3
X
0

Pré-Jogo

Pré-jogo Palmeiras x Bahia

Na noite deste sábado, em horário chato, a Sociedade Esportiva Palmeiras recebe o Bahia, em jogo válido pela sexta rodada do Brasileirão. Depois de uma boa demonstração de recuperação do elenco no jogo da Libertadores, o time agora busca se manter no pelotão de frente do Brasileirão – uma vitória hoje é estritamente necessária, já que a tabela, conforme explicado ontem, nos reserva muitas dificuldades na fase inicial e não podemos deixar os adversários descolarem.

Palmeiras

DESFALQUES
Tapetada:
Gustavo Scarpa
Trabalho físico:
Artur
Lesionado:
Moisés
Suspenso: Dudu

Pendurados: Diogo Barbosa e Borja

Sem Dudu, suspenso, o Verdão deve retornar à força máxima disponível, depois de rodar o elenco no jogo contra o Junior. A grande dúvida é se Guerra realmente ganhou a vaga de Lucas Lima ou se foi apenas parte do revezamento.

Felipe Melo volta ao time, depois de duas partidas fora. O time deve alinhar com Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo e Bruno Henrique; Keno, Guerra (Lucas Lima) e Willian Bigode; Borja.

Bahia

O Bahia não jogou no meio da semana e precisa se recuperar na tabela, já que neste momento está na zona de rebaixamento. Apesar de um bom resultado na ida da Copa do Brasil, contra o Vasco, o time de Guto Ferreira não vence no Brasileirão há três rodadas, sendo dois empates em casa.

Gordiola não poderá contar com Allione e João Pedro, que pertencem ao Verdão, e com, Rodrigo Becão, Jackson, Helton e Marco Antônio, vetados pelo DM. Assim, o time que deve ir a campo é Douglas; Nino Paraíba, Tiago, Lucas Fonseca e Léo Pelé; Edson e Gregore; Vinicius, Zé Rafael e Élber; Edigar Júnio.

Lei do Ex

Desfalcamos a Lei do Ex deles! Mesmo assim, Régis está no banco e pode entrar. Do nosso lado, ninguém passou pelo Tricolor de Aço.

Retrospecto

O Palmeiras tem mais que o dobro dos gols do Bahia nos 49 confrontos. A última vez que perdemos deles foi no fatídico ano de 2012; antes disso, só no igualmente fatídico ano de 2002. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Bahia
Bahia
Allianz Parque
Allianz Parque
Rafael Traci
Rafael Traci
Campeonato Brasileiro
Campeonato Brasileiro

 

Parpite

Gordiola é um Gilson Kleina melhorado e encaixa bem em times com pressão moderada, como o Bahia. Edigar Júnio sabe fazer gols e merece atenção; o meia Zé Rafael joga bola e nosso meio-campo vai precisar de força para dominar o setor e assim construir o placar de 2 a 0, com gols de Keno e Borja, que se despede do  time até a Copa; 27.678 pagantes assistirão à partida.  VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

PFCPFC e PFCI  (Jader Rocha e Sérgio Xavier)

Pós-Jogo

Palmeiras 3x0 BahiaCesar Greco/Ag.Palmeiras

Em partida de grande desempenho técnico de quase todo o time, o Verdão venceu o Bahia pelo clássico placar de 3 a 0 no Allianz Parque e voltou ao G4 do Brasileirão – agora seca o Grêmio e o SCCP para se manter entre os quatro primeiros. A distância para o líder permanece em dois pontos.

PRIMEIRO TEMPO

Lucas Lima voltou à titularidade e iniciou o jogo como a grande esperança de que o Palmeiras vencesse a dura disputa pelo meio-campo, contra um adversário com dois volantes de pegada. O Verdão começou muito forte, abrindo o placar aos 3 minutos: Keno lançou Borja, que disputou com Everson, entrou na área, podia ter tentado cavar o pênalti no choque com Lucas Fonseca mas insistiu – ele rolou para Willian Bigode, que só escorou para o gol.

Aos seis, Jailson jogou uma bola no fogo para Felipe Melo; Júnior Brumado se antecipou, roubou e tocou para Vinicius, que bateu forte – Edu Dracena desviou a bola que levaria perigo, mas saiu em escanteio. Aos nove, depois de rebote de escanteio, Léo Pelé recolocou na área; nossa defesa dormiu e Lucas Fonseca escorou livre, de frente, e a bola bateu na forquilha esquerda de Jailson.

