A temporada está de volta e Felipão tem escolhas a fazer

Dudu e Moisés
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A temporada doméstica do futebol está de volta e com ela vem o calendário extenuante a que os clubes brasileiros, principalmente os que tem competência suficiente para sobreviver nas competições, são submetidos. O Palmeiras, ao lado de Flamengo, Cruzeiro, Grêmio, Inter e Athletico-PR, permanece disputando três frentes: Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores. O Atlético-MG também segue em três disputas: além do Brasileirão, briga também pela Copa do Brasil e pela Sul-Americana.

Já se pode dizer, diante do mau início, que Cruzeiro, Athletico e Grêmio estão fora da briga pelo Campeonato Brasileiro e deverão focar na disputa dos mata-matas. Logo, apenas Palmeiras, Flamengo, Inter e Galo são os clubes que precisam realmente estudar bem seus elencos e calendários para distribuir as forças de forma a se manterem competitivos e ao mesmo tempo administrarem o físico de seus atletas.

O Flamengo finalmente reforçou a lateral direita com Rafinha, mas segue com uma visível inconsistência no setor defensivo do elenco. O Inter, nosso adversário desta quarta pela Copa do Brasil, tem um time titular muito bom, mas ainda tem problemas quando lida com lesões – as perdas simultâneas dos dois laterais (Zeca lesionou-se e Iago foi negociado) tende a prejudicar o plano de jogo de Odair Hellmann para os próximos jogos. Já o Atlético e o Bahia ainda lutam para cobrir os furos de seus times titulares.

De todos, com um elenco minuciosamente planejado, o Palmeiras é o clube mais preparado para a maratona. Podemos armar um time B e até um time C que não fariam feio no Brasileirão. Cabe ao General Scolari e à Comissão Técnica planificarem as batalhas e escalarem os soldados mais adequados a cada batalha.

Largada!

Dudu
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Diante da parada de quatro semanas, é possível exigir um pouco mais dos titulares no início. Se repetir a estratégia vencedora do ano passado, Felipão tende a escalar o que tem de melhor nos mata-matas e administrar o elenco aos finais de semana, no Brasileirão.

Para a partida contra o Inter, em casa, é importante abrir vantagem, a mais larga possível. Força máxima, no papel e em campo, sem administrar uma eventual vantagem no placar. Visando o jogo de volta, quanto maior a diferença de gols, melhor, a fim de poder controlar as possibilidades de lesão.

Já no clássico diante do SPFC, sábado, no Morumbi, a escalação vai depender de alguns fatores. Em 2018, a defesa era sempre trocada e devemos ir de Prass; Mayke (se estiver com o desconforto no púbis sob controle), Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis. Do meio para a frente, vai depender do placar do jogo de amanhã e principalmente dos testes realizados pela fisiologia.

Dudu, além de ser um dos atletas mais resistentes do elenco, é fominha, no melhor dos sentidos, e deve permanecer entre os titulares – o que é ótimo não apenas tecnicamente, mas para preservar a identidade do time. Felipe Melo é outro atleta a quem Felipão costuma recorrer sempre que a fisiologia dá o sinal verde. No mais, podemos ter as entradas de Veiga, Scarpa, Moisés e Borja, por exemplo. Ou de Hyoran; ou de Willian, recuperado. Ou Felipão pode manter todos os titulares, caso o resultado contra o Inter seja muito bom.

Camarões à disposição

Felipão e Paulo Turra
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Em 2012, Felipão reclamava do cardápio, dizendo que estava comendo arroz com feijão todos os dias e que de vez em quando queria ter uns camarões, em referência à baixíssima qualidade do elenco.

Hoje nosso comandante pode variar à vontade. O elenco é farto e tem jogadores com ótima condição técnica, com todas as características diferentes possíveis para que o plano de cada jogo seja executado utilizando as melhores ferramentas.

Além disso, os atletas dispõem de uma estrutura impecável à disposição para mantê-los nas melhores condições físicas.

