Campeonato Paulista 1985

O Campeonato Paulista de 1985 foi disputado por 20 clubes, entre maio e dezembro. Após a fase de classificação, quatro clubes se classificavam para a chave final, com mata-mata em confrontos de ida e volta.

Para se definir os quatro classificados, os times jogaram todos contra todos em turno e returno. Avançaram os campeões de cada turno, mais dois classificados por índice técnico na soma de todos os jogos.

O primeiro turno foi vencido pela Portuguesa. O Palmeiras fez uma péssima campanha nas mão de Mário Travaglini, que acabou demitido - o grande Chinesinho foi contratado em seu lugar, mas o time terminou o turno apenas em 12° lugar, sentindo demais a falta de Jorginho, que fraturou a perna num treino da Seleção Brasileira.

Para o segundo turno, o panorama não mudou muito. Após quatro jogos sem vitórias, Chinesinho foi demitido e o auxiliar Vicente Arenari, ex-lateral do Palmeiras na década de 60, foi efetivado como treinador principal.

Após alguns tropeços, o time embalou depois de vencer um Derby por 3 a 0, em grande partida de Barbosa, que marcou dois gols. Mas o prejuízo era grande para tirar. Mesmo depois de uma sequência de oito jogos sem perder, o Verdão chegou à última rodada precisando vencer o XV de Jaú no Palestra, no domingo à tarde, mas antes precisava torcer para que o SCCP perdesse do Comercial, em Ribeirão, no jogo das 11 da manhã. Se tudo isso acontecesse, o Verdão entraria nas semifinais pelo índice técnico.

O time de Ribeirão era um dos piores do campeonato e por isso lutava contra o rebaixamento. E conseguiu, de forma incrível: após o gol de Manguinha no primeiro tempo, o Comercial segurou bravamente até o fim do jogo, fazendo com que uma avalanche de palmeirenses largasse a macarronada no prato e se dirigisse ao Palestra Italia.

Uma chuva torrencial caiu sobre a Zona Oeste da capital paulista, mas mesmo assim, mais de 27 mil palmeirenses lotaram o estádio e viram o Verdão sair na frente com um gol de Barbosa, mas o XV empatou logo depois com Antônio Carlos e o primeiro tempo terminou 1 a 1.

Precisando apenas de um gol, o Verdão voltou confiante no segundo tempo, mas num chute despretensioso de longe, a bola bateu em Amarildo e matou Leão. O Verdão voltou a empatar aos 17 minutos, com um pênalti bem batido por Vagner Bacharel, e havia bastante tempo para chegar ao gol da classificação.

O nervosismo, no entanto, matou o Palmeiras. A bola queimava nos pés de todos os jogadores - e na cabeça também. Num lançamento longo em nossa área, Diogo cabeceou para baixo, a bola ainda foi amortecida pelo gramado pesado e se ofereceu para o lateral Felicio bater por baixo - a bola ainda passou entre as pernas de Gerson Caçapa e morreu em nossas redes.

Foi uma das eliminações mais simbólicas da fila da década de 80. O Palmeiras perdeu a chance de avançar às semifinais, deixando a vaga para a Ferroviária, que enfrentou a Portuguesa. A Lusa passou para as finais, e acabou derrotada pelo SPFC.

Lista de jogos

Lista e estatística dos jogadores