Aos 14, Zé Rafael recebeu no meio do campo, ganhou de Marcos Rocha e avançou sem ser incomodado, invadiu a área e bateu cruzado, para boa defesa de Jailson. O Bahia teve três boas chances por erros sucessivos de passes que o Palmeiras cometia. Apesar da vantagem no placar, o Palmeiras jogava mal e não conseguia organizar as jogadas.

Aos 24, depois de bom centro de Lucas Lima, Keno rachou com Douglas, que afastou no soco; a bola caiu nos pés de Willian, que limpou o marcador e bateu forte, de curva, e Douglas fez uma defesa pra sair na foto. Após um início sonolento, nosso camisa 20 despertou, passou a ser mais participativo e o jogo voltou a pertencer ao Palmeiras.

Aos 32, Marcos Rocha bateu o escanteio curto com Lucas Lima, que podia suspender para a área, mas preferiu devolver para o lateral, livre; ele invadiu, percebeu Antônio Carlos se aproximando e tocou no meio de três defensores do Bahia, que só olharam nosso zagueiro-artilheiro ir mais uma vez às redes. Foi o terceiro gol do camisa 25 no ano.

O visitante não desistia e aos 34 construiu uma linda jogada: Zé Rafael acionou Júnior Brumado e se projetou, o novo passe achou Vinicius na área e ele tocou de primeira para a chagada de Zé Rafael, que improvisou uma puxeta e quase fez um golaço – a bola encobriu o gol de Jailson.

Aos 41, um gol com a facilidade que todos sempre desejamos: bola de pé em pé, de Felipe Melo para Bruno Henrique, daí para Lucas Lima, tudo pela faixa de dentro do gramado; o camisa 20 deu um passe de cinema para Borja, que fez o facão por trás de Lucas Fonseca e tocou por baixo de Douglas, para fazer o terceiro gol, enlouquecer e atirar a camisa para a torcida – e levar cartão amarelo.

Aos 43, Keno foi lançado, matou no peito, chapelou Everson e tocou para o excelente apoio de Bruno Henrique, que foi ao fundo e cruzou por baixo, para a chegada de Borja, que escorou mal, perdendo gol feito – mas depois do belo gol, da assistência e com o placar folgado, só recebeu aplausos. O primeiro tempo acabou com três gols de vantagem, o que não foi bem o que aconteceu no jogo – mas o que interessa é quem coloca pra dentro as chances que cria.

SEGUNDO TEMPO

Os dois times voltaram sem mexidas para o segundo tempo e o Verdão seguia em ritmo forte, ao menos nos minutos iniciais. Aos três, Diogo Barbosa apoiou bem pela esquerda e cruzou para a chegada de Borja; Willian não percebeu e tentou aproveitar e os dois se embolaram, desperdiçando boa chance.

Aos 8, Lucas Lima controlou bem a bola pela direita, esperou a movientação na área e cruzou para Borja, que se atirou na bola – Douglas fez grande defesa. Um minuto depois, mais uma vez Lucas Lima ligou com Borja, que bateu da entrada da área,por cima. Douglas sentiu a virilha no tiro de meta e deu lugar a Anderson.

O placar definido fez os dois times naturalmente diminuírem a intensidade e o jogo ficou bem menos interessante. Aos 21, Nino Paraíba aproveitou uma bola na direita e bateu direto, quando todos esperavam o cruzamento – Jailson fez uma grande defesa. Aos 26, Borja saiu para a entrada de Hyoran e recebeu uma salva de aplausos impressionante. Boa Copa, Miguelito!

Aos 29, Lucas Lima enfiou para Keno, em impedimento; livre, o camisa 11 puxou a jogada e rolou para Willian, livre, sem goleiro – mas o camisa 29 bateu a bola no travessão, de forma inacreditável. No fundo, foi até bom que o gol não saiu, pois seria irregular. Aos 33, Felipe Melo deu lugar a Thiago Santos e passou a braçadeira para Edu Dracena. Dois minutos depois, Guerra rendeu Keno.

Aos 38, Elber recebeu um bom passe pela esquerda, invadiu a área e bateu com pouco ângulo – Jailson fechou as pernas pra não levar entre as canetas e tirou do gol com o calcanhar; Zé Rafael pegou a sobra do outro lado e tentou bater de novo, e Jailson foi lá e colocou a escanteio. Na batida, Everson cabeceou forte e a bola triscou o travessão.

