Prazo para definição dos 26 do Paulista vai se esgotando

Felipão
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Os clubes que disputarão a primeira rodada do campeonato paulista deverão enviar até a próxima quinta-feira à FPF uma lista com 26 jogadores, que assim adquirirão condições de jogo para toda a primeira fase, que tem 12 rodadas.

Com 35 jogadores no elenco, depois da confirmação da saída de Allione, são necessários nove cortes na chamada “lista A”.

Felipão poderá inscrever Yan na chamada “lista B”, com jogadores formados na base do clube que tenham até 21 anos. Willian Bigode também está fora, recuperando-se de cirurgia.

Assim, restam sete escolhas para que o Palmeiras se adeque ao ordinário regulamento elaborado pela desprezível Federação Paulista de Futebol.

Quem entra, quem sai?

Felipão já mencionou que existem no elenco jogadores que precisam de um trabalho físico mais apurado no início da temporada para que as chances de lesão no decorrer do ano sejam minimizadas, casos de Edu Dracena, Moisés e Jean. Marcos Rocha é outro atleta que pode ter a preparação mais intensificada.

Todos eles abrem vaga para a observação de atletas recém contratados ou dos que retornam de empréstimo e que podem ser reutilizados, casos de Fabiano, Juninho e Matheus Fernandes.

Nico Freire é um atleta que já foi bastante observado no ano passado pela comissão técnica e não conseguiu nenhuma chance. Seu prestígio parece bastante em baixa – até pela decisão de dar uma nova chance a Juninho. O argentino deve ser um dos cortados. Assim, restariam mais dois a serem decididos até a próxima quinta-feira.

Acaso e excesso

A função onde o Palmeiras tem mais opções de jogo é a de atacante de beirada: mesmo após a liberação de Arthur para o Bahia, são seis atletas disponíveis, com as chegadas de Carlos Eduardo e Felipe Pires, a integração de Yan e a volta de Erik. Mesmo com Willian fora de combate, a função deve sofrer mais um corte.

É de se imaginar que Felipão esteja tomando essa decisão nas observações feitas nestas movimentações de pré-temporada. Assim, Erik passa a ser o maior candidato, mas Carlos Eduardo e Felipe Pires também correm risco.

A última vaga pode ser decidida no acaso. Uma lesão inesperada de qualquer atleta do meio para a frente pode “ajudar” a comissão técnica a definir o último corte. Caso nada aconteça, a escolha pode ficar na análise física – e Borja também é um atleta que por vezes precisa de uma lapidação. Caso o colombiano esteja 100%, outro que pode acabar sobrando é Hyoran, ofuscado pelo o crescimento de Gustavo Scarpa e pela chegada de Zé Rafael – o que repetiria a situação do ano passado, quando o camisa 28 também acabou preterido.

Doze jogos; três clássicos

Mesmo com o elenco dilacerado pelo limite de 26, Felipão poderá colocar em prática o conceito de rodízio implementado com sucesso no ano passado. Poderá tirar todas as dúvidas em relação a Juninho e Fabiano e observar bem os novos contratados – os nove jogos contra times pequenos devem ter esse propósito.

E a formação campeã brasileira também estará completamente à disposição para os clássicos e jogos que eventualmente se tornem importantes em termos de pontuação – essas partidas também servirão como ensaios para as partidas da Libertadores, que começam já na segunda semana de março.

É importante lembrar que cinco alterações poderão ser feitas nessa lista para a disputa do mata-mata, além de substituições na disputa da própria primeira fase em caso de lesões comprovadas.

Cresce a expectativa pelas escolhas de Felipão, que ainda tem dois dias para contar com uma ajudinha do acaso – caso contrário, será obrigado pelo estúpido regulamento imposto pela FPF a tirar um ou dois jogadores de uma importante fase do planejamento da temporada.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo