Anderson Barros revela pedido à CBF para adiar clássico contra o Santos

O diretor de futebol do Palmeiras Anderson Barros, concede entrevista coletiva, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Diretor de futebol do Palmeiras, Anderson Barros quer o adiamento por conta das ausências de Weverton e Danilo, que foram convocados

O goleiro Weverton e o meio-campista Danilo foram convocados pelo técnico Tite, da Seleção Brasileira, na quarta-feira, e desfalcarão o Palmeiras em até cinco partidas. Por conta da ausência dos dois, que são titulares da equipe de Abel Ferreira, o clube pediu à CBF o adiamento do clássico contra o Santos, marcado para o dia 29 de maio.

“São três, quatro e por que não cinco jogos? A Seleção vai voltar da Ásia numa terça, e o Palmeiras tem jogo na quarta, contra o Atlético-GO. Como você aproveita da melhor forma esses atletas? O jogo do Santos não está nem dentro da data Fifa, mas tem que liberar antes para que eles possam obedecer a programação. Acho que a CBF não pode permitir esse desequilíbrio hoje. É o mínimo que ela pode atender é à solicitação do Palmeiras para que esse jogo contra o Santos seja adiado”, disse Anderson Barros, em entrevista ao site GE.

De acordo com a entidade, os convocados que atuam no futebol brasileiro devem se juntar à seleção no dia 26 de maio. O Brasil enfrentará a Coréia do Sul, no dia 2 de junho, e o Japão, no dia 6. Há a possibilidade de mais um amistoso ocorrer, já que o duelo contra a Argentina, marcado para o dia 11, foi cancelado e a CBF busca um novo adversário.

“O Palmeiras perde esses dois, mas tem outros atletas selecionados, como é o caso do Gustavo Gómez. Não perde dois, perde três porque faz um bom trabalho. Quantos países no mundo não param por causa de uma data Fifa. A gente fica extremamente prejudicado”, complementou o diretor de futebol.

Caso se confirme a realização do terceiro amistoso, além do clássico contra o time de Vila Belmiro, os palmeirenses desfalcarão a equipe contra o Atlético-MG, Botafogo e Coritiba. O duelo frente ao Atlético-GO, citado por Anderson Barros, também pode não ter a presença dos selecionados.

Anderson Barros critica calendário do futebol brasileiro

Desde que chegou ao Palmeiras, Abel Ferreira sempre teve que lidar com as ausências de seus principais jogadores por conta de convocações. Em inúmeras oportunidades o treinador criticou a organização do calendário do futebol brasileiro, que não pausa os campeonatos em datas Fifa.

“O calendário hoje prejudica principalmente aqueles que fazem um bom trabalho. O Palmeiras é um clube que nos últimos anos chega em quase todas as finais e por isso é penalizado por ter um número de jogos excessivos, tem uma condição de treinamento diferente dos demais clubes. Tudo isso por causa de um calendário em que a gente não é capaz de encontrar soluções”, criticou Barros.

“Nós acabamos por prejudicar o trabalho de toda uma comissão técnica, não só do Abel. De todos os profissionais, porque não conseguimos entregar a eles todos os atletas em condições. É uma situação extremamente delicada, mas que as partes não podem ser prejudicadas. Temos que sentar, discutir e encontrar uma solução para isso. Precisamos atender a Seleção? Sim. Como você não permite que um atleta convocado não esteja na seleção a quatro ou cinco meses de uma Copa do Mundo? Não podemos fazer isso e nunca fizemos isso. O que a gente pede hoje é que a CBF tenha essa sensibilidade e encontre um caminho, principalmente para o jogo do Santos”, finalizou.

Na súmula, Matheus Candançan relata conflito entre equipe de arbitragem e Anderson Barros

Na súmula, Matheus Candançan relata conflito entre equipe de arbitragem e Anderson Barros.
Cesar Greco

O jovem árbitro também explicou na súmula o motivo da expulsão de João Martins, auxiliar técnico do Palmeiras

O Palmeiras enfrentou o SCCP na noite de ontem e venceu o rival por 2 a 1. Apesar do resultado apertado, o Verdão dominou as ações em quase toda a partida e marcou um gol em cada tempo: Raphael Veiga, de pênalti, aos 28’ da primeira etapa; e Danilo, aos 23’ do segundo tempo, aproveitando rebote do goleiro Cássio.

O Derby teve no comando do apito o jovem Matheus Delgado Candançan, que na súmula após a partida, relatou um conflito entre a equipe de arbitragem e dois profissionais do Palmeiras: Carlos Martinho (auxiliar de Abel) e Anderson Barros (diretor de futebol).