As próximas dez semanas serão intensas física e emocionalmente. O Palmeiras está pronto, preparado para encarar. Temos três troféus para buscar e queremos todos. Essa busca passa pela capacidade de nosso comandante em fazer as melhores escolhas. VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

A arquitetura de um time em busca da perfeição

Palmeiras 5x0 Novorizontino

O bom resultado diante do Novorizontino, na segunda partida pelas quartas-de-final do campeonato paulista, fez a gangorra da bipolaridade palmeirense voltasse a pender para o pólo positivo – e com força. Chega a ser engraçado.

Mas não são só palmeirenses que estão olhando o time com bons olhos: a imprensa e até torcedores de outros clubes estão se referindo ao Verdão com muito mais respeito que o costume. Pelo menos até a próxima oscilação.

O placar dos jogos seguem sendo o fator primordial para as análises do futebol jogado – o chamado resultadismo. O fato é que na última terça o Palmeiras teve um volume de jogo bem semelhante ao que já vinha apresentando nos outros jogos; a ligação entre defesa e ataque ainda foi feita na maior parte das vezes através de lançamentos longos e o número de finalizações desferidas e sofridas seguiu o bom padrão da temporada.

O que realmente fez com que a avaliação fosse diferente foi o placar, resultado de uma tarde bastante feliz na execução das assistências e das finalizações.

Os primeiros passos

Flamengo 1x1 Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

No ano passado, a primeira coisa que Felipão fez foi acertar a recomposição defensiva. O Palmeiras tornou-se um time extremamente competente na retaguarda e o índice de gols sofridos despencou. A equipe se recuperou de um início irregular no Brasileirão e venceu a competição até com uma certa folga, mesmo sem mostrar tantas virtudes lá na frente.

Felipão acertou e defesa e usou a ligação direta com o setor ofensivo, recheado de grandes jogadores, para que eles se virassem para fazer os gols. É claro, uma ou outra diretriz, mais as jogadas ensaiadas na bola parada, foram a contribuição do treinador para que o time chegasse aos gols. O resto, foi resultado do talento dos jogadores.

Ricardo Goulart
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Para este ano, a chegada de Ricardo Goulart deu uma perspectiva diferente a nosso ataque. Sua mobilidade e seu gosto por pisar na área, além do ótimo senso de posicionamento e de seu talento como finalizador, fazem do camisa 11 um atleta indispensável em qualquer partida, dentro do planejamento da administração da condição física.

Diante das características de Goulart, o sistema ofensivo, bastante cru em 2018, pode ser desenvolvido em função de sua presença. E outra peça fundamental para essa arquitetura é Gustavo Scarpa, com sua facilidade em flutuar por todos os cantos do campo ofensivo e preencher os espaços que Goulart deixa quando se manda para a área. Quem não tem essa característica é Lucas Lima, que acabou perdendo espaço.

Um time-base com peças de ajuste para todas as situações

Com Goulart, Scarpa e Dudu, temos um trio ofensivo que, com um centroavante com mais mobilidade e capacidade de trocar passes, como Deyverson, pode construir ataques estruturados bem mais envolventes. Claro que o apoio do segundo volante e dos laterais segue sendo essencial, mas esta configuração básica parece ser capaz de incomodar qualquer sistema defensivo.

Mas o Palmeiras pode mais. Felipão tem nas mãos um elenco com jogadores das mais diversas características, os quais ele pode usar não apenas para poupar os atletas do excessivo desgaste físico, mas também para adaptar nosso ataque da melhor forma às vulnerabilidades das defesas adversárias.

Além do quarteto ofensivo já mencionado, Felipão tem à disposição um verdadeiro bat-cinto de utilidades. Ferramentas diferentes para serem usadas em desafios diferentes.

