3
X
1

Pré-Jogo

Pré-jogo: Palmeiras x Junior

Na noite desta quarta-feira, a Sociedade Esportiva Palmeiras enfrenta o Junior de Barranquilla pela última rodada da fase de grupos da Libertadores. Já classificado em primeiro lugar no grupo 8, o Verdão joga pela liderança geral da competição, que dará o direito de decidir todos os jogos em casa no mata-mata. Além disso, o Palmeiras leva toda a torcida do Boca Juniors, que precisa vencer o Alianza e torcer para que não aconteça nenhuma zebra esta noite no Allianz Parque.

Palmeiras

DESFALQUES
Tapetada:
Gustavo Scarpa
Trabalho físico:
Artur
Lesionado:
Moisés

Pendurados: Felipe Melo e Keno

Com Felipe Melo e Keno sob risco de não poderem jogar a primeira partida do mata-mata em caso de cartão amarelo, Roger Machado deve poupá-los. A maior dúvida deve ser sobre a manutenção de Lucas Lima, em má fase, no meio-campo – a tendência é que Guerra assuma a vaga.

Outro que pode ganhar nova chance é Hyoran, que vem treinando muito bem. Duas vagas estão em disputa entre ele, Borja e Willian Bigode. O time que deve entrar em campo esta noite é Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Thiago Santos e Bruno Henrique; Dudu, Guerra (Lucas Lima) e Willian Bigode (Hyoran); Borja (Willian Bigode).

Junior

O Junior vem de uma derrota em casa para o Independiente Medellin,pelo jogo de ida das quartas-de-finais do torneio local. O time saiu de campo sob fortes vaias de sua própria torcida. O jogo de volta acontece no domingo, o que coloca o time sob enorme pressão esta semana, já que decide seu futuro no semestre em dois campeonatos precisando vencer em ambos fora de casa.

Para a partida, o técnico Julio Comesaña deve manter o time de domingo com Viera; Piedrahita, Arias, Ávila e Fuentes; Pico e  Cantillo; Chará, González e Téo Gutierrez; Ruiz.

Retrospecto

O Palmeiras nunca perdeu para o Junior, e também jamais perdeu com Enrique Cáceres no apito – aliás, foi ele quem apitou o jogo do primeiro turno entre as duas equipes, na Colômbia. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Junior de Barranquilla
Junior
Allianz Parque
Allianz Parque
Enrique Cáceres
Enrique Cáceres
Libertadores da América
Libertadores da América

 

Parpite

O Junior precisa vencer. Será uma partida em que o Palmeiras terá a vantagem de jogar em casa, com um adversário deixando espaços. O maior adversário do Palmeiras será seus próprios nervos e o comportamento da torcida vai ser decisivo. A marcação do primeiro gol mais uma vez torna-se fundamental.

Dudu será peça-chave na construção dos contra-ataques e será dele o primeiro gol do jogo. Borja fará mais um e Hyoran fechará o placar: Verdão 3 a 1, para 33.456 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

TV GloboGlobo  – para SP e RS (Cléber Machado e Caio Ribeiro)

SportvSporTV  (Jota Jr. e Sérgio Xavier)

Pós-Jogo

Palmeiras 3x1 Junior de BarranquillaCesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras venceu o Junior de Barranquilla por 3 a 1 e assim garantiu o primeiro lugar geral da fase de grupos da Libertadores, o que garante ao Verdão a primazia de decidir todos os mata-matas em casa atéo final da competição.

Os grandes nomes do jogo foram Fernando Prass e Borja, que, com atuações de gala, evitaram que a arbitragem nos tungasse a vitória e a vantagem. O paraguaio Enrique Cáceres e seus auxiliares estavam nitidamente dispostos a tirar a vantagem do Palmeiras, mas não conseguiram.

PRIMEIRO TEMPO

O Verdão entrou em campo com uma escalação alternativa, sobretudo na defesa. Chamou a atenção a braçadeira de capitão, que ficou com Fernando Prass, mesmo com Dudu em campo. E o Junior veio com tudo pra cima do Palmeiras, mostrando que queria definir o jogo desde o começo, fazendo marcação alta e tornando nossa troca de passes bastante difícil.

Aos 9, Emerson Santos errou um passe após quase dois minutos de paciente troca de bolas; Chará agradeceu, tocou para Barrera, que ligou com Téo Gutierrez, cara a cara com Fernando Prass, que abafou. Logo depois, Thiago Santos viu Mayke se projetando e fez um lindo lançamento; o lateral cruzou por baixo, depois que Borja já tinha passado da linha da bola; Guerra ainda tentou aproveitar e abriu para Dudu, que bateu fraco. O Junior respondeu rápido, com Chará levantando para González cabecear, mas Prass defendeu sem muitos problemas.

