1
X
0

20/05/2017 - 19:00

Pré-Jogo

Pré-jogo Chapecoense x Palmeiras

Na noite de hoje, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita a Chapecoense, em jogo válido pela segunda rodada do Brasileirão. Com um time alternativo, a vitória será importante para nos mantermos no topo da classificação e para batermos a meta da previsão de pontos proposta antes do campeonato.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Luan, Thiago Martins, Moisés e Arouca
Poupados: Jean, Mina, Edu Dracena, Zé Roberto, Felipe Melo, Guerra, Borja e Dudu

Cuca puxou o freio de mão e deu descanso a oito titulares. Assim, o time que vai a campo é bem alternativo – todos os detalhes do possível raciocínio de nosso treinador estão neste post, publicado ontem.

O time titular será Fernando Prass; Fabiano, Antônio Carlos, Juninho e Michel Bastos; Thiago Santos e Tchê Tchê; Roger Guedes, Raphael Veiga e Keno; Willian Bigode. O banco será formado por Jailson, Mayke, Egídio, Vitinho, Hyoran, Erik, Iacovelli e só.

Chapecoense

Nathan e João Pedro, titulares absolutos do time de Vagner Mancini, não vão atuar. Todo o resto do time depende de avaliação física, já que o time fez apenas um treinamento na sexta. A viagem de volta da Argentina, que teve um trecho feito por terra desde Porto Alegre, já que o aeroporto de Chapecó ficou fechado na quinta-feira, foi extremamente desgastante.

Vagner Mancini pode até recorrer a ao venezuelano Seijas, que foi integrado ao clube na quinta-feira, para a partida. Uma possível formação para a partida é Jandrei; Apodi, Victor Ramos, Luiz Otávio e Reinaldo; Andrei Girotto, Luiz Antonio e Osman (Seijas); Rossi, Wellington Paulista e Arthur.

Lei do Ex

Fabiano e Hyoran podem fazer as honras da casa. Victor Ramos, Andrei Girotto e Wellington Paulista são as ameaças da Chape.

Retrospecto

Temos uma pequena escrita para quebrar no estádio de Chapecó. Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Chapecoense
Chapecoense
Arena Condá
Arena Condá
André Luiz de Freitas Castro
André Luiz de Freitas Castro
Campeonato Brasileiro
Campeonato Brasileiro

 

Parpite

Mesmo com um time alternativo, o Palmeiras tem todas as condições de vencer o jogo – e fará o placar apertado de 2 a 1, com gols de Raphael Veiga e Willian Bigode, para 9.654 pagantes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

PFCPFC e PFCI

 

Pós-Jogo

Chapecoense 1x0 PalmeirasCésar Greco / Ag.Palmeiras

Num jogo sonolento, o time alternativo do Palmeiras foi derrotado pela Chapecoense pela contagem mínima na Arena Condá, em Chapecó. Com a derrota, o Verdão deve ser ultrapassado por alguns times na classificação geral e precisará ganhar pontos não previstos no início do campeonato para compensar este prejuízo. A cada ponto perdido no Brasileirão por causa da Libertadores, a pressão para vencer a competição sul-americana aumenta.

PRIMEIRO TEMPO

Com oito reservas, o Verdão entrou em campo lutando contra o desentrosamento, a falta de ritmo de jogo, o campo pesado pela chuva e o time titular da Chapecoense – Vagner Mancini ignorou solenemente a importância do jogo que terá na próxima terça-feira e mandou a campo o que tinha de melhor.

A bola rolou e o encaixe dos times proporcionou um jogo muito travado. As defesas levaram larga vantagem sobre os ataques e era difícil imaginar que sairia uma boa jogada construída com consciência. O Palmeiras tinha a bola, mas não conseguia impor sua melhor condição técnica.

A bola parada, no entanto, poderia mudar esse panorama – para ambos os lados. Aos 12, Luiz Antônio cobrou falta da esquerda em nossa área e Andrei Girotto, livre, testou firme, por cima.

Aos poucos os jogadores foram encontrando seus espaços em campo e a bola nitidamente passou a ficar mais no pé do time da casa, com o Palmeiras se encolhendo para sair rápido no contra-ataque. Aos 31, o Verdão chegou no três contra dois; Keno tabelou com Willian Bigode, chegou na área em condições de bater mas preferiu novo passe, os dois se enrolaram enquanto Raphael Veiga estava livre na esquerda – Apodi chegou rápido e salvou para escanteio.

Aos 41 tivemos a única jogada consciente de todo o primeiro tempo: triangulação entre Apodi, Rossi e Luiz Antônio envolveu o lado esquerdo de nossa defesa e o cruzamento veio por baixo; Antônio Carlos deu o carrinho e evitou que Wellington Paulista fizesse o gol; no rebote, Apodi tentou rolar para o meio da pequena área mas Antônio Carlos, ainda caído, fez um malabarismo e tirou novamente, de cabeça.

O Palmeiras anda teve uma boa chance numa falta batida pelo lado esquerdo com Fabiano, mas a bola, que tinha o endereço, explodiu na barreira que não guardou a distância correta – o juiz não fez nada. Foram 45 minutos de um futebol mirrado.

SEGUNDO TEMPO

Parecia que o jogo ia ser diferente no segundo tempo – mais uma vez o Palmeiras iniciou o período colocando muita pressão e quase chegou ao gol logo a um minuto – Juninho fez lançamento longo para Roger Guedes, que dominou e bateu; a bola para foi travada por Reinaldo e sobrou para Willian Bigode, que bateu bem, buscando o canto direito de Jandrei, que se esticou e fez a defesa.

