2
X
2

25/03/2017 - 16:00

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x Audax

Pela penúltima rodada da fase de classificação do Paulistão, o Verdão recebe o Audax no Allianz Parque a partir das 16h deste sábado. Classificado para as quartas-de-finais, com o primeiro lugar do grupo assegurado, o jogo vale o mando no jogo de volta de uma possível semifinal: se o Palmeiras vencer, garantirá também essa vantagem.

Palmeiras

Desfalques

Lesionados: Thiago Martins, Moisés e Jean
Condicionamento físico: Arouca
Poupados: Edu Dracena e Felipe Melo
Não inscritos
: Hyoran e Daniel Fuzato
Convocados: Mina, Dudu, Guerra e Borja

Relacionados

A comissão técnica decidiu não divulgar os relacionados  para o jogo, mas por exclusão, concluímos que são os 19 restantes:
Goleiros: Fernando Prass, Jailson e Vinicius
Laterais: Fabiano, Zé Roberto e Egídio
Zagueiros: Antônio Carlos e Vitor Hugo
Volante: Thiago Santos
Meias:
Michel Bastos, Tchê Tchê, Vitinho e Raphael Veiga
Atacantes:
Roger Guedes, Rafael Marques, Keno, Erik, Willian Bigode e Alecsandro

No treino desta sexta-feira, Eduardo Baptista sinalizou que vai continuar rodando o elenco, como fez na partida contra o Mirassol. Jailson e Alecsandro devem ser as novidades; Vitor Hugo, que volta de suspensão (mesmo assim, pendurado), também deve aparecer entre os titulares, que devem formar assim: Jailson; Fabiano, Antônio Carlos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos; Roger Guedes, Tchê Tchê, Michel Bastos e Keno; Alecsandro.

Audax

Lanterna do Paulista, seriamente ameaçado pelo rebaixamento, o Audax não pode se dar ao luxo de jogar pelo empate. O time de Fernando Diniz, que este ano esteve longe de dar o bom encaixe dos anos anteriores, inevitavelmente deve dar espaços para o Palmeiras jogar – a partida deve ser bem diferente das duas anteriores no Allianz Parque, contra os retrancadíssimos Jorge Wilstermann e Mirassol.

Francis, Danielzinho e Pedro Carmona estão lesionados há algumas rodadas e seguem sendo desfalque. Sem problemas de suspensão, Fernando Diniz gostou da atuação do time no empate por 2 a 2 contra o Novorizontino e deve repetir o time neste sábado: Felipe Alves; Felipe Rodrigues, André Castro e Magal; Matheuzinho, Bruno Guimarães, Matheus Vargas e Léo Artur; Rafinha, Hugo e Marcus Vinícius.

Lei do Ex

Pedro Carmona e Francis Sabonete seriam os perigos deste sábado, mas, como vimos, são desfalques. Tchê Tchê terá a chance de carimbar as redes de seu ex-clube, que depois de sua saída, nunca mais fez uma boa partida.

Retrospecto

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Audax
Allianz Parque
Allianz Parque
Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

As coisas começaram a ficar fáceis demais e é exatamente nessas situações que os tropeços acontecem. O Audax montou um de seus piores times desde a fundação da empresa, mas mesmo assim é capaz de aprontar se o Verdão não entrar 100% ligado. O jogo deve ser bem difícil, por todas as circunstâncias, mas vai dar Palmeiras: 1 a 0, gol de Vitor Hugo, para 24.012 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Pós-Jogo

Palmeiras 2x2 AudaxCésar Greco / Ag.Palmeiras

Com quase todo o time formado por reservas, o Verdão chegou perto da vitória, mas acabou cedendo o empate para o Audax, que luta desesperadamente contra o rebaixamento. O time se comportou bem em alguns períodos do jogo, forçou alguns cartões amarelos para limpar a ficha para a fase final, e só não saiu com a vitória porque teve pela frente um time que lutou com muita garra para que isso não acontecesse. O resultado não chega a ser um desastre na busca pelas vantagens no mata-mata, mas o time perde parte da gordura que conquistou.

PRIMEIRO TEMPO

O Audax desde o início se manteve leal à característica de jogo que vem mostrando há três ou quatro anos: tentou valorizar a posse de bola ao máximo, atraindo o Palmeiras para a marcação alta e assim abrindo os espaços para penetrar em nosso campo. Nosso time nem sempre aceitou o convite, mas por vezes cedeu à tentação e marcou lá em cima. A bola ficou viva e correndo o tempo todo, tornando o jogo muito agradável de se ver, mesmo com a técnica dos jogadores não sendo exatamente um primor.

Logo de cara o Audax mostrou que não vinha mesmo para tentar só um empate – nem poderia, pela situação na tabela. Foram três chutes de fora antes da marca dos cinco minutos; nenhum levou perigo. Nossa primeira finalização foi aos 12, com Alecsandro: ele aproveitou um lindo toque de Roger Guedes e, entre os zagueiros, tocou de bico, mas Felipe Alves defendeu.

