1
X
0

Pré-Jogo

O Verdão entra em campo no Allianz Parque na tarde deste domingo, contra o Botafogo, para dar o penúltimo passo em direção ao título brasileiro – e pode ser o último em caso de uma improvável combinação de resultados envolvendo Santos e Flamengo. A torcida faz as contas, mas o time, tentando ficar alheio a tudo isso, se refugiou mais uma vez em Atibaia para se preparar para este jogo tão importante.

Todos os ingressos foram vendidos com muita antecedência e certamente o Allianz Parque se tornará, mais uma vez, um grande caldeirão verde. A tarde promete.

DESFALQUES:
Lesionados
: Roger Carvalho e Vitinho
Recuperação física: João Pedro

RELACIONADOS:
Goleiros
: Jailson, Vinicius Silvestre, Vagner e Fernando Prass
Laterais: Egídio*, Fabiano, Jean e Zé Roberto
Zagueiros: Edu Dracena, Mina, Thiago Martins, Augusto e Vitor Hugo*
Volantes: Arouca*, Gabriel, Matheus Sales*, Moisés, Rodrigo, Thiago Santos* e Tchê Tchê
Meias: Allione, Cleiton Xavier* e Fabrício
Atacantes: Alecsandro, Barrios, Dudu*, Erik, Gabriel Jesus*, Leandro Pereira, Rafael Marques* e Roger Guedes
* pendurado

A grande novidade da lista de relacionados foi a volta de Fernando Prass. Já realizando treinos de recondicionamento técnico há duas semanas, o arqueiro pode estar próximo de sua volta. Mas Jailson deve seguir sendo o titular. Apesar de ter nove pendurados, fruto da metralhadora do juiz do jogo em Belo Horizonte, Cuca não tem nenhum problema de suspensão e poderá escolher entre praticamente todo o elenco os onze que entrarão em campo. A maior dúvida é Mina, que ainda pode ter algum reflexo da lesão sofrida nos jogos pela seleção da Colômbia. A tendência é que sejam os do campinho ao lado, mas vocês sabem: Cuca é Cuca.

ADVERSÁRIO

Depois de uma ótima fase que começou exatamente quando venceu o Verdão no primeiro turno, o Botafogo aparentemente virou o fio: não vence há três jogos e perdeu o último, em casa, para a Chapecoense, mostrando um futebol muito ruim.

Dois dos três volantes titulares estão fora do jogo: Bruno Silva está com uma virose e Airton está suspenso, assim como Victor Luís. Em seus lugares devem entrar Dudu Cearense, Fernandes e Diogo Barbosa. O técnico Jair Ventura ainda pensa se vai escalar Rodrigo Pimpão ou Sassá ao lado de Neilton no ataque. O provável time é Sidão; Alemão, Carli, Emerson e Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Dudu Cearense, Fernandes e Camilo; Neilton e Rodrigo Pimpão (Sassá).

Lei do EX: Gabriel e Rafael Marques (Palmeiras)

RETROSPECTO

A História dos confrontos entre Palmeiras e Botafogo começou em 1922 e já tem 112 partidas. O Verdão venceu 42, houve 36 empates e o Botafogo venceu apenas 34 vezes; foram 166 gols palmeirenses e 146 dos cariocas.

  • Em partidas pelo campeonato brasileiro, em 51 confrontos, o Palmeiras venceu 20, empatou 17 e perdeu 14 vezes, marcando 68 gols e sofrendo 53;
  • Em nossa casa, aconteceram 26 partidas e nosso retrospecto é massacrante: ganhamos 16, empatamos 6 e perdemos apenas 4; marcamos 49 gols e sofremos apenas 22;
  • Dos oito campeonatos brasileiros do Palmeiras, 2 foram conquistados em partidas contra o Botafogo: o Robertão de 1969 (vitória por3 a 1) e o Brasileiro de 1972 (empate em 0 a 0);
  • Apita o jogo Elmo Alves Resende Cunha, pela oitava vez em sua carreira. Até agora, apitou uma vitória do Palmeiras, dois empates e quatro vitórias dos adversários, com ele como árbitro marcamos 9 gols e sofremos 12.