Borja: o típico homem de área, ideal para prender os zagueiros enquanto os meias chegam de trás. Mesmo em má fase, segue sendo uma ótima opção para povoar a área quando o time estiver em busca de gols nos minutos finais;

Arthur Cabral

Arthur Cabral: ainda em fase de reaquisição de ritmo de jogo, parece ter todos os atributos de um centroavante: além da força física para jogar fixo na área, tem boa movimentação e pode trocar passes; finaliza bem por baixo e no jogo aéreo;

Lucas Lima

Lucas Lima: como quarto homem da linha de meias, alterando o esquema para o 4-1-4-1, não vai precisar de tanta mobilidade, que nunca foi sua característica. Desta forma, pode brilhar como em seus melhores momentos da carreira; com a intermediária ofensiva preenchida, não precisa percorrer tanto espaço ou forçar passes mais longos; sua grande capacidade de antever movimentos pode resultar em assistências preciosas;

Raphael Veiga: tem as mesmas características do meia clássico que Lucas Lima, com menos virtuosismo, mas com mais capacidade física, o que faz com que ele possa se converter num segundo volante quando o time está sem a bola – mais indicado para quando o time precisar trocar passes para furar defesas contra um time que tem está com o contra-ataque armado;

Felipe Pires

Felipe Pires: como ele mesmo se descreveu, é velocidade pura. Com suas características, é ideal para o jogo vertical, quando o time adversário avança a última linha e deixa espaços;

Carlos Eduardo

Carlos Eduardo: é o rabiscador, ponteiro que tem no drible sua principal arma, embora ainda precise evoluir no passe final; indicado para quebrar linhas compactas e recuadas;

Willian: meia-atacante de beirada com grande poder de finalização; também gosta de pisar na área e tem ótimo senso de colocação e finalização. Indicado para jogar pelo lado quando Goulart não puder estar em campo, para suprir exatamente essas características, de preferência com Veiga por dentro. Quem tem Willian, não precisa de Pato;

Zé Rafael

Zé Rafael: joga predominantemente pela esquerda, fazendo a mesma função de Dudu. A diferença é que não é tão rápido; em compensação, tem mais aptidão para jogar afunilando e fazer o papel do meia-armador no processo de constantes trocas de posição que a dinâmica do ataque exige;

Ainda temos Hyoran que reúne um pouco das características de Zé Rafael e Willian; e Guerra, que tem traços do jogo de Lucas Lima e do próprio Goulart. Os dois estão alguns passos atrás dos companheiros neste momento, mas são jogadores cujas qualidades podem virar esse jogo a qualquer momento.

Um passo de cada vez

Felipão e Mattos
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Com a defesa acertada e o desenvolvimento pleno do sistema ofensivo, depois de finalmente poder contar com Scarpa e Goulart ao mesmo tempo (o que permite ao treinador desenvolver o esquema básico de ataque, que pode ser alterado a qualquer momento com todas essas peças específicas mencionadas) o Palmeiras será capaz de marcar gols com a mesma eficiência que consegue não tomá-los. É de se imaginar que até o final de maio esse estágio esteja cumprido.

É aí que pode ser iniciada a fase final da construção do time, que é melhorar a transição para o ataque; fazer da ligação direta uma opção a ser usada quando a defesa adversária está desguarnecida, e não a única opção. O Palmeiras tem que saber fazer a bola chegar ao quarteto ofensivo sem correr tantos riscos de perder a bola em tantos passes longos, forçados.

Essa fase, no entanto, não precisa ser feita no atropelo. Mais importante que fazer esse ajuste é cumprir as tarefas básicas para se ganhar um jogo: fazer gols e não tomá-los. Enquanto isso não acontece, precisamos saber conviver com essa quantidade de lançamentos longos.

O desespero da torcida em ver o time “jogando bem” é compreensível, mas a construção de um time que seja completamente equilibrado, forte na defesa e no ataque, e que tenha recursos para construir as jogadas de forma rápida ou cadenciada, conforme o momento do jogo exija, leva tempo. Algo que nenhum técnico teve desde o início desta nova fase do Palmeiras, com a inauguração do Allianz Parque.

