1
X
0

Pré-Jogo

O Verdão entra em campo no Allianz Parque na tarde deste domingo, contra o Botafogo, para dar o penúltimo passo em direção ao título brasileiro – e pode ser o último em caso de uma improvável combinação de resultados envolvendo Santos e Flamengo. A torcida faz as contas, mas o time, tentando ficar alheio a tudo isso, se refugiou mais uma vez em Atibaia para se preparar para este jogo tão importante.

Todos os ingressos foram vendidos com muita antecedência e certamente o Allianz Parque se tornará, mais uma vez, um grande caldeirão verde. A tarde promete.

DESFALQUES:
Lesionados
: Roger Carvalho e Vitinho
Recuperação física: João Pedro

RELACIONADOS:
Goleiros
: Jailson, Vinicius Silvestre, Vagner e Fernando Prass
Laterais: Egídio*, Fabiano, Jean e Zé Roberto
Zagueiros: Edu Dracena, Mina, Thiago Martins, Augusto e Vitor Hugo*
Volantes: Arouca*, Gabriel, Matheus Sales*, Moisés, Rodrigo, Thiago Santos* e Tchê Tchê
Meias: Allione, Cleiton Xavier* e Fabrício
Atacantes: Alecsandro, Barrios, Dudu*, Erik, Gabriel Jesus*, Leandro Pereira, Rafael Marques* e Roger Guedes
* pendurado

A grande novidade da lista de relacionados foi a volta de Fernando Prass. Já realizando treinos de recondicionamento técnico há duas semanas, o arqueiro pode estar próximo de sua volta. Mas Jailson deve seguir sendo o titular. Apesar de ter nove pendurados, fruto da metralhadora do juiz do jogo em Belo Horizonte, Cuca não tem nenhum problema de suspensão e poderá escolher entre praticamente todo o elenco os onze que entrarão em campo. A maior dúvida é Mina, que ainda pode ter algum reflexo da lesão sofrida nos jogos pela seleção da Colômbia. A tendência é que sejam os do campinho ao lado, mas vocês sabem: Cuca é Cuca.

ADVERSÁRIO

Depois de uma ótima fase que começou exatamente quando venceu o Verdão no primeiro turno, o Botafogo aparentemente virou o fio: não vence há três jogos e perdeu o último, em casa, para a Chapecoense, mostrando um futebol muito ruim.

Dois dos três volantes titulares estão fora do jogo: Bruno Silva está com uma virose e Airton está suspenso, assim como Victor Luís. Em seus lugares devem entrar Dudu Cearense, Fernandes e Diogo Barbosa. O técnico Jair Ventura ainda pensa se vai escalar Rodrigo Pimpão ou Sassá ao lado de Neilton no ataque. O provável time é Sidão; Alemão, Carli, Emerson e Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Dudu Cearense, Fernandes e Camilo; Neilton e Rodrigo Pimpão (Sassá).

Lei do EX: Gabriel e Rafael Marques (Palmeiras)

RETROSPECTO

A História dos confrontos entre Palmeiras e Botafogo começou em 1922 e já tem 112 partidas. O Verdão venceu 42, houve 36 empates e o Botafogo venceu apenas 34 vezes; foram 166 gols palmeirenses e 146 dos cariocas.

  • Em partidas pelo campeonato brasileiro, em 51 confrontos, o Palmeiras venceu 20, empatou 17 e perdeu 14 vezes, marcando 68 gols e sofrendo 53;
  • Em nossa casa, aconteceram 26 partidas e nosso retrospecto é massacrante: ganhamos 16, empatamos 6 e perdemos apenas 4; marcamos 49 gols e sofremos apenas 22;
  • Dos oito campeonatos brasileiros do Palmeiras, 2 foram conquistados em partidas contra o Botafogo: o Robertão de 1969 (vitória por3 a 1) e o Brasileiro de 1972 (empate em 0 a 0);
  • Apita o jogo Elmo Alves Resende Cunha, pela oitava vez em sua carreira. Até agora, apitou uma vitória do Palmeiras, dois empates e quatro vitórias dos adversários, com ele como árbitro marcamos 9 gols e sofremos 12.

