Abel elogia atuação do Palmeiras no segundo tempo e critica gramado do Castelão

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Fortaleza, durante partida válida pela trigésima quarta rodada do Brasileirão 2021, na Castelão.
Cesar Greco

Apesar do terceiro revés seguido, Abel comentou que a confiança da equipe não está abalada

O Palmeiras visitou o Fortaleza na noite deste sábado e perdeu para o adversário por 1 a 0 – Robson, na primeira etapa, foi o autor do gol do mandante. Após o final da partida, em entrevista coletiva, o técnico Abel Ferreira falou sobre o jogo, elogiou o desempenho do time no segundo tempo e lamentou a falta de eficiência.

“Fizemos um primeiro tempo que não foi bom, mas na etapa final fizemos aquilo que estava dentro do esperado. Tivemos 13 chutes a gol contra 8 do adversário. Destes, 8 foram dentro da área. Cometemos 12 faltas e eles 24, e nossa posse de bola foi maior: 67 x 33. A equipe produziu, mas faltaram os gols”, iniciou.

“Chegamos a marcar um, mas foi bem anulado, só que foi parecido ao gol do Fluminense [domingo passado], porém lá foi validado. Fizemos uma excelente etapa final. Há coisas positivas”, concluiu.

O treinador reclamou também do gramado do Castelão e se mostrou contente por não ter perdido nenhum jogador por lesão.

“Tivemos dois grandes obstáculos na partida: o adversário e o gramado. Havia uma prioridade muito grande para o jogo de hoje: chegar à final sem lesões e, aparentemente, conseguimos”, declarou o comandante.

Abel diz que sequência de derrotas não afeta confiança

Depois de conseguir seis vitórias consecutivas, o Palmeiras chegou à terceira derrota seguida ao perder para o Fortaleza. Entretanto, para Abel Ferreira, isso não afetará a confiança dos jogadores para o dia 27, na final da Libertadores contra o Flamengo.

“O futebol não é uma ciência exata. Aqui é complicado de se jogar, há muita competitividade. O Fortaleza estava com quatro derrotas seguidas e hoje ganhou. As equipes passam por fases, por isso falo muito da importância do equilíbrio. Somos profissionais do futebol e isso faz parte do futebol. É preciso ter calma, confiança e acreditar no nosso trabalho”, finalizou.

Antes de encarar a equipe carioca na decisão, o Verdão terá mais um compromisso pelo Brasileiro: o Atlético-MG. O duelo, que não terá a presença de Abel Ferreira, que foi suspenso, acontecerá nesta terça-feira, às 21h30, no Allianz Parque.

Palmeiras homenageia ídolos da 1ª e da 2ª Academia

Homenagem aos ex-atletas e ídolos que compuseram as equipes de 1960 e 1970, na Academia de Futebol, em São Paulo-SP.
Fabio Menotti

Ídolos como Ademir da Guia, Dudu, César Maluco, Leão, entre outros, receberam títulos sociais vitalícios

O Palmeiras recebeu, na tarde de ontem em seu Centro de Treinamento, os ídolos que fizeram parte da primeira e da segunda Academia para homenageá-los. Os ex-jogadores foram condecorados com um título remido do clube social, que os permitem usufruir das dependências do clube até o fim da vida e também participarem da política do clube.

Ao todo, 27 ex-jogadores das décadas de 60 e 70 receberam a homenagem, sendo que 14 estiveram presentes na cerimônia. Foram eles: Ademir da Guia, Arouca, César Maluco, De Rosis, Dudu, Edu Bala, Leão, Mário Motta, Nei, Picasso, Pio, Polaco, Procópio e Zeca.

Os outros 13 que não puderam comparecer ao evento e receberam o título à distância, foram: Eurico, Luís Pereira, Alfredo Mostarda, Leivinha, Madurga, Jair Gonçalves, Careca, Nelson Coruja, Julio Amaral, Rinaldo, Santo, Maidana e Baldochi.

O técnico Abel Ferreira esteve ao lado do presidente Maurício Galiotte e outros membros da diretoria na celebração, e entregou um dos títulos a Arouca, zagueiro português que atuou no Verdão de 1974 a 1977.

Ídolos do Palmeiras falam sobre receberem a homenagem

O primeiro ex-jogador a ser agraciado foi o Divino, Ademir da Guia, maior jogador da História do Palmeiras, com 904 partidas disputadas e 11 títulos conquistados. “Temos realmente que agradecer à nossa Sociedade Esportiva Palmeiras, onde passamos muitos anos, disputamos muitos campeonatos e vivemos muitas glórias. Obrigado, Palmeiras”, declarou.

Parceiro de Ademir no meio de campo palmeirense, Dudu também agradeceu ao clube: “A gente fica agradecido e muito contente por essas homenagens que o Palmeiras nos proporciona. E também por poder rever os amigos daquela época. Isso enche o nosso coração de alegria”.

