1
X
1

19/10/2016 - 21:45

Pré-Jogo

Com o foco no campeonato brasileiro, o Verdão recebe o Grêmio, pelas quartas-de-finais da Copa do Brasil, em jogo de volta – na ida, em Porto Alegre, o Verdão foi derrotado por 2 a 1 há 3 semanas.

Basta uma vitória por 1 a 0 para sairmos com a classificação. Em caso de sofrermos gol, serão necessários dois gols de vantagem. O jogo remete aos memoráveis confrontos da década de 90. Palmeiras x Grêmio, emmata-mata, é uma das coisas mais prazerosas que pode haver no futebol.

DESFALQUES:
Lesionados
: Fernando Prass e João Pedro
Não inscrito: Fabrício
Poupados: Mina, Vitor Hugo, Tchê Tchê, Moisés, Dudu e Roger Guedes
Não relacionados: Vinicius e Vitinho

RELACIONADOS:
Goleiros:
Jailson e Vagner
Laterais: Egídio, Fabiano, Jean e Zé Roberto
Zagueiros: Augusto, Edu Dracena, Thiago Martins e Roger Carvalho
Volantes: Arouca, Gabriel, Matheus Sales, Thiago Santos e Rodrigo
Meias: Allione e Cleiton Xavier
Atacantes: Alecsandro, Erik, Gabriel Jesus, Barrios, Leandro Pereira e Rafael Marques

Cuca poupou seis jogadores que vinham atuando como titulares. Mesmo assim, nosso elenco segue proporcionando a chance de montar um time com plenas condições de conseguir a classificação. Um dos times que Cuca pode mandar a campo é o do campinho ao lado. Sem dúvida alguma é um time fortíssimo, sobretudo pela quase certa presença de Gabriel Jesus – suspenso do jogo contra o Sport, deve mais uma vez fazer a diferença a nosso favor. As estatísticas do Palmeiras com o camisa 33 em campo são impressionantes.

ADVERSÁRIO

O Grêmio está com foco total na Copa do Brasil, pois considera que a vaga na Libertadores via Brasileirão ficou mais complicada. Professor Renight poupou seus titulares no jogo do fim-de-semana contra o Santos, pelo Brasileirão, e assim vem para o jogo com os jogadores descansados. O desfalque é Marcelo Grohe, que segue em tratamento para curar dores no pé direito. A tendência é repetir o time que enfrentou o Atlético-PR, na semana passada: Bruno Grassi; Edílson, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro, Douglas e Pedro Rocha; Luan.

Lei do EX: Marcelo Oliveira (Grêmio); Zé Roberto (Palmeiras)

RETROSPECTO

Em 88 partidas, o retrospecto do Verdão é de larga vantagem sobre o Grêmio: 36 vitórias, 33 empates e 19 derrotas; 126 gols marcados e 95 sofridos.

  • Pela Copa do Brasil, em quatro cruzamentos, cada time avançou duas vezes:
    • Em 1993, o Grêmio nos eliminou nas quartas-de-finais após dois empates por 1 a 1 – os gaúchos levaram a melhor nos pênaltis (7 a 6), no jogo da volta realizado no Olímpico;
    • Em 1995, o confronto foi pelas oitavas-de-finais, e mais uma vez houve dois empates, mas o Grêmio levou a melhor pelo critério dos gols qualificados (1 a 1 em Porto Alegre e 2 a 2 no Palestra);
    • Em 1996, eliminamos o Grêmio nas semifinais ao vencê-los por 3 a 1 no Palestra e perder o jogo da volta por 2 a 1;
    • Em 2012, tiramos o Grêmio da frente nas semifinais ao vencê-los por 2 a 0 no Olímpico e segurar o empate por 1 a 1 em Barueri;
  • Como mandante, parece confronto contra time pequeno: em 40 jogos, o Palmeiras ganhou 26 vezes, empatou 12 e perdeu apenas 2 vezes; foram 84 gols do Palmeiras contra apenas 34 gremistas;
  • Apita o jogo Elmo Alves Resende Cunha. Sob seu apito, o Palmeiras ganhou apenas um jogo, empatou três e perdeu dois. O visitante nunca ganhou nesses jogos.

PARPITE

Seja qual for o time que Cuca mande a campo, a tendência é de uma retranca fortíssima por parte do Grêmio, que vai apostar nos contra-ataques para obrigar o Palmeiras a marcar três ou mais gols. Ao Verdão, cabe ter atenção redobrada na rapidez da recomposição defensiva para resguardar o gol de Jailson e assim depender de apenas um gol nos 90 minutos.