O Palmeiras ainda tentou manter a Chape sob pressão por mais alguns minutos, mas o time da casa conseguiu sair do sufoco, colocou a bola no chão e voltou para o jogo. Aos 8, após escanteio da esquerda batido por Seijas, Arthur cabeceou e Fernando Prass fez uma enorme defesa, em dois tempos – quando já tinha a bola sob controle foi atingido por Rossi, mas felizmente não se machucou.

O jogo voltou então para sua configuração do primeiro tempo: lento, sem criatividade, modorrento – vez ou outra acontecia algo para levantar os 10.313 torcedores que foram ao estádio. Aos 17, a Chape conseguiu uma boa jogada de velocidade em cima de Fabiano: Arthur foi ao fundo e cruzou para Rossi, livre, fuzilar Fernando Prass com a cabeça; nosso goleiro explodiu e defendeu com o joelho; no rebote Wellington Paulista tentou o voleio e a bola saiu por pouco.

Cuca tentou mexer no time para dar mais dinâmica: mandou Hyoran no Raphael Veiga, que decepcionou, e Erik no Willian Bigode – em princípio, como centroavante. Mas não deu tempo de verificar o efeito das mexidas: aos 27, a Chape conseguiu mais um bom ataque pelo lado esquerdo; Rossi saiu livre na cara de Prass e tentou o canto, nosso goleiro fez uma grande defesa, mas no rebote Luiz Antônio apenas escorou para o gol vazio, abrindo o placar.

Sentindo que um dos grandes problemas do time era não ter um centroavante de ofício, Cuca mandou a campo Iacovelli, da base, no lugar de Keno – Erik foi para a esquerda. O menino se movimentou, mas obviamente não conseguiu achar o melhor posicionamento em campo e foi presa fácil para a dupla de zaga da Chape.

Aos 42, o time da casa ainda tentou ampliar, numa cobrança de lateral de Reinaldo na área, que achou a cabeça de Túlio de Mello, que mandou por cima do travessão. A Chape foi menos ruim e mereceu os três pontos com o placar magrinho.

FIM DE JOGO

Algumas lições precisam ser tiradas deste jogo, mesmo sabendo que se tratava do time alternativo: a primeira e mais evidente é que precisamos de um centroavante reserva urgente; Willian Bigode não é o Gabriel Jesus.

As bolas paradas estão sendo um ponto vulnerável em nossa defesa. Fabiano não está com velocidade suficiente para bater com um ponta veloz. Raphael Veiga precisa acordar. E talvez seja momento de repensar a ideia de trocar quase o time todo quando a prioridade for um jogo seguinte de maior importância nos mata-matas. É preciso rodar o elenco, nossos bons reservas podem encaixar bem no time titular, desde que o time não seja completamente desfigurado. VAMOS PALMEIRAS!

A VOZ DO PADRINHO

O pós jogo de hoje é do Luís Nori, o cara mais palmeirense da cidade de Houston, no Texas – segundo suas próprias palavras. Que coragem… Valeu, Luís!

Ficha Técnica

Chapecoense

GOL
Jandrei
LAD
Apodi
ZAG
Luiz Otávio
ZAE
Victor Ramos
LAE
Reinaldo
VOL
Andrei Girotto
VOL
Luiz Antônio
MEI
Seijas
MEI
Nenen
ATA
Rossi
MEI
Osman
ATA
Wellington Paulista
ATA
Túlio de Mello
ATA
Arthur
TÉCNICO
Vágner Mancini

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Fernando Prass
Salvou dois gols certos da Chape, e no lance do gol deles ainda pegou uma bola cara a cara.
8.5
Fabiano
Arthur deitou e rolou em cima dele.
4
Antônio Carlos
Parecia bem à vontade com a bola rolando, mas foi vencido nas bolas altas.
6.5
Juninho
Teve um lance de muita infelicidade no primeiro tempo, que não deu em nada. Depois se afirmou e fez uma estreia ok.
6
Michel Bastos
Marcou com muita disposição - algo que há muito não víamos na lateral esquerda.
7
Thiago Santos
O de sempre: marca muito, mas no passe nem sempre faz o simples e erra.
6.5
Tchê Tchê
Fez muito bem os bloqueios no meio-campo, mas deixou a desejar no apoio, uma de suas principais características.
5.5
Roger Guedes
Perdeu o duelo com Reinaldo; não conseguiu passar nenhuma vez pelo lateral da Chape.
5
Raphael Veiga
Fraco, talvez nervoso com a chance, talvez pouco à vontade no campo pesado - o fato é que não aproveitou a oportunidade.
3
Hyoran
Em pouco tempo em campo apareceu mais que Veiga, embora, a rigor, não tenha produzido nada de importante.
6
Keno
Decepcionante; teve algumas jogadas à sua mercê, em velocidade, no mano a mano com o lateral, sem cobertura - e errou o drible.
4
Iacovelli
Melhor deixar sem nota...
0
Willian
Ele não é o Gabriel Jesus. Ele não é o Gabriel Jesus. Ele não é o Gabriel Jesus. Ele não é o Gabriel Jesus. Ele não é o Gabriel Jesus.
5.5
Erik
Entra tão afobado para mostrar serviço que se enrola todo.
5
Cuca
Cuca
Não conseguiu nada especial que trouxesse o resultado. Tentou, e errou. Resta tirar as lições.
4