2
X
1

25/01/2018 - 21:00

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x Red Bull

Na noite desta quinta-feira, a Sociedade Esportiva Palmeiras recebe o RB Brasil Red Bull na Arena Palmeiras no Allianz Parque em jogo válido pela terceira rodada do Paulistão. Em ano de Copa do Mundo, Roger Machado segue aprimorando as virtudes do elenco e corrigindo as falhas como se estivesse em pré-temporada.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Jean, Diogo Barbosa e Deyverson
Pré-temporada estendida:
Edu Dracena e Gustavo Scarpa
Não inscritos:
Fabiano, Emerson Santos, Jean, Pedrão e Hyoran

Existe uma boa possibilidade de Roger Machado escalar mais uma vez o mesmo time que iniciou as duas primeiras partidas da temporada; para isso, basta que a equipe de fisiologia dê o aval.

O menino Luan Candido, único reserva para a lateral esquerda, foi inscrito e tem chance de ser relacionado para figurar no banco, assim como Moisés, que intensificou os trabalhos com bola durante a semana e também poderá ser relacionado, pela primeira vez no ano. O time que tende a entrar em campo é Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo e Tchê Tchê; Willian Bigode, Lucas Lima e Dudu; Borja.

Red Bull

O time de Campinas iniciou o campeonato com empates contra Ferroviária e Santo André, e também busca um melhor posicionamento em campo. O técnico Ricardo Catalá, a exemplo de Roger Machado, tende a manter o time que vem jogando: Júlio César; Nininho, Tiago Alves, Ewerton Páscoa e Breno Lopes; André Castro, Maylson, Matheus Oliveira e Ricardo Andrade; Éder Luis e Edmilson.

Lei do Ex

Tiago Alves na zaga e Edmilson no ataque são os titulares que já passaram pelo Verdão. Ricardo Bueno também está no elenco, bem como João Denoni.

Retrospecto

Dudu estreou no Palmeiras há exatos três anos: no dia 25 de janeiro de 2015, o Verdão venceu o Red Bull por 3 a 2, em amistoso realizado no Allianz Parque. Ele entrou no intervalo, substituindo Maikon Leite.

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Red Bull
Red Bull
Allianz Parque
Allianz Parque
José Claudio Rocha Filho
José Claudio Rocha Filho
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

Só uma enorme surpresa tirará a vitória do Verdão. Neste feriadão na Capital Paulista, 25.001 pagantes verão o Palmeiras vencer o Red Bull por 4 a 1, com gols de Lucas Lima, Willian, Keno e Borja. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

SportvSporTV

Pós-Jogo

Palmeiras 2x1 Red BullCesar Greco / Ag.Palmeiras

Num jogo com dois heróis incomuns, o Verdão venceu o Red Bull por 2 a 1, de virada, e segue 100% no campeonato – o único time após a terceira rodada a ter esta marca. O time agora passa a pensar no Bragantino, para depois desfrutar de uma semana limpa para se preparar para o clássico contra o Santos.

PRIMEIRO TEMPO

Roger Machado fez as primeiras três mexidas no time titular do ano: Mayke estreou no ano no lugar de Marcos Rocha, Keno entrou do lado direito do ataque no lugar de Willian Bigode, e Thiago Santos rendeu Felipe Melo. O Palmeiras rapidamente assumiu o controle do jogo, recompondo muito rápido na marcação e saindo tocando com consciência, mas ainda com dificuldade no último passe.

Surpreendentemente, a primeira jogada aguda foi do Red Bull: pelo lado direito, Deivid conseguiu infiltrar e fez o cruzamento por baixo; Edmilson fuzilou da marca do pênalti e Jailson fez uma defesa espetacular, mas deu rebote; a bola caiu no pé de Éder Luiz, que finalizou de novo – desta vez  Jailson defendeu com tranqüilidade. Um susto.

Aos 14, o Palmeiras respondeu após falta cobrada por Lucas Lima; Thiago Martins escorou para o meio e Thiago Santos chegou chutando tudo; a bola ficou viva na pequena área e o juiz preferiu marcar falta para não se complicar.