Imaginem o Allianz Parque cheio, com o Palmeiras precisando de um gol nos 15 minutos finais. O Grêmio fechadinho, catimbando, dando bico pra tudo o que é lado, e não haverá uma alma viva no estádio que não esteja em estado de aflição pura. São esses momentos que fazem o futebol ser o que é. Se você ainda não comprou seu ingresso, ainda há tempo. Dá Verdão, 3 a 1, com gols de Thiago Martins, Gabriel Jesus e Barrios (que vai entrar no segundo tempo e fazer o gol da classificação no finalzinho), para 32.543 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

Jogando com oito reservas, o Palmeiras cedeu o empate ao Grêmio e acabou eliminado da Copa do Brasil, para frustração de quase 30 mil pagantes no Allianz Parque. Mesmo com um time alternativo, o Verdão se portou bem principalmente no primeiro tempo, chegou a ter a vantagem que precisava, mas perdeu força a partir da expulsão de Allione, permitindo a reação ao time gaúcho.

A eliminação, no entanto, não chega a ser um desastre, pois vai permitir ao Palmeiras focar exclusivamente no Brasileirão, canalizando as forças para chegar a um título que não vem há 22 anos e que estamos bem próximos de conquistar. De qualquer forma, fica a sensação desconfortável de que dava para ganhar os dois troféus, mas desperdiçamos a chance.

PRIMEIRO TEMPO

O Palmeiras entrou em campo com o terceiro uniforme, azul. Para enfrentar o Grêmio. Não pode, isso está muito errado. A Adidas precisa ter mais bom senso; não adianta forçar a barra deste jeito para tentar vender seu material – além de tudo, um uniforme reciclado do ano passado. Que feio.

Feio também estava o gramado do Allianz Parque. Não poderíamos esperar coisa muito melhor, depois de uma semana com dois shows que nos tirou de casa e que nos custou dois pontos. Mas o estado da grama estava abaixo do tolerável. Mais uma na conta da WTorre, que não consegue nem limpar direito os banheiros – mais de uma hora antes do jogo, havia muita sujeira ainda do show do Aerosmith.

Com Barrios no comando do ataque; Gabriel e Thiago Santos protegendo a zaga e Fabiano e Egídio liberados, o Verdão foi para o jogo com uma postura bastante ofensiva e dominou todo o primeiro tempo. As chances de gol se sucediam e o Grêmio não tinha pudores em se defender com 11 jogadores em seu próprio campo.

Barrios se destacou nos primeiros movimentos, fazendo o pivô com muita precisão e arredondando todas as jogadas. Cleiton Xavier e Allione, por outro lado, alternavam jogadas boas e ruins, muito irregulares. E Gabriel Jesus, com a faixa no braço – possivelmente o capitão mais jovem da História do clube – se movimentava bastante para tentar compensar a irregularidade dos companheiros.

Aos 12, a trave salvou o Grêmio: Egídio cobrou falta da direita, de muito longe; a bola veio cheia de efeito e encontrou a cabeça de Barrios, que escapou da marcação e testou firme – a bola explodiu no travessão. Aos 18, depois de boa troca de passes de todo o ataque, Gabriel pegou uma sobra de frente para o gol e experimentou, mas errou o alvo.

Aos 24, Gabriel Jesus começou a articulação; ele encontrou Cleiton Xavier entrando em diagonal e tocou; o camisa dez viu Egídio penetrando por trás de Edilson e enfiou com precisão; Egídio rolou para o meio da área e Allione chegou batendo, procurando o canto esquerdo de Bruno Grassi, que saltou – a bola provavelmente entraria mas Marcelo Oliveira salvou. O Grêmio respondeu logo na sequência e criou sua melhor chance do primeiro tempo: Pedro Rocha desceu com muita velocidade, tabelou com Douglas e saiu na cara de Jailson, mas chutou para fora, à direita.

O jogo pegou fogo e o Palmeiras prensou o Grêmio em seu campo. Aos 26, Thiago Santos suspendeu na área; Gabriel Jesus aparou com o peito e Allione bateu; Kannemann não deixou a bola chegar ao canto direito de Grassi; no rebote Barrios aparou, tirou de Ramiro e finalizou, e mais uma vez Marcelo Oliveira tirou do canto esquerdo da meta gaúcha, com o goleiro batido.

Depois desta sequência, a rotação do jogo baixou nos quinze minutos finais e o Grêmio enfim começou a catimbar, panorama que persistiu até o fim do primeiro tempo. Um domínio completo do Verdão, que derruba qualquer argumento de que não deveria ter poupado titulares. O elenco do Palmeiras deu conta do recado e bateu de frente com o que o Grêmio tem de melhor.

SEGUNDO TEMPO

Sem mudanças, o Verdão veio com tudo para o tempo final. Precisando de apenas um gol, o time se atirou à frente e passou a dar mais espaços para o Grêmio chegar. Aos 3, Douglas bateu falta na área pelo lado esquerdo; Marcelo Oliveira cabeceou na direção de Jailson que não teve problemas para mandar a escanteio – mas fez pose.

Aos 6, Cleiton Xavier cobrou escanteio, Thiago Santos escorou e Thiago Martins testou com muito estilo, ganhando da zaga gaúcha e mandando no ângulo de Bruno Grassi, abrindo o placar e dando ao Palmeiras a vantagem necessária para avançar na competição. O Allianz Parque se encheu de confiança e se divertia mais ainda com os anúncios do SCCP levando gols do Cruzeiro.

