0
X
1

31/03/2018 - 16:30

Pré-Jogo

Pré-jogo SCCP x Palmeiras

Nesta tarde de sábado, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita seu arquirrival, em jogo válido pelas finais do Paulistão. O Derby volta a decidir um campeonato depois de dezenove anos – em Itaquera, a primeira metade do confronto, que será completado no domingo, dia 8, no Allianz Parque.

Palmeiras

DESFALQUES
Tapetada:
Gustavo Scarpa
Transição física:
Artur
Não inscritos:
Mayke, Jean, Pedrão e Hyoran

Pendurado: Antônio Carlos

Com o DM vazio, o Palmeiras tem apenas os desfalques de Artur, que já faz a transição física, e de Gustavo Scarpa, covardemente tirado de combate pelos advogados do Fluminense – além dos não inscritos por limitação da FPF.

Com os retornos de Marcos Rocha e Borja, o Verdão terá força máxima para enfrentar o SCCP e deve entrar em campo com Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; FelipeMelo e Bruno Henrique; Willian Bigode, Lucas Lima e Dudu; Borja.

SCCP

Fábio Carille, do alto de sua neo-arrogância, resolveu fazer mistério. Ralf e Romero tem chances de serem escalados, mas os favoritos a entrar jogando seguem sendo Maycon e Sheik. Os onze que tendem a entrar em campo são Cássio; Fagner, Henrique, Balbuena e Sidcley; Gabriel e Maycon (Ralf); Cleyson, Rodriguinho e Matheus Vital; Emerson Sheik (Romero).

Lei do Ex

No Palmeiras, quatro jogadores já estiveram do lado de lá do Derby: Willian Bigode, Edu Dracena, Bruno Henrique e Antônio Carlos. Por lá, Gabriel, Henrique e Marquinhos Gabriel já foram palmeirenses.

Retrospecto

O que é ser feliz? É saber que seu maior rival é seu freguês.

Aproveite ao máximo o Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

SCCP
SCCP
Itaquerão
Itaquerão
Leandro Bizzio Marinho
Leandro Bizzio Marinho
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

Na primeira metade do chamado jogo de 180 minutos, as duas equipes vão se respeitar. O jogo ficará concentrado na faixa central do gramado, com poucas chances de gol. O Verdão vai fazer o gol da vitória no meio do segundo tempo, com Willian Bigode, e vai precisar de um empate no Allianz Parque para conquistar mais um título em cima deles.

Se a arbitragem do juiz que é torcedor declarado deles não atrapalhar, chegaremos à vitória, que vai deixá-los com o moral no chão antes da partida decisiva. Para eles se lembrarem sempre que tem que respeitar estas camisas verdes – agora em novo modelo, e de preferência com meias brancas, sagradas e infalíveis.

Que o Palmeiras jogue Derby. Que nossos jogadores entendam que são jogos como estes que definem uma carreira, que são especiais e não deixarão suas memórias jamais. Que joguem DERBY e deixem a vida no campo, sabendo que estaremos aqui fora, jogando junto. PRA CIMA DELES, VERDÃO! VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

TV GloboGlobo para SP, PR e DF (Cleber Machado, Casagrande e Caio Ribeiro)

SportvSporTV (Milton Leite e Mauricio Noriega)

PFCPFC e PFCI (Milton Leite e Mauricio Noriega)

Pós-Jogo

SCCP 0x1 PalmeirasCesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras venceu o SCCP em Itaquera pela contagem mínima e conseguiu uma pequena vantagem para o jogo de volta das finais do Paulistão. Com muita obediência tática e a pilha na dose certa, o Verdão fez o que faltou da última vez: “jogou Derby”, interrompeu uma série de vitórias do rival no clássico e ainda se isolou como o time que mais os venceu em Itaquera.

O Palmeiras agora vira a chavinha e foca no Alianza Lima, adversário desta terça-feira pela Libertadores, no Allianz Parque, para depois voltar a atenção para a grande final, no domingo.

PRIMEIRO TEMPO

O Verdão entrou com Borja, de volta da seleção, no comando do ataque. Fábio Carille optou por Emerson Sheik e deixou Romero no banco. A novidade mesmo foi o Verdão estreando uniforme novo e sem recorrer às sagradas e infalíveis meias brancas – até porque, a prerrogativa de escolher a cor das meias era do mandante.

Os primeiros movimentos, claro, foram de estudo. O Palmeiras mostrou desde cedo que ia fazer uma marcação implacável, alternando a pressão com a marcação alta com uma meia-pressão, mas sem dar o menor espaço para que a construção das jogadas viesse pelo meio, obrigando o time da casa a tentar a saída pelos flancos.

