0
X
2

Pré-Jogo

Pré-jogo Bragantino x Palmeiras

Na tarde deste domingo, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita o Bragantino, em jogo válido pela quarta rodada do Paulistão. Com três vitórias na bagagem, o Verdão tenta a quadra para se manter na liderança do campeonato com 100% de aproveitamento.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Jean, Diogo Barbosa e Deyverson
Pré-temporada estendida:
Edu Dracena e Gustavo Scarpa
Não inscritos:
Fabiano, Emerson Santos, Jean, Pedrão e Hyoran

Com o início do rodízio promovido por Roger Machado na última partida, fica difícil prever o time que vai sair jogando no Marcelo Stéfani. O treino de sábado foi fechado para a imprensa e estamos totalmente no escuro para a escalação. O time-base, no entanto, segue sendo Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo e Tchê Tchê; Willian Bigode, Lucas Lima e Dudu; Borja.

Bragantino

O Bragantino conheceu a primeira derrota do ano na rodada passada, quando perdeu em casa para o São Bento. O técnico Marcelo Veiga Eterno, no entanto, não deve mexer no time que enfrenta o Verdão e deve escalar Alex Alves; Ewerton, Lázaro, Guilherme Mattis e Fabiano; Adenilson, Evandro, Vitinho e Gerley; Matheus Peixoto e Léo Jaime.

Lei do Ex

Você leu certo: o meia esquerda do Bragantino é Gerley, aquele mesmo que veio do Caxias e foi a esperança de nossa lateral esquerda em 2011. Não podia piorar, mas piorou: depois veio o Pampers, mas isso é outra história. No banco do Bragantino, Miguel Bianconi, outra esperança de nossa base que não vingou.

Retrospecto

Há dez anos, em 9 de março de 2008, o Palmeiras perdia para o Bragantino por 2 a 0, e Marcos havia sido injustamente expulso de campo. Mesmo com um a menos, o Verdão virou para 5 a 2 e consolidou a arrancada para o título que teve 11 vitórias nos últimos 12 jogos daquele campeonato.

Fernando Prass estreou no Palmeiras num empate sem gols contra o Bragantino, em 20 de janeiro de 2013.

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Bragantino
Bragantino
Marcelo Stefani
Marcelo Stefani
Vinicius Gonçalves Dias Araújo
Vinicius Gonçalves Dias Araújo
Taça Campeonato Paulista
Campeonato Paulista

 

Parpite

O Verdão seguirá com 100% no campeonato porque vencerá o Braga por 1 a 0, gol de Willlian Bigode no segundo tempo, para 8.765 pagantes no Marcelo Stéfani. E VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

TV GloboGlobo – para SP

PFCPFC

Pós-Jogo

Bragantino 0x2 PalmeirasCesar Greco / Ag.Palmeiras

Num jogo em que teve o controle absoluto em todo o tempo, o Palmeiras venceu o Bragantino por 2 a 0 em Bragança Paulista e segue com 100% de aproveitamento no campeonato. Com um ótimo jogo coletivo, o time teve como grande personagem o atacante Borja, que segue fazendo partidas muito boas taticamente, mas peca nas finalizações e deixa muitas dúvidas a respeito de sua manutenção como comandante de ataque.

PRIMEIRO TEMPO

A escalação de Roger Machado deixou claro que as mexidas do jogo passado se deram por questões físicas – Marcos Rocha, Felipe Melo e Willian Bigode voltaram ao time titular; Victor Luis foi poupado e deu lugar a Michel Bastos.

O primeiro chute a gol foi de Dudu, aos três minutos, após rápida movimentação ofensiva em que a bola passou pelo pé de quase todos os jogadores – Alex Alves não conseguiu segurar o chute, quente, e colocou para escanteio. Aos cinco, após cobrança de falta rápida, Lucas Lima enfiou para Dudu dentro da área; com pouco ângulo, o capitão bateu por baixo e obrigou o goleiro a ceder outro escanteio.

Aos 9, após outra rápida cobrança de falta: Tchê Tchê lançou Borja dentro da área; mais uma vez com pouco ângulo, a finalização foi prensada e saiu a escanteio. O Palmeiras tinha uma posse de bola massacrante e ao Bragantino só restava parar as jogadas com faltas.

Aos 17, uma chance realmente aguda: Lucas Lima lançou Borja pela direita; o colombiano fez jogada de ponta direita, ganhou de Guilherme Mattis, foi ao fundo e cruzou por baixo; Dudu furou e Tchê Tchê chegou inteiro de frente para o gol, com a bola rolando macia, mas concluiu de forma equivocada, pegando muito embaixo da bola e isolando.

O Bragantino deu o primeiro sinal de vida aos 23, num bom chute de fora de Vitinho, que passou por cima. Depois de um início muito intenso, o Palmeiras diminuiu o ritmo diante do forte calor; o domínio exercido não resultou em tantas chances reais de gol.

Após a parada para hidratação, o Palmeiras perdeu outra chance clara com Borja, aos 36: lançado por Lucas Lima em velocidade, entrou de frente para o goleiro mas perdeu a passada e se atrapalhou, finalizando fraquinho e facilitando para a defesa de Alex Alves. Aos 39, Vitinho tentou mais uma vez de fora e Jailson defendeu fácil. Aos 42, mais uma vez Vitinho: ele bateu falta na área e Antônio Carlos cabeceou para trás perigosamente, cedendo escanteio.

