Felipão: “Goulart não vai jogar de centroavante”

A coletiva de Luiz Felipe Scolari após a vitória do Palmeiras sobre o Ituano, no Allianz Parque, foi marcada pelos questionamentos direcionados ao sistema defensivo, cuja solidez dos jogos anteriores não se manifestou — foram dois gols do adversário — e pela notável atuação de Ricardo Goulart, autor de dois gols e uma assistência que ajudou a quebrar o jejum de gols do colombiano Borja. Abaixo, os trechos em destaque da entrevista.

Eficiência de Ricardo Goulart

As incisivas participações de Goulart nos três gols do Palmeiras não foi uma surpresa para Felipão, até pelo tempo que trabalharam juntos na China. De acordo com o técnico, as características do atleta sugerem que ele tenha mais liberdade em campo.

“O Goulart é um meia-atacante, joga atrás do centroavante, não é um jogador de participação defensiva, mas ofensiva, então a gente o libera para isso”, destacou.

Quanto à variação de funções do camisa 11 nos jogos, o treinador adiantou que não pretende colocá-lo como centroavante, pois o Deyverson voltará a ser relacionado em breve. A preferência é evitar adaptações.

Postura do adversário e queda no desempenho palmeirense

“A equipe do Ituano tem um dos melhores ataques do campeonato, com jogadores muito rápidos e que trabalham bem a bola”, disse o treinador.

Contudo, Felipão admite que o Palmeiras perdeu o controle do jogo durante a segunda etapa e caiu de desempenho fisicamente, detalhe que preocupa para a estreia da equipe na Libertadores, na Colômbia, contra o Junior de Barranquilla.

“Vamos conversar sobre um trabalho que precisamos fazer na parte física, pois alguma coisa tem acontecido aí que não estou satisfeito, não. Vamos cobrar nessa semana que nos falta para chegar lá [na Colômbia] e fazer um bom jogo”, completou.

Performances de Borja e Carlos Eduardo

“[o Borja] É um dos três centroavantes que eu tenho. Não me preocupo se a torcida reclama dele no primeiro tempo, pois é do tipo de jogador que erra um gol e acerta outro no momento seguinte”, disse Felipão.

“Tenho que me preocupar se o jogador está dando o máximo de si para a equipe, e o Borja estava fazendo isso, conseguiu fazer o gol. O Borja vem trabalhando bem, então a gente não tem o que cobrar dele” completou, exaltando o centroavante.

Quanto ao Carlos Eduardo, Scolari foi enfático quanto à torcida aprovar ou não a escalação do atacante ex-Goiás: ele não se importa. Segundo o próprio, um aspecto não tolerável é a falta de personalidade, o que, em tese, o jogador não demonstra nos treinamentos.

Zé Rafael e mais uma cobrança da torcida

Para Felipão, Zé Rafael só não tem entrado porque em sua avaliação está encaixado numa posição não muito favorável neste início de temporada.

“[Zé Rafael] tem jogado pouco porque na posição onde eu entendo que ele joga, que é pelo lado esquerdo, tem o Dudu. Ele tem treinado normalmente, faz o seu trabalho e espera uma chance”

Para assistir à entrevista na íntegra, confira, abaixo, o vídeo disponibilizado pelo canal TV Palmeiras/FAM no Youtube: