Abel Ferreira diz que ataque palmeirense ainda pode melhorar

Abel Ferreira concede entrevista coletiva após partida pela Libertadores
Reprodução

Críticas recebidas pelo grupo esta semana também foram comentadas por Abel Ferreira

O Palmeiras encerrou sua participação na fase de grupos da Libertadores com uma grande exibição e venceu o Universitário, do Peru, por 6 a 0. Já classificado para as oitavas-de-final e garantido como primeiro de seu grupo, o Verdão foi a campo com uma equipe alternativa.

Em entrevista coletiva após a partida, o técnico Abel Ferreira fez uma avaliação do jogo da equipe e declarou que a partida ficou mais tranquila com um mais em campo.

“A equipe sabe perfeitamente o que fazer dentro de campo, quais são as dinâmicas. Não sou um comandante de sistemas, o importante é que os atletas entendam o que eles têm que fazer. Ainda hoje, nós começamos com uma linha de três, depois da expulsão passamos para uma com quatro. É isto que eu gosto de ver, um time com ideias e que os jogadores são os protagonistas”, analisou.

“Não podemos esconder que jogar contra 10 é mais fácil do que 11. Não temos muito tempo para treinar, fazemos muito trabalhos específicos com os jogadores, além de analisar vídeos e falar bastante com os jogadores para eles entenderem. [O jogo] foi bom para nós termos a dinâmica ofensiva, pois não temos tempo para treinar e fazer isso em jogo é ainda melhor”, concluiu.

Segundo melhor time na classificação geral entre os times que avançaram de fase, o Palmeiras terminou a primeira parte da Libertadores também com o melhor ataque da competição, com 20 gols marcados em seis jogos. Apesar de demonstrar satisfação com os ótimos números, o comandante alviverde falou que o setor ofensivo ainda pode evoluir.

“O processo mais difícil quando se treina uma equipe é o ofensivo. Mas desde que cheguei ao clube os jogadores estão com a mente aberta para ouvir as ideias da comissão técnica. Fico muito contente com o empenho deles”, falou.

“Há espaço para melhorar, isso está claro para todos. Temos um time composto por muitos jovens e eles vão ganhando casca com as vitórias e as derrotas. Mas a verdade é que estar nas finais, ter estas experiências, dá cancha para os jogadores. O que fica para mim, que sou o líder deste grupo, é dizer quais são os caminhos, o foco e onde está nossa atenção”, acrescentou.

Abel Ferreira pondera as críticas recebidas após insucesso no estadual

Por fim, o treinador palmeirense teceu comentários sobre as críticas feitas ao time e ao seu trabalho, após a perda do título paulista, no último domingo:

“Quando cheguei aqui, fui claro em dizer que não cruzei o Atlântico para passar férias. O futebol para mim é muito simples: é preciso ter um vilão e um herói. Sempre há um derrotado e um vencedor. Quando tu ganhas, vão te elogiar; quando perdes, virão críticas. Estou há muito tempo nisso e sei como isso funciona dentro e fora de campo. Minha filosofia de trabalhar com os jogadores tem muito a ver com o lado humano, equilíbrio, foco e intensidade”, ponderou.

“Às vezes somos criticados por não fazer gols, outras vezes somos elogiados por ser o melhor ataque da Libertadores. Temos que dar sempre o melhor de nós. Quando fazemos isso, chegamos em casa e dormimos com a consciência tranquila”, finalizou.

O Verdão volta a pensar em Libertadores apenas em julho, quando começa a disputa das oitavas-de-final. O foco do alviverde se volta para o Brasileirão, já que no domingo, às 16h, a equipe estreia na competição nacional diante do Flamengo, no Maracanã. A preparação para a partida terá início na manhã desta sexta-feira, com treino marcado para as 10h.