Palmeiras não concede entrevistas no Morumbi, e Leila explica: “melhor blindar”

Palmeiras em jogo contra o SPFC, durante primeira partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil 2023, no Morumbi.
Cesar Greco/Palmeiras/by Canon

Jogadores e comissão técnica do Palmeiras não conversaram com a imprensa no Choque-Rei

O Palmeiras decidiu que jogadores e comissão técnica não dariam entrevistas no Choque-Rei desta quarta-feira, no Morumbi, pela Copa do Brasil. O duelo terminou com o Verdão sendo superado pelo rival por 1 a 0, precisando virar o placar no confronto de volta, quinta-feira que vem, no Allianz Parque.

Quem apenas falou foi a presidente Leila Pereira, antes do jogo. A mandatária palmeirense explicou os motivos e disse que objetivo era ‘blindar’ os profissionais do clube, devido aos últimos acontecimentos entre clube e federações.

“Nossos atletas não vão falar, o João não vai falar. Isto não é retaliação com a imprensa, de maneira alguma. Tenho profundo respeito pelo trabalho de cada um de vocês, sou jornalista como vocês, mas neste momento, em virtude da nota tão pesada que a CBF emitiu pelas declarações do João, achei melhor blindar nosso elenco e comissão técnica”, disse Leila.

“Boa parte da imprensa séria e outras também ficam cobrando que o Palmeiras não faz trabalho de bastidor, mas é um trabalho sigiloso. Quem diz que o Palmeiras não faz trabalho de bastidor? O Palmeiras faz, sim, trabalho de bastidor. A presidente do Palmeiras é recebida em todos os jogos, o Palmeiras é um clube que tem muita credibilidade, a presidente também e somos recebidos bem em todos os lugares. O Palmeiras tem um problema não com a CBF, mas com a comissão de arbitragem, que tem prejudicado demais nosso clube”, complementou.

No último sábado, João Martins fez um pronunciamento após o empate em 2 a 2 com o Athletico-PR, pelo Brasileirão, no qual o auxiliar técnico criticou duramente a arbitragem e também disse que é “ruim para o sistema que o Palmeiras vença duas vezes seguidas” o Campeonato Brasileiro. Após isso, a CBF e outras entidades divulgaram notas rebatendo o clube, que também respondeu por comunicados oficiais.

“Todas as vezes que o Palmeiras emite uma nota, é da presidente Leila Pereira. Nunca sai uma nota sem minha concordância. Quem transmite o que tem de ser dito na nota, sou eu. Falei pela nota, mas era importante a presidente falar ao vivo para vocês jornalistas”, declarou a presidente.

“Nesses momentos a presidente tem que se manifestar, tentei de outras formas resolver esse problema grave com a arbitragem, não é a primeira vez que o Palmeiras é prejudicado, ano passado nós fomos retirados da Copa do Brasil por um erro assumidamente da arbitragem contra o Palmeiras. Tivemos um prejuízo financeiro, esportivo e até psicológico porque a gente trabalha muito, eu trabalho muito e nossos atletas…”, seguiu.

“Tenho contato direto com o Ednaldo, o Palmeiras sempre foi bem atendido na CBF, mas não tenho visto resultados. Prometem melhorias, que erros bizarros não vão acontecer mais, recebemos membros da comissão no Palmeiras para uma palestra. Mas não estou em campo para orientar os árbitros, nem é meu papel. Eu luto pelo futebol, o Palmeiras não quer levar vantagem. Mas também não quero ser prejudicada, não precisamos de vantagem, isso fazemos no dia a dia. Que o jogo seja limpo, não estou vendo isso”, finalizou.

Confira a nota do Palmeiras antes do clássico

PALMEIRAS INFORMA!

A fim de blindar elenco e comissão técnica em meio a uma sequência de jogos decisivos, o clube não realizará entrevistas com atletas e treinador na partida de hoje.

A presidente Leila Pereira conversará com a imprensa na chegada da delegação, na zona mista do estádio.

Pré-jogo SPFC x Palmeiras – Copa do Brasil 2023

Pré-jogo SPFC x Palmeiras

Pré-jogo SPFC x Palmeiras – Copa do Brasil 2023

Estádio: Morumbi
Data e Horário: 05/07/2023 19h30

Transmissão

Amazon Prime Video

Amazon Prime

Na noite desta quarta-feira, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita o SPFC nas ruínas, em partida de ida válida pelas quartas-de-final da Copa do Brasil.

