0
X
1

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x Atlético-PR

Na tarde de hoje, a Sociedade Esportiva Palmeiras recebe o Atlético-PR em jogo válido pela última rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Pensando totalmente na partida de quarta-feira contra o Barcelona, o time vai a campo com uma formação totalmente reserva. A partida será marcada pela volta de Moisés, depois de quase seis meses – o meio-campista deve entrar durante a partida.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionado:
Willian Bigode
Transição física:
Arouca e Thiago Martins
Suspenso:
Jailson

Pendurados: Gabriel Furtado, Raphael Veiga e Keno

Cuca treinou nos últimos dias com uma formação que dá pouca margem para especulação. A única dúvida é no lado esquerdo da defesa, onde Juninho pode aparecer como zagueiro ou lateral-esquerdo, disputando as posições com Michel Bastos e Antônio Carlos.

O time que deve sair jogando hoje, sem nenhum jogador que hoje compõe o time considerado titular por Cuca, é muito forte: Fernando Prass; Fabiano, Edu Dracena, Juninho (Antônio Carlos) e Michel Bastos (Juninho); Tchê Tchê e Zé Roberto; Erik, Raphael Veiga e Keno; Borja.

Atlético-PR

O time paranaense vem de uma vitória expressiva sobre o Avaí no meio da semana. Apesar de também ter uma disputa pela Libertadores na quarta-feira, o técnico Fabiano Soares ainda está preocupado com a zona do rebaixamento e deve mandar a campo o que tiver de melhor à disposição.

Matheus Rosseto é desfalque certo, já que está suspenso – Eduardo Henrique entra em seu lugar. Felipe Gedoz, principal articulador do time, sofre com uma gripe não deve ir a campo. A principal dúvida é sobre seu substituto: Lucho González e Guilherme são os candidatos. O time: Weverton; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Pavez e Eduardo Henrique; Lucas Fernandes, Lucho González (Guilherme) e Nikão; Ribamar.

Lei do Ex

Poucos se lembram, mas Michel Bastos já defendeu o Atlético, em 2003. Thiago Heleno, de triste passagem pelo Palmeiras, está a fim de deixar o seu esta tarde. Nikão foi jogador de nossa base, mas nunca jogou nos profissionais do Verdão.

Retrospecto

O juiz, Rodrigo Batista Raposo, apita pela primeira vez uma partida do Palmeiras. Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo; consulte os links abaixo e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Atlético-PR
Atlético-PR
Allianz Parque
Allianz Parque
Rodrigo Batista Raposo
Rodrigo Batista Raposo
Campeonato Brasileiro
Campeonato Brasileiro

Parpite

O Atlético está embalado por duas vitórias e deve fazer o clássico jogo de contra-ataque. O estádio não deverá receber o público tradicional, mesmo assim teremos muita gente no Allianz Parque apoiando o Verdão, que vai vencer por 1 a 0, gol de Raphael Veiga, para 29.234 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

PFCPFC

Pós-Jogo

Palmeiras 0x1 CAPCésar Greco / Ag.Palmeiras

Jogando com o time reserva, o Palmeiras fez um péssimo primeiro tempo, tomou um gol na bola parada e não teve forças para virar o placar na etapa final, e assim acabou derrotado pelo Atlético-PR no Allianz Parque no fechamento do primeiro turno do Brasileirão.

Com o resultado, o time fica a 15 pontos do líder do campeonato e praticamente selou suas pretensões no campeonato, o que garante o foco total na Libertadores. Como destaque positivo, tivemos a volta de Moisés, que mostrou estar recuperado da lesão e já começou a pegar ritmo – ele será fundamental na luta pela conquista da América.

PRIMEIRO TEMPO

Cuca escalou o time obviamente pensando nos treinos de amanhã em Atibaia e praticamente revelou que não conta com Jean para sair jogandocontra o Barcelona. Com isso, Zé Roberto entrou no meio-campo, Michel Bastos foi escalado na lateral esquerda e o camisa 2 entrou ao lado de Tchê Tchê na cabeça-de-área.

Logo a um minuto, Borja protegeu bem a bola e garantiu escanteio pela esquerda. Raphael Veiga bateu, a zaga espanou para cima, Fabiano tocou de cabeça para o lado da pequena área e Michel Bastos se preparava para emendar um foguete – mas Borja tentou uma bicicleta e “salvou” o perigo.

Aos dez, Jean recebeu na intermediária, percebeu o espaço vazio à sua frente, conduziu por alguns metros e soltou a bomba – a bola passou perto da trave direita de Weverton. Mas aos 17, fez-se presente a Lei do Ex: Guilherme bateu o escanteio da direita e Thiago Heleno subiu mais que Juninho, que ficou pregado no chão, e testou forte no canto direito de Fernando Prass, que nada pôde fazer.

O Atlético deixava a bola com o Verdão e se posicionava para arrancadas rápidas no contra-ataque, conforme o esperado. O Palmeiras, por sua vez, tinha muitas dificuldades diante da compactação dos paranaenses. Zé Roberto não estava em tarde inspirada, Borja se posicionava muito à esquerda e não se via a rápida troca de passes que o time conseguiu impor contra o Avaí, em situação semelhante.

Aos 25, Raphael Veiga fez linda jogada e puxou contra-ataque; ele ligou com Erik, que viu a passagem de Fabiano e esticou; o cruzamento veio na marca do pênalti mas Borja não alcançou e a zaga rebateu – Erik pegou a sobra e bateu, mas a bola ficou na marcação.

