Palmeiras tem pior início de returno no Brasileirão da sua História

Renan e Kuscevic observam Jailson, em jogo do Palmeiras contra o Red Bull Bragantino durante partida válida pela vigésima quinta rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Com apenas 1 vitória conquistada nos últimos 6 jogos, Palmeiras é lanterna do returno no Brasileirão

Após uma ótima campanha no primeiro turno do Campeonato Brasileiro, quando conquistou 35 pontos em 18 jogos (a partida contra o Ceará, válida pela 19ª rodada, foi adiada e acontecerá no próximo dia 20), o Palmeiras vem tendo dificuldades de repetir o desempenho no segundo.

Com a derrota para o Red Bull Bragantino no último sábado por 4 a 2, o Verdão igualou seu pior início de returno em Campeonatos Brasileiros. Em seis jogos disputados até o momento, são quatro derrotas, um empate e, apenas, uma vitória, o que representa um aproveitamento de 22%.

Nas 16 edições da Série A disputadas anteriormente, a equipe só obteve um aproveitamento de pontos tão baixo em 2012, quando acabou rebaixado.

“Tenho que ser realista. Nesse momento o Palmeiras não está forte. Estamos em um mau momento e temos que assumir. Temos muitos jogos ainda, mas temos que lembrar que temos um jogo dia 27 de novembro [final da Libertadores] e são os jogos do Brasileirão que vão nos preparar para lá. Apesar das ausências vamos trabalhar para fazer mais e melhor”, comentou Abel Ferreira em entrevista coletiva.

A fim de comparação, nos anos em que o Verdão terminou abaixo do 10º colocado (2006, 2011 e 2014), o aproveitamento no início do returno foi de: 28%, 33% e 39%, respectivamente. Já em 2010, quando terminou o Brasileirão em décimo, a equipe obteve 61% dos pontos neste recorte.

Confira a campanha do Palmeiras em 2006, 2010, 2011 e 2014:

  • 2006: 1 vitória, 2 empates e 3 derrotas;
  • 2010: 3 vitórias, 2 empates e 1 derrota;
  • 2011: 1 vitória, 3 empates e 2 derrotas;
  • 2014: 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas.

Má fase deixa o Palmeiras em último colocado da tabela no segundo turno

Os maus resultados fazem com que o Palmeiras seja, na tabela de classificação no segundo turno do Brasileirão de 2021, o último colocado. Equipes como Chapecoense e Bahia, que hoje estão na zona de rebaixamento, conquistaram um ponto a mais que o Verdão.

Para começar a mudar o cenário e retornar ao caminho das vitórias, o Palmeiras enfrentará, na noite desta terça-feira, o Bahia, em Salvador. Atuando como visitante, o Verdão não perde para o Bahia desde 1988.

Para chegar à meta estipulada por Abel, Palmeiras terá que superar 90% de aproveitamento nos jogos restantes

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o América-MG, durante partida válida pela vigésima quarta rodada Brasileirão 2021, no estádio Independência.
Cesar Greco

Na arrancada do Palmeiras de Felipão no Brasileirão, campanha foi de 83%

O técnico Abel Ferreira, em entrevista antes do jogo do Palmeiras contra o América-MG, revelou que a meta de pontos estipulada pela comissão técnica para o Campeonato Brasileiro era de 80 pontos.

Para isso acontecer, a equipe precisará ter um aproveitamento espetacular de 91,1% dos pontos nas próximas 15 rodadas e conquistar 41 dos 45 pontos que ainda estão em jogo.

Isso significa que o Palmeiras tem o “direito” de perder apenas mais uma vez no campeonato e vencer 14 jogos, ou então empatar duas e ganhar 13 partidas.

Nas últimas duas vezes que conquistou o Brasileirão (2016 e 2018), o Verdão bateu 80 pontos ao final das 38 rodadas. Vale ressaltar que a pontuação é apenas uma referência e não traz nenhuma garantia de título.

Na arrancada até o decacampeonato, campanha do Palmeiras de Felipão foi de 83%

Alcançar a meta de Abel significaria ao Palmeiras uma campanha superior à que a equipe conseguiu com Luiz Felipe Scolari em 2018.

Para chegar ao decacampeonato, o Verdão ficou 23 jogos invicto, com 17 vitórias e seis empates – o que representa um aproveitamento de 83% dos pontos.

