Palmeiras realiza treino técnico na Academia de Futebol; campeões da Copinha participam

Renan, Rafael Navarro, Giovani e Fabinho, durante treino técnico do Palmeiras, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Palmeiras se reapresentou após vitória na noite de ontem e iniciou os trabalhos visando o São Bernardo; titulares contra a Ponte Preta não participaram de treino técnico

Após a vitória de ontem à noite sobre a Ponte Preta por 3 a 0, o elenco palmeirense se reapresentou na manhã desta quinta-feira, na Academia de Futebol, e deu início aos trabalhos visando o duelo frente ao São Bernardo, que ocorrerá no sábado, às 16h.

No gramado, a comissão técnica comandou um treino técnico e contou com a presença das Crias da Academia que foram campeões da Copinha na última terça-feira, após triunfo por 4 a 0 sobre o Santos.

Mateus, Garcia, Naves, Lucas Freitas, Vanderlan, Fabinho, Pedro Bicalho, Giovani, Jhonatan, Gabriel Silva e Endrick, além dos goleiros Kaique e Natan, estiveram ao lado dos jogadores que atuaram menos de 45 minutos ou foram a campo contra a Ponte Preta.

O grupo foi dividido em dois times, sendo que num primeiro momento a equipe de colete laranja foi formada por sua maioria pelos pratas-da-casa. Ao longo das movimentações, Abel e seus auxiliares foram alterando os times. O técnico do Sub-20, Paulo Victor Gomes, também esteve presente na Academia de Futebol.

Na parte final da atividade, alguns jogadores praticaram cobranças de faltas e batidas de pênaltis.

Titulares contra a Ponte Preta não participaram de treino técnico

Abel Ferreira conversa com os jogadores do Sub-20 do Palmeiras, após a realização de treino técnico na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Como de costume, os atletas que iniciaram jogando o duelo frente à Ponte não foram a campo, nesta quinta-feira. Eles permaneceram na parte interna do Centro de Excelência para um trabalho regenerativo.

O Palmeiras volta a treinar amanhã, no período da tarde, na Academia de Futebol. A equipe lidera o Grupo C do Paulistão, com 6 pontos, à frente de Ituano (3), Botafogo (1) e Mirassol, que ainda não estreou.

Abel elogia primeiro tempo do Palmeiras, mas faz alerta para o segundo: “tem que continuar pressionando”

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras contra a Ponte Preta, durante partida válida pela primeira rodada do Paulistão 2022, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Em entrevista coletiva após vitória sobre Ponte Preta, Abel aproveitou para rasgar elogias ao trabalho de formação do Palmeiras

Com três gols marcados no primeiro tempo, o Palmeiras venceu a Ponte Preta por 3 a 0 no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista, e segue com 100% de aproveitamento na temporada.

A postura da equipe no início da partida agradou e muito o técnico Abel Ferreira. Em entrevista coletiva ao final do jogo, o comandante afirmou que o Palmeiras precisa ter iniciativa quando enfrenta adversários inferiores.

“Nossa pressão em cima do adversário foi o que eu mais gostei do jogo. Com todo respeito a eles, mas tínhamos que impor nosso ritmo, nossa dinâmica e foi isso que fizemos. Fomos agressivos na reação após a perda de bola”, iniciou.

“Nesses tipos de jogos [contra adversários mais fracos], precisamos ficar preparados. Porque quando eles vêm atuar contra nós, estão sempre muito motivados. Querem ganhar de nós custe o que custar. Então temos que entrar fortes, porque se começarmos a partida devagar e esperar para ver o que acontece, podemos ser surpreendidos. Hoje tivemos atitude, caráter e personalidade”, acrescentou.

Apesar dos elogios iniciais, Abel fez um alerta sobre o desempenho da equipe no segundo tempo, que diminuiu o ritmo e apenas administrou o resultado.

“O segundo tempo foi o que eu menos gostei. No Brasil há uma cultura de fazer gestão de energia na segunda etapa, principalmente por conta do calendário. Mas não pode ocorrer, temos que ter a máxima força nos dois tempos e só diminuir o ritmo quando não tivermos mais condições, aí eu realizo as trocas. Nesta altura nós não podemos gerir, tem que continuar pressionando”, avisou.

Abel rasga elogios ao trabalho de formação do Palmeiras

Além de falar da vitória sobre a Ponte Preta, Abel comentou também sobre a conquista da Copinha pelo Palmeiras. O comandante não poupou elogios aos profissionais do clube e, principalmente, ao coordenador geral da base, João Paulo Sampaio.

