1
X
1

Pré-Jogo

Pré-jogo Vasco da Gama x Palmeiras

Na tarde de hoje, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita o Vasco da Gama, em jogo válido pela primeira rodada do returno do Brasileirão. O jogo será realizado em Volta Redonda – o Vasco ainda cumpre pena após mau comportamento de sua torcida.

Depois de ser eliminado nas duas copas, o Verdão tenta juntar os cacos para fazer uma campanha digna no segundo turno e garantir uma vaga na Libertadores do ano que vem. O título, neste momento, é apenas uma ilusão.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Jaílson, Mayke, Mina, Juninho, Moisés, Dudu e Willian Bigode
Transição física:
Thiago Martins e Arouca

Pendurados: Gabriel Furtado, Raphael Veiga e Keno

O Verdão terá vários desfalques depois do desgastante jogo pela Libertadores na quarta-feira. Além de Mayke, que já não teve condições de participar daquele jogo, saíram de campo fora de combate Jaílson, Mina, Moisés e Dudu.

Tendo como meta ser campeão do turno, Cuca deve mandar a campo a força máxima que tem a disposição: Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Luan e Egídio; Thiago Santos e Bruno Henrique; Roger Guedes, Guerra e Keno; Deyverson.

Vasco

Depois de um bom começo de campeonato, o Vasco vem em fase ruim, sobretudo depois de ser obrigado a jogar longe de seu estádio. A apenas três pontos da zona do rebaixamento, o clube da colina já volta à incômoda rotina de fazer contas para não voltar à Série B.

Milton Mendes não tem problemas de suspensão, tampouco lesões recentes – os três inquilinos do DM já estão por lá há algum tempo: Paulão, Marcelo Mattos e Kelvin. O treinador terá retornos importantes: Ramon e Luís Fabiano voltam após tratamento e Rafael Marques reassume a vaga após cumprir suspensão (oba!). Anderson Martins também se recuperou de lesão, mas fica apenas no banco. Assim, o time que deverá sair jogando é Martín Silva; Gilberto, Breno, Rafael Marques e Ramon; Jean e Wellington; Matheus Vital, Wagner e Paulinho; Luís Fabiano.

Lei do Ex

Além de Fernando Prass, apenas Luan já jogou pelo Vasco e pode exercer a Lei. No time carioca, ninguém teve a honra de defender o Verdão.

Retrospecto

O Vasco é um gigante: um freguês gigante do Verdão. Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Vasco da Gama
Vasco da Gama
Raulino de Oliveira
Raulino de Oliveira
Paulo Roberto Alves Junior
Paulo Roberto Alves Junior
Campeonato Brasileiro
Campeonato Brasileiro

Parpite

Será um jogo importante para verificarmos como o grupo reagiu diante do desastre da quarta-feira. Em caso de uma boa vitória, o time, que tem uma tabela bem razoável no segundo turno, tende a embalar, mesmo que isso signifique pouco em termos de conquistas.

Muito mais pela fragilidade do adversário, dá Verdão: 2 a 0, com gols de Deyverson e Edu Dracena, para 7.654 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

TV GloboGlobo – para SP, SC, PR, MG, MS, MT e RN

PFCPFC

Pós-Jogo

Vasco 1x1 PalmeirasCesar Greco / Ag. Palmeiras

Num dos piores jogos do ano, o Verdão ficou no empate contra o Vasco em Volta Redonda e manteve o quarto lugar no campeonato. O time chegou a ficar em vantagem, mas sofreu o gol do empate a três minutos do fim numa jogada de bola parada. Tão ruim quanto perder dois pontos no finalzinho foi verificar a apatia de nossos jogadores – uma reação razoavelmente compreensível diante da decepção do meio da semana.

PRIMEIRO TEMPO

A escalação de Michel Bastos na esquerda não chegou a ser nenhuma surpresa. O que realmente ninguém esperava é que o meio-campo aparecesse com outra formação, com a presença de Tchê Tchê na meia, pela direita, com Roger Guedes na esquerda.