Aos poucos o Verdão passou a buscar mais o ataque e logo na segunda investida chegou ao gol: no escanteio curto pela esquerda, Dudu ganhou ângulo e cruzou; a bola saiu fechada demais e foi no travessão; Willian pegou o rebote do lado direito e cruzou por baixo, para Borja, que escorou da linha da pequena área para as redes. Cássio chegou tarde porque havia escorregado na traiçoeira grama do Itaquerão.

Aos 9, numa bola esticada pela direita, Clayson entrou na área e rolou para Matheus Vital, que cortou para dentro e bateu com força, mas na direção de Jailson, que caiu e rebateu; Dudu chegou e aliviou o perigo. Aos 11 o Verdão respondeu, com Dudu puxando o contra-ataque e achando Willian no facão, mas Cássio saiu com arrojo antes que nosso atacante alcançasse a bola.

O Verdão fez uma opção que ficou clara rapidamente: arriscar os passes profundos, nem que isso ocasionasse na perda da posse de bola. O time da casa, quando a recuperava, era ineficaz e não conseguia evoluir, já que o meio estava travado pelos nossos meiocampistas. Eles rodavam a bola sem objetividade alguma. Em português claro: o Palmeiras deu a bola pra eles, que não tinham a menor ideia do que fazer com ela.

De repente, um breve momento de bobeira. Aos 20, Rodriguinho achou Matheus Vital na direita; ele cruzou mal na área e nossa zaga rebateu com tranqüilidade; mas a bola caiu no pé de Clayson, no bico da grande área; ele ajeitou e bateu de chapa, cruzado, mas sem força, quase um recuo para Jailson. Dois minutos depois, Rodriguinho lançou Sidcley na esquerda; o lateral cruzou rápido e achou Maycon chegando de trás, e o volante escorou com perigo, mas a bola saiu à esquerda.

Estes dois lances neste curto período foi o único momento em que o SCCP acenou com algum perigo contra nossa defesa. A bola continuava ficando demais no pé deles, mas nossa defesa voltou a se acertar e o Palmeiras, mesmo só cercando, parecia ter o controle total do jogo.

Aos 30, num contra-ataque rápido, Willian acionou Borja dentro da área, mas o colombiano não dominou e Balbuena afastou o perigo. O jogo seguia pegado, com todas as divididas fortes, mas o Palmeiras demonstrava estar na rotação certa e os jogadores do time da casa, pressionados pelo placar adverso, sempre deixavam um cotovelo ou uma sola a mais.

Aos 38, após saída errada do Palmeiras, Balbuena lançou Sheik; o atacante girou rápido e bateu cruzado – a bola passou perto e assustou Jailson.

Aos 46, no último lance do primeiro tempo, após uma discussão boba na lateral entre Dudu e Henrique,começou um empurra-empurra que tomou proporções maiores. Todo mundo entrou na bagunça, sobraram mãos e braços aqui e ali, mas nada que dois pares de cartões amarelos não resolvessem. A arbitragem decidiu expulsar Clayson e Felipe Melo pra tentar colocar moral e encerrou o primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Roger Machado corrigiu o meio-campo tirando Borja, amarelado na confusão, e colocou Moisés, recuando um pouco Bruno Henrique. Mesmo sem um volante raiz, pegador, o Verdão estava muito mais compacto que no primeiro tempo e passou a picotar o jogo, irritando cada vez mais o time da casa.

Aos 10, Fábio Carille mexeu duas vezes,mandando a campo Pedrinho e Romero nos lugares de Sidcley e Matheus Vital. Victor Luis saiu machucado e Diogo Barbosa entrou na gelada de estrear num Derby, final de campeonato. Sem ritmo de jogo, passou a ser uma presa relativamente fácil para Pedrinho, algo que Roger Machado corrigiu 13 minutos depois, mandando Thiago Santos a campo no lugar de Bruno Henrique, com cãibras – e a cobertura do lado esquerdo melhorou bem.

Aos 26 Maycon, que virou lateral esquerdo, pegou uma bola viva na entrada da área e emendou um bom chute, mas a bola saiu por cima. Foi um lance isolado. O Palmeiras seguia controlando todos os espaços do campo e entre os 35 e 37 minutos chegou a ensaiar um olé – só não teve grito porque era jogo de torcida única.

Aos 37, Carille jogou a toalha e fez uma substituição esotérica, à la Cuca: mandou Danilo a campo, no lugar de Sheik. E Danilo até que tentou justificar, fazendo um bom pivô para a batida de fora de Rodriguinho, que Jailson defendeu fácil.