A primeira bola nas costas de Zé Roberto aconteceu aos 14 minutos: Matheuzinho foi lançado, chegou na bola mais rápido que Jailson (que saiu errado), mas concluiu mal, para nossa sorte.

O Verdão se ressentia da falta de um articulador nato e as jogadas custavam a sair. Até Roger Guedes passou a cair pelo meio para tentar ajudar na armação. O Verdão só ameaçou o gol de Felipe Alves aos 24, em falta batida por Fabiano – a bola desviou de leve na barreira e foi a escanteio – mas tinha o endereço.

Aos 28, novo vacilo de Zé Roberto: após jogada pela esquerda, a bola foi alçada em nossa área e a defesa saiu – menos o camisa 11, que deu condições para três atletas de vermelho – para nossa sorte, nenhum deles dominou a bola, que estava fácil. Um minuto depois, mais uma chance do Audax: contra-ataque rápido pelo meio, Fabiano e Antônio Carlos ficaram com quatro jogadores e foram envolvidos, e Rafinha chegou de frente com Jailson para bater por baixo, buscando o canto esquerdo, mas tirou demais. Mérito de nosso goleiro, que saiu fechando o ângulo muito bem desta vez.

Aos 32, um lance que incendiou o Allianz Parque: Felipe Alves saiu tocando errado e deu nos pés de Thiago Santos que bateu de chapa, de primeira, tentando encobrir o goleiro do Audax – a bola saiu por cima, por muito pouco. Se fosse contra o SPFC, teria entrado.

Mas de nada adiantou a animação da torcida. O Audax continuava superior em campo e aos 40, Bruno Guimarães achou Rafinha bem posicionado e abriu; o atacante girou o corpo e bateu por cima do gol de Jailson, com perigo.

Aos 46, Tchê Tchê roubou a bola na defesa e puxou o contra-ataque; ele acionou Alecsandro, que buscou o jogo e distribuiu para Michel Bastos, pela direita. Com a defesa do Audax já armada, Michel recolheu, conduziu em diagonal e bateu forte de meia distância; Felipe Alves deu rebote e Roger Guedes conferiu para as redes, abrindo o placar. O primeiro tempo terminou com um resultado injusto pelo que as duas equipes fizeram em campo.

SEGUNDO TEMPO

O Verdão voltou do vestiário sem alterações, mas muito mais ligado no jogo. O meio-campo melhorou o posicionamento, as linhas se juntaram mais e a coordenação da saída para o ataque parecia funcionar melhor. Mas a primeira boa chance foi do Audax, muito bem armado para os contragolpes: aos 7, a bola longa encontrou Rafinha, que aproveitou a falha de Fabiano, chegou de frente para Jailson e tentou emendar a bola pingando, mas errou o alvo.

O volume de jogo do Verdão era evidente, e aos 11 quase saiu o segundo: após escanteio da esquerda, Alecsandro desviou e Felipe Alves fez uma defesa monstruosa; no rebote Vitor Hugo escorou também de cabeça e Felipe Alves defendeu de novo. Aos 17, Keno, em partida ruim, partiu em velocidade pela esquerda mas escolheu mal o momento do passe para Alecsandro, facilitando o corte. Foi o último lance dos dois no jogo: deram lugar a Erik e Willian Bigode.

As mexidas faziam todo o sentido. Com a defesa do Audax cada vez mais avançada para compactar com a linha da frente, que tentava pressionar o Palmeiras, sobrava mais espaços para nossas jogadas em velocidade. Mas logo depois das substituições, aos 22, o Audax chegou ao empate: Matheuzinho recebeu livre, dentro da área (Antônio Carlos marcava de longe) e inverteu, para a chegada de Betinho, que bateu de primeira com muita felicidade, colocando no canto esquerdo de Jailson, que não tinha o que fazer, empatando o jogo.

O Audax seguia precisando de um gol e as alterações de Eduardo Baptista ainda faziam sentido. Aos 23, Antônio Carlos lançou a bola longa, Roger Guedes raspou de cabeça e Willian fez o facão, colocando na frente e soltando um míssil que explodiu no travessão, bateu na grama e não entrou por muito pouco.

Aos 27, O Verdão chegou ao segundo gol, merecido: Erik roubou a bola na esquerda e tabelou com Willian; recebeu de volta e foi ao fundo, fazendo o cruzamento por baixo; Bigode teve que bater duas vezes para vencer Felipe Alves, que estava numa tarde inspirada: 2 a 1. E Erik quase deixou o seu e matou o jogo aos 31: nova tabela entre Willian e Erik; desta vez foi o camisa 17 quem entrou em diagonal e bateu forte, buscando o canto direito do gol do Audax, mas a bola saiu por pouco.

Aos 33, Michel Bastos tentou bater de fora mas a bola foi desviada, sobrou para Roger Guedes, como um centroavante, que fez a parede e tocou de novo para Michel Bastos, que chegou na corrida mas foi travado na hora de fazer o terceiro. O jogo parecia decidido, com o Palmeiras muito superior em campo e com a vantagem no placar.

