercosul, alcançado entre o Natal e o Ano Novo, deram ao elenco experiência internacional e cancha em mata-matas – fundamentais para a disputa da principal competição continental.

O calendário, muito mal coordenado entre Conmebol e CBF, era cruel – 27 dias depois de levantar a Mercosul, o Palmeiras era obrigado a voltar a campo para a disputa do Rio-São Paulo, que no primeiro semestre se espremia junto ao estadual, às rodadas iniciais da Libertadores e da Copa do Brasil.

Com vários titulares ainda em férias, o Palmeiras entrou em campo no final de janeiro com um mistão que envolvia vários reservas e os reforços para a temporada – para cobrir as saídas de Almir, Arílson, Darci e Magrão o elenco se reforçou, e muito bem: chegaram Jackson e Rivarola, além dos retornos de Euller, depois de uma temporada no Japão; do grande César Sampaio; e do mítico Evair, que estava de volta ao Verdão depois de quatro anos.

O Rio-São Paulo foi de fato usado com pré-temporada e o Palmeiras foi eliminado ainda na disputa da primeira fase – aqueles seis jogos não chegaram a cruzar com o início da Libertadores.

Vasco 2x4 Palmeiras - 1999O grupo envolvia, além do SCCP, os paraguaios do Olimpia e do Cerro Porteño. Depois de iniciar bem a competição, o Palmeiras acabou perdendo pontos importantes e chegou na última rodada precisando, ao menos, empatar com o Cerro, em casa. Essa sequência foi entremeada pelos primeiros jogos do estadual, quando aconteceu a lesão de Velloso que alçou Marcos ao posto de titular do time – o que perduraria pelos doze anos seguintes.

Cerca de 12 mil palmeirenses foram ao Palestra e viram o Cerro Porteño sair na frente, mas o Verdão, com gols de Júnior Baiano e Arce, virou o jogo e segurou a classificação. Na Copa do Brasil, o time avançava, usando o time misto para passar por São Raimundo e Gama, para ainda conseguir um bom empate fora de casa contra o Vitória, já pelas oitavas-de-final.

Em abril, o Palmeiras entrou no mata-mata da Libertadores e caiu na chave do campeão, o Vasco da Gama, e decidiria fora de casa. A situação não parecia nada promissora depois do empate em casa na partida de ida, por 1 a 1. Mas a partir do jogo da volta aquele time realmente engrenou e proporcionou grandes e inesquecíveis espetáculos.

No feriado de Tiradentes, o Verdão foi a São Januário e eliminou o Vasco com categóricos 4 a 2, numa noite infernal de Alex, que juntamente com Paulo Nunes e Arce trituraram o time cruzmaltino. Depois de avançar na Copa do Brasil ao vencer o Vitória em casa com o mistão, o Palmeiras se preparou para dois derbies de matar, no Morumbi, valendo pelas quartas-de-final da Libertadores.

MarcosO Palmeiras venceu o primeiro jogo por 2 a 0 e parecia ter encaminhado a vaga. Mas o SCCP tinha um time muito bom e conseguiu igualar as coisas devolvendo o placar na volta e levando a decisão para os pênaltis. Dinei errou, Marcos pegou a cobrança de Vampeta e o Palmeiras, na madrugada do dia 12 para 13 de maio, avançou às semifinais.

Implacável, o calendário mandou o time de volta a campo no Maracanã no dia 14, para jogar a ida das quartas-de-final da Copa do Brasil contra o Flamengo. O time segurava um 0 a 1 até que, perto do fim, o Flamengo fez o segundo gol, tornando a situação delicada. Mas Paulo Nunes marcou nos acréscimos, o que deu um novo alento ao time na competição, já que prevalecia a regra do gol qualificado e uma vitória por placar mínimo nos seria favorável na volta.

Antes disso, o Palmeiras tinha que jogar pelo estadual e depois ir à Argentina, enfrentar o River Plate. Numa terça à noite, dia 19 de maio, o continente conheceu São Marcos, que em noite fantástica impediu que o fortíssimo ataque dos argentinos abrisse uma vantagem muito larga no Monumental de Nuñez. O placar de 0 a 1 foi muito comemorado, mas não havia tempo: dois dias depois, o Verdão voltaria a campo para decidir a vaga nas semis da Copa do Brasil.