Felizmente Felipão tem o estofo necessário para aguentar as pancadas que seus antecessores não suportaram; a construção da identidade desta equipe segue e, para a fase decisiva da temporada, que começa na segunda metade de agosto, é que podemos esperar um time completo: competitivo, e jogando “bem”. Por enquanto, só os resultados já estão de ótimo tamanho.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Felipão sustenta marca histórica e pode até bater a Academia de 72

Em 24 de novembro de 1971, Oswaldo Brandão assumiu o comando do Palmeiras pela quarta vez. Após uma campanha medíocre na primeira fase do Brasileirão daquele ano e de um empate em casa contra o Coritiba, pela primeira rodada da segunda fase, Mario Travaglini foi demitido e o Velho Mestre foi mais uma vez chamado.

O time de Brandão não conseguiu avançar ao triangular final, e o Brasileirão daquele ano acabou nas mãos do Atlético, mas o Brasil veria, meses depois, nascer um dos times mais espetaculares da História do Futebol.

O ano de 1972 foi mágico para o Verdão. A Segunda Academia encantou o país e a escalação básica, até quem não é palmeirense, sabe decorado: Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir; Edu, Leivinha, César e Nei. Fedato, Madurga, Pio e Ronaldo, menos lembrados, também foram presenças constantes em campo.

Sob o comando de Oswaldo Brandão, aquele time magnífico só foi conhecer sua quinta derrota em 2 de novembro de 1972, 344 dias após o início dos trabalhos. É um recorde absoluto e praticamente inalcançável.

De volta ao presente

Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Considerando que a partida contra o Bahia, no dia 2 de agosto, sob o comando do auxiliar Paulo Turra, marcou o início do trabalho da atual comissão técnica, já são 236 dias decorridos e o Palmeiras só perdeu quatro partidas desde então.

Sem cometer a heresia de comparar o talento dos jogadores das duas épocas, enxergando apenas os números: para bater o recorde da Academia de Oswaldo Brandão, o grupo atual precisaria se manter invicto até o dia 13 de julho. Na prática, teria que chegar até a Copa América sem perder, e ainda resistir à primeira partida das quartas-de-finais da Copa do Brasil, a ser disputada no dia 10 de julho, no primeiro jogo após a pausa.

Traduzindo em jogos, será necessário então resistir a mais 21 partidas (cinco pelo Paulista, nove pelo Brasileiro, três pela copa do Brasil e quatro pela fase de grupos da Libertadores) para alcançar a fantástica marca.

A tarefa é quase impossível. Mas o que este time sob o comando de Felipão conseguiu até agora já é a segunda maior sequência de um trabalho de um treinador antes de perder o quinto jogo. Nunca na História do Palmeiras outro trabalho demorou tanto para perder pela quinta vez – a não ser a incrível Academia de Oswaldo Brandão.

A temporada tem doze meses

Felipão

É comum notar na imprensa, dia após dia, críticas ao futebol do Palmeiras. Exigem que o time, em março esteja jogando “em todo seu potencial”. Esquecem, convenientemente, que a temporada tem doze meses e que o funil começa mesmo a partir da segunda metade de agosto, quando teremos as quartas-de-finais da Copa do Brasil e da Libertadores.

Temos que crescer na hora certa. De nada adianta estar voando nos estaduais. Quem mostra tudo o que pode agora está fatalmente condenado a sucumbir no fim da temporada, seja porque os jogadores viram o fio fisicamente, seja porque o time fica manjado taticamente e acaba sendo neutralizado nas fases decisivas.

Infelizmente nossa torcida segue entrando na ladainha de que o time “poderia estar jogando mais”. De fato, poderia – mas não é motivo para cairmos feito patinhos nos truques da imprensa, cujo único objetivo é aumentar a temperatura do caldeirão palmeirense.

Ricardo Goulart
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

As lesões de Goulart e Scarpa, em momentos distintos, atrasaram um pouco o desenvolvimento tático, mas mesmo assim o time segue evoluindo, tendo mostrado partidas muito consistentes. Com os dois jogando juntos, tendo ainda o suporte de Dudu, e temos um “potencial” de evolução muito grande pela frente.