De acordo com Candançan, Martinho foi em direção aos juízes no final do jogo, nas escadas que dão acesso aos vestiários, e proferiu as seguintes palavras: “foi falta antes do pênalti, só vocês não viram, ele [Róger Guedes] empurrou”.

O documento aponta ainda que o quarto árbitro, Salim Fende Chavez, colocou-se à frente de Candançan na reclamação de Carlos Martinho e pediu para o assistente se retirar. Em seguida, o árbitro relata que Anderson Barros tomou à dianteira da discussão, “segurou a camisa do quarto árbitro” e disse: “você não pode falar assim, aqui eu que resolvo as coisas”, escreveu.

Seguranças do Palmeiras tiveram um rápido confronto com o policiamento presente no local e a discussão foi encerrada.

Árbitro relata na súmula motivo da expulsão de João Martins

Além de detalhar o conflito nos vestiários do Allianz Parque, Matheus Candançan também explicou na súmula os motivos que o levaram a expulsar João Martins, assistente técnico do Palmeiras, que foi ejetado da partida aos 43 minutos da etapa final.

“Expulso por sair de seu banco de reservas e ir na direção do 4º árbitro, Sr. Salim Fende Chavez, reclamando acintosamente das decisões da arbitragem com gestos e ações, proferindo as seguintes palavras: ‘vocês têm que checar, só checam para os caras’”, relatou.

O Palmeiras volta a campo no próximo domingo para jogar a última rodada da primeira fase do Paulista. Líder do Grupo C e já classificado para as quartas-de-final, o Verdão espera pela definição do seu adversário; Ituano, Botafogo e Mirassol brigam por essa última vaga na chave.

Palmeiras inspira confiança no Mundial, apesar da letargia da diretoria

Abel Ferreira comanda treino do Palmeiras visando a disputa do Mundial de Clubes 2022
Cesar Greco

A menos de 4 semanas da estreia no Mundial de Clubes, Abel Ferreira trabalha para colocar o elenco que jogará a competição em condições de disputar o título.

A competição nos Emirados Árabes acontece no início da temporada e não há a preocupação com o desgaste físico acumulado. Os atletas do Verdão chegarão a Abu Dhabi perto da condição atlética ideal – ainda estarão “na subida”, dado o retorno das férias.

Por isso, o time considerado titular por Abel pode ser usado sem maiores restrições; o uso intensivo do elenco não deve ser necessário no Mundial. São apenas duas partidas, a serem disputadas com muita intensidade, mas numa fase bastante amena do calendário.

Assim, a base do time que venceu a Libertadores, mantida, deve permanecer para a competição nos Emirados Árabes. Dos reforços confirmados até agora, Atuesta e Murilo aparecem com mais chances de serem incorporados aos titulares, dependendo da opção tática de Abel para cada jogo.

Pressa? Que pressa?

O diretor de futebol do Palmeiras Anderson Barros, concede entrevista coletiva, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Talvez seja a confiança na manutenção do elenco titular que venceu a Libertadores que faz com que a diretoria do Palmeiras não demonstre a agilidade no mercado que a torcida deseja.

Na defesa, Abel ainda sonha com um zagueiro canhoto para melhorar a saída de bola e aproveitar Piquerez mais avançado. Sem essa peça, já que Murilo é destro, o uruguaio tende a seguir ajudando na saída de 3, prejudicando a saída rápida pelo lado esquerdo. Para resolver a questão, Gustavo Scarpa pode seguir sendo usado pelo flanco, região onde o camisa 14, claramente, não rende todo o seu potencial. A boa notícia é que Jorge parece bem mais desenvolvido fisicamente que no ano passado e passa a ser mais uma opção.

No ataque, Rony segue sendo o favorito para figurar como peça mais avançada, mas Deyverson, na esteira do gol decisivo em Montevideo, e o novato Rafael Navarro, que conduziu o Botafogo a uma campanha de destaque na Série B, aparecem como opções.

Obviamente o torcedor espera ainda por uma grande contratação para ser o 9 do Palmeiras na temporada de 2022, mas a esta altura, parece pouco provável que uma negociação concretizada nas próximas horas renda o centroavante do Mundial, diante do tempo necessário para cumprir todo o processo de ambientação. É sabido que no futebol, às vezes, encaixes acontecem rápido – mas é bem raro.

Os novatos

Marcelo Lomba

Marcelo Lomba substitui Jailsão no elenco e sabe que sua função é estar à disposição quando Weverton, titular absoluto, estiver fora de combate.

Experiente e ainda em boa forma técnica, vai ser importante para o vestiário e também na lapidação de Vinicius Silvestre, que ainda sonha com a titularidade no futuro.

