Abel mantém discurso de continuar com força máxima no Brasileirão

Treinador comentou também sobre a atuação palmeirense

Abel Ferreira
Reprodução

Após sofrer sua terceira derrota no Campeonato Brasileiro, o treinador Abel Ferreira concedeu entrevista coletiva no estádio Mané Garrincha.

A nove dias de disputar a final da Libertadores e com dois jogos de Brasileirão no meio do caminho, o técnico palmeirense disse que não pretende deixar o campeonato nacional de lado e manteve o discurso de utilizar força máxima.

“Vamos fazer como fizemos até agora. Gestão de energia e jogar na máxima força todos os jogos, essa é nossa filosofia. Para mim, como treinador, tem sido um trabalho tremendo porque temos que gerir não só o resultado, como o tempo de jogo dos atletas. Temos vários jogadores lesionados, o que é fruto da intensidade e da quantidade de jogos, e isso me obriga a pensar nas substituições que tenho que fazer e a pensar no tempo de jogo, porque não há outra forma de, com um plantel tão reduzido, conseguir ter os jogadores frescos para nos dar a melhor resposta a cada partida”, falou.

Mesmo repetindo dez jogadores da escalação do jogo anterior, o time não conseguiu repetir a boa atuação. Foram muitos passes errados e bolas rifadas. Questionado sobre as dificuldades da equipe no jogo, Abel respondeu:

“Quando o time adversário faz isso (marcação alta) de forma organizada, nos obriga muitas vezes utilizar a bola longa, porque não vamos construir na frente da área, com o risco de nos colocar em perigo. Muito por culpa da pressão do nosso adversário e porque deveríamos ter posto nossas meias a jogar com uma movimentação que corrigimos no intervalo. Pressão e culpa do nosso adversário”

Ao final, Abel ainda respondeu se a derrota de hoje pode ensinar alguma lição para o jogo do dia 30.

Vou repetir o que falei na última entrevista e se precisar repetirei mais vezes: cada jogo tem uma história. Se amanhã jogássemos contra o Flamengo novamente, o jogo seria totalmente diferente. Não sou eu que digo, é a experiência que me diz. Em algumas vezes ganhamos, em outras aprendemos, e vamos continuar a fazer isso. Hoje, utilizamos todos os recursos que poderíamos, tanto nos jogadores que começaram jogando, quanto nos que saíram do banco. Os rapazes deram o melhor de si, e é isso que interessa. Temos que sofrer porque não queremos perder”, finalizou.

O resultado negativo tirou a chance do Palmeiras de encostar ainda mais na liderança. A equipe está a oito pontos de distância para o Internacional, com um jogo a mais por fazer. Contudo, os comandados por Abel Ferreira não têm muito tempo para se lamentar, já que no domingo (21), o Verdão já tem mais um desafio: o Ceará, às 16h, na Arena Castelão.

  • Sou igual você Conrado. Também não encho o saco de ninguém. E não deixo ninguém me encher.