E mesmo assim o time segue extremamente competitivo, tomando pouquíssimos gols e sustentando uma sequência histórica de muito respeito.

As oscilações são normais. Com exceção do paulista, que pouco vale, não há taças em jogo agora e nossa preocupação é avançar nas Copas e manter a pontuação suficiente para um lugar no G4 no Brasileiro. Na hora certa, com o físico bem administrado, é que devemos esperar este time mostrando “todo o potencial que tem” e deslanchando rumo às conquistas.

Não caia nas arapucas. Mantenha o olho em quem tenta desestabilizar nosso ambiente.  São inimigos do Palmeiras. Despreze-os. Valorize somente os bons profissionais e a mídia palestrina, que tratam nosso time com o respeito que ele merece.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Scolarismo: é melhor abraçar

O Palmeiras teve dois comportamentos bem distintos em campo na última quarta-feira, quando venceu o Junior, em Barranquilla, por 2 a 0. No início do jogo, de forma até surpreendente, tomou todas as iniciativas, abriu o placar e poderia ter feito mais gols. A partir dos 20 minutos se retraiu, resistiu às tentativas do time da casa e só ampliou o placar nos minutos finais do segundo tempo, contando com o desespero do adversário, que se expôs.

Uma chuva de críticas se abateu sobre o time de Felipão por isso. Assim como em 2016 e 2018, caretas e muxoxos acompanharam as análises dos sábios cronistas dos sofás de estúdio. Ao Palmeiras, não basta vencer; o time tem que dar espetáculo. Parece que o objetivo principal de uma partida de futebol é trocar mais passes que o adversário e parte da torcida embarca nessa onda. Ao ler as redes sociais após o jogo, parecia que o Junior tinha goleado.

É claro que o direito à corneta é sagrado e o time de Felipão, mesmo tendo conseguido um excelente resultado, está sujeito a críticas como qualquer outro. A questão é: será que estamos entendendo o que estamos criticando?

Que a crônica vai detonar o Palmeiras, aconteça o que acontecer, já sabemos. O que a torcida precisa ter claro em mente é que nosso técnico hoje é o Felipão, nosso general multicampeão que nos conduziu a títulos em todas as três passagens pelo clube. E Felipão pensa as competições de uma forma muito particular – e já era tempo de entendermos, todos, essa maneira, já batizada por aí de Scolarismo.

Objetivos

Felipão
Cesar Greco/Ag Palmeiras

O objetivo primário numa partida de futebol é fazer mais gols que o adversário. Na fase de grupos, vencer por 1 a 0, como aconteceu em seis das dezesseis partidas da primeira rodada (incluindo as vitórias de Inter, Flamengo e Cruzeiro), serve tanto quanto o nosso 2 a 0, ou quanto os 5 a 4 da Universidad de Concepción no Sporting Cristal.

O Palmeiras abriu o placar aos 10 minutos de jogo, jogando um futebol intenso, sufocando o Junior em seu estádio e com chances até de aumentar o placar. Não ampliou, e a partir dos 20 minutos passou a administrar o resultado.

Levando em consideração que o jogo contra o Junior era o mais difícil de toda a fase de grupos, e conhecendo o modo de pensar de nosso treinador, é razoável imaginar que Felipão estaria plenamente satisfeito se trouxesse um ponto da Colômbia. Assim, mesmo que sofresse o gol de empate, o objetivo estaria alcançado.

O Junior não conseguia penetrar em nossa área, embora alguns lances de perigo pudessem ter sido melhor construídos em cima de nosso lado direito. Os chutes de longe eram bem defendidos por Weverton, em noite segura. O Palmeiras joga em Mirassol no sábado e depois recebe o Melgar, na terça-feira, numa sequência desgastante. Todos esses elementos podem explicar a opção de Felipão, com a margem de um gol construída, por suportar as investidas dos colombianos em vez de buscar o segundo e o terceiro gols.