Um gol de Rodrigo Mendes com menos de um minuto obrigou o Palmeiras a buscar a vitória sobre o Flamengo por dois gols de diferença. Oséas só empatou aos 12 do segundo tempo, mas ainda havia tempo para dois gols. Mas Rodrigo Mendes, de novo, colocou os cariocas na frente aos 14. De novo eram necessários três gols, com pouco mais de meia hora pela frente.

Mas logo na saída, Júnior acertou um belo chute de longe e empatou o jogo de novo. Faltavam dois gols. E o Palmeiras pressionou, martelou. Felipão mandou a campo Evair e Euller, abrindo a defesa. E o milagre aconteceu com dois gols antológicos de Euller, os dois após os 40 do segundo tempo, com a bola viva dentro da pequena área sendo empurrada à força para dentro do gol rubro-negro. Um momento catártico em nossa História.

AlexCom o moral nas nuvens, o time vencia o esgotamento físico para receber o River no Palestra. Aos 18 minutos, o Verdão já vencia por 2 a 0 e obrigava os argentinos a mudarem o plano de jogo. Mas mesmo com craques do nível de Sorín, Pablo Aimar e Gallardo, o time de Ramón Diaz foi abatido por um gigante chamado Alex, que acabou com o jogo e conduziu o Palmeiras à final da Libertadores.

O mistão fazia o que podia. Pelas semifinais da Copa do Brasil, empate com o Botafogo (1 a 1) em casa. Pelo estadual, o time fazia o suficiente para seguir avançando até as semifinais, contra o Santos.

Eis que chegou o mês de junho e no dia 2 o Palmeiras foi a Cali, enfrentar o Deportivo. A derrota por 1 a 0 não fugia dos planos de Felipão, que tinha convicção no poder do time no Palestra, onde o título seria definido, duas semanas depois. O foco se voltou para o Paulista: no sábado e na terça seguintes, o Palmeiras passou pelo Santos. Na sexta, a missão era a Copa do Brasil e, com alguns reservas em campo, novo empate por 1 a 1 e a vaga foi para os pênaltis, quando o time da casa levou a melhor.

O foco seguia na Libertadores e o Palmeiras foi a campo no domingo, pelo primeiro jogo da final do estadual, num Derby, com um time completamente reserva – algo inimaginável alguns anos antes. E o time segurava um bravo 0 a 1 até os 45 do segundo tempo, quando Oscar Roberto Godoy deu um pênalti para o SCCP, convertido. E aos 50 minutos, após os 4 minutos de acréscimo prometidos pelo juiz, o adversário marcou o terceiro, complicando muito o jogo da volta.

Mas o que nos interessava era a Libertadores. E chegou o dia 16 de junho. O velho Palestra, forrado de bandeirinhas palmeirenses, virou um caldeirão ensurdecedor. O título inédito, que nos havia escapado duas vezes na década de 60, estava muito ao nosso alcance.

Final Libertadores 1999O Deportivo Cali, no entanto, mostrou por que chegou à final, jogando de forma muito fria e resistindo a nossos ataques. Depois de um primeiro tempo sem gols, o Palmeiras voltou resoluto para o segundo. Aos 12, Evair entrou no lugar de Arce, e foi com um gol de pênalti do Matador que o Palmeiras abriu o placar aos 18 minutos. Só que Júnior Baiano, afoito, fez um pênalti desnecessário cinco minutos depois, e Zapata empatou. O pensamento que passava por nossa cabeça era de que nunca conquistaríamos a Libertadores, que havia algum feitiço. O Palmeiras tinha 20 minutos para vencer o nervosismo e, ao menos, forçar a decisão nos pênaltis.

Nem precisou de tudo isso: aos 30, Júnior foi ao fundo e cruzou por baixo para Oséas recolocar o Palmeiras na frente. Com 15 minutos pela frente, no entanto, o Palmeiras tentou chegar à vitória sem correr mais riscos. Evair foi injustamente expulso e nos contentamos mesmo em decidir a taça nos pênaltis.

