2013

RondinellyO Palmeiras iniciou o ano em meio a um turbilhão. A nova arena seguia em obras e o time perambulava por mais de dois anos por estádios como o Canindé, Arena Barueri e Fonte Luminosa, em vez de se fixar em sua segunda casa, o Pacaembu. A diretoria recém-eleita, encabeçada por Paulo Nobre, encontrou um clube rebaixado e em situação pré-falimentar. O acordo com Riquelme, feito de forma irresponsável pela diretoria anterior, não foi oficializado por absoluta impossibilidade financeira. O elenco profissional tinha apenas 18 jogadores e não era possível nem recorrer à base, já que os meninos chegavam à idade profissional muito mal desenvolvidos.

A saída imaginada pelo diretor José Carlos Brunoro passou então por uma troca: o argentino Hernán Barcos foi para o Grêmio, em troca de números: cinco jogadores dentro de uma cesta estavam liberados para o Palmeiras escolher. Vieram o zagueiro Vilson, o volante Léo Gago, o meia Rondinelly, o atacante Leandro e mais um atleta, que deveria ser Marcelo Moreno, mas o boliviano se recusou a vir e o quinto jogador jamais chegou à Academia de Futebol.

A diretoria ainda foi atrás de mais reforços dentro da realidade econômica, entre eles, o lateral/volante Marcelo Oliveira e o volante Charles. Assim, o Palmeiras se preparava para um ano muito estranho: disputaria o estadual e a Libertadores no primeiro semestre; e o Brasileiro B e a Copa do Brasil no segundo semestre, enquanto se reorganizava financeira e administrativamente nos bastidores. O Pacaembu foi finalmente estabelecido como casa do clube até o final das obras da nova arena.

A campanha na primeira fase do Paulista foi razoável, mas acabou marcada por um vexame histórico: o time foi goleado por 6 a 2 pelo Mirassol, abalando algumas estruturas do time, que suava para passar à segunda fase da Libertadores contra Sporting Cristal-PER, Libertad-PAR e Tigre-ARG. Após o sexto lugar na fase preliminar do estadual, o time se classificou para enfrentar o Santos, terceiro, e também passou de fase na Libertadores, onde enfrentaria o Tijuana-MEX.

Foi quando a torcida acordou do sonho: em jogo único na Vila Belmiro, o Palmeiras buscou o empate no finalzinho com um gol de Kleber Displicente, mas o time falhou na disputa por pênaltis e acabou eliminado do estadual. Na Libertadores, após um ótimo empate no México, o time acabou derrotado no Pacaembu com um gol de Riascos, num frangaço de Bruno, que caiu em desgraça no clube. Restava apenas a realidade da Série B e a loteria da Copa do Brasil, já num novo formato, voltando a ter os clubes que disputavam a Libertadores.

O clube encontrou recursos para uma primeira leva de reforços no meio da temporada: o centroavante Alan Kardec, o ponta Ananias, o volante uruguaio Eguren e o meia paraguaio Mendieta – os dois últimos, destaques do Libertad na Libertadores. Gilson Kleina seguiu prestigiado. E a campanha na Série B começou sem maiores sustos, com o time assumindo a ponta da competição e abrindo vantagem facilmente. Valdivia, que seguia com seus problemas musculares, não fez falta.

Já na Copa do Brasil, apesar da vitória na ida por 1 a 0 no Pacaembu, o time foi dominado pelo Atlético-PR logo nas oitavas-de-final (o Verdão entrou direto na chave final como campeão do ano anterior) e, após uma inapelável derrota por 3 a 0, foi eliminado. Restou apenas sacramentar a volta à Série A em 2014, o que foi conseguido com algumas rodadas de antecedência, sem comemoração e com muita dignidade. Mas ainda havia muito trabalho a ser feito.

Jogos no ano de 2013

Jogadores no ano de 2013