“Mas e se…”

Junior 0x2 Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Junior poderia ter empatado o jogo ainda no primeiro tempo e o Palmeiras passaria a ter o empate, objetivo traçado desde o princípio, ameaçado. Qual seria o comportamento do time?

Esse exercício vai ficar no campo da adivinhação e se relaciona com o tempo em que o Junior teria conseguido o empate. Se fosse nos 15 minutos finais, o Palmeiras provavelmente permaneceria encolhido para segurar o empate. Se fosse antes disso, não é absurdo imaginar que o time retomaria o ritmo dos 20 minutos iniciais, encararia o desgaste físico e correria os riscos de se abrir um pouco, mas tentaria o gol – como fez sem sucesso durante os 90 minutos nos clássicos contra o SCCP e Santos.

Alguém pode perguntar por que não tentamos o segundo gol antes de sofrer a pressão do Junior. Mas na verdade, o time até tentou, por mais dez minutos. Aí houve a opção pela administração.

O Palmeiras poderia ter tido mais momentos de pressão, de “modo turbo”. Por exemplo, a partir dos 35 minutos do primeiro tempo, voltar à carga, aumentar o ritmo, e contar com o intervalo para recobrar as forças, em vez de ficar o tempo todo esperando o Junior cometer um erro, confiante na avaliação de que o time da casa oferecia poucos perigos. Na volta do intervalo, o time poderia ter forçado um pouco mais – por dez minutos, que fosse – e poderia ter chegado ao segundo gol.

Felipão insistiu em confiar no gol solitário como margem de segurança, e acabou premiado com o vacilo dos colombianos nos acréscimos, chegando ao segundo gol – algo que apenas mais quatro times entre os 32 conseguiram marcar nesta primeira rodada. Esse gol poderia até ter saído antes, mesmo no “modo econômico” – mas o que importa, no final das contas, é que saiu.

De novo: “mas, e se…”

Alguém pode mencionar que Felipão fez exatamente isso em 2018, no mata-mata – perder por 1 a 0 estava em seus planos na Bombonera para reverter no Allianz Parque; o 0 a 0 até os 35 do segundo tempo mantinha o Palmeiras seguro no “modo econômico”. Ninguém contava com a felicidade que Darío Benedetto teria logo após entrar em campo. E, de fato, o sujeito marcar dois gols foi um evento pouquíssimo provável. E será pouquíssimo provável de se repetir.

Felipão está muito convicto de suas estratégias, e se apoia nas dezenas de títulos conquistados para isso. As exceções existem e estamos sujeitos a elas quando falamos de futebol. Esse é o risco que ele topa correr. Isso é o Scolarismo.

Scolarismo: é melhor abraçar

Felipão
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Há outras escolas, que preferem marcar dois ou três gols para ter uma margem mais segura antes de tirar o pé do acelerador. Jogando aberto, pra cima, mais “bonito”. Trocando passes e dando espetáculo. Aplicado ao Palmeiras, daria mais trabalho para a imprensa criticar – como aconteceu em 2016, com o “Cucabol”.

Até podemos reclamar da falta de mais períodos do jogo em “modo turbo”. Mas Felipão é assim, e é com ele que vamos até o fim – ou alguém acha que ele está prestes a cair? É claro que não está. Eventualmente, com o passar da temporada, nosso técnico pode se sentir mais seguro em mandar o time alterar o “modo”, como num videogame onde apertar um botão pode mudar muita coisa. Mas neste momento da temporada, em que o entrosamento do time ainda não está no ponto ideal, ele prefere não correr esses riscos. Ele é assim.

Se estamos com ele, e se vamos com ele até o fim, é melhor abraçar o Scolarismo para curtir melhor esta temporada. Entender como pensa nosso general é o primeiro passo para tirar o asterisco da alma e passar um 2019 mais leve – e talvez comemorando os possíveis títulos sem se preocupar com as críticas que fez durante todo o ano e recorrer ao cínico “nunca critiquei” para se justificar depois, com o sorriso amarelo. De quebra, seremos uma torcida muito mais unida, nas arquibancadas e nas redes sociais. Que tal?