E essa posição nova de Roger Guedes já rendeu uma grande chance aos 4: Thiago Santos fez o lançamento por elevação, Roger Guedes chegou a dominar mas foi desarmado por Ramon quando se preparava para fuzilar Martín Silva.

O Vasco só tinha uma jogada: bola no Luís Fabiano. E aos 10, quase funcionou: Rafael Marques lançou, Paulinho tirou uma casquinha e esticou a jogada; Luís Fabiano tomou a frente de Luan e bateu forte, mas errou o alvo, mandando à esquerda de Fernando Prass.

Aos 17, Luís Fabiano conseguiu chegar às redes após jogada de escanteio, mas a bola havia sido puxada por Paulinho após ter cruzado a linha de fundo – gol corretamente anulado. O Verdão respondeu aos 19, em jogada pela direita puxada por Tchê Tchê: ele achou Bruno Henrique livre pelo meio e rolou; o camisa 19 ajeitou e bateu forte, de longa distância, mas a bola subiu demais.

As duas equipes mostravam receosas de se lançar à frente e erravam muitos passes – o péssimo estado do gramado do Raulino de Oliveira colaborava para isso. Assim, o jogo ficava entre uma intermediária e outra, com os ataques pouco ou nada produzindo.

Aos 36, Roger Guedes foi lançado pela esquerda por Guerra, invadiu a área e tocou na saída de Martín Silva, que esticou a perna esquerda e conseguiu fazer uma excelente defesa – foi a melhor chance do primeiro tempo; Roger Guedes perdeu a chance quando fez o toque para ajeitar a bola, que correu demais e ficou difícil para que o camisa 23 equilibrasse o corpo para bater de pé direito, seu forte.

Aos 44, o Vasco armou um ótimo contra-ataque pela direita com Gilberto; Paulinho chegou na pequena área e não bateu de primeira, dando a chance de Jean chegar para bloquear a finalização. Chance clara de gol. Pouco após esse lance, o juiz, que tinha a crônica tendência de apitar todos os contatos a favor do Vasco, encerrou o fraquíssimo primeiro tempo em Volta Redonda.

SEGUNDO TEMPO

Cuca voltou para o segundo tempo com Keno no lugar de Bruno Henrique. Com isso, Tchê Tchê voltou para a volância; Roger Guedes caiu pela direita e Keno ocupou seu lugar natural, do lado esquerdo.

Com um minuto de jogo, em falta da direita, Luís Fabiano estava impedido antes de finalizar de cabeça – Fernando Prass fez ótima defesa e Wagner tocou para o gol, mas a jogada já estava parada. O jogo seguia travado, com a mesma configuração do primeiro tempo, apesar da mexida de Cuca. Milton Mendes então tentou mudar seu time, colocando Nenê no lugar de Wagner.

O Palmeiras começou a forçar mais o jogo pelos flancos e voltou a mandar no jogo. Milton Mendes mandou Paulo Vitor no lugar de Paulinho para tentar segurar as descidas de Michel Bastos, mas o Verdão continuava com mais volume de jogo, embora não conseguisse as finalizações. O jogo se arrastou por muito tempo.

Aos 28, a partida pegou ritmo de novo: Matheus Vital conseguiu um lindo passe para Nenê por trás da zaga; livre, ele tocou na saída de Fernando Prass mas Luan chegou em cima da risca e afastou de cabeça, salvando o Verdão. Um minuto depois, Roger Guedes foi ao fundo pela direita e cruzou; a bola cruzou a pequena área, passou por Martín Silva mas ninguém chegou para escorar para o gol vazio.

Aos 31, saiu o gol do Verdão: Jean apoiou, tabelou com Roger Guedes e suspendeu na área; Guerra aproveitou o espaço sem marcação e testou firme, no canto direito de Martín Silva. Hyoran já estava à beira do campo para entrar em campo, mas com o gol, Cuca mudou a substituição, mandando Zé Roberto no lugar de Guerra.

O Vasco se mandou com tudo à frente e o Verdão tinha espaço para aproveitar. Aos 38, Keno fez linda enfiada para Roger Guedes, que chegou bem na área mas acabou trombando com Rafael Marques – o juiz, claro, deu falta para a defesa. Mas o Verdão, aparentemente tinha a partida sob controle.

