Abel valoriza trabalho do grupo após classificação na Libertadores

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Cerro Porteño, durante segunda partida válida pelas oitavas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Em entrevista depois da goleada por 5 a 0 sobre o Cerro Porteño, Abel evitou também falar do adversário das quartas-de-final

O técnico Abel Ferreira enalteceu a força do grupo do Palmeiras após mais uma goleada da equipe na Libertadores. Em grande noite do atacante Rony, o Verdão venceu o Cerro Porteño por 5 a 0 e classificou-se para as quartas-de-final.

“Parece que nossos adversários são sempre fracos, mas é fruto do nosso trabalho. Aprender com erros, no último jogo baixamos os nossos níveis de intensidade ofensiva e defensiva. Futebol é feito de erros e gosto de quem sabe aprender. É um gosto ser treinador deste elenco”, disse Abel em entrevista coletiva.

“Quando alguém me convencer que é possível ser melhor no que se faz ficando deitado no sol tomando chopp, eu troco. Mas até agora ninguém conseguiu. Sem trabalho duro, disciplina e esforço, nada disso acontece”, acrescentou o treinador, que escalou o Palmeiras com algumas mudanças na equipe titular e que, nos minutos finais, formou o time com três zagueiros de origem.

“Na saída a três há algumas posições que geram mais desgaste energético, por isso o Gómez ou o Luan mudam de lado em alguns jogos. Temos duas maneiras de fazer a saída a três e uma delas é com três zagueiros. Há muitas equipes que utilizam três defensores e são elogiadas. Não sou treinador de sistema, temos muita variabilidade nas nossas características e escolhemos a melhor estratégia e plano a cada jogo. É importante também fazer gestão de energia para jogar na máxima força. Foi assim desde que cheguei”, Foi assim desde que cheguei”, declarou.

“O elenco enxuto aumenta a competição entre os jogadores e facilita o uso da base em alguns momentos. Este é o presente e futuro do clube. Os moleques precisam chegar por méritos e é o que estamos tentando fazer. Os que chegam sabem que quem está já tem lugar, quem chega vem para aumentar a competitividade, ninguém tira lugar de ninguém. Todos têm lugar no meu elenco e no meu coração”, complementou o treinador.

Abel evita falar do Atlético-MG

Na próxima fase da Libertadores, o Palmeiras reencontrará o Atlético-MG, adversário da semifinal do ano passado. A equipe mineira avançou sobre o Emelec após vitória por 1 a 0 no Mineirão.

Abel foi questionado sobre a partida e também das declarações do técnico do Atlético-MG, Antonio Mohamed, que apontou os mineiros como “favoritos”.

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Cerro Porteño, durante segunda partida válida pelas oitavas de final da Libertadores 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

“Eu não costumo comentar, não tenho por hábito comentar declarações de treinadores adversários. Vamos procurar fazer nosso trabalho como sempre fazemos. Amanhã descansar, recuperar, pensar jogo a jogo e focado no nosso caminho. Um grande adversário, um grande treinador, porventura a equipe que mais investe, mais gasta, com grande elenco”, disse.

“Quem vem para esta profissão, e eu digo isto aos meus jogadores, temos de preocupar em sermos apenas nossa melhor versão. Quando damos tudo, aceito o resultado, seja qual for. Não controlamos o que os outros dizem, mas vai ser seguramente uma grande eliminatória. Quando chegar vamos preparar para fazer os gols”, finalizou.

O Palmeiras só voltará a pensar na Libertadores no mês que vem. Até lá, a equipe joga pelo Brasileirão e pela Copa do Brasil; neste domingo, às 18h, o Verdão enfrenta o Fortaleza, no estádio do Castelão. Já na próxima quarta-feira, o time encara o SPFC no segundo jogo das oitavas-de-final do mata-mata nacional.