“Parabéns a todo o elenco e estrutura do Palmeiras pela conquista da primeira Copinha. Acho que agora a única coisa que falta na formação do Palmeiras é um CT novo, esse é o passo que precisa ser dado. O clube tem profissionais muito competentes, principalmente o João Paulo [Sampaio, coordenador da base], que é extraordinário e sabe bem o que fazer, tenho grandes conversas com ele. O Palmeiras tem presente, futuro e está em ótimas mãos. O trabalho de transição entre o Sub-20 e o profissional também é excelente”, disse o técnico.

Para finalizar, Abel voltou a pedir calma com os atletas do Sub-20 e afirmou que será difícil eles serem utilizados no profissional com frequência.

“A equipe Sub-20 tem três jogadores campeões da Libertadores (Vanderlan, Giovani e Gabriel Silva). O que temos de fazer é ter calma e paciência. Eles deram uma ótima resposta nos últimos três jogos do Brasileirão do ano passado, ganharam casca. Vai ser muito difícil qualquer jogador de formação jogar de forma regular agora. Com tempo, eles terão espaços”, finalizou.

O Palmeiras volta a campo no próximo sábado para enfrentar o São Bernardo, fora de casa, em jogo válido pela segunda rodada do estadual. O jogo está marcado para ocorrer às 16h.

Destaque na Copinha, Giovani mantém os pés no chão ao falar sobre jogar pelo profissional

O segundo gol do Palmeiras foi uma pintura de Giovani.
Fabio Menotti

Aos 18 anos, Giovani teve chances na equipe principal na temporada passada e chegou a marcar um gol

O atacante Giovani foi um dos grandes nomes do Palmeiras na conquista da Copinha. Autor de um golaço na final contra o Santos, o jogador terminou a competição com quatro tentos anotados e foi um dos artilheiros do time, ao lado de Gabriel Silva (5) e Endrick (6).

Além disso, de acordo com o site de estatísticas SofaScore, o canhoto foi o líder do time em assistências e o segundo em participações diretas em gols.

“Nem nos meus melhores sonhos eu imaginava essa conquista. Claro que não só eu, mas todos os atletas da base pensam em ganhar esse título, ainda mais sendo uma conquista inédita”, revelou o jogador após o triunfo na final.

Apesar das boas performances em campo e toda a expectativa gerada na torcida, Giovani mantém os pés no chão ao falar sobre a possibilidade de ser efetivado na equipe principal, comandada por Abel Ferreira.

“Eu entrego tudo nas mãos de Deus. Tenho que continuar trabalhando firme, com humildade e pés no chão porque eu sei que dará tudo certo”, disse o atacante.

Giovani soma 14 partidas pelo profissional do Palmeiras

No Verdão desde o sub-11, Giovani ganhou suas primeiras oportunidades na equipe de Abel Ferreira no Paulista do ano passado. Foram 10 jogos pelo Estadual, sendo cinco como titular. Ao todo, o atleta soma 14 partidas pelo profissional (10 pelo Paulista, 1 pela Libertadores e 3 no Brasileirão) e um gol anotado, diante do Cuiabá, na Arena Pantanal.

De acordo com o técnico Paulo Victor Gomes, do Sub-20, a decisão de subir ou não um garoto da base é tomada pelos profissionais do time principal.

“Todos eles [os jogadores] tiveram grande participação na competição, pra mim o destaque foi o coletivo. Agora vamos ver a transição de um ou outro para o profissional. A gente deixa isso a cargo do departamento profissional”, declarou.

Com mais de 100 gols pela base palmeirense, Giovani, que tem 100% dos seus direitos econômicos pertencentes ao Palmeiras, tem contrato até o final de maio de 2024.

Eleito craque da Copinha, Endrick celebra título inédito do Palmeiras

Endrick é ovacionado pela torcida na partida entre Palmeiras e Santos, válida pela final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no Allianz Parque, em São Paulo-SP.
Fabio Menotti

Com 6 gols marcados na competição, Endrick comentou ainda a escolha de Abel Ferreira em não o levar ao Mundial: “super certo”

Na manhã desta terça-feira, o Palmeiras goleou o Santos por 4 a 0 e conquistou o título da Copinha de 2022. Aos 15 anos de idade, o atacante Endrick foi um dos principais nomes do Verdão em toda a campanha.

Com seis gols marcados, o jogador foi eleito pela Federação Paulista de Futebol o craque da competição e também levou para casa o Prêmio Dener (gol mais bonito da competição), pelo tento diante do Oeste, nas quartas-de-final.

