0
X
2

Pré-Jogo

Pela 29ª rodada do Brasileirão, o Verdão vai a Londrina visitar o América-MG, que vendeu a bilheteria para faturar um dinheirinho aproveitando a nossa popularidade. O jogo acontece no estádio do Café, no domingo, a partir das 17h. Ao mesmo tempo, o vice-líder recebe o Santa Cruz; o terceiro colocado já tropeçou na abertura da rodada, no meio da semana.

O América parece já conformado com o rebaixamento e o ambiente será totalmente favorável. Parece ser um dos jogos mais fáceis do campeonato. É exatamente por isso que deve ser um jogo complicado.

DESFALQUES:
Lesionados
: Fernando Prass e João Pedro
Seleção: Gabriel Jesus, Mina e Barrios
Não relacionados:
Vinicius, Vitinho e Roger Carvalho

RELACIONADOS:
Goleiros
: Jailson* e Vagner
Laterais: Egídio, Fabiano, Jean e Zé Roberto
Zagueiros: Edu Dracena, Thiago Martins e Vitor Hugo
Volantes: Arouca*, Gabriel, Matheus Sales*, Moisés*, Thiago Santos, Rodrigo e Tchê Tchê
Meias: Allione, Cleiton Xavier* e Fabrício
Atacantes: Alecsandro, Dudu, Erik, Leandro Pereira, Roger Guedes e Rafael Marques*
* pendurado

Zé na lateral ou no meio? Gabriel como volante soltando mais Moisés e Tchê Tchê? Cleiton Xavier? Além de todas essas dúvidas táticas, Leandro Pereira, que tendia a ser o centroavante, sente dores o pode não ter condições de jogo. Pode ser que Rafael Marques mais uma vez entre no comando do ataque, ou então a deixa para que Alecsandro volte ao time depois da enorme sacanagem que o TJD-SP fez com ele.

São muitas variáveis; mais uma vez o elenco recheado e equilibrado do Verdão dá a Cuca inúmeras possibilidades para escolher a melhor formação para sair jogando diante dos desfalques absurdos provocados pelas seleções. O palpite para o time titular segue o campinho ao lado.

O América vê peças de seu elenco se desligando do clube, devido à falta de perspectivas. O zagueiro Suéliton foi a baixa mais recente, acertando na sexta seu retorno ao ABC. Além dele, Enderson Moreira não poderá contar com Jonas, suspenso, e Alison, machucado. Por outro lado, quem vai voltar é o volante Juninho, que ficou de fora na derrota por 3 a 0 para o Coritiba.O provável time que vai a campo é João Ricardo; Pablo, Roger, Éder Lima e Gilson; Leandro Guerreiro, Juninho e Ernandes; Xavier; Matheusinho e Nixon.

RETROSPECTO

Palmeiras e América-MG já se enfrentaram 20 vezes. O Verdão venceu 10 partidas, empatou seis e perdeu apenas 4; marcamos 36 gols e sofremos 21.

  • O América nunca venceu o Palmeiras em jogos pelo Brasileirão: foram 11 jogos, com seis vitórias do Verdão e cinco empates; 16 gols do Verdão e 7 do time mineiro;
  • O Verdão é 100% no Estádio do Café: venceu todos os oito jogos disputados lá marcando 16 gols e sofrendo apenas 1, na goleada sobre o Fluminense por 5 a 1 em 1996;
  • Apita a partida Wagner do Nascimento Magalhães, que tem na folha corrida sete jogos do Palmeiras: 4 vitórias e 3 derrotas; marcamos 7 gols e sofremos 5. Sempre que ele apitou nossos jogos contra times mineiros, perdemos (duas derrotas pata o Atlético-MG).

PARPITE

Se o time encaixar e jogar com a seriedade de sempre, a vitória virá fácil. Mas se por alguma razão a tentativa de Cuca, que nem sempre acerta, não funcionar, corremos algum risco e o nervosismo vai passar a ser uma dificuldade a mais. Mas não temos por que entrar em maré de pessimismo: nosso time já mostrou ser capaz de aguentar a pressão e a ansiedade para chegar aos resultados contra times menores: dá Verdão, 3 a 0, com gols de Dudu, Jean e Roger Guedes, para 19.654 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

César Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação

Mais três na conta. Com muita facilidade, o Verdão aproveitou o estádio com mais de 27 mil palmeirenses e segue na caminhada rumo ao nono título brasileiro. O jogo foi marcado por uma enorme apatia do América e pela excessiva auto-confiança do Palmeiras, que construiu a vantagem mínima com dois minutos de jogo e não se preocupou em aumentar o placar para matar o jogo – o segundo gol veio apenas no final.

PRIMEIRO TEMPO

Com Erik escalado no comando do ataque, o Palmeiras entrou com a formação que é a regra de Cuca em jogos “em casa”: Moisés e Tchê Tchê como volantes, com bastante movimentação e subidas ao ataque, e um quarteto ofensivo com um centroavante leve. E num estádio lotadíssimo de palmeirenses, o Verdão foi para o abafa logo no começo.

A primeira chance de gol foi com um minuto: Roger Guedes aparou cruzamento de Dudu pela esquerda, dominou no meio de quatro defensores, girou e bateu colocado, visando o canto direito de João Ricardo que se esticou para mandar a escanteio. Na cobrança, saiu o gol: a bola foi afastada do bolo, mas Tchê Tchê aproveitou o rebote e bateu firme da frente da área, no canto esquerdo de João Ricardo que desta vez nada pôde fazer.