Aos 45, Guerra fez um lindo passepor elevaçãopara Willian, que tentou bater mas foi travado; Guerra ainda teve a chance de pegar o rebote mas não conseguiu equilibrar o corpo para bater bem e Anderson defendeu. Dois minutos depois, nova tabela entre Willian e Guerra, e o camisa 29 bateu por baixo para mais uma defesa de Anderson. Na última chance do jogo, Lucas Lima isolou uma bola rolada por Guerra, depois da bola passar por toda a nossa linha ofensiva de pé em pé. E assim o jogo acabou.

FIM DE JOGO

Não houve nenhum grande movimento tático; o Palmeiras jogou no automático e contou com noites inspiradas de quase todo o time. Lucas Lima demorou um pouco para acender, mas após 20 minutos de jogo pegou no tranco e o time deslanchou.

Todos jogaram muito bem e as jogadas saíram com naturalidade. Foi um jogo perfeito para a torcida perceber como é bom ter jogadores com boa condição técnica em todas as posições.

Uma pena perder Borja, justo agora. O colombiano atravessa, seguramente, sua melhor fase no Palmeiras, mas deixa o time para servir a sua seleção. Uma coisa fica clara: Willian, à sua moda, deve dar conta do recado. A próxima missão é ratificar o avanço na Copa do Brasil, contra o América. Vira de novo a chavinha, e VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

26.351

R$ 1.517.906,22

Rafael Traci

Palmeiras

GOL
Jailson
LAD
Marcos Rocha
ZAG
Antônio Carlos
ZAE
Edu Dracena
LAE
Diogo Barbosa
VOL
Felipe Melo
VOL
Thiago Santos
VOL
Bruno Henrique
MEI
Willian Bigode
MEI
Lucas Lima
MEI
Keno
MEI
Guerra
ATA
Borja
MEI
Hyoran
TÉCNICO
Roger Machado

Bahia

GOL
Douglas
GOL
Anderson
LAD
Nino Paraíba
ZAG
Everson
ZAE
Lucas Fonseca
LAE
Léo Pelé
VOL
Edson
VOL
Gregore
MEI
Élber
MEI
Vinicius
VOL
Flávio
MEI
Zé Rafael
ATA
Júnior Brumado
MEI
Régis
TÉCNICO
Guto Ferreira

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Pegou duas bolas boas e teve muita sorte em outras duas - e isso é muito importante.
6.5
Marcos Rocha
Uma bela assistência e bastante solidez em seu flanco.
7.5
Antônio Carlos
Meteu uma pra dentro e foi bem em quase todo o jogo - ficou um pouco perdido nos 20 minutos iniciais pegando o ataque do Bahia de frente o tempo todo.
7.5
Edu Dracena
Em seu terceiro ano de clube continua sem marcar gols. Mas segue exercendo sua liderança positiva sem sobressaltos.
6.5
Diogo Barbosa
Fez a melhor partida pelo Verdão, está se assentando no time e jogando cada vez com mais naturalidade.
8
Felipe Melo
Arrancou aplausos da torcida em jogadas de raça; conseguiu se transformar numa liderança positiva.
7
Thiago Santos
Deu tempo de roubar duas ou três bolas.
s/n
Bruno Henrique
Eficiente, joga fácil e surpreende arriscando até jogadas de ponta.
7
Willian Bigode
Atormenta qualquer defesa sempre; até o gol incrível que perdeu foi bom - afinal, a jogada era irregular.
8
Lucas Lima
Reagiu - e olha que não parecia que ia conseguir até os 20 minutos, quando ainda era um peso morto. Acordou e coordenou todo o time, fazendo um grande jogo.
8
Keno
Partida normal "de Keno", fazendo boas jogadas e enchendo o saco da defesa.
7
Guerra
Mesmo com pouco tempo em campo, mostrou que está a fim e reacendeu um jogo que estava morto.
7
Borja
Gol, assistência, tabelas e só uma engrossada em 73 minutos. Mais uma grande partida!
9
Hyoran
Teve tempo, mas desta vez não conseguiu o destaque das outras entradas.
6
Roger Machado
Roger Machado
Se tivesse ficado em casa jogando videogame não mudaria nada. O time jogou o automático.
6