Mas o Audax precisava demais do resultado e não desistiu: aos 35, após escanteio para o Palmeiras que a defesa rechaçou, a bola foi lançada rapidamente na esquerda para Léo Artur, que ganhou na velocidade de Zé Roberto, entrou na área e tocou por cima, na saída de Jailson, empatando mais uma vez o jogo num lance de muita felicidade.

Eduardo Baptista parece não ter se importado tanto com o placar e mandou Vitinho a campo, seguindo seu plano de dar rodagem a todos os atletas, mesmo com o resultado não sendo favorável. E os jogadores pendurados não se importavam em perder tempo para cavar os cartões que os limpariam para o mata-mata. É muita frieza e pragmatismo pra cabeça do torcedor.

O Audax seguia tentando a vitória e armou um contra-ataque perigoso aos 46, que Antônio Carlos conseguiu travar na última hora. Se fosse o Zé Roberto nessa cobertura, não sei não… Com apenas 3 minutos de acréscimo, o fraco Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, que inverteu faltas e picotou o jogo de forma desnecessária, encerrou o jogo.

FIM DE JOGO

Dá para tirar várias lições deste jogo; algumas bem específicas, outras bem manjadas: quando se tem a chance de matar um jogo, não se pode desperdiçar. Com a vantagem no placar, contra um time que precisa muito do resultado, não é necessário subir todo mundo num escanteio a dez minutos do fim. E a cobertura para times bem armados para o contra-ataque precisa melhorar – Zé Roberto parece já não dar conta dessa função, e ele não é reserva, como a maioria deste time que jogou hoje.

Erros pontuais e compreensíveis para um time em que a maioria estava empolgada, tentando mostrar serviço para a torcida e principalmente para o treinador. Alguns conseguiram, como Erik e Willian Bigode. Outros entraram em declínio, como Keno. Oscilações normais num elenco tão qualificado e numeroso. Joga quem estiver em momento melhor, e jogadores que eram dados como mortos apareceram bem nesses dois jogos e recuperaram prestígio.

A próxima parada é em Campinas, contra a Ponte, e mais uma vez o elenco deve ser rodado. Vários jogadores conseguiram o terceiro cartão e o time vai afiando suas armas para a fase decisiva, que começa no próximo final de semana. Gostamos! VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Audax

GOL
Felipe Alves
ZAG
Felipe Rodrigues
VOL
Betinho
ZAG
André Castro
ZAE
Magal
MEI
Matheuzinho
VOL
Bruno Guimarães
VOL
Matheus Vargas
MEI
Léo Artur
MEI
Ytalo
ATA
Rafinha
ATA
Leo Cereja
ATA
Marcus Vinicius
ATA
Marquinho
TÉCNICO
Fernando Diniz

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Apesar do bom volume do Audax, não teve grandes intervenções - nada a fazer nos gols, o resto foi para fora.
6.5
Fabiano
Apoiou direitinho, defendeu bem, mas acabou vencido na velocidade num lance capital no fim do primeiro tempo. Não pode.
6
Antônio Carlos
Várias boas intervenções durante o jogo, algumas decisivas. Mas deu espaço demais no lance do primeiro gol do Audax.
7
Vitor Hugo
Discreto, como é necessário depois de cartões e suspensões que o colocam em xeque. Quanto menos aparecer, melhor.
6.5
Zé Roberto
Desastroso. Preocupante. Reage, monstro!
2
Thiago Santos
Substituiu com muita tranquilidade a Felipe Melo, que está sobrando. Nada a temer nesta posição.
7
Roger Guedes
Muita personalidade, se meteu até a fechar pelo meio para armar o time. Nem parece que tem só 20 anos.
8
Tchê Tchê
Partida apenas OK, abaixo do seu nível habitual - talvez por isso o Audax tenha ficado tanto com a bola no pé.
6.5
Michel Bastos
Mesmo jogando por dentro, onde não fica tão à vontade, participou bem do jogo, criando oportunidades com passes, cruzamentos e chutes de fora.
7.5
Vitinho
Entrou com 10 minutos para o fim e o jogo empatado. Tremeu, errou tudo o que tentou. Melhor não dar nota.
0
Keno
Pouco inspirado, não conseguiu envolver a defesa como de costume.
4
Erik
Criou a jogada do segundo gol e mostrou muita vontade de se reabilitar. Não poderia ter feito melhor seu papel.
8
Alecsandro
Só na experiência, já não parece ter forças para acompanhar o ritmo necessário. Mesmo assim, arredonda uma aqui, faz uma parede ali, e vai levando.
6
Willian
O artilheiro do Palmeiras no ano vai aproveitando muito bem todas as suas chances e se mostra totalmente ambientado no time. Mais um grande jogo.
8.5
Eduardo Baptista
Eduardo Baptista
Haja frieza e pragmatismo. Rodou o elenco, mexeu certo e quase ganhou o jogo. Parece estar pensando para o quadro todo em vez de apenas este jogo. É o tipo da atitude que poucos enxergarão o efeito lá na frente. Se é que vai mesmo ter efeito - aguardemos.
6.5