Com a vantagem logo cedo, o jogo ficou mais ainda à mercê do Palmeiras, que dominava todas as ações. É difícil saber se foi o gol que abateu o time mineiro, ou se ver o estádio apinhado de palmeirenses em jogo de seu próprio mando não acabou provocando o desânimo – provavelmente as duas coisas. Aos 13, a terceira chance real de gol, com Erik, que tabelou com Dudu e, da marca do pênalti, finalizou à direita do gol, perdendo uma oportunidade de ouro.

Parecia um jogo entre profissionais e um time sub-20, tamanha a disparidade técnica. O time do América estava visivelmente desmotivado e o Verdão era absoluto em campo. Aos 23, Erik sofreu um empurrão de Pablo na área, mas o juiz preferiu mandar seguir – lance interpretativo, não marcou porque não quis; se ele assinalasse o pênalti ninguém poderia cravar que houve erro.

Diante da facilidade do jogo, o Palmeiras naturalmente diminuiu o ritmo. Aos 26, a última boa jogada do primeiro tempo, num lateral que Moisés cobrou na área; a zaga rebateu em sua direção e ele mesmo cruzou, por baixo, na linha da pequena área – a bola passou na frente de Roger Guedes, Dudu e Erik mas nenhum deles colocou o pé para marcar o segundo.

O América conseguiu sua única finalização aos 33, num chute de fora de Gilson, após tentativa errada de drible de Moisés – Jailson defendeu fácil. O Palmeiras aceitou o ritmo baixo de jogo proposto pelo time mineiro e ficou só com 1 a 0 no primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

O panorama permaneceu o mesmo após a volta do vestiário. Em banho-maria, o time controlava o jogo como queria e só descia na boa. Aos oito, boa tabela pelo lado direito entre Moisés e Roger Guedes; o camisa 28 emendou um chute forte, mas a bola saiu pelo alto.

Conforme o tempo passava, as duas equipes iam ficando cada vez mais relaxadas. O Palmeiras ameaçou construir uma boa jogada aos 12, logo após a entrada de Alecsandro no lugar de Erik – Moisés cruzou da direita procurando o camisa 29, mas João Ricardo se antecipou bem.

O Verdão aceitava a passividade do América e desprezava a chance de um erro individual, de uma bola parada ou mesmo de um cruzamento na mão de nosso jogador virar um pênalti. Era muita confiança. A tentativa seguinte de Cuca de mudar o jogo foi colocando Cleiton Xavier no lugar de Moisés; e logo na primeira jogada Alecsandro fez boa jogada na área e tocou para o camisa 10, que dividiu a bola com Ernando; na sobra, Roger Guedes tentou a conclusão mas foi travado.

Rafael Marques também ganhou sua chance, ao entrar no lugar de Dudu a 10 minutos do fim. Depois de um cruzamento da direita, ele fez um belo corta-luz para Tchê Tchê, que pegou a defesa de costas e cruzou para excelente cabeçada de Rafael Marques – a bola entraria, mas resvalou em Messias e subiu.

Aos 42, Alecsandro foi lançado por Zé Roberto, ganhou na velocidade (!) de Messias e bateu prensado, mas o suficiente para vencer João Ricardo e marcar um gol depois de ser sacaneado pelo TJD-SP que o suspendeu por dois anos sem ter a menor qualificação para julgar seu caso. E se o jogo já estava morto com 1 a 0 no placar, com 2 a 0 foi só esperar o apito final.

FIM DE JOGO

O placar final pode dar razão aos jogadores, que podem alegar que o time não correu risco em nenhum momento e por isso conduziram o jogo em baixa rotação. De fato, o próprio América não demonstrava pegada alguma para buscar o empate e ninguém melhor que os próprios jogadores para sentirem isso dentro do campo. Mas sempre pode existir o imponderável.

O que importa mesmo são mais três pontos e mais um passo importante. Temos uma rodada de margem para o Flamengo e faltam nove rodadas. Não teremos mais nenhum jogo fácil como este. Que os jogadores tenham aproveitado bem esta molezinha e não repitam esta postura até o fim do ano em hipótese alguma. Foco no Cruzeiro. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

América-MG

GOL
João Ricardo
LAD
Pablo
ZAG
Roger
ZAG
Messias
ZAE
Éder Lima
LAE
Gílson
VOL
Leandro Guerreiro
VOL
Ernandes
MEI
Danilo Barcelos
MEI
Juninho
MEI
Tony
MEI
Matheusinho
ATA
Osman
ATA
Michael
TÉCNICO
Enderson Moreira

Palmeiras

GOL
Jailson
LAD
Jean
ZAG
Edu Dracena
ZAE
Vitor Hugo
LAE
Egídio
VOL
Tchê Tchê
VOL
Moisés
MEI
Cleiton Xavier
MEI
Roger Guedes
MEI
Zé Roberto
MEI
Dudu
MEI
Rafael Marques
ATA
Erik
ATA
Alecsandro
TÉCNICO
Cuca

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
0
Jean
0
Edu Dracena
0
Vitor Hugo
0
Egídio
0
Tchê Tchê
0
Moisés
0
Cleiton Xavier
0
Roger Guedes
0
Zé Roberto
0
Dudu
0
Rafael Marques
0
Erik
0
Alecsandro
0
Cuca
Cuca
s/n