Por fim, o ex-atacante César Maluco, segundo maior goleador do Palmeiras (182 gols) e que terá um busto de bronze no clube, também fez uma declaração sobre o recebimento do título remido.

“É uma honra receber este presente e reconhecimento do Palmeiras. Eu já era sócio e participei da vida política do clube como conselheiro, mas agora como remido é muito melhor. Me sinto privilegiado por ser duas vezes homenageado em tão pouco tempo. Primeiro, com a notícia que vou ganhar um busto na sala de troféus do Palmeiras, que meus bisnetos e gerações futuras poderão ver mesmo quando eu não estiver mais aqui. Depois, por mais esta ação nobre da parte do Palmeiras”, contou.

Abel explica escolhas e enfatiza: “Temos um plano e vamos segui-lo até o fim”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o SPFC, durante partida válida pela trigésima terceira rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Abel falou também o motivo que o fez sair de campo antes do jogo encerrar

O Palmeiras recebeu o SPFC no Allianz Parque na noite desta quarta-feira, pela 33ª rodada do Brasileirão, e saiu derrotado do duelo por 2 a 0. Para o clássico, o técnico Abel Ferreira optou por escalar uma equipe totalmente alternativa, com apenas Weverton e Marcos Rocha, titulares da posição, entre os onze iniciais.

Após o final do duelo, em entrevista coletiva, o treinador falou sobre as escolhas feitas para o Choque-Rei.

“Não faço milagres, temos um calendário com jogos seguidos. Vocês queriam que eu escalasse o melhor do elenco contra o SPFC? Estão malucos. Sou pago para tomar decisões e isso é algo que faço, assumo as responsabilidades das minhas decisões. Sei o que nos trouxe até aqui e o elenco que tenho”, declarou.

Abel prosseguiu afirmando que ele e todo o elenco estão cumprindo um plano: “Uma coisa que vocês podem ter certeza é que temos um plano e vamos segui-lo até o fim, não importa o que aconteça. Peço que os torcedores acreditem no que estamos fazendo. Há um ano ninguém tinha esperança nenhuma nesta equipe e ganhamos dois títulos [Libertadores e Copa do Brasil]. Temos um plano”.

Sobre o jogo, Abel resumiu o desempenho do Palmeiras em poucas palavras: “Cometemos erros e oferecemos chances ao nosso adversário. Parabéns a eles, ganharam bem”.

Abel explica por qual razão saiu de campo antes do jogo acabar

Aos 47 minutos do segundo tempo, com sete minutos de jogo ainda restando, o comandante deixou o gramado, dirigindo-se ao vestiário. Ao ser perguntado sobre a atitude, Abel afirmou que saiu mais cedo por conta da arbitragem de Marcelo de Lima Henrique.

“Estou pendurado [com dois cartões amarelos]. Se eu disse muito bem da arbitragem do último jogo, hoje saí para não levar amarelo. Para marcar um lateral foi preciso de cinco minutos porque o Volpi estava caído. Saí para não ser expulso e estar com os meus jogadores no próximo jogo. Não gostei nada da arbitragem. Foi em detalhes, naquelas faltinhas, sempre para o mesmo lado”, explicou.

Com Abel à beira do gramado, o Palmeiras volta a campo no próximo sábado para enfrentar o Fortaleza, no estádio Castelão, às 19h30.

Abel Ferreira aponta erros incomuns do Palmeiras após derrota para Fluminense

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Fluminense, durante partida válida pela trigésima segunda rodada do Brasileirão 2021, no Maracanã.
Cesar Greco

Questionado sobre a lateral-direita, Abel despistou e afirmou que já fez a escolha do substituto de Marcos Rocha

O Palmeiras visitou o Fluminense na noite deste domingo e perdeu a partida por 2 a 1, de virada. Após sair na frente com um golaço de Dudu, no primeiro tempo, a equipe levou dois gols de Yago Felipe na etapa final e viu a sequência de seis vitórias consecutivas acabar.

Ao final da partida, em entrevista coletiva, o técnico Abel Ferreira fez uma análise do jogo palmeirense e lamentou a queda da equipe no segundo tempo.

“Fomos superiores no primeiro tempo, mostramos caráter, personalidade e poderíamos ter ido para o intervalo ganhando por mais. Faltou um pouco mais de calma no último terço. No segundo tempo houve outro jogo. O adversário foi melhor, mostrou estar melhor fisicamente e apresentamos erros táticos e técnicos que não são normais. Não fomos fortes no meio-campo. Tivemos muitas transições, ainda não analisamos porque pecamos nessas jogadas, se foi falta de calma ou foi a situação do gramado”, discursou.

“Enquanto tivemos pernas e cabeça, mantivemos o foco, fomos organizados. Quando o jogo passou dos 70 minutos, ficou muito notório [a dificuldade física e a queda da parte mental]. O calendário tem sido uma loucura. Os jogadores e nem o treinador são de ferro. Cometemos erros de passe, posicionamento, que não são normais na nossa equipe. O adversário esteve melhor na parte física e eles tiveram um dia a mais para descansar, mas é mérito deles que fizeram um bom segundo tempo”, acrescentou.