Aos 35, Michel Bastos pegou a sobra de um rebote após cobrança de escanteio e emendou de direita, assustando Weverton, que viu a bola passar perto do poste direito. O Verdão conseguiu aproximar as linhas e passou a jogar mais perto da área do Atlético, mas ainda sem conseguir articular uma jogada de forma objetiva. O Atlético seguia em sua proposta e conseguiu uma ótima chance aos 46: depois de escanteio em que nossa defesa afastou o perigo, Michel Bastos demorou para sair de trás e deu condições para Ederson, bem avançado – a bola foi tocada em sua direção e ele saiu livre na frente de Fernando Prass, que fez uma defesa extraordinária, fechando o ângulo. O primeiro tempo terminou com vantagem dos paranaenses, o que não chegou a ser injusto.

SEGUNDO TEMPO

Para o segundo tempo, debaixo de uma enorme ovação, Moisés voltou no lugar de Raphael Veiga cheio de fome e já deu logo o primeiro toque na bola no segundo tempo. Zé Roberto voltou na lateral, mandando Michel Bastos para a frente,na direita – Erik caiu pela esquerda.

A dois minutos, Michel Bastos recolheu pela direita, observou Fabiano passando e rolou; o cruzamento veio no segundo pau e Erik só ajeitou para o meio, para a chegada de Borja, que atrasou-se na jogada e não conseguiu fuzilar Weverton. O Atlético respondeu rápido em contra-ataque; Guilherme aproveitou o espaço e concluiu de frente para Fernando Prass, que mais uma vez salvou a pátria.

O segundo tempo começou em ritmo muito mais intenso que o primeiro. Aos sete, Michel Bastos levantou na área e Edu Dracena testou por cima. Aos 11, Fabiano foi ao fundo pela direita e cruzou, Borja raspou de cabeça e Erik não conseguiu dominar dentro da pequena área com o gol à sua mercê.

O Verdão melhorou muito com Michel Bastos no apoio, pela direita e passou a articular as jogadas com mais consciência. Aos 13, em mais uma bola parada, Michel Bastos bateu falta da direita e Fabiano testou firme, mas Weverton fez uma defesa milagrosa e salvou o Atlético.

Aos 19, Edu Dracena esticou após mais uma jogada de bola parada que a defesa do Atlético rebateu de qualquer jeito; Borja fez o pivô e achou Antônio Carlos livre, de frente para Weverton, mas o zagueirão isolou a bola, mandando por cima do gol. O Verdão já merecia o empate, mas a bola não entrava.

Aos 23, Deyverson entrou no lugar de Erik e o Palmeiras ficou mais perigoso ainda. A bola passou pela pequena área do Atlético várias vezes, só faltava a finalização certeira. Não foi a que Jean tentou aos 34, em mais um chute de média distância, para fora. Aos 36, Zé Roberto suspendeu na área e Borja conseguiu a testada, para fora.

Aos 39 Deyverson fez ótima jogada pelo meio e podia ter tentado a conclusão mesmo pressionado, mas enxergou Borja livre na esquerda e rolou; o colombiano estava livre, de cara para Weverton, que saiu bem do gol e fechou o ângulo e evitou o gol. Mesmo com a boa intervenção do goleiro, não dá para tirar a responsabilidade de Borja no lance. Para piorar, aos 41 Moisés levantou da direita, Borja raspou de cabeça, Deyverson ajeitou e Borja tentou pegar de primeira, mas pegou na orelha da bola e errou feio.

O Verdão seguiu pressionando mas parou na linha defensiva e na cera do time paranaense. O jogo foi até os 51 minutos e o time não teve forças para chegar ao empate.

FIM DE JOGO

O Atlético veio muito bem armado defensivamente e achou seu gol numa bola parada, o time que Cuca mandou a campo não tinha nenhum titular e sentiu falta de entrosamento, mas o pior de tudo foi o foco do grupo, totalmente na Libertadores. Talvez esta seja a justificativa menos ruim para um jogo tão fraco do Palmeiras, que teve o apoio maciço dos quase 30 mil pagantes até o apito final.

É jogo para passar a borracha, temos que virar o foco imediatamente para o jogo contra o Barcelona para que os efeitos desta derrota influenciem o grupo o mínimo possível. A temporada estará em jogo na quarta-feira e não é momento para corneta – por mais que muitos jogadores hoje tenham merecido. Até por isso, as notas hoje estão sem comentários. FOCO, e VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Palmeiras

GOL
Fernando Prass
LAD
Fabiano
ZAG
Edu Dracena
ZAE
Juninho
ZAE
Antônio Carlos
LAE
Michel Bastos
VOL
Jean
VOL
Tchê Tchê
MEI
Erik
ATA
Deyverson
MEI
Raphael Veiga
MEI
Moisés
MEI
Zé Roberto
ATA
Borja
TÉCNICO
Cuca

Atlético-PR

GOL
Weverton
LAD
Jonathan
ZAG
Paulo André
ZAE
Thiago Heleno
LAE
Fabrício
VOL
Pavez
VOL
Lucho González
VOL
Eduardo Henrique
MEI
Pablo
MEI
Nikão
MEI
Guilherme
MEI
Sidcley
ATA
Ederson
MEI
Lucas Fernandes
TÉCNICO
Fabiano Soares

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Fernando Prass
7.5
Fabiano
5.5
Edu Dracena
6
Juninho
4
Antônio Carlos
5.5
Michel Bastos
6
Jean
4
Tchê Tchê
6
Erik
5
Deyverson
6.5
Raphael Veiga
5
Moisés
7
Zé Roberto
4.5
Borja
3
Técnico Cuca
Cuca
Fez a escolha certa priorizando a Libertadores; o time que mandou a campo tinha condições de vencer o jogo.
6