Mas aos 42, após escanteio da esquerda, Jean do Vasco disputou por cima com Deyverson; a bola espirrou em direção ao segundo pau e Manga Escobar, que tinha acabado de entrar, empurrou para as redes empatando a partida.

No desespero, Cuca mandou Borja a campo no lugar de Tchê Tchê. Ele nem pegou na bola e o jogo acabou. O empate não foi injusto – mas o correto seria que fosse em zero a zero.

FIM DE JOGO

Foi um jogo que não agradou a ninguém – assim como o resultado. O Vasco segue fazendo suas contas para escapar da zona da confusão, e o Palmeiras caminha melancolicamente para o fim do ano, somando seus pontinhos em busca de um G4 que parece bem encaminhado; mas sem empolgar ninguém.

O time precisa reagir em campo, urgentemente. Uma partida ruim, apática, após a eliminação traumática frente ao Barcelona, é até aceitável. Mas isso já não pode se repetir no jogo contra a Chapecoense, na frente de nossa torcida, no próximo domingo. Se essa depressão continuar a ser vista, as arquibancadas não vão perdoar. Mais uma vez, depositamos nossas esperanças na volta de Moisés, que deve se recuperar da pancada no joelho e ditar o ritmo dos próximos jogos. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Vasco da Gama

GOL
Martín Silva
LAD
Gilberto
ZAG
Rafael Marques
ZAE
Breno
LAE
Ramon
VOL
Jean
VOL
Wellington
MEI
Manga Escobar
MEI
Paulinho
MEI
Paulo Vítor
MEI
Matheus Vital
MEI
Wagner
MEI
Nenê
ATA
Luís Fabiano
TÉCNICO
Milton Mendes

Palmeiras

GOL
Fernando Prass
GOL
Jean
ZAG
Edu Dracena
ZAE
Luan
LAE
Michel Bastos
VOL
Thiago Santos
VOL
Bruno Henrique
MEI
Keno
MEI
Tchê Tchê
ATA
Borja
MEI
Guerra
MEI
Zé Roberto
MEI
Roger Guedes
ATA
Deyverson
TÉCNICO
Cuca

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Fernando Prass
Não teve muito trabalho.
6
Jean
Não se fazia notar no jogo, nos 20 minutos finais começou a tomar bola nas costas e já era o ponto fraco de nossa defesa, mas aí achou um lindo cruzamento para Guerra e salvou seu jogo.
6
Edu Dracena
Seguro e tranquilo.
6.5
Luan
Com exceção do primeiro lance do Vasco, em que ficou para trás (e nem teve culpa, já que bola sofreu um desvio), fez uma partida perfeita.
8.5
Michel Bastos
Um dos mais apáticos. Parecia estar fazendo um favor a cada vez que precisava esticar a perna.
4
Thiago Santos
Um dos melhores do Verdão, fundamental para que o time não perdesse o meio-campo.
8
Bruno Henrique
Outro que parecia sem muita disposição em campo, talvez abalado pela eliminação.
5
Keno
Entrou com apetite, apareceu bastante para o jogo, mas não conseguiu completar nenhuma jogada.
6.5
Tchê Tchê
Como um vaga-lume, alternou um ou outro momento de brilho com escuridão completa.
5.5
Borja
Nem pegou na bola.
s/n
Guerra
O gol apenas salvou sua apresentação: tímido, sem movimentação, errando muitos passes.
7.5
Zé Roberto
Sua entrada foi importante para o time cadenciar o fim do jogo, que parecia sob controle.
7
Roger Guedes
Seu "drible reto" está cada vez mais manjado. Precisa se desenvolver mais.
4
Deyverson
A bola não chegou e ele também não fez por onde.
5
Técnico Cuca
Cuca
Escalação estranha, corrigida no intervalo. Estava com uma boa substituição engatilhada antes do gol, mas saiu o gol e ele fez o certo em mudar a mexida. Com Zé Roberto prendendo a bola no meio, a vitória estava em nossas mãos.
6