“É um título muito importante para a nossa Sociedade. A gente não tinha este título e graças a Deus conquistamos. Os prêmios são todos consequência. O grupo me ajudou bastante, não ganhei o [prêmio de] craque sozinho. O coletivo sobressai ao individual. Agradeço à minha família, minha namorada, meu irmãozinho”, celebrou o atacante ao final do jogo.

Endrick concorda com Abel Ferreira

Endrick durante a partida entre Palmeiras e Santos, válida pela final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no Allianz Parque, em São Paulo-SP.
Fabio Menotti

Além de festejar a conquista, Endrick também falou da escolha de Abel Ferreira, que afirmou no último domingo que não levará o atacante para o Mundial de Clubes e pediu calma aos torcedores. Para o camisa 9, o comandante palmeirense está correto:

“Eu estou tranquilo, vou torcer muito para nós levarmos este Mundial. Fico tranquilo, penso na base, não penso no profissional para não atrapalhar minha carreira. Se eu subir um dia, vou começar uma nova carreira lá. Fico tranquilo, o Abel está super certo, vou torcer muito e se Deus quiser vamos levar este título mundial”, finalizou o jogador.

Embora juridicamente possa atuar no Mundial, Endrick não tem ainda a idade mínima para jogar profissionalmente pelas competições da CBF e da FPF. Ele só estará autorizado quando completar 16 anos, em julho.

Paulo Victor fala sobre título e explica característica principal do time na competição: “é o DNA do Palmeiras”

Paulo Victor comemora o título conquistado após a partida entre Palmeiras e Santos, válida pela final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no Allianz Parque, em São Paulo-SP.
Fabio Menotti

Em entrevista coletiva após goleada sobre o Santos, Paulo Victor Gomes comentou ainda semelhança do Sub-20 com o profissional

Técnico responsável por levar o Palmeiras ao primeiro título da Copinha de sua História, Paulo Victor Gomes afirmou em entrevista coletiva após a goleada sobre o Santos por 4 a 0 que a “ficha ainda não caiu”.

Contratado para substituir Wesley Carvalho, PV completou nesta terça-feira três meses à frente do time Sub-20. Campeão da Copinha e do Paulista da categoria, o treinador segue invicto no comando palmeirense: são 17 vitórias e seis empates, em 23 jogos.

“Algo indescritível, sensação única [conquistar a Copinha]. A ficha ainda não caiu. Foram 20 dias intensos, jogos a cada dois dias e ficamos muito envolvidos nos treinos e nos estudos. Sou grato ao clube por todas as oportunidades que me concederam, abriram as portas pra mim no cenário nacional e eu tenho uma identificação muito grande”, comentou.

“Completo hoje exatos 3 meses de clube. Retornei no dia 25 de outubro. Para mim está sendo um momento especial, sem dúvidas. Mas eu sei que no futebol tudo tem memória curta e a gente precisa estar todos os dias entregando o melhor na busca pela formação, associado aos resultados”, acrescentou.

Durante a trajetória na Copinha, o Palmeiras mostrou uma característica muito forte: pressionar os adversários nos primeiros minutos e logo balançar as redes. Para PV, isso é “o DNA do clube”.

“Eu trabalho isso desde minha primeira passagem, em 2015, 2016 e 2017 [na categoria Sub-15]. Uma equipe agressiva, que pressione o adversário no seu campo de defesa, mas que quando tem a bola sabe jogar e ocupar bem os espaços. Além de ser eficiente. Então, só demos sequência na Copinha neste estilo de jogo”, declarou.

Paulo Victor comenta semelhanças do Sub-20 com o profissional

Paulo Victor durante a partida entre Palmeiras e Santos, válida pela final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, no Allianz Parque, em São Paulo-SP.
Fabio Menotti

O estilo de jogo apresentado pelo Verdão na competição se assemelha com o time principal treinado por Abel Ferreira. De acordo com PV, não só a forma de ir a campo, mas também ter processos de trabalho parecidos com o profissional é algo buscado pelo departamento de categorias de base.

“Tem muito do profissional aqui na base. Faz parte da nossa ideia de jogo e trabalho para trazer coisas do time principal, associar o Sub-20 e o profissional. Não é que seja algo copiado, mas as identidades são parecidas e isso facilita o processo de transição dos jogadores. O Abel tem feito um grande trabalho e, acima disso, tem deixado um legado no Palmeiras que se estende à categoria de base”, respondeu, já emendando sobre a possível utilização de alguns garotos no time de cima.

“Todos eles [os jogadores] tiveram grande participação na competição, pra mim o destaque foi o coletivo. Agora vamos ver a transição de um ou outro para o profissional. A gente deixa isso a cargo do departamento profissional”, finalizou.