Campanha do Palmeiras nos últimos 10 jogos é de Z4

Depois de ficar 14 jogos sem perder na competição, o Palmeiras caiu de rendimento e isso refletiu no aproveitamento da equipe nos últimos dez jogos. Com duas vitórias, dois empates e seis derrotas, o Verdão obteve apenas 27% dos pontos neste recorte, número que só é melhor que a do Bahia, que conseguiu 17%. O Sport, penúltimo colocado, somou 30%.

Para começar a caminhada em busca dos 80 pontos, o Palmeiras terá pela frente o Red Bull Bragantino, atual sexto colocado, amanhã à noite no Allianz Parque. Além da sequência ruim, os outros problemas para a comissão técnica são os desfalques importantes.

Dos 15 jogadores que atuaram contra o Atlético-MG, no jogo em que o Verdão conquistou a vaga para a final da Libertadores, só sete estão em condições de jogo (Luan, Renan, Raphael Veiga, Rony, Gabriel Veron, Wesley e Dudu); dois são dúvidas (Danilo e Zé Rafael) e o restante está fora (Weverton, Gustavo Gómez, Piquerez, Felipe Melo, Gabriel Menino e Marcos Rocha).

Palmeiras encerra preparação; Marcos Rocha segue em recuperação

Elenco do Palmeiras durante treinamento, na Academia de Futebol; Marcos Rocha segue de fora em recuperação de lesão.
Cesar Greco

Recuperando-se de uma lesão muscular, Marcos Rocha deu sequência a seu cronograma de tratamento

O elenco do Palmeiras realizou na manhã deste sábado, na Academia de Futebol, o último treino antes de enfrentar o Juventude, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. O duelo frente à equipe gaúcha acontecerá amanhã, às 18h15, no Allianz Parque.

Com quase todo o elenco à disposição, a comissão técnica comandou atividades táticas com o grupo separado em dois times, sendo um deles a provável formação titular. Foram aperfeiçoadas as transições, construções de jogadas e outros fundamentos. Além disso, algumas situações específicas de jogo foram ensaiadas.

“Passada essa classificação para a final, que era o nosso objetivo, temos o Campeonato Brasileiro pela frente, uma competição que também almejamos muito. A gente tem que ‘virar a chave’, amanhã temos um jogo importante contra o Juventude e precisamos dos três pontos para não nos distanciarmos do líder. O Brasileirão é uma competição complicada e não podemos desperdiçar os pontos em casa”, projetou o atacante Rony, à TV Palmeiras/FAM.

Na parte final do treino, o elenco disputou um ‘rachão’. Ao todo, as movimentações duraram cerca de uma hora e meia.

Marcos Rocha segue cronograma de recuperação

Jogadores do Palmeiras durante treino na Academia de Futebol; Marcos Rocha segue de fora em recuperação de lesão.
Cesar Greco

Com uma lesão muscular na coxa direita, o lateral Marcos Rocha seguiu de fora do treino. O camisa 2 trabalhou apenas na parte interna do Centro de Excelência ao lado dos profissionais do Núcleo de Saúde e Performance.

Assim como Rocha, o Palmeiras não terá para o jogo contra o Juventude os laterais Mayke, recuperando-se de uma artroscopia no joelho direito, e Victor Luis, com dores na coxa. O meio-campista Patrick de Paula, suspenso por três cartões amarelos, também será desfalque.

O Verdão é o segundo colocado do Brasileirão com 38 pontos. No primeiro turno, as duas equipes se enfrentaram no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, e o Palmeiras venceu por 3 a 0, com gols de William Matheus (contra), Deyverson e Breno Lopes.

Abel lamenta falta de agressividade do Palmeiras em derrota no Derby

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o SCCP, válido pela vigésima primeira rodada do Brasileirão 2021, no Itaquerão.
Cesar Greco

Abel também projetou o duelo contra o Atlético-MG e destacou que trabalhará o psicológico dos atletas

O Palmeiras encarou o SCCP na noite deste sábado, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro, e saiu derrotado de Itaquera por 2 a 1 – Gabriel Menino, aos 46 minutos do primeiro tempo, foi o autor do único gol palmeirense.

Em entrevista coletiva após o jogo, o técnico Abel Ferreira fez uma análise do duelo e apontou a falta de agressividade da equipe como um dos principais fatores para a derrota.