O treinador revelou também que havia escolhido um jogador específico para marcar de perto o meio-campista Yago Felipe.

“Houve um jogador que entrou com uma missão específica, que era com bola jogar entre as linhas e atacar a profundidade e sem bola marcar, parar, não deixar o Yago jogar. Estamos aqui para crescer, aprender. Temos jogadores jovens e experientes, e quando temos jovens que pensam muito em jogar com bola, pra frente, há uma coisa que é a disciplina tática. Errei também. Confesso que pensei muito se colocaria o Veron ou o Patrick [de Paula], optei pelo Veron e infelizmente as coisas não aconteceram do jeito que queríamos”, revelou.

Abel despista sobre escolha por Mayke ou Gabriel Menino

Além do jogo, o comandante foi questionado também sobre Mayke e Gabriel Menino, que são opções para a final da Libertadores contra o Flamengo, já que Marcos Rocha está suspenso. Para o duelo contra o Fluminense, Abel começou o duelo com Mayke e colocou Menino no intervalo.

“Estou fazendo minhas experiências, colocando um jogador ou outro, mas na minha cabeça está muito claro o que tem de fazer. Dia 27 todos irão descobrir”, declarou.

O Palmeiras tentará a reabilitação na próxima quarta-feira, quando enfrentará o SPFC, no Allianz Parque, às 20h30.

Líder em assistências, Scarpa brinca por Veiga ter o “deixado” bater o pênalti

Gustavo Scarpa comemora com Raphael Veiga seu gol pelo Palmeiras contra o Atlético-GO, durante partida válida pela trigésima primeira rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Scarpa chegou a oito gols na temporada e 22 assistências

Diante do Atlético Goianiense, na última quarta-feira, o treinador Abel Ferreira escalou novamente o ataque do Palmeiras com Gustavo Scarpa, Raphael Veiga, Dudu e Rony. A formação, que começou a ser utilizada contra o Grêmio, vem trazendo resultados positivos.

Com duas assistências e um gol anotado, Scarpa foi um dos destaques da goleada do Verdão por 4 a 0. Acostumado a dar passes para os companheiros irem às redes, o camisa 14 não marcava desde julho.

Aos 15 minutos do segundo tempo, Marcos Rocha cruzou e Marlos Freitas colocou o braço na bola dentro da área. E quando todos pensavam que Raphael Veiga anotaria o seu segundo tento na partida, o camisa 23 deixou a bola para Gustavo Scarpa bater o pênalti e o meia não desperdiçou.

Depois da partida, Scarpa brincou com o fato de Veiga ter o “deixado” cobrar a penalidade máxima.

“Veiga foi uma pessoa muito gentil em ter deixado eu bater. Como disse pra ele, no lugar dele eu não teria feito. Mas acho que é o mínimo também, né? Tenho dado várias assistências para ele. Veiga é um grande jogador e que está vivendo uma grande fase. Ele sabe que estamos juntos até o fim”, brincou.

Para Abel, o gesto de Veiga ressalta o espírito de “Todos somos um”, sempre citado pelo comandante em entrevistas coletivas. “Para um bom entendedor, uma imagem basta”, comentou o treinador ao final.

Abel comenta jogo de Scarpa

Gustavo Scarpa em jogo do Palmeiras  contra o Atlético-GO, durante partida válida pela trigésima primeira rodada, do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Jogador que mais vezes atuou com Abel Ferreira (80 jogos), Scarpa vem tendo uma temporada impressionante nas assistências. São 22 em 51 partidas, líder disparado do elenco e também do Brasil neste quesito. Além disso, foi às redes oito vezes e soma 30 participações diretas em gols.

Apesar dos ótimos números, o camisa 14 passou por um período sendo reserva da equipe. De acordo com Abel, ele precisava aprimorar o jogo sem bola para atuar entre os titulares.

Com Scarpa de volta à equipe titular há três jogos, jogando ao lado de Veiga, Dudu e Rony, o comandante foi questionado sobre o meia na última entrevista.

“Ele não era tão utilizado quando eu cheguei, depois comecei a usá-lo na lateral-esquerda. Nesta temporada, disse a ele que concorreria a sua posição original. Mesmo ele jogando na ponta, com bola ele vem pra dentro. Não posso mudar as regras do jogo, só podem começar 11 e entrar mais 5. Eles [todos os jogadores] estão competindo nos treinos e quando há um melhor equilíbrio nas posições, melhor é a competição interna e, consequentemente, melhor é a preparação para o jogo. É isso que o Scarpa tem feito. Ele sabe que tecnicamente é muito bom e está fazendo agora os outros 50%”, comentou.

O Palmeiras conquistou três vitórias consecutivas (Grêmio, Santos e Atlético-GO), anotou nove gols e sofreu apenas um com este quarteto em campo. No próximo domingo, o Verdão enfrentará o Fluminense no Maracanã, às 18h15.