3
X
1

18/01/2018 - 19:30

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x Santo André

Na noite desta quinta-feira, a Sociedade Esportiva Palmeiras inicia a temporada de 2018 recebendo o Santo André no Allianz Parque. O jogo vai marcar diversas estréias, sobretudo a do treinador, Roger Machado.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionado:
Diogo Barbosa
Pré-temporada estendida:
Edu Dracena, Moisés e Gustavo Scarpa
Não inscritos:
Fabiano, Jean*, Pedrão, Allione e Hyoran
*lesionado

Roger Machado não quis divulgar o time que sairá jogando, tampouco o esquema que pretende implantar. Vamos ter mesmo que esperar a hora do jogo para começar a entender o Palmeiras de 2018.

Segundo os jornalistas que acompanharam de perto a preparação do Verdão, no entanto, há poucas dúvidas e o time que deve sair jogando é Jailson; Marcos Rocha, Thiago Martins, Antônio Carlos e Victor Luis; Felipe Melo e Tchê Tchê; Keno (Willian Bigode), Lucas Lima e Dudu; Borja (Willian Bigode).

Santo André

O técnico Sérgio Soares, apesar de estar treinando seu elenco já há algum tempo, a exemplo de todos os times do interior, tem problemas de conjunto. Apenas cinco atletas são remanescentes do ano passado e o elenco é um verdadeiro catado. Os destaques são o goleiro Neneca, o zagueiro Domingos (aquele) e o volante Tinga (aquele também). O time que deve sair jogando é Neneca; Jonathan Bocão, Domingos, Suéliton e Paulo; Adriano, Tinga e Dudu; Deivid Ribeiro, Hugo Cabral e Lincom.

Lei do Ex

Já pensaram se o Tinga mete um gol no Allianz Parque logo na saída da temporada?

Retrospecto

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Santo André
Santo André
Allianz Parque
Allianz Parque
Salim Fende Chavez
Salim Fende Chavez
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

É jogo para torcedor matar a saudade e pra jogador tirar a ferrugem. Que ninguém espere um grande jogo, muito menos um grande placar a favor do Palmeiras. O time do Santo André é infinitamente inferior ao nosso, mas a falta de ritmo tende a nivelar as equipes.

Se tem uma lição que temos que tirar da temporada passada é a que treinador tem que ter tempo para estabelecer seus métodos e extrair o que o elenco tem de melhor. A tal da liga não vem de uma hora para outra; às vezes demora vários meses e pode custar campeonatos. O que torna passível de internação qualquer surto de cornetagem em caso de mau resultado.

Mas a tendência é de vitória. Apertada. Dá Verdão 1 a 0, gol de Thiago Martins, para 26.789 pagantes.

Que saudades! VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

PFCPFC

Pós-Jogo

Palmeiras 3x1 Santo AndréCesar Greco / Ag.Palmeiras

O Palmeiras iniciou o ano de 2018 com o pé direito e venceu o Santo André por 3 a 1 para mais de 31 mil pessoas no Allianz Parque. A estréia pode ser considerada positiva não apenas pelo resultado, mas pela segurança com que o time jogou, principalmente enquanto teve gás. Como ponto de partida para o desenvolvimento da equipe, pode-se dizer que foi acima da expectativa. O Verdão assume a liderança do grupo C do Paulistão logo na saída – ao lado do Novorizontino.

PRIMEIRO TEMPO

Roger Machado tentou despistar, mas a imprensa caçou bem a escalação e o time que entrou em campo foi o mesmo antecipado pelos setoristas, com Willian do lado direito – Keno ficou no banco.

Nos primeiros minutos o Palmeiras tinha muita dificuldade em penetrar no sistema defensivo do Santo André. A transição para o ataque só funcionou quando os laterais participaram da saída de bola. No mais, muitas bolas esticadas buscando arrancadas de Borja e Willian. Destaque para a intensa movimentação de todo o setor ofensivo, com Dudu, Lucas Lima, Willian e Borja se mexendo muito e não guardando posição.