Aos 40, a torcida local resolveu fazer graça mesmo com o time perdendo e acendeu um monte de sinalizadores. O jogo ficou paralisado por três minutos, mas nem a parada forçada fez com que Carille conseguisse fazer seu time nos atacar de forma organizada. Aos 51 minutos, o jogo foi encerrado.

FIM DE JOGO

A situação é a mesma do jogo de ida contra o Santos. Nossas vantagens, além do gol, são que agora teremos o Allianz Parque a nosso lado e nosso adversário, ao contrário do pequeno clube praiano, não gosta de ficar com a bola, mas vai querer ficar com ela porque precisa de gols. O melhor atacante deles, Clayson, está suspenso e Romero é bem inferior; já Felipe Melo, assim como qualquer um de nossos titulares, tem substitutos muito qualificados. Apesar da vantagem mínima, nossa situação é bem confortável.

Mas sabemos que quando a bola rola, sobretudo num Derby, tudo pode ir para o espaço rapidamente. Precisamos repetir a postura vencedora desta tarde – algo que foi muito ajudado pelo gol logo aos 7 minutos, claro. Foco, disciplina tática, e pilha na dose certa.

Tudo isso é assunto para a semana, quando ainda teremos a velha virada de chavinha, porque tem Libertadores na terça. Enquanto isso, nós saborearemos mais uma vitória na casa deles.

Derby hoje é quase uma metáfora da vida real, onde existem no Brasil as pessoas empreendedoras, honestas, que fazem tudo certo à margem dos esquemas que envolvem os poderosos do país, que manipulam a política e a economia. O Palmeiras, que não deve nada ao governo, que paga as contas em dia, que não mama nas tetas de nenhuma estatal, que tem metade da verba de TV do rival, venceu, e assim deu esperança que neste país, nem sempre, o crime compensa. VALEU VERDÃO! VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

SCCP

GOL
Cássio
LAD
Fagner
ZAE
Balbuena
ZAG
Henrique
LAE
Sidcley
ATA
Romero
VOL
Gabriel
VOL
Maycon
MEI
Matheus Vital
MEI
Pedrinho
MEI
Rodriguinho
MEI
Clayson
ATA
Emerson Sheik
ATA
Danilo
TÉCNICO
Fabio Carille (oi Carille!)

Palmeiras

GOL
Jailson
LAD
Marcos Rocha
ZAG
Antônio Carlos
ZAE
Thiago Martins
LAE
Victor Luis
LAE
Diogo Barbosa
VOL
Felipe Melo
VOL
Bruno Henrique
VOL
Thiago Santos
MEI
Willian Bigode
MEI
Lucas Lima
MEI
Dudu
ATA
Borja
VOL
Moisés
TÉCNICO
Roger Machado

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Três ou quatro defesas, todas tranquilas.
7.5
Marcos Rocha
Muito bem no primeiro tempo, caiu um pouco no segundo - talvez sentindo o físico.
7
Antônio Carlos
ão deu a menor chance pra ninguém.
8
Thiago Martins
Rebateu tudo e tirou todos os perigos de perto da área. Às vezes não precisa mandar pra lateral, dá pra tocar ou sair jogando. Mas tá bom.
7.5
Victor Luis
Engoliu o tal de Matheus Vital. O menino mal pegu na bola.
8
Diogo Barbosa
Que jeito de fazer uma estreia hein! Entrou numa fria, sem ritmo, e passou alguns apertos com Pedrinho.
6.5
Felipe Melo
Marcação forte e correta nomeio-campo adversário; na treta, fez o que tinha que fazer.
8
Bruno Henrique
Se alguém ainda tinha alguma implicância, agora não tem mais jeito.
8
Thiago Santos
Manteve a pegada e não deu chances pra eles armarem nenhum ataque.
7.5
Willian Bigode
Ajudou na marcação da saída de bola, deu o passe para o gol, mas no geral foi discreto.
7.5
Lucas Lima
Jogou mais recuado, fez um bom papel tático, mas estava desatento, em rotação mais baixa do que o jogo exigia.
6.5
Dudu
Infernizou e irritou não só o time deles, mas o ESTÁDIO INTEIRO. Jogou bola e desestabilizou o adversário.
9
Borja
Na volta da seleção, decidiu o Derby e ainda garantiu a artilharia do campeonato.
8
Moisés
Talvez sua melhor partida do ano; cadenciando o jogo e garantindo a vantagem na parte final da disputa.
8
Roger Machado
Roger Machado
Conseguiu extrair o melhor do elenco, fazendo com que eles executassem o plano tático com a pilha na intensidade perfeita. Coisas que só um grande comandante consegue.
8.5