PARPITE

Tudo conspira a favor do Palmeiras. O adversário ainda tem pontos a garantir para se classificar à Libertadores, mas esta partida não é fundamental. Cheio de desfalques e em viés de baixa, o Botafogo é o adversário ideal para esta partida, desde que nosso time mantenha o foco que vem mostrando em todos os jogos do campeonato e que se evidenciou nas últimas rodadas. Se colocar salto alto, toma gol no contra-ataque e perde o jogo.

Confiando que nosso time não vai cometer um erro desses a esta altura do campeonato, com todo o otimismo que a postura deste grupo nos permite alimentar, é tarde para uma vitória com autoridade: 4 a 1, com gols de Gabriel Jesus, Dudu, Jean e Vitor Hugo, para 39.876 pagantes. Rumo ao caneco, VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

Foi difícil, mas jogando muito bem o Verdão venceu o Botafogo por 1 a 0 no Allianz Parque e, com os tropeços do Santos e do Flamengo, fica a apenas um ponto de conquistar o eneacampeonato brasileiro. O Allianz Parque viveu uma de suas tardes mais gloriosas nestes dois anos de existência e 2009 está prestes a terminar, definitivamente.

PRIMEIRO TEMPO

Jair Ventura armou o time com Emerson Silva, que é zagueiro/volante, jogando na lateral, e Alemão, que seria o lateral, jogando avançado tentando pegar as costas de Zé Roberto. Cuca, que saiu jogando com Cleiton Xavier na meia e Moisés e Tchê Tchê protegendo a zaga, armou o time de forma bastante ofensiva e o jogo se mostrou muito interessante desde os primeiros movimentos.

Surpreendentemente, o Botafogo não se limitou a se defender, embora estivesse com uma postura defensiva bastante sólida. Assim, o Palmeiras tinha a iniciativa do jogo, mantinha a posse de bola na intermediária ofensiva, mas passava por apuros quando o Botafogo saía rápido em contra-ataque – semelhante ao que o Palmeiras fez no meio da semana em Belo Horizonte.

Gabriel Jesus era marcado com truculência por Carli. O Palmeiras, a despeito de Alemão estar à espreita para aproveitar as costas de Zé Roberto, forçava muito pelo lado esquerdo, com Dudu. O Verdão teve uma baixa logo com dez minutos: Mina sentiu a lesão que o tirou do último jogo e deu lugar a Thiago Martins. Aos 14, Dudu bateu falta do bico da área, Moisés apareceu de surpresa no segundo pau e testou para o gol, mas a bola bateu no corpo de Sidão, como um goleiro de handebol. Aos 20, depois de boa troca de passes, Cleiton Xavier arriscou de fora da área, sem direção.

Com o gol do Cruzeiro anunciado nos alto-falantes, o clima do estádio ficou espetacular. Mas o Botafogo insistia em complicar a vida do Palmeiras com um posicionamento muito eficiente e por vezes nos complicando nas eventuais descidas, como aos 23: após saída de bola errada do Palmeiras, Neilton fez boa jogada pela esquerda e cruzou; Pimpão raspou e Alemão fechou na marca do pênalti, dominou na coxa e bateu por cima.

Aos 27, outra chance de ouro do Palmeiras: Vitor Hugo roubou a bola e ligou com Dudu, que armou a jogada com Moisés; ele enxergou Roger Guedes fechando pela direita e cruzou. Em vez de tentar o gol, o ponta tentou servir Gabriel Jesus que estava impedido – mas mesmo assim escorou com o joelho a bola para fora. Dois minutos depois, Moisés gastou a bola, com um lindo chapéu em Alemão, ligou com Dudu que invadiu a área, cortou para dentro e bateu forte, para boa defesa de Sidão.

Moisés estava impossível: aos 35, ele aproveitou uma bola de Dudu que veio da esquerda e pegou um sem-pulo espetacular, a bola saiu perto do ângulo direito de Sidão, que entregou a Deus. O Botafogo ameaçou aos 39: Neilton aproveitou uma indecisão de Thiago Martins e Tchê Tchê, colocou na frente e Pimpão chegou batendo, para ótima defesa de Jailson. Aos 44, o Botafogo teve mais um lance com Carli, que bateu de canela na bola na linha da pequena área após cruzamento forte de Camilo da direita. E assim terminou o primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

O Verdão voltou com tudo para o segundo tempo e logo com um minuto de jogo criou a primeira chance: Jean fez a jogada pela direita e cruzou por baixo; a bola cruzou a área e chegou a Dudu que bateu forte; Sidão salvou e Cleiton Xavier tentou aproveitar o rebote mas mandou por cima.