A primeira finalização veio aos onze minutos: Lucas lima roubou a bola no meio-campo e acionou Marcos Rocha, que tocou para Borja, de costas para o gol. O colombiano fez o giro e bateu de canhota, mas sem força, facilitando para Neneca. Com 15 minutos o time do ABC já tinha parado o jogo três vezes para atendimentos médicos. O jogo picotado tornava mais difícil ainda a missão do Palmeiras de ganhar ritmo.

Aos 18, o Santo André chegou à primeira finalização: após escanteio, Borja afastou mal e a bola caiu com Aloísio, que ajeitou dentro da área e bateu cruzado – a bola subiu demais. Aos 22, Felipe Melo dividiu na frente da área com Dudu e o juiz deu falta. Na batida, Aloísio bateu por cima outra vez.

Estava difícil no toque, e o gol saiu aos 26 na base da bola longa: Borja foi lançado por Felipe Melo pela esquerda e rolou por baixo para Dudu, que estava de costas para o gol e tentou de calcanhar; a bola tocou na trave e sobrou para Willian Bigode; sozinho ele só teve o trabalho de tocar para o gol vazio.

Aos 29, Domingos derrubou Dudu em progressão, pelo lado esquerdo. O próprio Dudu bateu a falta, por cima do gol. A porteira estava aberta e Willian roubou a bola no ataque aos 36; fez boa jogada e deu ótimo passe para Borja, na entrada da área; o colombiano soltou o canudo e a bola explodiu na zaga, mas no rebote Lucas Lima emendou de primeira, de fora da área, e o balaço foi no ângulo direito de Neneca, inapelável.

Aos 40, Borja errou o passe, mas acabou tabelando com a perna do zagueiro; ele percebeu Marcos Rocha escapando da direita e tentou a enfiada de três dedos, mas a zaga rebateu; Willian chegou batendo e Neneca fez uma defesa estranha, atrapalhado pelo efeito que a bola pegou – ela saiu em escanteio. Na cobrança, Lucas Lima colocou na cabeça de Antônio Carlos, que testou por cima. Foi o último lance importante do primeiro tempo.

O Palmeiras teve muita dificuldade em envolver a defesa do Santo André com toques curtos, mas a movimentação intensa dos jogadores de frente facilitou as jogadas de lançamento; Borja não ficou plantado na área em momento algum e foi fundamental nas jogadas dos dois gols.

SEGUNDO TEMPO

O Santo André veio com apetite para o segundo tempo – Walterson entrou no intervalo e forçou pelo lado esquerdo, em cima de Marcos Rocha. Com menos de três minutos, o time do ABC já tinha conseguido quatro escanteios – num deles, Suéliton testou forte e obrigou Jailson a fazer uma grande defesa.

Aos 12, mais um lançamento de Felipe Melo para Borja, que fez o pivô para Lucas Lima, que abriu para Dudu na esquerda. O capitão atrasou um pouco a jogada mas mesmo assim achou Victor Luis fazendo a ultrapassagem e o cruzamento veio na cabeça de Willian que finalizou, mas a bola saiu à esquerda de Neneca.

O Santo André saiu rápido e forçou mais uma vez o jogo na esquerda, com Joãozinho. Com três marcadores, ele conseguiu uma bela finta de corpo sobre Antônio Carlos e saiu livre na área, batendo forte, por baixo; Jailson rebateu como pôde, para o meio, e João Lucas aproveitou para diminuir o placar.

Aos 19, o Santo André quase empatou: o cruzamento veio por baixo e achou Walterson livre; ele bateu firme, mas Marcos Rocha aparou a bola, que foi rolando para a trave esquerda; no rebote, João Lucas chegou batendo, com pouco ângulo, e ela foi na trave outra vez. O Palmeiras começava a mostrar desgaste físico e o Santo André aproveitava.

Roger mexeu duas vezes após esse momento ruim: Bruno Henrique no lugar de Tchê Tchê e Keno no lugar de Dudu, que foi muito aplaudido – certamente apenas pelo moral acumulado.

Com o placar favorável e sentindo bastante o calor e o esforço, foi a vez do Palmeiras esfriar o jogo, usando a experiência. A jogada preferida do Verdão era esticar bolas para Keno, com o tanque cheio. O camisa 11 sempre arrumava algum lance perigoso.