Palmeiras aprimora parte tática antes de enfrentar Cerro Porteño

Danilo e Rony durante treinamento do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Com quase todo elenco à disposição, Abel Ferreira paralisou o treino a todo instante para orientar os jogadores do Palmeiras

Na manhã desta terça-feira, o Palmeiras deu sequência à preparação para o duelo contra o Cerro Porteño com atividades táticas em campo reduzido, realizadas na Academia de Futebol. O técnico Abel Ferreira paralisou a atividade frequentemente para corrigir e orientar os atletas.

Quase todo o elenco participou das movimentações. Apenas o volante Jailson, com lesão no joelho, e Gabriel Veron, que machucou o pé direito no domingo, não foram a campo e permaneceram na parte interna para trabalhos de recuperação com o Núcleo de Saúde e Performance. Já o atacante Giovani realizou atividades físicas em um dos gramados do Centro de Treinamento – o atleta se recupera de cirurgia no tornozelo.

Após o trabalho tático, os atacantes do elenco aprimoraram finalizações tanto da parte central da área quanto partindo das laterais.

Na manhã de quarta-feira, horas antes de entrar em campo para enfrentar a equipe paraguaia, a comissão técnica deve comandar o último treinamento na Academia de Futebol.

Marcos Rocha deve voltar ao time titular do Palmeiras

Marcos Rocha e Gustavo Gómez durante treinamento do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Poupado do último jogo, o lateral-direito Marcos Rocha treinou novamente sem restrições e deve ser a novidade do time titular amanhã. Ao final do treinamento, o camisa 2 falou sobre a partida e pediu atenção com o adversário.

“Jogo de Libertadores não pode cochilar, não pode dar mole. Eles vão vir para tentar buscar um resultado positivo, provavelmente vão vir com uma formação diferente. Vimos que no final do jogo colocaram dois centroavantes que dificultaram a nossa bola aérea. É ter bastante atenção, tenho certeza de que o Abel e sua comissão estão preparando surpresas para que possamos fazer um grande jogo e passar de fase”, disse o jogador, que também comentou sobre o apoio da torcida palmeirense.

“Estamos disputando três grandes campeonatos e brigando por todos. Uma hora ou outra podemos oscilar, mas sabemos o quanto o nosso trabalho é positivo dentro e fora do clube, com o torcedor reconhecendo e lotando o estádio. Isso nos deixa muito felizes e nos faz trabalhar ainda mais para dar a resposta para eles. O trabalho está sendo bem feito, os mesmos jogadores que estão aqui hoje venceram há quatro meses. Temos um grupo especial, com jogadores jovens e trabalhadores, e todos nós queremos algo a mais com a camisa do Palmeiras. Contamos com o apoio dos torcedores, que eles continuem acreditando porque sabemos que juntos já conseguimos algo especial”, finalizou.

Até a última parcial divulgada pelo Palmeiras, às 11h25 desta terça-feira, 37.700 ingressos foram vendidos antecipadamente. Diante do Cerro Porteño, o Verdão fará o quinto jogo seguido no Allianz Parque para mais de 30 mil pessoas.

Tiago Costa, auxiliar de Abel Ferreira, participará de debate na Bienal do Livro de São Paulo

Tiago Costa, auxiliar de Abel Ferreira, participará de debate na Bienal do Livro de São Paulo.
Fabio Menotti

Responsável por cuidar do setor de análise de desempenho, Tiago Costa estará presente no dia 7 de julho, das 10h30 às 11h50

Tiago Costa, integrante da comissão técnica de Abel Ferreira no Palmeiras, marcará presença na Bienal do Livro de São Paulo na próxima quinta-feira, dia 7. O auxiliar participará de um debate dentro do auditório do Estande de Portugal, das 10h30 às 11h50.

Intitulado de “Futebol e livros: a Prática teórica e a Teoria prática”, o bate-papo terá entrada gratuita. Entretanto, para entrar no Expo Center Norte, local onde está sendo realizada a 26ª edição da Bienal do Livro, é preciso realizar a compra do ingresso.

Tiago Costa contará sobre sua experiência no futebol – desde as categorias de base até o profissional – e sobre as referências literárias e culturais que o ajudaram a escrever o livro “Cabeça Fria, Coração Quente”, que conta os bastidores da chegada de Abel Ferreira e seus auxiliares ao clube até o título da Libertadores conquistado sobre o Flamengo.