A notícia do primeiro gol do Santos cortou o barato da torcida. E quase o estádio desaba de uma vez em arrancada de Neilton logo em seguida; ele ganhou de Tchê Tchê, depois de Vitor Hugo e bateu forte – Jailson fez ótima defesa. E essa foi a deixa do que seria boa parte do segundo tempo: o Botafogo muito mais bem armado para os contra-ataques, aproveitando a tarde ruim de Tchê Tchê. Assim, passamos por alguns sufocos, com o time carioca chegando várias vezes em nossa área mas não conseguindo as finalizações, sempre travados por nossa defesa.

E em nosso pior momento do jogo construímos o gol, numa impressionante demonstração de força: Dudu partiu em velocidade pela direita e viu Gabriel Jesus fechando pelo meio, em jogada idêntica ao gol contra o Galo; o passe, no entanto, foi levemente desviado e o camisa 33 não alcançou, indo buscar a sobra do lado esquerdo; Dudu correu como um raio para o miolo e, da pequena área, aproveitou o novo cruzamento desviando de cabeça para o canto esquerdo de Sidão, batido. O Allianz Parque explodiu em êxtase – àquela altura, o Santos estava virando o jogo no Mineirão, mas nossa torcida não queria nem saber.

O jogo teve alguns momentos de churrasco, com o Palmeiras empolgadíssimo tentando o segundo gol e escancarando o contra-ataque para o Botafogo. Houve chances dos dois lados, até que Cuca acabou com a brincadeira e mandou Gabriel a campo, no lugar de Tchê Tchê.

De volta a um jogo normal, o Palmeiras passou a controlar o jogo e construir as jogadas com tranquilidade. Aos 34, Roger Guedes fechou pelo miolo e bateu de fora, com força; Sidão rebateu para o meio e Dudu tentou emendar, mas a bola subiu demais. Roger Guedes poderia ter tocado para Gabriel Jesus, livre, na direita.

Dali para a frente, o Verdão fez o relógio passar, com muita experiência. O Botafogo ainda chegou a colocar uma bola na rede, mas depois de uma jogada claramente faltosa de Sassá sobre Jailson. O anúncio do empate do Cruzeiro soou como um gol do próprio Palmeiras. No final, Carli e Leandrinho apelaram em cima de Dudu, que segurava a bola no canto, e levaram cartões – cada um de uma cor. E o jogo acabou.

FIM DE JOGO

Foi mais uma grandíssima partida de futebol. O Botafogo valorizou bastante nossa vitória e o Cruzeiro, a 500 km de distância, deu um tempero especial. Mas o grande protagonista da tarde foi mesmo o Palmeiras, time e torcida, que deram mais um espetáculo.

Faltam dois jogos e tudo o que o Verdão precisa é de um empate. Só perdemos dois jogos seguidos uma vez no campeonato, e foi num momento de instabilidade que não se repetiu. A Chapecoense vem para o jogo com a cabeça na lua – ou melhor, na Sul-Americana. A contagem regressiva é inevitável, mas isso não significa que acabou. Ainda falta esse ponto. Ele virá. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Botafogo-RJ

Sidão
Émerson
Joel Carli
Émerson Silva
Diogo Barbosa
Rodrigo Lindoso
Dudu Cearense
Sassá
Alemão
Fernandes
Leandrinho
Camilo
Neílton
Rodrigo Pimpão
Jair Ventura
TÉCNICO

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
0
Jean
0
Mina
0
Thiago Martins
0
Vitor Hugo
0
Zé Roberto
0
Tchê Tchê
0
Gabriel
0
Moisés
0
Roger Guedes
0
Cleiton Xavier
0
Alecsandro
0
Dudu
0
Gabriel Jesus
0
Cuca
Cuca
s/n