Filpo Nuñez

Filpo Nuñez

Don Nelson Ernesto Filpo Nuñez nasceu em Buenos Aires em 1920 e foi um personagem único do futebol sul-americano. Formou-se em Educação Física no Equador, no início da década de 50 e engatou a carreira de técnico de futebol naquele país, com passagens rápidas também no futebol peruano e boliviano, até chegar ao Brasil, em 1955.

Treinou uma série de times, incluindo camisas de torcidas importantes como Cruzeiro, Atlético-PR e Vasco. Deu um pulinho em Portugal entre 1962 e 1964, até chegar ao Palmeiras em novembro daquele ano. No Verdão, criou a Primeira Academia, usando o incrível talento daquele elenco e aproveitando ao máximo o potencial de Ademir da Guia. Para ele, futebol era "pim-pam-pum", ou seja, toques rápidos, de primeira, inteligentes e letais, sempre em direção ao gol. Foi assim que Gildo Bala marcou o gol mais rápido da história, numa vitória por 4 a 1 sobre o Vasco.

Em sua primeira passagem pelo Palmeiras, conquistou o Torneio Rio-São Paulo de 1965 com uma vitória clássica por 3 a 0 sobre o Botafogo num Pacaembu lotado. Também foi sob seu comando a histórica vitória por 3 a 0 sobre a Seleção do Uruguai, no torneio de inauguração do Mineirão, quando o Palmeiras vestiu a camisa da Seleção Brasileira.

Filpo voltou ao Palmeiras em 1968 e a segunda passagem durou dez meses, terminando com o vice-campeonato paulista de 1969. Quase dez anos depois, em setembro de 1978, o folclórico argentino retornou para seu terceiro e derradeiro comando do time - depois de um empate na estreia, enfileirou sete vitórias seguidas, com cinco jogos sem perder, e aquele time foi rapidamente batizado de "ciclone". Tão rápido como embalou, o ciclone de Filpo virou brisa, e Telê Santana acabou contratado para seu lugar.

Filpo Nuñez comandou o Palmeiras 153 vezes, com um aproveitamento extraordinário: 90 vitórias, 28 empates e 33 derrotas. Faleceu em São Paulo em março de 1999, aos 78 anos.

 

 


Resumo das partidas

Jogos
Aprov
V
E
D
153
66,2%
92
28
33