Dentro do organograma da comissão técnica, Costa é o responsável pela análise de desempenho e por fazer a ligação entre o Centro de Inteligência do Palmeiras e a equipe técnica.

Abel Ferreira e Tiago Costa orientam jogadores, durante treinamento do Palmeiras em Brasília-DF.
Cesar Greco

“O Abel desenvolveu uma equipe de trabalho com tarefas muito bem definidas, como se fôssemos uma empresa dentro de um clube de futebol. Cada um de nós tem a sua responsabilidade muito bem definida e isso ajuda muito”, contou o profissional em entrevista ao site da Universidade do Porto, em janeiro deste ano.

“De forma resumida, a minha responsabilidade na comissão técnica do Mister Abel Ferreira é observar e analisar os adversários e, a partir dessa análise, propor uma estratégia inicial para o jogo que é discutida em reunião entre nós. Como todos os jogos e adversários são diferentes, cada jogo tem uma abordagem diferente e tem uma história única”, acrescentou.

Tiago Costa conhece Abel há 7 anos

Tiago Costa é licenciado em Ciências do Desporto pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) e se tornou Mestre em Treino de Alto Rendimento Desportivo. O primeiro contato dele com Abel Ferreira ocorreu em 2015, quando trabalhava na equipe B do Sporting Braga.

Em 2019, fixou-se na comissão técnica do treinador quando Abel foi contratado pelo PAOK, da Grécia.

Mais informações:

26ª Bienal do Livro de São Paulo
Local: Expo Center Norte – Auditório do Estande de Portugal (E62)
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333, Vila Guilherme, São Paulo-SP
Informações e compra de ingressos: https://www.bienaldolivrosp.com.br

Abel lamenta revés e falta de eficiência do Palmeiras contra Athletico-PR

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR, durante partida válida pela décima quinta rodada do Brasileirão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Em entrevista coletiva, Abel evitou falar de tática e bateu na tecla das chances desperdiçadas

O Palmeiras finalizou 35 vezes contra o Athletico-PR e perdeu a partida, que ocorreu no Allianz Parque, por 2 a 0, desperdiçando assim a possibilidade de aumentar a distância para o segundo colocado do Campeonato Brasileiro.

Ao final do jogo, as respostas do técnico Abel Ferreira na entrevista coletiva tiveram como assunto principal a falta de efetividade da equipe.

“Quantas finalizações fizemos? 35. Então não vamos falar mais nada. Temos que ser mais eficientes, principalmente nas chances claras, e precisamos aceitar isso. Temos que estar mais concentrados, menos afobados. Criamos oportunidades suficientes, mesmo sofrendo dois gols, de ganhar do adversário”, disse o treinador.

“Saímos com o sentimento de tristeza, mas o futebol é assim. Jogamos contra uma equipe que se fechou toda e mesmo assim finalizamos 35 vezes. Construímos bem até uma parte do campo, mas não fomos competentes na finalização”, complementou.

Sobre os dois gols sofridos, o treinador evitou criticar os jogadores e assumiu a responsabilidade pelo revés.

“A responsabilidade é toda minha. Não preciso responsabilizar ninguém pelos dois gols que sofremos, eles sabem exatamente onde devemos melhorar. Erros acontecem no futebol e, se formos tão exigentes na sociedade como somos no futebol com jogadores e treinadores, com certeza viveríamos em um mundo melhor”, declarou o comandante.

Abel fala sobre a torcida do Palmeiras

O treinador falou também do comportamento da torcida palmeirense que, apesar do resultado negativo do time, aplaudiu os jogadores após o apito final.

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra o Athletico-PR, durante partida válida pela décima quinta rodada do Brasileirão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

“Não sou de criticar os jogadores. Sinto orgulho deles e da torcida, porque não há maior juiz do nosso desempenho que os nossos torcedores. Eles, assim como eu, reconheceram que jogamos, criamos para sair daqui com outro resultado. Não faltou apoio da parte deles do início ao fim e em momento algum senti eles nos vaiando”, enalteceu.