O zagueiro Murilo chegou para ser a opção de zagueiro pelo lado esquerdo, onde está acostumado a jogar, mesmo sendo destro.

Se tiver o passe com o pé esquerdo bem calibrado, pode tomar conta do setor. Mas vai precisar conquistar a confiança da comissão técnica e isso leva algum tempo.

Jailson

Jailson chega para fazer o “5” e ocupará a vaga de Felipe Melo no elenco. Além de ser um volante com características mais combativas, pode ser deslocado para a zaga numa eventualidade.

A falta de ritmo de jogo causada pela longa inatividade, no entanto, pode atrapalhar neste início de temporada.

Atuesta

O colombiano Atuesta aparenta ser um meio-campista completo, com noções de marcação, ocupação de espaços e capacidade para armar jogadas por dentro.

Tem tudo para ser o cara que dá o passe que quebra linhas, algo que Danilo ainda não desenvolveu por completo. Briga para ser o “8” do Mundial.

Bastante jovem, Rafael Navarro ainda não tem envergadura para satisfazer a torcida, que sonha com um anúncio de impacto.

No entanto, ser a principal peça numa campanha de destaque do Botafogo devia animar mais. O clube carioca já não tem porte para nadar de braçada nem na segunda divisão; se conseguiu, foi graças a um ponto fora da curva e os botafoguenses ainda lamentam demais sua saída para o Verdão. Dá para colocar algumas fichas no cara.

Confiança em ganhar o Mundial, apesar da letargia

O atual elenco certamente não dará conta de toda a temporada, mas pode ser perfeitamente capaz de trazer o bicampeonato mundial.

O entrosamento adquirido, o pleno entendimento das propostas do treinador, a forma física adequada e o foco ajustado são fatores que jogam a nosso favor. Não tivemos nada disso em 2021, no Catar. Todos os nossos principais adversários de 2022 têm problemas relacionados a alguns desses aspectos. Por isso, é bastante possível sonhar com mais uma conquista.

Mas isso não exime a diretoria de futebol de cobranças, mesmo se o título vier. Era obrigação do Palmeiras ter dado a Abel Ferreira o elenco completo já para o Mundial. Não se vence uma Libertadores toda hora; não se disputa um Mundial toda hora. É uma chance rara de conquistar um campeonato histórico que está sendo tratada como uma passagem trivial, apenas um campeonato a mais.

O tamanho da disputa merecia um esforço especial da diretoria. Fazer loucuras, cometer irresponsabilidades, nunca é o caminho correto, mas o diretor de futebol está no cargo há dois anos; a presidente já sabia que estaria eleita há tanto ou mais tempo e o trabalho não tem “apenas um mês”. Deveria haver planos de contratação para cada lacuna do elenco para entregar ao treinador o elenco completo no dia da reapresentação. As indefinições depõem contra a existência desse planejamento.

Que essa letargia da diretoria não nos custe uma chance de vencer mais um campeonato histórico. VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.catarse.me/verdazzo.

Anderson Barros revela saída de Danilo Barbosa confirma negociação com substituto

O diretor de futebol do Palmeiras Anderson Barros, concede entrevista coletiva, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Em entrevista coletiva, Anderson Barros ressaltou por diversas vezes que o Palmeiras seguirá um planejamento nas contratações

No final de tarde desta quarta-feira, o diretor esportivo do Palmeiras, Anderson Barros, concedeu entrevista coletiva na Academia de Futebol e falou sobre diversos assuntos. Dentre eles, a escolha do clube em não contar mais com Luiz Adriano.

“Trabalhamos com ele por duas temporadas, tivemos ótimos resultados, mas entendemos que há um encerramento de um ciclo. Foi dessa forma que chegamos à decisão. Comunicamos o atleta desta decisão, da forma mais transparente possível. Foi algo definido em conjunto; o Luiz Adriano, hoje, não faz parte desse planejamento inicial”, disse.

Além do atacante, Barros confirmou também a não renovação do empréstimo de Danilo Barbosa junto ao Nice, da França, e revelou que o Palmeiras já tem adiantada a contratação de um volante para repor a saída: Jailson, ex-atleta do Grêmio.

“Existe um planejamento que está sendo executado, desde a saída dos atletas na temporada passada até o início da nova temporada. Nós não deixamos em momento algum de considerar esse planejamento. Um exemplo é o Danilo Barbosa, no qual não conseguimos renovar seu empréstimo conosco. Acontece. Mas, hoje, temos em andamento a contratação de outro atleta, o Jailson Siqueira [ex-jogador do Grêmio]. Uma oportunidade de mercado que vem sendo acompanhada pelo Palmeiras há algum tempo. Pois é assim que a gente realiza todo o trabalho”, contou.