Zinho errou o primeiro. Frios, os colombianos iam marcando os seus, e o Palmeiras empatava – sempre com uma cobrança a mais. Na quarta cobrança, Bedoya tinha a chance de fazer 4 a 3, mas bateu na trave, após um leve desvio de Marcos – na volta, a bola passou raspando o corpo de nosso goleiro; se batesse nele, teria entrado no gol. E a igualdade estava de volta.

O quinto pênalti coube a Euller, que bateu com muita categoria, rasteirinho, no canto direito de Dudamel. Aí foi Zapata para a cobrança – ele, que havia convertido a cobrança no tempo normal. O Palestra gritava “fora, fora, fora!”, mas nada parecia abalar o colombiano. Eram apenas aparências: Zapata correu, bateu e a bola obedeceu à torcida, saindo à direita de Marcos, que saiu em correria comemorando o primeiro título da Libertadores do Palmeiras. Uma noite gloriosa, um capítulo de ouro em nossa História.

César Sampaio LibertadoresNa sequência, ainda havia a decisão do estadual, e com força máxima o Palmeiras tentou reverter os 0 a 3 do jogo anterior. Vencia por 2 a 1, mesmo com um a menos (Cléber foi expulso por Paulo César de Oliveira), e o jogo estava aberto. Aos 28 do segundo tempo, Edílson empatou. Os jogadores do SCCP ainda estavam machucados pela eliminação na Libertadores, principalmente ao ver pela TV nossa conquista, e pelo fato de termos mandado reservas para o primeiro jogo. Aí Edílson, mostrando todo seu caráter, resolveu fazer embaixadinhas com a bola em jogo para tripudiar do clube que o fez ser alguém no futebol.

O time do Palmeiras não aceitou a cafajestagem e um grande quebra-pau aconteceu em campo. Os jogadores do SCCP tiveram que fugir e comemoraram o título no vestiário, já que a partida foi declarada encerrada. Enquanto isso, no campo, Paulo Nunes declarava em entrevista: “A Libertadores é nossa, eles que fiquem com o Paulistinha”.

ZinhoO objetivo passou a ser o Mundial, contra o campeão europeu, o Manchester United. Com 22 clubes, turno único e mata-mata com os oito primeiros, o Brasileirão foi disputado pelo Palmeiras como mero preparatório. O elenco foi reforçado com Asprilla e Zé Maria e também disputava o bi da Mercosul.

Num grupo com River Plate, Racing e Cruzeiro, o campeão da América avançou com grandes goleadas; no Brasileiro, o mistão seguia no meio da tabela – quando jogava com o time titular, triturava os adversários, como as vitórias por 6 a 0 sobre Grêmio e Botafogo.

No mata-mata das quartas, novo confronto contra o Cruzeiro e uma avalanche de 7 a 3 no Palestra praticamente definiu a vaga. Nas semifinais, o avanço seria à la Libertadores: derrota por 1 a 0 para o San Lorenzo em Buenos Aires. Até que o time embarcou para o Japão.

Paulo NunesO duelo contra o Manchester foi uma grande pena. O Palmeiras jogou muito melhor que o time inglês e foi roubado pela arbitragem, que anulou um gol legal de Alex. Marcos, justo Marcos, falhou e Roy Keane fez o gol que deu o título ao time vermelho. Os atletas do Manchester reconhecem em entrevistas, até os dias atuais, a superioridade do Palmeiras naquele jogo. Uma derrota realmente dolorida.

A vida seguiu e o Palmeiras avançou às finais da Mercosul ao reverter o placar da ida com um categórico 3 a 0 sobre o San Lorenzo. As finais foram jogadas nos dias 16 e 20 de dezembro. Na ida, no Maracanã, o Palmeiras chegou a estar vencendo por 3 a 2, mas o Flamengo virou no final e trouxe o 4 a 3 para o Palestra.

O cansaço falou mais alto. De novo o Palmeiras chegou a ter o 3 a 2 no placar, mas o Flamengo encaixou um contra-ataque aos 38 do segundo tempo e chegou ao empate, que segurou até o fim. O Palmeiras perdeu dois campeonatos em dezembro, mas encerrou a temporada de 1999, após inacreditáveis 88 jogos, com o inédito título da Libertadores.

Jogos no ano de 1999

Jogadores no ano de 1999