Deivid era sempre a opção de ataque do Red Bull, em cima de Victor Luis, e a marcação passou a ficar atenta no setor, fechando o espaço. O Palmeiras começou a abafar; aos 18, Lucas Lima roubou a bola no meio-campo e ligou rápido com Borja, que arrancou a seu estilo, invadiu a área e soltou o canudo – Júlio César defendeu parcialmente e a defesa aliviou.

Quando parecia que o Palmeiras chegaria ao gol na pressão, aos 23 minutos o Red Bull aproveitou uma falha em nosso sistema defensivo, que deixou de armar as duas linhas de forma organizada: Éder enxergou Breno Lopes passando pela esquerda e abriu bem; sem marcação, o lateral cruzou na marca do pênalti e Deivid mergulhou para ganhar de Victor Luis e, com muita felicidade, testar forte para vencer Jailson.

Com o gol, uma irritação fora do normal tomou conta do Allianz Parque e o time não tinha mais tranqüilidade sequer para demorar para fazer um passe. Uma torcida inexplicavelmente à beira de um ataque de nervos.

Dudu e Keno jogavam afunilando e nem sempre havia sincronia com os laterais. Assim, o Palmeiras deixava de aproveitar espaços importantes nos flancos para armar as jogadas ofensivas. Aos 36, depois de choque de Dudu na área, Tchê Tchê arriscou um chute de fora, tímido, fácil para Júlio César. Aos 38, Keno sentiu uma providencial pancada e o jogo ficou quase dois minutos parados – formou-se uma conferência em torno de Roger Machado para que ele passasse suas orientações ao time.

Parece que deu resultado. Dudu e Keno passaram a jogar mais abertos; Lucas Lima ganhou opções e a pressão cresceu nos minutos finais. Keno sofreu falta do lado direito; Lucas Lima cobrou no segundo pau e Thiago Santos, meio corpo adiantado, testou no chão, acertando o canto direito de Júlio César, que ficou vendido. O Verdão foi para o intervalo com a igualdade, depois de muita dificuldade.

SEGUNDO TEMPO

Sem alterações, o time voltou para o segundo tempo e aos três minutos perdeu ótima chance: Dudu bateu rápido uma falta na intermediária defensiva e pegou a defesa do Red Bull desarrumada; Borja apostou corrida com Anderson Marques e os dois chegaram juntos na área; Borja girou em torno da bola, protegeu e bateu para o gol; Júlio César defendeu bem e a zaga afastou o perigo.

Aos 11, o Palmeiras viu o Red Bull trocar muitos passes e permaneceu postado. No erro, Keno roubou e lançou Dudu com rapidez, nas costas da zaga; o capitão invadiu a área e tocou por cima, mas Júlio César conseguiu dar um tapa para escanteio. Na cobrança curta, Lucas Lima cruzou no segundo pau e Thiago Santos surgiu com um raio para testar com muita força – a bola passou raspando o travessão.

Já com Dudu e Keno invertidos, mais uma chance aos 14: Keno disputou uma bola na área e abriu para Victor Luis, que cruzou na cabeça de Borja; a testada saiu firme, mas subiu um pouco e acordou a coruja do lado direito do gol Sul.

Aos 20, Roger mexeu no time pela primeira vez: Willian Bigode no Keno e Bruno Henrique no Tchê Tchê. Aos 23, Dudu cobrou falta que ele mesmo recebeu, por cima do gol. O Red Bull se armou para o contragolpe e o Verdão seguia com problemas para encaixar uma jogada de ataque. Roger promoveu então a estréia de Guerra, no lugar de Borja – Willian foi jogar por dentro.

Aos 30, Éder Luis entrou na área e, na disputa com Antônio Carlos, se desmanchou no chão – o bandeira Eduardo Vequi Marciano apontou o pênalti para o árbitro, que atendeu, e assim conseguiu compensar o erro do gol impedido de Thiago Santos. Na batida, Rodrigo Andrade tocou no canto esquerdo e Jailson defendeu; no rebote Nininho bateu forte e Jailson cresceu para abafar, salvando o Verdão de forma espetacular.