“Existe um setor hoje, a análise de mercado, que nos permite acompanhar todos os movimentos. Quando acontece alguma situação como esta [a do Danilo Barbosa], nós estamos prontos”, acrescentou.

Anderson Barros fala em “responsabilidade” para contratar

O diretor comentou ainda que o Palmeiras segue um planejamento para contratações e que o clube não fará nada fora do previsto para trazer um jogador.

“Nós não temos um teto [para gastar], temos algo que é maior do que qualquer teto, é uma responsabilidade para com o Palmeiras. “O maior desafio é ter a responsabilidade para a contratação. Nos foi dada a condição de contratar, nós temos essa possibilidade, entendemos o mercado, mas nós não podemos errar, não podemos fazer com que o Palmeiras sofra no sentido de uma contratação que deu errado. Não vamos fazer dessa forma.”, falou.

“Logicamente que nós ainda buscamos outras peças para completar o elenco, mas não vamos deixar de seguir o que acreditamos, que foi o planejamento. Vamos buscar mais peças para fortalecer a nossa equipe, porém sem abrir mão da execução do planejamento”, completou.

Anderson chegou ao Palmeiras no início de 2020 e, sob sua gestão, o clube conquistou duas Libertadores, uma Copa do Brasil e um Campeonato Paulista.

Confira outros assuntos abordados na coletiva de Anderson Barros:

– Busca por um novo lateral-direito

“Nossos dois laterais do elenco, Marcos Rocha e Mayke, atendem nossas expectativas. O Mayke, mesmo após um período de recuperação de uma lesão no joelho, foi muito bem na final da Libertadores. E o Rocha, por sua vez, é fundamental. Temos o entendimento que estamos muito bem servidos na lateral-direita”.

– Situação contratual de Deyverson e Gustavo Scarpa

“Tivemos casos específicos [no ano passado] e soubemos conduzir. Faremos da mesma forma com o Scarpa e Deyverson. Nós sempre procuramos ter ações em conjunto dos atletas e sermos sempre transparentes. Antes disso, temos algo fundamental que é a disputa do Mundial. A prioridade total no momento é esse torneio. Os atletas estão cientes dessa condição”.

– Aumento salarial de Abel Ferreira

“O Abel tem um contrato em vigência até 31 de dezembro de 2022 conosco, com possibilidade de prorrogação por mais um ano. O que aconteceu durante esse período foi um reconhecimento do trabalho desenvolvido por ele. O profissional Abel Ferreira teve um reconhecimento do Palmeiras”.

Abel Ferreira e Anderson Barros permanecerão no Palmeiras em 2022

O diretor de futebol Anderson Barros e o técnico Abel Ferreira do Palmeiras, durante treinamento, na Academia de Futebol.
Cesar Greco

Embora tenha contrato até o final do ano que vem, Abel havia deixado seu futuro em aberto após a conquista da Libertadores; informação foi revelada por Leila Pereira

O técnico Abel Ferreira continuará com o seu trabalho à frente do Palmeiras no ano de 2022. Embora tenha contrato com o clube até dezembro do ano que vem, o treinador havia deixado seu futuro em aberto após a conquista do tricampeonato da Libertadores.

A informação de que Abel ficará no Verdão foi revelada pela presidente Leila Pereira, em entrevista coletiva na Academia de Futebol.

“O nosso técnico, bicampeão da Libertadores, fica. Ele tem contrato até 2022 com a possibilidade de estender até 2023. Confirmo que o Abel permanece conosco e que isso sempre foi um desejo nosso”, disse.

Contratado em outubro de 2020, Abel já dirigiu o time do Palmeiras em 93 oportunidades, com 50 vitórias, 17 empates e 26 derrotas (60% de aproveitamento), e ganhou três títulos: Copa Libertadores (2020 e 2021) e Copa do Brasil (2020).

Além de Abel, Anderson Barros também deve permanecer

O diretor de futebol, Anderson Barros, também deve continuar no cargo em 2022. O vínculo de Anderson se encerra nesse ano, mas de acordo com a mandatária ele será renovado.

“Anderson Barros permanece. Toda a diretoria, todo nosso estafe do futebol, todos ficarão. Como pode se alterar uma equipe tão vencedora? Isto que queremos. Pessoas competentes para que o Palmeiras continue vitorioso”, revelou.

Anderson Barros chegou ao Verdão para substituir Alexandre Mattos, demitido em dezembro de 2019. Em sua gestão, o Palmeiras venceu quatro títulos: Paulistão de 2020, Copa do Brasil de 2020 e as Libertadores de 2020 e 2021.