O Palmeiras volta a campo nesta quarta-feira para enfrentar o Cerro Porteño, no segundo jogo das oitavas-de-final da Libertadores. Pelo Brasileirão, a equipe joga no domingo que vem frente ao Fortaleza, no Castelão, às 18h.

“Não sou de olhar para a tabela de classificação. Isto é uma maratona até o final. Viemos de uma sequência dura de jogos, vamos continuar nisso, vamos dar o máximo de esforço, a equipe sabe a regra das 24 horas e seguiremos nosso caminho”, finalizou Abel Ferreira.

Encontro de gerações: Abel e Felipão se enfrentam pela primeira vez

Felipão e Abel Ferreira se encontram em hotel em Caxias
Cesar Greco

Ídolos da torcida palmeirense e amigos desde os tempos de Portugal, Abel e Felipão estão entre os técnicos mais vencedores do clube

O confronto deste sábado entre Palmeiras e Athletico-PR, válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro, marcará o primeiro encontro de duas gerações vitoriosas na história palmeirense: Abel Ferreira x Luiz Felipe Scolari.

Comandante do último título Brasileiro do Verdão, Felipão é o segundo técnico com mais jogos na História do clube (484 jogos – atrás de Oswaldo Brandão) e o terceiro com mais títulos (6 – atrás de Brandão e Vanderlei Luxemburgo). Abel Ferreira, por sua vez, vem logo atrás no quesito títulos: são cinco para o atual treinador, em 132 jogos à frente do Verdão; e disputou uma final a menos que Scolari (9 contra 10).

Os jeitos parecidos de comandar o Verdão à beira do gramado, somado às entrevistas sinceras e fortes, além dos resultados de campo, faz os dois serem muito identificados com a torcida e ocuparem, para diversos palmeirenses, a mesma prateleira dos maiores técnicos que já passaram pelo Palmeiras.

Abel e Felipão têm relação desde Portugal

A ligação entre os dois não fica restrita ao sucesso no comando do Palmeiras. Eles se conhecem desde os tempos em que o brasileiro foi treinador da seleção portuguesa, entre 2004 a 2008.

O atual treinador palmeirense nunca escondeu a admiração por Felipão, tanto por ele ter sido responsável por o convocar à seleção pela primeira vez, quanto por sua forma de trabalhar a equipe.

“Temos uma relação muito boa, desde os tempos de Portugal. Ele foi uma pessoa espetacular comigo. Tenho um sonho que não cumpri; fui à seleção, mas não joguei. E foi ele quem me chamou. Ele foi muito sincero comigo, disse que eu poderia jogar dependendo da condição do time, infelizmente não deu, mas ele foi muito humano. A partir daquele momento eu entendi porque a seleção conseguia ter aquele ambiente, entrosamento. Ele uniu um país em volta de uma seleção”, disse Abel sobre Felipão, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Já para Scolari, os feitos atingidos por Abel em pouco tempo de Palmeiras o faz ser o maior técnico da História do clube.

“Para que todos saibam: o Abel é o maior treinador que o Palmeiras já teve em todas as épocas”, contou Felipão ao programa Jogo Aberto, da TV Bandeirantes, um dia antes da final do Mundial de Clubes contra o Chelsea. “Porque conseguiu os títulos e fez com que os jogadores trabalhassem pelo clube com alegria, com satisfação e com pensamento pelo Palmeiras que, talvez nós, não conseguimos passar”, completou.

Encontro em Caxias do Sul

Em junho do ano passado, o Palmeiras viajou até Caxias do Sul para enfrentar o Juventude e a delegação palmeirense recebeu a visita de Luiz Felipe Scolari na concentração. Em conversa com Abel, assistentes técnicos e outros funcionários do clube, o ex-técnico afirmou: “Se tivesse uma pessoa que merecia ser campeã da Libertadores tinha que ser ele [Abel]”.