“O SCCP é uma equipe que espera mais e sai em transição. Nós conseguimos chegar aos corredores e sair bem de trás. Conseguimos também criar oportunidades mesmo com o adversário defendendo em bloco baixo. O primeiro tempo foi muito equilibrado, mas sofremos um gol em um lance que faltou agressividade e isso não pode faltar em um Derby. Nós temos que ganhar as divididas e não podemos sofrer um gol dessa maneira. Mas a equipe manteve a serenidade e continuou impondo seu jogo e alcançamos o empate com toda a justiça”, avaliou.

“Na segunda parte, antes de levarmos o gol nós tivemos quatro boas oportunidades e o futebol é isso: quem não faz é penalizado. Então não adianta dizermos que jogamos bem e arrematamos bem mais que o nosso adversário (16 contra 8), porque no final eles ganharam e o jogo foi resolvido através de uma ação individual de um jogador”, acrescentou.

O primeiro gol do rival, comentado pelo técnico, aconteceu depois que Luan e Patrick de Paula perderam divididas com Renato Augusto no início da jogada.

“Nós precisaremos rever e mostrar aos jogadores, principalmente a um atleta em particular, a jogada do primeiro gol que sofremos. Agressividade e experiência competitiva ganhamos apenas jogando. Temos uma regra que, após a perda de bola, temos que fazer falta e ser combativos. Isso é muito claro para os nossos jogadores”, comentou.

Apesar da derrota complicar um pouco mais as chances de título no Brasileiro, o comandante afirmou que o campeonato ainda está aberto e avisou: “eu não joguei a toalha”. 

Abel fala sobre o jogo contra o Atlético-MG, na terça-feira

O Palmeiras volta as atenções para a Copa Libertadores, quando enfrentará na próxima terça-feira o Atlético-MG pelo segundo jogo da semifinal. Após empatar o jogo de ida em 0 a 0, o Verdão joga por outra igualdade, desde que com gols, para tentar chegar à final.

Para Abel Ferreira, além dos trabalhos técnicos e táticos, os próximos dias serão importantes para trabalhar a parte mental dos jogadores.

“No próximo jogo estaremos prontos, concentrados. As regras das 24 horas servem tanto para vitórias quanto para as derrotas. O jogador brasileiro tem muita qualidade técnica e é bom fisicamente, mas ainda é preciso melhorar a parte mental. Estamos trabalhando nisso, o clube nos dá condições. Há diversos jogadores e treinadores que são ótimos, mas o que faz a diferença é o psicológico. O quanto é focado, concentrado e competitivo. Competir é tudo. Vai ser um jogo que decide quem vai à final da Libertadores. Jogaremos contra uma equipe ‘cascuda’ e que fez investimentos, mas nós temos as nossas armas e daremos o nosso melhor”, finalizou.

O duelo contra o Atlético será disputado no Mineirão, às 21h30 da próxima terça-feira. 

Brasileirão 2021: planejamento de pontos – fim do primeiro quartil

Calculadora

Ao vencer o Grêmio na noite de ontem no Allianz Parque, o Palmeiras fechou o primeiro quartil do Campeonato Brasileiro 2021. E o resultado foi bastante animador: a vitória alçou o time à liderança do campeonato e bateu a meta proposta para o recorte em nosso exercício anual de planejamento de pontos.

A projeção inicial, que foi realizada em 100%, previa alcançar 22 pontos após a décima rodada, com 7 vitórias, um empates e duas derrotas. O time cumpriu o período confirmando 7 dos 10 resultados. Três jogos não bateram os resultados, mas se complementaram: SCCP, Bragantino e Internacional, com previsões para vitória, empate e derrota, tiveram resultado de empate, derrota e vitória. Quid pro quo.

Assim, o time se manteve no ritmo para alcançar os 83 pontos idealizados no início do exercício. Esta conta prevê uma margem bastante folgada para a conquista do título, já que em 15 edições do Brasileirão por pontos corridos com 20 clubes, jamais o vice-campeão ultrapassou a marca dos 74 pontos.