Aos 44, a primeira chegada de Michel Bastos ao ataque – ele cruzou no primeiro pau e Willian escorou para fora. O Palmeiras usou muito pouco os laterais no primeiro tempo, o que explica bastante o domínio tão amplo com tão poucas chances de gol. Aos 45, mais um chute de fora do Bragantino: Evandro bateu e a bola veio quente, difícil para Jailson, que defendeu em dois tempos. Aos 47,ótima tabela entre Willian e Borja; o colombiano desta vez bateu bem mas foi travado pela defesa. Foi o último lance do primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Sem mudanças, o Palmeiras voltou para o segundo tempo cauteloso, esperando as primeiras definições do time da casa. O Bragantino voltou com a marcação um pouco mais alta, e o Palmeiras passou a usar mais os flancos. Aos 3, Borja caiu pelo lado direito e tabelou com Willian, que cruzou para a chegada de Antônio Carlos, que chegou como um centroavante e concluiu como um zagueiro.

Os cruzamentos passaram a entrar, por cima e por baixo, mas a bola ainda não chegava em nossos atacantes. Aos 13, depois de escanteio, Thiago Martins conseguiu uma boa cabeçada, por cima. Aos 15, Borja esgotou suas tentativas e deu lugar a Keno – Willian passou a jogar por dentro.

Deu resultado, muito rápido: na falta do lado esquerdo, Dudu bateu rápido abrindo para Michel Bastos, que cruzou no segundo pau para a chegada de Keno, que finalizou por baixo e conseguiu fazer a bola entrar, apesar da tentativa de corte de Guilherme Mattis.

Coma  vantagem, abriu-se a chance para a entrada de Moisés, no lugar de Tchê Tchê – talvez a escolha fosse por Felipe Melo se o placar não tivesse sido aberto pouco antes. E foi justamente Felipe Melo quem fez um lançamento a seu estilo para Dudu, que ganhou de dois marcadores, cortou para dentro e tocou no ângulo, marcando um golaço. Na quarta partida do ano, a ferrugem parece que foi embora e confirma que as críticas após os primeiros jogos tinham que ser feitas com muito respeito.

Aos 31, linda jogada de todo o ataque; Dudu virou o jogo e Keno tocou para Lucas Lima, que foi derrubado a um metro da linha da área. Michel Bastos isolou. Aos 35, Dudu deu lugar a Guerra; Keno foi pra esquerda.

O ritmo do jogo caiu sensivelmente com a vitória já definida e o Verdão chegou de novo aos 38, com um chute de Michel Bastos que foi na rede pelo lado de fora. Aos 39, Felipe Melo esticou de trivela para Keno, que ia invadir a área mas foi derrubado por Lázaro, que levou amarelo. Guerra bateu forte, por baixo, mas a defesa rebateu.

Provocada pela torcida da casa, nossa torcida puxou o grito de olé – e o time correspondeu, colocando o Bragantino na roda por mais de um minuto – a sequência só foi interrompida por um choque de Lázaro com Willian, quando nosso atacante já se preparava para invadir a área.

E na troca de passes que aumentam as estatísticas de posse de bola, o jogo acabou com a quarta vitória seguida do Verdão.

FIM DE JOGO

Cobranças de faltas rápidas compensam a falta de jogadas ensaiadas; o tempo de aproximação entre os jogadores vai ficando cada vez mais preciso e as triangulações, tímidas nos primeiros jogos, começam a aparecer. Lucas Lima se consolida como maestro do time e fica cada vez mais claro que Roger Machado tem um elencaço na mão. Só precisamos saber se Borja vai desencantar. Paciência, um pouco mais. Depende só dele. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Bragantino

GOL
Alex Alves
LAD
Ewerton
ZAG
Lázaro
ZAE
Guilherme Mattis
LAE
Fabiano
VOL
Adenilson
LAE
Diego Macedo
VOL
Evandro
MEI
Vitinho
MEI
Rafael Silva
MEI
Gerley
MEI
Helton
ATA
Léo Jaime
ATA
Matheus Peixoto
TÉCNICO
Marcelo Veiga

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Jailson
Aparou alguns chutes de fora, sem maiores problemas.
6.5
Marcos Rocha
Ainda um pouco preso, mas evoluindo em relação aos jogos iniciais.
6.5
Antônio Carlos
Uma das melhores surpresas deste início de ano.
7
Thiago Martins
Quarta partida jogando o tempo completo, e o prata-da-casa parece um veterano.
7
Michel Bastos
Começou preso, mas aos poucos passou a aproveitar os espaços e participou bem do jogo, inclusive com o passe para o primeiro gol.
7
Felipe Melo
Quando o meio fecha e a jogada complica, ele arruma uns lançamentos realmente sensacionais. Que a granada ainda esteja com o pino!
8
Tchê Tchê
Oscilou para cima, correndo mais uma vez o campo todo e desta vez acertando os passes e fazendo a troca de passes do Palmeiras fluir.
7.5
Moisés
Perna ainda presa, 20 minutos que serviram para sentir a bola.
6
Willian
Se movimenta muito, confunde a defesa, abre espaços e ainda troca passes decisivos.
7.5
Lucas Lima
Mesmo sem brilhar intensamente, é nítida sua importância para arredondar jogadas que parecem perdidas. Hoje, intocável.
7.5
Dudu
Pegando o ritmo de jogo, surge o Dudu que todos conhecem. Que golaço.
8
Guerra
Entrou tarde, com o jogo morno.
s/n
Borja
Luta demais. Faz o que o técnico pede. Só não faz os gols - e chances é o que não faltam. Talvez seja hora de um treino mais específico. Tem tempo ainda.
6
Keno
Joga fácil demais, é um privilégio ter um monstro como ele como opção de banco.
8
Roger Machado
Roger Machado
Elenco na mão, time redondo e evoluindo a olhos vistos. Sem a sombra de ninguém e sem laços familiares indesejados, tem tudo para deslanchar.
8