Aos 34, Rodrigo Andrade fez falta em Thiago Santos e levou o segundo amarelo. O Verdão chegou forte aos 40, depois que Lucas Lima fez ótimo cruzamento no segundo pau e achou Willian, que só ajeitou no meio para Bruno Henrique, que chegou como um centroavante, mas concluiu como as nossas avós.

Bruno Henrique poderia ter saído como o vilão do jogo, mas foi salvo pelo outro volante do time. Aos 42, após jogada aérea, todos os nossos zagueiros estavam no ataque; a defesa deles rechaçou e Mayke ligou com Thiago Martins na direita; o camisa 31 fez o cruzamento por baixo, Antônio Carlos disputou o lance no bico da pequena área e a bola passou, para cair nos pés de Thiago Santos que, com o gol vazio, apenas empurrou para as redes.

Nos descontos, com o Red Bull já batido, quase saiu o terceiro: Dudu abriu para Mayke na direita; ele foi ao fundo e rolou para a chegada de Willian, que ia fazer de carrinho mas Éverton Silva dividiu por baixo e salvou. O Verdão controlou os minutos finais e chegou à terceira vitória na temporada.

FIM DE JOGO

Foi o jogo mais complicado dos três disputados no ano até agora. Contra um time mais organizado, o Palmeiras teve dificuldades para chegar ao gol adversário, sobretudo no primeiro tempo. Os laterais não acertaram o tempo de subida e bateram cabeça com os meias abertos – algo que foi corrigido parcialmente no segundo tempo. A vitória veio nos brilhos individuais de Jailson e Thiago Santos.

Certamente Roger Machado terá muitos elementos para estudar e seguir desenvolvendo as variações de jogo que o elenco pode imprimir. Quando o time vence, tudo fica mais fácil, mesmo numa atuação coletiva não tão boa como a desta noite. Que venha o Braga e VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Red Bull

GOL
Julio César
LAD
Nininho
ZAG
Ewerton Páscoa
ZAE
Tiago Alves
ZAE
Anderson Marques
VOL
Doriva
LAE
Breno Lopes
VOL
André Castro
MEI
Éder
MEI
Rodrigo Andrade
ATA
Deivid
LAD
Éverton Silva
ATA
Edmilson
ATA
Éder Luís
TÉCNICO
Ricardo Catalá

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Defendeu praticamente dois pênaltis, já que o rebote foi à queima-roupa. Monstruoso.
9.5
Mayke
Falhou no gol, totalmente fora do jogo no primeiro tempo, entendeu o que precisava fazer nos últimos 20 minutos e melhorou bem.
6
Antônio Carlos
Discreto e seguro, boa participação no lance do gol da vitória.
7
Thiago Martins
Continua muito forte no jogo aéreo.
7
Victor Luis
Completamente perdido.
5
Thiago Santos
Com dois gols, nem dá pra falar muito dos problemas de posicionamento. Fica pra próxima.
9.5
Tchê Tchê
Voltou a oscilar para baixo; fez um bom jogo taticamente mas errou demais na execução.
5.5
Bruno Henrique
Fazia um jogo mais consistente que Tchê Tchê e era um dos responsáveis pela pressão final do Palmeiras dar certo, mas o gol que perdeu no fim não tem perdão.
6
Keno
Mesmo sem o brilho dos jogos anteriores, teve um desempenho acima da média.
6.5
Willian
Sempre perigoso, seja aberto ou jogando enfiado. É muito bom tê-lo no elenco.
6
Lucas Lima
Muito à vontade em campo, desafogou o time nos momentos mais complicados.
7.5
Dudu
Respondeu aos críticos no campo, fazendo um jogo bem mais produtivo que os dois primeiros do ano. E assim deve continuar evoluindo.
7.5
Borja
Segue fazendo boas partidas taticamente com muita doação, mas desta fez pecou nas finalizações - seu ofício primordial.
6
Guerra
Com pouco tempo em campo, mostrou que ao menos entendeu o que precisava fazer, jogando aberto pela direita e triangulando com Mayke e Lucas Lima.
6
Roger Machado
Roger Machado
Papo decisivo no fim do primeiro tempo; mexidas corretas no segundo e o time cada vez mais com sua cara.
7.5