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Felipão, Deyverson, Borja e a dificuldade da torcida em lidar com frustrações

Deyverson
Fabio Menotti/Ag.Palmeiras

Deyverson entrou nos noticiários, de novo. Desta vez, por publicar dois vídeos, o segundo desmentindo o primeiro, que por sua vez desmentia a coletiva de Felipão na véspera. Isto é Deyverson.

As idas e vindas deste rápido caso do final de semana precisam ser bem interpretadas. Mas para isso, é preciso de mais informações que qualquer um do lado de fora da Academia de Futebol tenha. Por isso, é muito mais justo manter a cautela antes de iniciarem mais um linchamento virtual.

Deyverson começou, Felipão acabou entrando de gaiato, Borja inevitavelmente entra na discussão, mas o principal personagem de toda a repercussão, de forma quase metafísica, é a própria torcida e suas reações inacreditáveis nas redes sociais.

Vamos tentar desmembrar o caso com muita calma nas linhas a seguir.

Felipão bancou? Mesmo?

Felipão

Após o clássico contra o Santos, Felipão informou a permanência de Deyverson. Segundo o treinador, após uma conversa com o atleta, ele disse que preferia ficar, e o treinador, diante da decisão tomada, disse ter ficado satisfeito.

Evidentemente o negócio não saiu por falta de acordo entre o clube chinês e o atleta – seja pelas bases financeiras, seja pela própria vontade de Deyverson em não deixar o país para partir para um a cultura totalmente diversa da nossa, ou por não pretender mais deixar o Brasil. Só ele sabe.

Qualquer que tenha sido a razão para o negócio melar, Felipão não tem nenhuma participação nisso, a não ser pela tal conversa, na qual Deyverson teria lhe perguntado se ele queria sua saída. Ora, é claro que o treinador vai dizer que não quer, porque as duas coisas ainda podiam acontecer, e em caso de permanência, seria melhor preservar o relacionamento – foi o que ele fez, como faz com todos os atletas.

Parte da torcida, no entanto, parece ter invertido a ordem das coisas e atribuído a Felipão a permanência do jogador, como se o negócio de mais de R$ 50 milhões tivesse sido abortado por interferência dele. E tome Felipão linchado virtualmente. “Culpa dele!”, bradam.

Não tem conserto

Deyverson
Reprodução

Infelizmente o negócio não saiu. Conforme já explanado neste post, o ciclo de Deyverson no Palmeiras parece ter se esgotado, e este episódio apenas reforça a conclusão.

No primeiro vídeo que circulou ontem, exaustivamente compartilhado nas redes sociais e nos grupos de whatsapp, Deyverson dirige-se a um grupo chamado por ele de “D16” – provavelmente um grupo de fãs ou algo dedicado a sua carreira e/ou personalidade. Nele, informa que estaria deixando o Palmeiras, e em tom de despedida, mandou um #partiuchina.

Poucas horas depois, um novo vídeo surgiu, desmentindo tudo e explicando que era apenas uma brincadeira interna. Deyverson diz que gosta do Palmeiras e que não é para ninguém “se preocupar”, que ele vai ficar no clube.

Um dia depois do técnico informar publicamente a permanência, o camisa 16 deu um nó na internet e causou um pandemônio. E tome Deyverson linchado virtualmente, porque estaria “fazendo os torcedores de palhaços”.

Não é para tanto

Deyverson
Reuters

Já sabemos que o chip de Deyverson não funciona. Uma arte como essa é bem menos grave do que muita coisa que ele já fez. Se de fato ele fez o primeiro vídeo apenas para trollar um grupo específico, achando apenas que iria, poucos minutos depois, gritar um RÁÁÁÁÁ e tudo iria ficar bem… isto é Deyverson!