Em meio a uma guerra aberta contra as arbitragens da CBF, o Verdão vai contra tudo e contra todos encarar mais uma vez o inimigo, lutando ainda com os desfalques e com as dificuldades de um elenco curto.

Escalação do Palmeiras

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Zé Rafael, Jailson e Atuesta
Não inscrito: Artur
Transição física: Marcos Rocha

Além dos desfalques já conhecidos, Abel ferreira lida com a incerteza da disponibilidade ou não de Rony, que deixou o campo em Curitiba com problemas no tornozelo esquerdo, tendo permanecido em campo por muito tempo no sacrifício, já que não havia mais substituições a fazer e o time já estava com um a menos. Endrick está ligadaço na possibilidade.

Gabriel Menino foi bem como primeiro volante e pode aparecer na função, deixando a briga aberta entre Fabinho e Richard Ríos pela segunda vaga no setor. Na frente, Luis Guilherme surge como favorito para ocupar a vaga de Artur, mas Bruno Tabata segue como opção, bem como Breno Lopes, deslocando Dudu para a direita.

O provável time para o confronto é Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Piquerez; Gabriel Menino e Richard Ríos (Fabinho); Luis Guilherme (Bruno Tabata ou Breno Lopes), Raphael Veiga e Dudu; Rony (Endrick).

Escalação do SPFC

SPFC

No SPFC, Dorival Júnior acena com o desfalque de Calleri, com dores nas costas, mas todo mundo sabe que existe uma grande chance de ser migué. Além do argentino, uma lista extensa com mais onze nomes são problema para o treinador do adversário, por razões diversas: Ferraresi, Beraldo, Moreira, Igor Vinícius, Galoppo, Talles Costa, Michel Araújo, Welington, Erison, Alexandre Pato e Raí Ramos.

O que sobrou para mandar a campo deve ser a seguinte escalação: Rafael; Rafinha, Arboleda, Alan Franco e Caio Paulista; Pablo Maia, Gabriel Neves, Wellington Rato (Rodriguinho) e Rodrigo Nestor; Luciano e Calleri (Juan).

Números

  • Depois da última vitória, colamos: no confronto geral, a contabilidade aponta 112 vitórias do Palmeiras, 114 do SPFC e 109 empates;
  • Quando o mando é deles, nossa desvantagem ainda é grande: 32 vitórias do Palmeiras, 51 empates e 66 vitórias do SPFC;
  • Nas ruínas, o retrospecto é de 29 vitórias do Verdão, 47 empates e 53 vitórias do SPFC;
  • Em quatro clássicos pela Copa do Brasil, foram 3 vitórias do SPFC e uma do Palmeiras;
  • Faça os cruzamentos de dados históricos como quiser usando nosso Almanaque. Clique aqui!

Odds

Nem as arbitragens tiram o favoritismo do Palmeiras para o mercado. Os principais sites de aposta pagarão, em média, para cada real aplicado:

No calendário

O Palmeiras já disputou 19 jogos no dia 5 de julho e venceu 9 vezes – incluindo uma vitória gigante pela Copa do Brasil. Veja a lista completa clicando neste link.

Arbitragem

Bráulio da Silva Machado

Árbitro Principal:
Bráulio da Silva Machado

Daiane Muniz dos Santos

VAR:
Daiane Muniz dos Santos

Previsão do tempo

Temperatura: 20°C
Chuva: Não há previsão de chuva
Vento: NW – 6km/h
Umidade: 33%

Parpite

É a terceira vez que nos encontramos na Copa e precisamos levar vantagem desta vez – até porque, no ano passado foi na mão grande. E pensar que tudo esteve nos pés do Veiga, mas ele errou o pênalti.

Vimos naquele confronto, e também no último fim de semana, que mesmo com uma vantagem confortável UM LANCE pode mudar tudo. Temos que ficar ligados sem descanso o tempo todo.

E o Calleri deve ir pro jogo. Mas com migué e tudo, dá Verdão: 3 a 2, gols de Dudu, Endrick e Arboleda contra, para 60.432 pagantes nas ruínas. VAMOS PALMEIRAS!

Bráulio da Silva Machado apita Choque-Rei pela Copa do Brasil

Bráulio da Silva Machado em jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG, durante partida válida pela oitava rodada do Brasileirão 2023, no Mineirão.
Cesar Greco/Palmeiras/by Canon

Árbitro de Santa Catarina, Bráulio da Silva Machado fará seu 26º jogo do Palmeiras como juiz

Vivendo uma semana de decisões, o Palmeiras entra em campo nesta quarta-feira para enfrentar o SPFC no jogo de ida das quartas-de-final da Copa do Brasil. A partida acontece no Morumbi, às 19h30.