Juninho entrou na zaga, do lado esquerdo, no lugar de Antônio Carlos, extenuado. Thiago Martins foi para o lado direito. Aos 37, mais uma bola longa para Keno; ele fez sua jogada que já é característica: cortou para o meio e bateu cruzado, pelo alto, de curva; a bola beijou a forquilha de Neneca e voltou para nossa intermediária; Lucas Lima aparou, tabelou com Victor Luis e enfiou para Keno mais uma vez; desta vez ele invadiu a área e bateu cruzado, por baixo, fazendo o terceiro do Verdão.

O Santo André se entregou e aos 41 quase virou goleada: Borja saiu mais uma vez da área, pelo lado direito, e achou um belo passe para Willian, que achou Bruno Henrique entrando como um centroavante; na hora da conclusão ele foi calçado por trás mas mesmo assim conseguiu finalizar, Neneca deu rebote e Keno desperdiçou o rebote, mandando para fora.

Aos 46, Foguete cruzou por baixo, Thiago Martins deixou a bola passar e Jailson precisou de muito reflexo para impedir o segundo gol. Foi o último suspiro do Santo André: o fraco juiz Salim Fende Chavez encerrou a partida.

FIM DE JOGO

O Palmeiras venceu devido à enorme qualidade técnica dos atletas. Vimos lances espetaculares em meio a um time que, naturalmente, ainda se ressente de organização ofensiva.

O aspecto físico foi preponderante para o momento de dificuldade por que o time passou no meio do segundo tempo e por pouco não sofremos o empate. A sorte ajuda quem trabalha.

Roger Machado tem problemas defensivos a resolver, sobretudo do lado direito da defesa. O time achou uma alternativa à falta de evolução pelo chão com os lançamentos longos; mas é outro ponto que deve se desenvolver naturalmente com o entrosamento. Domingo tem mais. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

31.678

R$ 1.917.947,46

Salim Fende Chavez

Súmula

Borderô

Santo André

GOL
Neneca
LAD
Jonathan Bocão
LAD
Foguete
ZAG
Domingos
ZAE
Suéliton
LAE
Paulo
VOL
Adriano
MEI
João Lucas
VOL
Dudu
MEI
Flávio
MEI
Aloísio
ATA
Walterson
MEI
Joãozinho
ATA
Lincom
TÉCNICO
Sérgio Soares

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Em forma, atento e com os reflexos em dia.
7
Marcos Rocha
Não conseguiu mostrar sua eficiência no apoio e ainda teve problemas na marcação.
5.5
Antônio Carlos
Fazia um bom jogo, com direito a drible emocionante dentro da área, mas tomou um come do Joãozinho que deu em gol.
6
Juninho
Entrou firme e seguro, sem brincadeira.
6.5
Thiago Martins
Muito bem postado em quase todo o jogo, só deu um pequeno vacilo no final do jogo.
7
Victor Luis
Ótima reestreia, fazendo bem o apoio e bastante veloz na recomposição, sem levar bola nas costas.
8
Felipe Melo
Grande partida, rachando quando necessário e distribuindo jogo, com ótimos lançamentos longos.
8
Tchê Tchê
Fora de ritmo, ainda longe de seu potencial.
5.5
Bruno Henrique
Jogou pouco mas quase deixou o seu entrando como homem-surpresa na área.
6
Willian
Parecia no auge da temporada, ligado, sempre bem colocado. É difícil tirar ele do time.
8.5
Lucas Lima
Estreia brilhante, mostrando muita inteligência e precisão - nos toques e no chutaço que morreu na gaveta.
9
Dudu
Afobado, errou quase tudo o que tentou.
5
Keno
Outro que tem que jogar sempre, nem que seja entrando todo jogo no segundo tempo. Estava na mesma rotação do fim do ano passado, quando arrebentou.
8
Borja
Já deu pra ver que não vai ser com Roger que vai ficar dentro da área. E saiu-se muito bem, participando de jogadas de gol e até dando carrinho na defesa - parecia mais à vontade que em 2017.
8
Roger Machado
Roger Machado
Belo começo. Já deu pra ver seu dedinho no lance do terceiro gol. Fica a expectativa para ver como reage aos movimentos de hoje.
8