Raphael Veiga vê pontos de evolução na preparação do Palmeiras para o Mundial

Raphael Veiga concede entrevista coletiva pelo Palmeiras, em Abu Dhabi-EUA.
Fabio Menotti

Destaque do Verdão nas últimas duas temporadas, Raphael Veiga elogiou o vídeo motivacional produzido pelo clube

O Palmeiras estreia no Mundial de Clubes na próxima terça-feira, contra o vencedor do duelo entre Monterrey x Al Ahly. Destaque da equipe nas últimas duas temporadas, Raphael Veiga concedeu entrevista coletiva após o treino desta sexta e falou sobre a preparação da equipe para a competição.

“Seria errado da minha parte falar que o ano passado foi bom, mas eu sei também que o que vivemos trouxe uma bagagem muito grande, tanto dentro de campo quanto fora. As mudanças em relação ao ano anterior começaram já na nossa saída do Brasil, passou pela preparação dentro do avião, houve todo um planejamento de alimentação, suplementação, e tudo isso tem ajudado a gente a chegar mais preparado no dia 8”, iniciou o meio-campista.

“Estamos no segundo dia e eu estou quase 100% adaptado. Ontem fizemos um treino mais para ‘tirar a viagem do corpo’. Hoje o Abel já conseguiu passar aquilo que ele acredita. Não sabemos qual será o adversário da semifinal para trabalhar em cima da equipe, mas os valores que são inegociáveis do nosso time, como competir, ser intenso e ajudar sempre o companheiro, ele já tem pontuado para nós”, acrescentou.

Para Veiga, ainda, a mudança do Verdão não fica apenas na forma em que toda a delegação se preparou fora de campo, mas também na evolução tática apresentada desde a última edição, já que segundo o meia, o Palmeiras “vem conseguindo fazer variações dentro das partidas. Às vezes essas mudanças vêm de um volante, zagueiro ou lateral. E isso é muito importante porque cria estratégias que dificultam o adversário”.

Disputando seu segundo Mundial consecutivo, o camisa 23 falou também como vem controlando a ansiedade e se diz melhor preparado.

“No futebol sempre terá ansiedade, frio na barriga. Por já ter jogado uma final de Libertadores quando fomos enfrentar o Flamengo, nós conseguimos controlar melhor essa questão. E para este Mundial, eu, particularmente, estou mais confiante do que no ano passado. Principalmente pelo fato de já ter vivido este tipo de jogo, que tem uma cobrança enorme”, disse.

Raphael Veiga comenta sobre vídeo interno vazado

Na última quarta-feira, vazou nas redes sociais um vídeo motivacional produzido pelo Palmeiras, concebido para ser apresentado apenas internamente aos jogadores. Veiga comentou sobre a produção e elogiou a ideia.

“Há dois pontos de vista sobre esse vídeo. Vão ter pessoas que irão gostar e outras que não. Óbvio que quando chegamos em um nível alto como estamos hoje, não podemos ser dependentes disso para nos motivar, mas quando vemos um vídeo no qual todos os profissionais do CT aparecem, ficamos muito felizes. Eu, particularmente, gostei bastante”, disse.

“Às vezes a moça da cozinha, a que limpa o quarto, não são tão importantes pros outros em comparação para nós que jogamos. Se elas não estivessem presentes no dia a dia, não poderíamos dormir e comer no CT. Eles fizeram isso justamente para mostrar que ‘todos somos um’’’, finalizou.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Raphael Veiga

– Estudo dos possíveis adversários da semifinal

“Ainda não sabemos se iremos ver o jogo amanhã do estádio ou não. Mas já nos foi passado sobre as duas equipes. São dois times fortes, o Al Ahly nós tivemos a oportunidade de enfrentar no ano passado e deu para ver que eles são competitivos. É importante a gente saber das características dos adversários, mas o principal é nós sabermos o que iremos fazer. Nesse momento eu estou gastando mais a minha energia nas coisas que eu posso controlar”.