A pressão inicial do Junior foi para o espaço e o Palmeiras tomou o controle do jogo, mas a troca de passes era muito pobre e o time tinha enorme dificuldade para envolver a defesa colombiana. Aos 28, Guerra tabelou com Borja e quase conseguiu o chute, mas foi travado na linha da pequena área; Thiago Santos ainda tentou emendar o rebote, mas a bola subiu muito. Nosso camisa 5, mais uma vez, era o dono do meio do campo: bloqueava a maioria das tentativas do Junior e ainda ditava o tom das armações, com o auxílio de Guerra, bem mais móvel que Lucas Lima.

Aos 35, Willian Bigode aparou um chute de longe de Victor Luis, chegou a chapelar Arias dentro da área e se preparava para fazer um gol de cinema, mas acabou desarmado na hora H por Piedrahita. Aos 38, Barrera recebeu no meio e suspendeu para a área; Luan rebateu mal, para o meio, e Téo Gutierrez bateu no canto direito alto, mas Fernando Prass fez uma enorme defesa.

Um minuto depois, González fez o cruzamento por trás de Emerson Santos e Chará, que é menor que o Dudu, cabeceou de frente para o gol, mandando no cantinho, e Prass mais uma vez fez uma defesa monstruosa. O Palmeiras respondeu numa descida rápida que começou com Dudu, passou por Tchê Tchê, que tocou para Guerra, que pela segunda vez deixou um companheiro em condições de marcar: Dudu saiu na cara de Viera mas bateu mal, em cima do goleiro. Aos 42, Dudu deixou Guerra na cara de Viera, que abafou bem na saída do gol. O primeiro tempo  ficou muito aberto no final, mas acabou mesmo sem gols.

SEGUNDO TEMPO

Sem mexidas, os times voltaram atrás da vitória: o Palmeiras, porque jogava em casa, e o Junior, porque já sabia que o Boca estava vencendo o Alianza por 4 a 0. E o Verdão começou mais forte: Tchê Tchê, aos 4, soltou um canudo de fora que encobriu o goleiro e explodiu no travessão. Aos seis, o primeiro gol: Mayke tabelou com Borja e cruzou por baixo; Viera tentou segurar e deu rebote, aí Borja recolheu, girou e bateu prensado, a bola entrou sofrida, mas o gol valeu.

Aos 8, Emerson Santos permitiu a tabela entre Barrera e Téo Gutierrez, que disputou a jogada com Luan dentro da área e se desmanchou – o juiz não teve a menor vergonha de marcar pênalti. Barrera bateu e Fernando Prass voou no canto esquerdo para pegar sem dar rebote. O estádio pegou fogo!

Aos 10, Dudu cruzou para Mayke, que escorou de peito pra Borja, que pegou de voleio e faria um golaço,mas Viera fez uma defesa espetacular. Dois minutos depois,Dudu recebeu de Borja, de frente, e bateu rasteiro; a bola desviou na zaga e saiu.

Aos 13, González foi lançado em velocidade, mas Fernando Prass se antecipou e rachou, dando um chutão que pegou a defesa do Junior desatenta; Willian aproveitou e tocou para Borja, que invadiu, ameaçou dar uma patada mas esperou o goleiro se atirar para dar uma cavadinha, fazendo um golaço.

Aos 19, Dudu recebeu deWillian e bateu cruzado; a bola passou muito perto. O Junior queimava seus últimos cartuchos e aos 20 Chará achou Téo Gutierrez livre e tocou; mesmo escandalosamente impedido o veterano tocou para o gol e a arbitragem validou. Um escândalo.

Com um gol roubado, o Palmeiras viu a vitória ameaçada e partiu para matar o jogo. Aos 22, Borja achou Willian livre pela esquerda, mas o chute saiu fraquinho e ficou fácil para Viera. E aos 23, Guerra bateu falta na área; Murillo cortou mal e Borja só teve o trabalho de empurrar para as redes. A bola procurou por seus pés.

Aos 26, Roger fez duas mexidas: Bruno Henrique entrou no lugar de Tchê Tchê e Hyoran substituiu Borja, que saiu consagrado. Aos 28, Hyoran entrou driblando na área e tocou para Willian, mas a zaga cortou em cima da hora; no rebote, Thiago Santos bateu de fora e Viera defendeu.