PARPITE

Tudo conspira a favor do Palmeiras. O adversário ainda tem pontos a garantir para se classificar à Libertadores, mas esta partida não é fundamental. Cheio de desfalques e em viés de baixa, o Botafogo é o adversário ideal para esta partida, desde que nosso time mantenha o foco que vem mostrando em todos os jogos do campeonato e que se evidenciou nas últimas rodadas. Se colocar salto alto, toma gol no contra-ataque e perde o jogo.

Confiando que nosso time não vai cometer um erro desses a esta altura do campeonato, com todo o otimismo que a postura deste grupo nos permite alimentar, é tarde para uma vitória com autoridade: 4 a 1, com gols de Gabriel Jesus, Dudu, Jean e Vitor Hugo, para 39.876 pagantes. Rumo ao caneco, VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

Foi difícil, mas jogando muito bem o Verdão venceu o Botafogo por 1 a 0 no Allianz Parque e, com os tropeços do Santos e do Flamengo, fica a apenas um ponto de conquistar o eneacampeonato brasileiro. O Allianz Parque viveu uma de suas tardes mais gloriosas nestes dois anos de existência e 2009 está prestes a terminar, definitivamente.

PRIMEIRO TEMPO

Jair Ventura armou o time com Emerson Silva, que é zagueiro/volante, jogando na lateral, e Alemão, que seria o lateral, jogando avançado tentando pegar as costas de Zé Roberto. Cuca, que saiu jogando com Cleiton Xavier na meia e Moisés e Tchê Tchê protegendo a zaga, armou o time de forma bastante ofensiva e o jogo se mostrou muito interessante desde os primeiros movimentos.

Surpreendentemente, o Botafogo não se limitou a se defender, embora estivesse com uma postura defensiva bastante sólida. Assim, o Palmeiras tinha a iniciativa do jogo, mantinha a posse de bola na intermediária ofensiva, mas passava por apuros quando o Botafogo saía rápido em contra-ataque – semelhante ao que o Palmeiras fez no meio da semana em Belo Horizonte.

Gabriel Jesus era marcado com truculência por Carli. O Palmeiras, a despeito de Alemão estar à espreita para aproveitar as costas de Zé Roberto, forçava muito pelo lado esquerdo, com Dudu. O Verdão teve uma baixa logo com dez minutos: Mina sentiu a lesão que o tirou do último jogo e deu lugar a Thiago Martins. Aos 14, Dudu bateu falta do bico da área, Moisés apareceu de surpresa no segundo pau e testou para o gol, mas a bola bateu no corpo de Sidão, como um goleiro de handebol. Aos 20, depois de boa troca de passes, Cleiton Xavier arriscou de fora da área, sem direção.

Com o gol do Cruzeiro anunciado nos alto-falantes, o clima do estádio ficou espetacular. Mas o Botafogo insistia em complicar a vida do Palmeiras com um posicionamento muito eficiente e por vezes nos complicando nas eventuais descidas, como aos 23: após saída de bola errada do Palmeiras, Neilton fez boa jogada pela esquerda e cruzou; Pimpão raspou e Alemão fechou na marca do pênalti, dominou na coxa e bateu por cima.

Aos 27, outra chance de ouro do Palmeiras: Vitor Hugo roubou a bola e ligou com Dudu, que armou a jogada com Moisés; ele enxergou Roger Guedes fechando pela direita e cruzou. Em vez de tentar o gol, o ponta tentou servir Gabriel Jesus que estava impedido – mas mesmo assim escorou com o joelho a bola para fora. Dois minutos depois, Moisés gastou a bola, com um lindo chapéu em Alemão, ligou com Dudu que invadiu a área, cortou para dentro e bateu forte, para boa defesa de Sidão.

Moisés estava impossível: aos 35, ele aproveitou uma bola de Dudu que veio da esquerda e pegou um sem-pulo espetacular, a bola saiu perto do ângulo direito de Sidão, que entregou a Deus. O Botafogo ameaçou aos 39: Neilton aproveitou uma indecisão de Thiago Martins e Tchê Tchê, colocou na frente e Pimpão chegou batendo, para ótima defesa de Jailson. Aos 44, o Botafogo teve mais um lance com Carli, que bateu de canela na bola na linha da pequena área após cruzamento forte de Camilo da direita. E assim terminou o primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

O Verdão voltou com tudo para o segundo tempo e logo com um minuto de jogo criou a primeira chance: Jean fez a jogada pela direita e cruzou por baixo; a bola cruzou a área e chegou a Dudu que bateu forte; Sidão salvou e Cleiton Xavier tentou aproveitar o rebote mas mandou por cima.