– Testes positivos para Covid-19 dentro do elenco

“A Covid-19 não tem tirado o nosso sono. Porque todos os profissionais do Núcleo de Saúde e Performance são muito responsáveis em tudo o que podemos fazer. Há coisas que a gente não pode controlar. Sabemos que ainda estamos no meio de uma pandemia e mesmo a gente tomando todos os cuidados, não estamos 100% seguros. A gente tem que se concentrar naquilo que controlamos, no que temos de fazer. Eu não falei diretamente com o Vinicius, mas nos foi passado que ele está bem. Espero que ele se recupere logo, que a gente continue fazendo nosso trabalho e que ninguém mais teste positivo”.

– Ser um dos destaques individuais do Palmeiras

“Tenho controlado bem isso. Sei o espaço que ocupo na equipe e sei também que dependo dos outros jogadores para fazer o meu papel. Lógico que, em alguma jogada individual, alguns jogadores são decisivos, mas o coletivo é sempre o mais importante”.

– Foco na semifinal

“Antes de jogar a final temos que ir bem no primeiro jogo. Vejo muitos falando do Chelsea, mas temos que ganhar a semifinal.  Temos que nos concentrar no que a gente tem que fazer, primeiramente, e amanhã, após o resultado do jogo [entre Monterrey e Al Ahly], vamos fazer um treinamento mais voltado para a equipe adversária”.

Decisivo e artilheiro, Raphael Veiga agradece a Andrey Lopes e Abel Ferreira

Raphael Veiga comemora seu gol pelo Palmeiras contra o Flamengo, durante partida final da Libertadores 2021, no Estádio Centenário.
Cesar Greco

Raphael Veiga anotou 31 gols desde a saída de Luxemburgo e a transição feita por Andrey a Abel

18 gols, quatro assistências e um total de 22 participações diretas em gols. Esses foram os números de Raphael Veiga na temporada 2021. Com quatro temporadas de Palmeiras no currículo, o meio-campista precisou de paciência para se tornar um dos principais nomes do elenco e atingir essas estatísticas expressivas.

“Eu comecei a crescer quando tive uma sequência e ganhei confiança. Primeiro com o Andrey [Lopes, auxiliar técnico] e depois com o Abel. Essa sequência fez com que eu atingisse o nível de confiança que eu precisava e as coisas caminharam até melhor do que eu esperava”, disse Veiga em entrevista ao Estadão.

A sequência do camisa 23 começou entre o final de outubro e o começo de novembro do ano passado. O Palmeiras demitiu o técnico Vanderlei Luxemburgo no dia 14 de outubro, após derrota para o Coritiba por 3 a 1, no Allianz Parque. Em seguida, Andrey assumiu a equipe interinamente e o meia foi titular nos cinco jogos com o auxiliar, anotando três gols nesses duelos.

Com Abel Ferreira no comando, Veiga manteve o protagonismo e, ao final da temporada passada, foi escolhido o melhor jogador da Copa do Brasil, vencida pelo Verdão. “Desde o primeiro dia de trabalho ele [Abel] conversou comigo. Perguntou onde eu gostaria de jogar. Já de início essa preocupação dele em mostrar o interesse em me ajudar foi importante para o meu futebol”, comentou o camisa 23, que soma 162 partidas e 43 gols pelo Palmeiras.

Raphael Veiga fala sobre Mundial de Clubes

Preço do ingresso para a semifinal do Mundial de Clubes será mais barato que final da Libertadores.
Reprodução

Eleito para a seleção do Campeonato Brasileiro 2021 pela CBF, Veiga também foi decisivo para a conquista do tri da Libertadores. Foram cinco gols anotados em toda a competição, sendo dois deles no mata-mata.

A conquista sobre o Flamengo garantiu a presença da equipe no Mundial de Clubes, pelo segundo ano consecutivo. Para o jogador, o desempenho do Palmeiras no torneio em 2022 será bem diferente em relação a 2021, principalmente pelo tempo de preparação.

“O Mundial está chegando e quero continuar fazendo História. Estou concentrado e com muita vontade de ganhar. Por já termos disputado, o Mundial não será algo novo e vamos saber como agir melhor. Cometemos na última edição alguns erros que vão nos deixar mais maduros para 2022”, concluiu.

