Felipe Melo fala sobre o primeiro desafio na Libertadores

O meio-campista Felipe Melo deu entrevista coletiva na Academia de Futebol na tarde desta sexta-feira. O reencontro com o Junior Barranquilla, rival na primeira fase da edição passada da Libertadores, norteou boa parte dos questionamentos. Felipe Melo entende que a última campanha, embora tenha ensinado lições importantes, é algo que ficou para trás.

“Cada competição que se inicia é uma nova história. Fizemos uma boa campanha, mas não o suficiente para atingir o objetivo de ganhar o campeonato. O que a gente tira de lição do ano passado é que cinco minutos podem estragar uma bela história que foi escrita.”

Expectativas em relação aos colombianos

Para explicar como avalia a qualidade da equipe do Junior Barranquilla, o volante palmeirense usou o jogo entre Barcelona e Real Madrid, cujo placar foi 3 a 0 para o time do Messi, como objeto de comparação ao que constatou dos colombianos em 2018.

“Bom, alguém de vocês viu o jogo do Real Madrid com o Barcelona? Na minha opinião, o primeiro tempo poderia acabar facilmente em 2 a 0 para o Real, fácil. Mas o jogo acabou em 3 a 0 para o Barcelona e as pessoas falam que foi um chocolate”, disse o camisa 30.

“Foi o que aconteceu conosco nos 10 primeiros minutos contra o Junior. Eles tiveram duas grandes oportunidades no início de jogo, um time que toca muito bem a bola, mas a expulsão fez com que o Palmeiras tomasse conta do jogo e vencesse”, completou. Felipe ainda pontuou que o adversário tentará jogar à base de toque de bola, aspecto marcante do futebol colombiano, e imporá dificuldades ao Palmeiras.

Comportamento do Palmeiras em jogos fora de casa

Na edição passada da Libertadores, o Palmeiras se mostrou um visitante indigesto, tendo conseguido os maiores triunfos em partidas fora de casa. Em relação a isso, o jogador credita o bom retrospecto ao comportamento da equipe, cuja característica é tomar a iniciativa diante de qualquer adversário.

“Vou falar o que o Palmeiras fez de errado: cinco minutos de desatenção na Bombonera que nos tiraram da final da Libertadores. De resto, o Palmeiras jogou como time grande, sem se amedrontar, tomando iniciativa e se defendendo na hora certa.”, ponderou o experiente meio-campista.

Abaixo, a entrevista na íntegra disponibilizada pela TV Palmeiras/FAM, no Youtube:

  • Sou igual você Conrado. Também não encho o saco de ninguém. E não deixo ninguém me encher.