A notícia do primeiro gol do Santos cortou o barato da torcida. E quase o estádio desaba de uma vez em arrancada de Neilton logo em seguida; ele ganhou de Tchê Tchê, depois de Vitor Hugo e bateu forte – Jailson fez ótima defesa. E essa foi a deixa do que seria boa parte do segundo tempo: o Botafogo muito mais bem armado para os contra-ataques, aproveitando a tarde ruim de Tchê Tchê. Assim, passamos por alguns sufocos, com o time carioca chegando várias vezes em nossa área mas não conseguindo as finalizações, sempre travados por nossa defesa.

E em nosso pior momento do jogo construímos o gol, numa impressionante demonstração de força: Dudu partiu em velocidade pela direita e viu Gabriel Jesus fechando pelo meio, em jogada idêntica ao gol contra o Galo; o passe, no entanto, foi levemente desviado e o camisa 33 não alcançou, indo buscar a sobra do lado esquerdo; Dudu correu como um raio para o miolo e, da pequena área, aproveitou o novo cruzamento desviando de cabeça para o canto esquerdo de Sidão, batido. O Allianz Parque explodiu em êxtase – àquela altura, o Santos estava virando o jogo no Mineirão, mas nossa torcida não queria nem saber.

O jogo teve alguns momentos de churrasco, com o Palmeiras empolgadíssimo tentando o segundo gol e escancarando o contra-ataque para o Botafogo. Houve chances dos dois lados, até que Cuca acabou com a brincadeira e mandou Gabriel a campo, no lugar de Tchê Tchê.

De volta a um jogo normal, o Palmeiras passou a controlar o jogo e construir as jogadas com tranquilidade. Aos 34, Roger Guedes fechou pelo miolo e bateu de fora, com força; Sidão rebateu para o meio e Dudu tentou emendar, mas a bola subiu demais. Roger Guedes poderia ter tocado para Gabriel Jesus, livre, na direita.

Dali para a frente, o Verdão fez o relógio passar, com muita experiência. O Botafogo ainda chegou a colocar uma bola na rede, mas depois de uma jogada claramente faltosa de Sassá sobre Jailson. O anúncio do empate do Cruzeiro soou como um gol do próprio Palmeiras. No final, Carli e Leandrinho apelaram em cima de Dudu, que segurava a bola no canto, e levaram cartões – cada um de uma cor. E o jogo acabou.

FIM DE JOGO

Foi mais uma grandíssima partida de futebol. O Botafogo valorizou bastante nossa vitória e o Cruzeiro, a 500 km de distância, deu um tempero especial. Mas o grande protagonista da tarde foi mesmo o Palmeiras, time e torcida, que deram mais um espetáculo.

Faltam dois jogos e tudo o que o Verdão precisa é de um empate. Só perdemos dois jogos seguidos uma vez no campeonato, e foi num momento de instabilidade que não se repetiu. A Chapecoense vem para o jogo com a cabeça na lua – ou melhor, na Sul-Americana. A contagem regressiva é inevitável, mas isso não significa que acabou. Ainda falta esse ponto. Ele virá. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Botafogo-RJ

GOL
Sidão
LAD
Émerson
ZAG
Joel Carli
ZAE
Émerson Silva
LAE
Diogo Barbosa
VOL
Rodrigo Lindoso
VOL
Dudu Cearense
ATA
Sassá
MEI
Alemão
MEI
Fernandes
ATA
Leandrinho
MEI
Camilo
ATA
Neílton
GOL
Rodrigo Pimpão
TÉCNICO
Jair Ventura

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
0
Jean
0
Mina
0
Thiago Martins
0
Vitor Hugo
0
Zé Roberto
0
Tchê Tchê
0
Gabriel
0
Moisés
0
Roger Guedes
0
Cleiton Xavier
0
Alecsandro
0
Dudu
0
Gabriel Jesus
0
Cuca
Cuca
s/n