Veiga e Scarpa falam sobre pressão vivida na final do Paulista 2020 e contam bastidores do tri

Veiga e Scarpa comemoram gol do Palmeiras contra o Atlético-GO, durante partida válida pela trigésima primeira rodada do Brasileirão 2021, no Allianz Parque.
Cesar Greco

Dois dos jogadores que mais atuaram pelo Palmeiras na temporada, Veiga e Scarpa foram os líderes de gols e assistências do clube

Raphael Veiga e Gustavo Scarpa foram um dos principais nomes da temporada 2021 do Palmeiras, que terminou com o título da Libertadores sobre o Flamengo, em Montevidéu. Com 18 gols marcados, sendo alguns deles em partidas decisivas, Veiga foi o artilheiro do Verdão, enquanto Scarpa, com 22 assistências, foi o líder em passes para gols.

Na tarde de terça-feira, os dois participaram do podcast PodPah e falaram sobre diversos assuntos, dentre eles a conquista do tricampeonato da Libertadores e a diferença entre as partidas contra Santos e Flamengo.

“O que ajudou a gente é que nós já tínhamos disputado uma final na temporada anterior. Toda a ansiedade e a pressão por ganhar aconteceu muito mais na partida contra o Santos. Fazia um tempo que o Palmeiras não ganhava uma Libertadores, então nós tínhamos que ganhar aquele jogo. Fiquei sem dormir durante uns dois dias. Para o jogo contra o Flamengo nós estávamos mais tranquilos, já havíamos passado por isso e soubemos conduzir melhor a ansiedade e nervosismo”, contou Veiga.

Antes da decisão acontecer, a equipe rubro-negra era apontada como favorita por grande parte da imprensa. Para os meio-campistas, no entanto, isso não afetou a preparação do time.

A dupla Veiga e Scarpa protagonizou vários lances decisivos na temporada 2021. Na foto, Gustavo Scarpa comemora gol de Raphael Veiga contra o Santos, durante partida válida pela trigésima rodada do Brasileirão 2021, no estádio da Vila Belmiro.
Cesar Greco

“Eu levo isso de uma forma mais tranquila. Umas das coisas que nos ajudou a vencer a partida foi realmente reconhecer que o time do Flamengo era melhor. Mas, por ser um jogo só, nós tínhamos chances, até porque também temos qualidade. Independente das brincadeiras, acho que isso não muda nada”, disse Scarpa, que prosseguiu falando de sua preparação.

“Cada um tem seu jeito de se concentrar, o meu é lendo livro ou vendo um vídeo de tutorial de bateria ou skate. Levei meu skate para o Uruguai porque já sabia que a gente ficaria três dias presos dentro do hotel, então eu iria andar pelos corredores”.

Veiga e Scarpa contam sobre a pressão antes da final do Paulista de 2020

Além de falarem sobre os títulos da Libertadores, a dupla comentou também sobre a pressão vivida pela equipe na disputa de pênaltis da decisão do Campeonato Paulista do ano passado, diante do SCCP.

“Eu não queria que aquele jogo fosse para os pênaltis porque é muita pressão. Não era uma sensação boa porque a gente já tinha perdido uma final para eles em 2018 e se a gente perdesse de novo, ia dar ruim. Eu particularmente estava muito nervoso e quando eu bati e fiz gol fiquei muito aliviado”, lembrou Scarpa.

“A gente conversou antes do jogo e não queríamos que fosse para os pênaltis, mas eu cheguei no Scarpa e disse pra ele que tinha sonhado que o jogo iria pros pênaltis. Por mais que a gente treine, há um frio na barriga. E o pior pra mim é a caminhada até a bola”, contou o camisa 23, que nunca desperdiçou uma penalidade máxima pelo Verdão, são 15 gols em 15 cobranças.

Na temporada, os meio-campistas participaram diretamente de quase metade dos gols anotados pelo Palmeiras (113 no total). Foram 30 ações para Scarpa e 24 para Veiga.