Felipão elogia estreia de Arthur Cabral

O técnico Luiz Felipe Scolari concedeu entrevista coletiva após o empate com o Novorizontino, partida na qual foram registradas mais polêmicas acerca da arbitragem — desta vez com direito a VAR. Evitando declarações a respeito dos problemas, até para evitar punições, as tônicas da entrevista foram a estreia de Arthur Cabral, as mudanças táticas e o baixo desempenho no primeiro tempo.

Estreia de Arthur Cabral com gol decisivo

O jovem centroavante atuou pela primeira vez no elenco profissional do Palmeiras, substituindo Borja no intervalo de jogo, e soube aproveitar a oportunidade ao marcar um gol característico de quem entende da posição. Diante do fato, Felipão ressaltou a vantagem em ter um atleta com o perfil de Arthur no plantel.

“Tenho tantas opções. Quando temos quatro competições a disputar, temos de ter esse tipo de atleta: jovem e promissor. Ele recebeu a oportunidade, fez seu gol e trabalhou para isso. Vai continuar trabalhando e buscar alternativas para melhorar”, destacou.

Desempenho abaixo da média no primeiro tempo

Segundo o treinador, o Palmeiras não apresentou um futebol com as características idealizadas pela comissão técnica, como o jogo veloz e dinâmico. Complementando, Felipão evidenciou a sua insatisfação em relação às últimas apresentações da equipe.

“Não sei se é a nossa logística errada, mas alguma coisa não foi bem nesses últimos três jogos. Alguma coisa tenho que procurar, dentro do meu conhecimento, para que isso não aconteça.”

Substituições que solucionaram o problema

Perante a atuação fraca já mencionada e com 1 a 0 no placar que favorecia o Novorizontino, Scolari fez duas mudanças imediatas na entrada para o segundo tempo, tirando de campo Gustavo Scarpa e Miguel Borja, que deram lugar a Felipe Pires e Arthur Cabral, respectivamente.

“No segundo tempo melhoramos bastante. Quando recebíamos a bola, tentávamos a jogada individual, e era o que tínhamos de fazer. No primeiro tempo, mesmo tentando alguma coisa, não saiu nada que prestasse. Mas, no geral, estou satisfeito. Sabíamos que a gente teria dificuldade, pois a equipe deles tem jogado bem em sua casa”, disse.

Pensando no segundo jogo, o comandante do alviverde considerou o nível do gramado que permitirá ao Palmeiras tocar a bola com mais rapidez e evidenciou, também, que Bruno Henrique sofreu uma pequena lesão que pode tirá-lo da partida — a qual acontece na próxima terça-feira, às 21h, no Pacaembu.

  • Sou igual você Conrado. Também não encho o saco de ninguém. E não deixo ninguém me encher.