Para o duelo, a CBF definiu Bráulio da Silva Machado, de 44 anos, como o juiz principal. Ele será auxiliado por Neuza Inês Back (assistente 1) e Danilo Ricardo Simon Manis (assistente 2). Fabrini Bevilaque Costa será o quarto árbitro. Toda a equipe de arbitragem que ficará em campo pertence ao quadro da Fifa.

Daiane Muniz dos Santos será a responsável por comandar a arbitragem de vídeo. Ela já comandou o VAR em um Choque-Rei – no segundo turno do Brasileirão do ano passado, que terminou empatado em 0 a 0.

A relação do Palmeiras com a CBF e a comissão de arbitragem está tensa nos últimos dias. Após João Martins fazer um pronunciamento depois do empate em 2 a 2 com o Athletico-PR, a entidade veio a público e soltou uma nota criticando o auxiliar técnico e chamando a fala do profissional como “xenofóbica”. O Palmeiras, minutos depois, rebateu o comunicado da CBF.

Histórico de Bráulio da Silva Machado em jogos do Palmeiras

Bráulio apitará seu 26º jogo do Palmeiras na carreira. O último confronto foi o empate em 1 a 1 com o Atlético-MG, no Mineirão, pelo Brasileirão deste ano. Ao todo, com ele no apito, o aproveitamento do Verdão é de 65,3% – 14 vitórias, sete empates e quatro derrotas.

O árbitro provavelmente guarda como um de seus maiores troféus ter sido o primeiro a expulsar Abel Ferreira do banco do Palmeiras. Clique aqui e confira no Almanaque do Verdazzo todo o histórico do juiz em jogos do Verdão.

Abel define Palmeiras como ‘equilibrado’ e explica discussão com Calleri

Abel Ferreira em jogo do Palmeiras, contra o SPFC, durante partida válida pela décima rodada do Brasileirão 2023, no Morumbi.
Cesar Greco/Palmeiras/by Canon

“O que acontece lá dentro, fica lá dentro”, disse Abel após o Choque-Rei

O Palmeiras venceu mais um clássico sob o comando do técnico Abel Ferreira ao fazer 2 a 0 sobre o SPFC, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. Na coletiva após a vitória, o treinador enalteceu o jogo inteligente do Verdão e descreveu a equipe em apenas uma palavra: equilibrado.

“Jogo difícil, contra um adversário que tem um bom treinador e bons jogadores. Pedi para os nossos atletas aproveitarem, porque depois sentiremos faltas de atuar nesse tipo de partidas. Jogamos para ganhar, mas sabíamos que em alguns momentos iríamos sofrer. Foi uma vitória inteligente da nossa equipe. Um primeiro tempo igual e um segundo em que eles tinham que reagir. É verdade, tomaram conta do jogo, mas eles estavam jogando em casa. Nós fizemos o que tínhamos de fazer”, disse o treinador.

“Nós vamos perder em algum momento, não sei quando. Não conheço uma equipe no mundo que só ganhe. É verdade que temos perdido pouco e vamos continuar trabalhando para que isso se mantenha. Temos mantido a consistência e o resultado é consequência do trabalho. Cada um sabe o que fazer dentro de campo e só precisa entregar o máximo de esforço. Se pudesse definir em uma palavra a equipe, seria ‘equilibrada’, que sabe fazer de tudo”, complementou.

Além de analisar a vitória, o treinador também comentou a confusão com o atacante Calleri, do SPFC, e o abraço ao final do jogo. No primeiro tempo, após lance do argentino com Mayke, Abel cobrou o jogador e chegou a discutir com o rival. Após o apito final, o treinador conversou com o centroavante.

“Há imagens que valem por mil palavras. Se quiserem saber como é o Abel treinador, só verem aquela imagem do jogo, sou competitivo. Depois, o outro eu é a segunda imagem, quando acabam os jogos. O que acontece lá dentro, fica lá dentro, não tenho remorso. Tenho respeito pelo Calleri. Quando erro, assumo como todo mundo faz e peço desculpa. Cometo meus erros como todos e posso melhorar. Os erros estão aí para aprendermos a sermos melhores”, declarou.