O Grêmio foi obrigado a sair para o jogo. Aos 12, Edilson fez fila e quando se preparava para bater foi desarmado parcialmente por Thiago Martins; Walace pegou a sobra e emendou para o gol, buscando o canto esquerdo de Jailson, que se esticou para defender. Aos 15, Renato Gaúcho mandou Everton a campo, no lugar de Pedro Rocha, para jogar pela esquerda. Cuca respondeu 3 minutos depois, colocando Jean, descansado e mais veloz que Fabiano, para tentar contê-lo.

Um minuto depois, o estrago: numa jogada sem maior perigo, perto da lateral, Allione entrou com vontade demais em Everton e levou o cartão vermelho, direto – e não há o que contestar na decisão do árbitro. O Grêmio se animou e o Palmeiras sentiu o golpe; recuando e chamando o adversário para seu campo. Assim, nosso time se propôs a suportar quase 30 minutos de pressão fortíssima.

Cuca tentou melhorar o panorama mandando Erik no lugar de Cleiton Xavier. A flecha estava em campo, mas entrou exatamente no lugar do arco; e manteve Barrios em campo, a esta altura, sem função. Foi um erro estratégico de nosso treinador, mantendo o time com praticamente dois a menos por alguns minutos. Nesse ínterim, aos 22, Douglas bateu mais uma falta em direção a nossa área; a bola desviou no meio do caminho para a direita; Luan fez ótimo corta-luz e a bola se ofereceu para Ramiro, que fechou pela direita e bateu forte – Jailson fez ótima defesa.

Cuca consertou a bobagem pouco tempo depois, colocando Zé Roberto para fazer a ligação no lugar de Barrios. O time, em tese, ficou no 4-4-1, com Erik na frente e Zé Roberto tentando ligar a correria com o apoio de Gabriel Jesus. Renato respondeu mandando Bolaños a campo no lugar de Ramiro.

O Grêmio chegou ao gol da classificação aos 30: Douglas tocou para Everton, aberto pela esquerda. Jean estava bem posicionado, fazendo a parede. O atacante gremista buscava o espaço, enquanto Thiago Santos se aproximava para fazer a dobra. Everton puxou para dentro e bateu forte; a bola entrou no canto de Jailson, que tinha dado um passo à esquerda contando com o bloqueio de Jean, mas a bola passou entre as pernas de nosso lateral.

O Grêmio começou a catimbar e o Palmeiras demorou para assimilar o golpe. Passaram-se cerca de 7 ou 8 minutos até o time voltar a si para armar um novo ataque – mas a desvantagem numérica dificultava demais as coisas contra um Grêmio que apenas fez o básico, mas com muita aplicação, para cercar nossa movimentação de bola. Seguiu-se uma pressão na base de chuveirinhos, a torcida empurrou, mas a forma como os fatos se sucederam gelaram o estádio, que desta vez não foi o caldeirão que talvez fizesse a diferença.

FIM DE JOGO

O Palmeiras foi eliminado de uma competição pela primeira vez no Allianz Parque. O foco agora volta-se totalmente para o Brasileirão. Allione cometeu um erro tolo, mas seria muita estupidez da torcida e das cornetas que rodeiam a Pompeia pedir a cabeça do menino neste momento, entrando na onda da imprensa de que o jogo “foi vestibular” para o ano que vem.

Nosso momento é de união absoluta e apoio incondicional. Estamos a sete partidas – ou menos – de conquistar o troféu mais importante do país e as palmas que foram ouvidas ao apito final do juiz devem continuar até o fim da temporada. Deixem o Halloween para a imprensa, eles que cacem as bruxinhas deles; nós continuaremos defendendo nossos jogadores para que eles se sintam fortes e calem a todos os que querem nos tirar dos trilhos. Esta eliminação foi educadora, para moldar o caráter dos mais jovens que estão aprendendo agora a acompanhar futebol. Doeu, mas passa rápido, porque aqui é Palmeiras. VAMOS!

Ficha Técnica

Grêmio

GOL
Bruno Grassi
GOL
Léo
LAD
Edílson
ZAG
Pedro Geromel
ZAE
Kannemann
LAE
Marcelo Oliveira
VOL
Walace
VOL
Maicon
VOL
Ramiro
MEI
Bolaños
MEI
Douglas
MEI
Pedro Rocha
MEI
Éverton
ATA
Luan
TÉCNICO
Renato Portaluppi

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
0
Fabiano
0
Jean
0
Thiago Martins
0
Edu Dracena
0
Egídio
0
Thiago Santos
0
Gabriel
0
Allione
0
Cleiton Xavier
0
Erik
0
Gabriel Jesus
0
Barrios
0
Zé Roberto
0
Cuca
Cuca
s/n