Não surpreende que ele não tenha pensado dois movimentos à frente, prevendo que alguém vazaria rapidamente o vídeo, que, além de ter uma fake news bombástica, ainda desmentia a entrevista do chefe na véspera. Ou alguém ainda espera que Deyverson tenha esse nível de maturidade?

O problema é que nossa torcida é tão madura quanto o camisa 16.

O sujeito quer que Deyverson vá embora. Um belo domingo, ele mesmo “diz” que vai. A comemoração é imensa, chega até a superar a frustração do empate na véspera – afinal, o fim-de-semana não foi tão ruim. Nem precisa esperar o clube anunciar oficialmente, afinal, saiu da boca do próprio jogador, não é verdade?

Ora, se Deyverson não serve para o Palmeiras exatamente porque não é confiável, de quem é a culpa pela frustração pela reviravolta após o segundo vídeo? Do Deyverson ou de quem preferiu enganar a si próprio?

Lidar com frustrações

A dificuldade da torcida em lidar com frustrações é assustadora. O episódio Deyverson é apenas mais um em que parte da torcida do Palmeiras, num reflexo do que é a sociedade atual, demonstra toda sua falta de maturidade.

Borja vive uma fase péssima. Vem errando gols facílimos de forma incrível. Mas no sábado, após a chuva que caiu nos minutos iniciais, a bola e o gramado ficaram mais lisos e tudo ficou mais difícil, para todos. Alguns erros de domínio foram notados. Mas só Borja foi vaiado quando a bola lhe escapou, antes dos 20 minutos de jogo.

É claro que o colombiano pensa, na hora, “por que só comigo?”, e perde ainda mais confiança. Nossa torcida, em vez de apoiar quem está em campo para fazer nossos gols, prefere vaiá-lo. Dez ou quinze minutos depois, Borja perdeu um gol feito. Será que se ele não tivesse recebido aquela vaia antes, não teria tido mais confiança e a bola não teria entrado?

Vaiar o Borja agora não adianta nada. Não estamos em janela de transferência. Apenas alguns jogadores estão disponíveis – um deles, Alexandre Pato, ironicamente, um dos maiores ícones da indolência que tantos estão querendo enxergar em Borja. Ironicamente, um dos jogadores da mesma posição de Deyverson, que todos querem que saia.

Borja parece não estar à altura do Palmeiras neste momento; circulam por aí vídeos editados com seus piores gols perdidos. Ora, é claro que numa seleção de momentos ruins, o Borja, o Fred, o Ibra, assim como o Gioino ou o Enílton – qualquer um – vai parecer o pior atacante do mundo, da mesma forma que se pegarmos uma seleção de seus golaços, todo mundo vai querer ter esse cara no time.

Borja

Borja é as duas coisas. Temos que fazer a nossa parte e tentar fazê-lo voltar a ser o matador letal que foi no Atlético Nacional – ou, pelo menos, aquele que foi artilheiro da Libertadores e do paulista em 2018, que fez gol em Itaquera na primeira final, entre outros grandes momentos com nossa camisa.

Nossa torcida tem que ser mais madura, no estádio e nas redes sociais. Tem que ser menos imediatista, menos resultadista, e tentar enxergar o quadro sob uma perspectiva mais ampla.

Arthur Cabral é a terceira opção para a função no elenco e, neste momento, é apenas uma esperança. Afinal, se vendermos o Deyverson e o Borja neste momento, quem serão nossos centroavantes mesmo? Tudo o que Borja precisa, agora, é de apoio. Não por ele, mas pelo Palmeiras.

Pedir “fora este, fora aquele” é apenas uma solução imediata para a frustração do momento. Não foi por causa de Felipão que Deyverson não saiu. Deyverson-saiu-é-mentira-não-saiu-mais, é apenas um pouco mais do que Deyverson já mostrou ser. Ter o Borja da melhor forma possível, neste momento, é melhor que não tê-lo.

Que tal tentar amadurecer um pouco antes de mais um linchamento virtual?


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.