Abel Ferreira diz que não existem titulares no Palmeiras e volta a criticar o calendário brasileiro

Treinador afirmou também que não há nenhuma negociação do Verdão com o atacante Diego Costa

Abel Ferreira
Reprodução

Mesmo jogando com um time alternativo, o Palmeiras venceu com facilidade o Fortaleza, na noite deste domingo, por 3 a 0. Após a partida, o técnico Abel Ferreira concedeu entrevista coletiva e reforçou a ideia de que não existem titulares no grupo.

“Já disse várias vezes; (para) quem não ouviu eu vou voltar a repetir: nós não temos titulares. O titular é a equipe. E a prova disse é que o time responde bem mesmo trocando um, três, cinco ou dez jogadores. Procuramos sempre fazer o melhor. Também já disse a vocês que não temos tempo para treinar, infelizmente é cultural. Tivemos uma viagem longa e tínhamos que chegar aqui e trocar a equipe como sempre fizemos. Portanto, volto a reforçar que não temos titulares. Todos são importantes e ninguém é insubstituível, nem eu. Todos somos um. Fizemos uma boa partida, muito consistente, com dinâmica e largura. Então, todos os jogadores estão de parabéns”, ressaltou.

Abel comentou também sobre as críticas que o time recebeu pelo baixo desempenho no Catar. Para ele, nestas horas é importante que todos do clube estejam alinhados aos objetivos traçados.

“Quando fiz a minha apresentação, para aqueles que não tem capacidade de ler entrelinhas, fui muito claro. O futebol é muito simples, as regras são claras para os clubes, jogadores e treinadores. E para mim, o segredo de um campeão é aquele que tem a capacidade de hoje ser capa de jornal, e amanhã ser criticado. É saber o que quer, aonde quer chegar e, sobretudo, o caminho que quer percorrer. Portanto, mesmo com críticas e elogios, eu e os jogadores encaramos da mesma maneira. Sabemos que temos muito a aprender. Logicamente que a parte mental é algo que eu particularmente gosto, invisto muito do meu tempo nisto e acredito que isso é o nos faz cada vez mais forte. E em um país como este, que hoje é 8 e amanhã é 80, todos nós, dirigentes, treinadores e jogadores, temos que entender que só dependemos do nosso trabalho”, falou.

Além disso, o português voltou a criticar o calendário brasileiro. Antes de enfrentar o Grêmio pela final da Copa do Brasil, o Palmeiras enfrentará uma maratona de jogos. O Verdão ainda encara mais 4 partidas em 10 dias.

“Por isso que digo que estes jogadores são guerreiros. É sobre-humano este calendário. Já ouvi alguém dizer que o calendário estava feito para o Palmeiras não lutar pelo campeonato, e (…) em determinada altura, quando eu acreditava que era possível chegar o título, (percebi que) da forma que o calendário foi feito isso era impossível. O Palmeiras, acho, é a equipe com mais jogos. Eu gostaria que o presidente da CBF pudesse dizer tudo aquilo que o presidente da FIFA lhe disse. Quem manda no futebol brasileiro tem que ter coragem. Há decisões que se tem que tomar, e entender que é impossível preparar um mundial com essa densidade.”

Por fim, o comandante palmeirense comentou sobre as especulações envolvendo o atacante Diego Costa e o Palmeiras.

“Eu já percebi que qualquer jogador que se fala, é pro Palmeiras que vai. (…) Mas garanto que não há negociação nenhuma (com o Diego Costa). (…) Reparei que o Palmeiras acaba sendo uma promoção, muitas vezes dos agentes dos jogadores”, reforçou.

  • Retrospecto do árbitro em nossos jogos é ótimo, levando em conta que vencemos o primeiro jogo por 1×0. Estive naquele 4×0 contra o Atl-PR que abriu a caminhada para o enea!