O primeiro quartil do campeonato de 2021 indica que a tendência se manterá, já que os principais candidatos ao título perderam muitos pontos. Já podemos considerar Grêmio e SPFC como cartas fora do baralho; o Internacional precisa reagir imediatamente para ter alguma chance. Desta forma, restam entre os favoritos apenas Flamengo e Atlético-MG como adversários teóricos na disputa pelo título como Palmeiras. Os mineiros estão a 3 pontos do Verdão e com saldo de gols por tirar; os cariocas já estão a 10 pontos de distância, mas com dois jogos a mais por fazer.

O inimigo agora é outro?

O Flamengo vive um momento turbulento. Sofrendo muito com os desfalques impostos pela Copa América, além das naturais lesões, o time oscilou muito neste primeiro recorte após abrir o campeonato vencendo o Verdão. Rogério Ceni jamais teve o suporte da diretoria e da torcida e vive sob pressão da Flapress. O time titular perdeu um de seus pilares, Gerson. O time ainda terá o desafio de disputar a Copa do Brasil e a Libertadores em paralelo ao Brasileirão. O Atlético, sob o comando de Cuca, é um adversário de respeito, mas assim como o Flamengo, ainda divide as atenções na temporada com mais duas competições.

Outros times despontam como possíveis adversários para acompanhar o Palmeiras na maratona. O Red Bull Bragantino foi responsável por impor uma das duas derrotas do Palmeiras no quartil. Um time que parece se superar quando enfrenta adversários de camisas tradicionais, como Flamengo, SPFC e SCCP, mas que se complica em jogos mais fáceis, como Ceará e Cuiabá. Mesmo irregular, o time gerido pela multinacional mostrou muita organização, dentro e fora de campo. Terá em paralelo ao Brasileirão a disputa da Sul-Americana.

O Athletico-PR conseguiu bons resultados neste primeiro recorte do campeonato, mas também sofreu com a irregularidade. Os paranaenses têm a Copa do Brasil pela frente como objetivo mais alcançável. Fortaleza e Bahia surpreendem; parecem estar com mais pontos que os potenciais de seus elencos sugerem. A dupla do nordeste deve ter como objetivo uma vaga na Libertadores.

Todos têm um ponto em comum: apesar de estarem se mostrando bons times, quando os chamados titulares precisam se ausentar, oscilam demais. Nenhum parece ter um elenco homogêneo como o do Palmeiras; o sofrimento é visível quando os considerados reservas precisam entrar em campo.

As vantagens competitivas do Palmeiras são várias. A Copa do Brasil deixou de ser um problema – embora fosse um problema que ainda gostaríamos de ter. Serão oito datas livres até o fim da temporada. Um luxo.

Nosso treinador consegue rodar bastante os jogadores, administrando o esforço, sem perder performance. A incidência de lesões tende a ser menor e Abel contorna o problema de ter um elenco curto extraindo dos atletas todas as características de versatilidade que enxerga.

Ajustes na projeção inicial do segundo quartil

Os adversários mais perigosos já deixaram pontos importantes pelo caminho e parece pouco provável que sejam recuperados, diante de todas as dificuldades listadas. Os 83 pontos já podem ser considerados uma projeção folgada. Nada impede que 74 ou 75 pontos ganhos sejam suficientes para o título.

Mesmo assim, seguiremos com a meta inicial. Para o segundo quartil, fizemos ajustes apenas nas partidas em que poderemos perder pontos. O que antes seria uma missão dificílima diante da conciliação de competições no calendário, com a eliminação na Copa do Brasil virou algo “apenas difícil”.

As vitórias exigidas contra Santos, CAG e Fortaleza, complicadas por serem véspera de Libertadores, agora admitem empates. Para compensar esses seis pontos, duas partidas fora de casa que admitiam derrotas por serem véspera de Copa do Brasil, agora exigem vitórias: SPFC e Ceará.

Esta previsão ainda dá uma margem de erro “para cima”: qualquer ponto conquistado contra o Atlético, no Mineirão (que também joga a Libertadores), será um lucro absurdo, porque além dos pontos extra para a barriga do porquinho do Abel, tirará pontos de um adversário direto.

Com estes ajustes, podemos manter a previsão de 18 pontos no quartil, fechando o turno com ótimos 40 pontos e ainda admitindo compreensíveis tropeços nos jogos logo antes das partidas de Libertadores. Segue sendo uma meta difícil de bater. Mas para ser campeão, a meta não pode ser fácil. VAMOS PALMEIRAS!