“A intensidade do jogo é dividir todas as bolas e jogar para ganhar. A equipe é minha cara e a dos nossos torcedores. Temos estratégias para tudo. Sou um treinador que quer melhorar os jogadores, essa é minha função. Eles devem entrar no campo e saber o que têm que fazer”, acrescentou.

Atual segundo colocado do Brasileirão, o Palmeiras terá 10 dias de pausa até o próximo confronto, que será diante do Bahia, na Fonte Nova, no dia 21. O elenco folga nesta segunda-feira e volta aos trabalhos na terça, na Academia de Futebol.

Confira outros trechos da coletiva de Abel Ferreira

Zé Rafael:

“Me vejo muito nos carregadores de piano. Sei da quantidade de trabalho que eles têm, e muitas vezes focamos só em quem faz gol, no herói. Se eu mandasse no futebol, não haveria prêmios individuais. Ganhamos e perdemos como equipe. Para a bola chegar em quem faz gol, alguém precisou defender. Meus valores pessoais estão todos dentro da equipe: espírito de ajuda, solidariedade, qualidade e a confiança. Fico feliz pelo prêmio ao Zé Rafael [de melhor em campo pela TV Globo], ele espelha o espírito da equipe”.

Naves

“Já havia falado quando o Kuscevic decidiu sair que não contrataríamos nenhum zagueiro e apostaríamos no Naves. Ele tem qualidade e vem se preparando para esses momentos. Fez um jogo tranquilo, dentro daquilo que eu esperava. Infelizmente não aguentou até o fim e o substituto dele, o Jailson, teve uma atuação extraordinária. Também fez o que tinha de fazer”.

– Jailson de zagueiro

“Não há nada que eu faça no jogo que eu não tenha feito no treino. Essa situação do Jaílson [na defesa] já foi treinada. É fácil tomar as decisões porque sei o que tem que fazer, os jogadores sabem o que fazer dentro do campo”.

– Utilização da base

“Os nossos jogadores mais experientes têm ajudado a base. A atuação dos mais experientes é um suporte para os jovens. O Luan ajudou o Naves; o Piquerez ajuda o Vanderlan; o Zé Rafael ajuda os meio-campistas e por aí vai. Para o Endrick fazer o gol, quem disputou a bola foi o Breno. A base é importante, mas esse suporte dos experientes é mais importante. Nossa base é top, mas é necessário ter paciência. Com vários desfalques, apostamos nos moleques e agora é passo a passo”.

Palmeiras chega a 400 vitórias em clássicos e é o primeiro time paulista a alcançar a marca

Dudu, Gabriel Menino e Artur comemora gol do da Palmeiras contra o SPFC, durante partida válida pela décima rodada do Brasileirão 2023, no Morumbi.
Cesar Greco/Palmeiras/by Canon

Neste domingo, o Palmeiras venceu o SPFC, no Morumbi, por 2 a 0

A vitória sobre o SPFC no Morumbi, na tarde deste domingo pelo placar de 2 a 0, foi a de número 400 do Palmeiras em clássicos estaduais. Assim, o Verdão é o primeiro time paulista a alcançar a marca.

Ao todo, são 112 triunfos em cima do SPFC, 138 sobre o SCCP e mais 150 contra o Santos, em 1069 clássicos disputados – houve outros 318 empates e 351 revezes. Em relação aos gols marcados, o Palmeiras soma 1559 a favor e 1403 contra.

Em jogos válidos pelo Campeonato Brasileiro, o Verdão tem 77 vitórias contra 63 derrotas nos clássicos estaduais, com 82 empates, 282 gols marcados e 246 gols sofridos.

Além da marca estabelecida, o Palmeiras, com a vitória diante do SPFC, chegou a dez jogos de invencibilidade em clássicos. São seis vitórias e quatro empates, sendo o último revés em junho do ano passado. Nos últimos 15 jogos contra os rivais do estado, são dez triunfos, quatro empates e apenas uma derrota.

Confira o retrospecto do Palmeiras em clássicos na História:

– Vs SCCP

  • 386 jogos;
  • 138 vitórias, 117 empates e 131 derrotas – 45.9%;
  • 547 gols marcados e 496 sofridos.

– Vs SPFC

  • 335 jogos;
  • 112 vitórias, 109 empates e 114 derrotas – 44.1%;
  • 429 gols marcados e 423 sofridos.

– Vs Santos

  • 348 jogos;
  • 150 vitórias, 92 empates e 106 derrotas – 51.9%;
  • 583 gols marcados e 483 sofridos.