Aos 31, linda tabela entre Dudu e Willian; o camisa 7 recebeu dentro da área e tocou na saída de Viera, mas não teve sorte e a bola saiu triscando a trave esquerda do colombiano. Aos 32, Hyoran recolheu  um passe de Guerra e bateu por cima, com perigo. Era um passeio.

Aos 36, numa descida do Junior, a bola bateu na mão de Luan dentro da meia lua. Ruiz bateu mal, por cima. Com 3 a 1 no placar, os dois times diminuíram o ritmo e a partida caminhou para seu final.

FIM DE JOGO

Mesmo contra um time desesperado e desarrumado, nosso mistão aproveitou as chances e teve até momentos de brilho, fazendo jus ao placar. A arbitragem também complicou, mas nem assim nos tirou a vitória.

Guerra mostrou estar em condições melhores que Lucas Lima e pede passagem, assim como Thiago Santos, que fez tudo o que Felipe Melo faz, com muito mais vigor físico. E Roger que se vire para mandar o Prass de volta pro banco.

Miguel Borja engrossou algumas vezes, mas deixou os companheiros duas vezes na cara do gol em tabelas muito bonitas; fez três gols de NOVE-NOVE e só não fez o quarto, de voleio, porque Viera fez uma enorme defesa. Sem dúvidas, a melhor partida do colombiano com nossa camisa. Parece que ele nasceu para jogar Libertadores.

O Verdão segue numa rotina de virar chavinhas: sábado, pega o Bahia, pelo Brasileirão; no meio da semana, tenta passar de fase na Copa do Brasil contra o América; e no outro sábado encara o Sport, novamente pelo Brasileirão. Todas no Allianz Parque. Ótima sequência para embalar e recuperar o moral com a torcida. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

25.787

R$ 1.621.350,28

Enrique Caceres

Palmeiras

GOL
Fernando Prass
LAD
Mayke
ZAG
Luan
ZAE
Emerson Santos
LAE
Victor Luis
VOL
Thiago Santos
VOL
Tchê Tchê
VOL
Bruno Henrique
MEI
Dudu
MEI
Guerra
ATA
Deyverson
MEI
Willian Bigode
ATA
Borja
MEI
Hyoran
TÉCNICO
Roger Machado

Junior de Barranquilla

GOL
Viera
LAD
Piedrahita
ZAE
Ávila
ZAG
Arias
LAE
Murillo
ZAG
Perez
VOL
Pico
VOL
Cantillo
MEI
Chará
ATA
Ruiz
MEI
Barrera
MEI
González
ATA
Díaz
ATA
Téo Gutierrez
TÉCNICO
Julio Comesaña

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Fernando Prass
Fez três grandes defesas no primeiro tempo e pegou um pênalti sem rebote. Como se não bastasse, até chutão de trás acabou em gol. Perfeito.
10
Mayke
Encaixou uma ou outra jogada, mas teve problemas com González.
6
Luan
Afobado, sem ritmo, cometeu erros típicos de quem está passando a temporada no banco.
5
Emerson Santos
Outro que sofreu demais com a inatividade, errando passes e sendo envolvido com muita facilidade.
4
Victor Luis
Sua extrema aplicação defensiva explica muito os pedidos da torcida por recolocá-lo no time titular.
6.5
Thiago Santos
Jogou demais; bloqueou, roubou, armou e finalizou. Parecia dois em campo.
9
Tchê Tchê
Correu e ocupou espaços, mas não converteu essa presença em efetividade, errando muitos passes. Mesmo assim quase fez um golaço de fora.
5.5
Bruno Henrique
Bateu cartão.
6
Dudu
A fase técnica é ruim. Tem gente pedindo passagem.
6
Guerra
Fez sua parte: jogou de cabeça erguida, buscou jogo,distribuiu, tabelou - pena que esteve boa parte do jogo isolado, sobretudo no primeiro tempo.
8
Deyverson
Bicho fácil.
s/n
Willian Bigode
Não participou efetivamente das jogadas mais importantes, mas esteve sempre presente distraindo a defesa e puxando a marcação. Sempre importante.
7.5
Borja
Três gols e por duas vezes deixou os companheiros na cara do gol. Só não leva dez porque deu aquelas engrossadas básicas.
9.5
Hyoran
Pegou poucona bola, mas nas vezes que apareceu,mostrou que está on fire. Tá merecendo mais espaço.
6.5
Roger Machado
Roger Machado
Mais uma vez administrou bem o elenco. Soube ler o jogo para corrigir o posicionamento do time no intervalo e explorar os espaços deixados pelo Junior.
7