Reeleito, Mauricio Galiotte tem novos desafios nos próximos três anos

Maurício Galiotte e Genaro MarinoNo último sábado, os associados do Palmeiras decidiram em Assembleia Geral que Mauricio Galiotte continuará sendo presidente do Palmeiras, pela primeira vez num triênio – de 2019 a 2021.

O atual presidente foi reeleito com 1843 votos, contra 1176 de Genaro Marino, candidato da oposição e vice-presidente na atual gestão. Presidente e vice romperam logo nos primeiros dias da gestão, após o fim do segundo mandato de Paulo Nobre.

Contexto da disputa

Lamacchia, Mustafá e Leila PereiraO racha na atual gestão deu-se logo na primeira semana de trabalho. A questionável manobra arquitetada por Mustafá Contursi para tornar Leila Pereira, dona da Crefisa e patrocinadora do clube, elegível ao Conselho Deliberativo, desagradou a Paulo Nobre, que rompeu definitivamente com o casal Lamacchia. Galiotte teve então que optar: ou mantinha em torno de si o grupo com quem trabalhou por quatro anos, ou se apoiava numa base política tradicional, comandada por Mustafá, somada ao apoio financeiro da Crefisa, que por sua vez condicionava o vultoso patrocínio ao afastamento das pessoas ligadas a Nobre.

Galiotte optou pela dupla Mustafá/Leila. Três vice-presidentes foram imediatamente isolados de todos os passos da gestão, inclusive fisicamente, realocados em salas distantes da presidência. Tais atitudes geraram um enorme desapontamento dos ex-companheiros de trabalho, que imediatamente se tornaram oposição ao presidente, que mesmo assim se sentia satisfeito com a base política e financeira que havia construído, a despeito das consequências de cunho político e pessoal.

Mustafá e Leila rompem

Leila Pereira em campanha
Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Leila Pereira se tornou uma espécie de celebridade, bastante ativa nas redes sociais e aclamada no clube social e nos entornos dos estádios. As novas contratações do elenco eram sempre associadas ao aporte financeiro da Crefisa, transformando-a numa popstar palmeirense.

Enquanto isso, Mustafá Contursi seguia em sua rotina política, fazendo agrados à sua base, apoiado na distribuição de ingressos que conseguia de uma cota fornecida por Leila. Até que uma denúncia de desvio dessas cotas para cambistas foi a deixa para que Leila rompesse com Mustafá – algo que, aparentemente, sempre esteve em seus planos e ela só esperava o motivo.

Livre de Mustafá, Leila Pereira passou a ser a única influência sobre Mauricio Galiotte, o que foi muito importante quando a Receita Federal autuou a Crefisa por irregularidades na declaração no que dizia respeito ao repasse de verbas para a aquisição de jogadores. Foi necessário fazer um ajuste por questões fiscais e o Palmeiras acabou se tornando devedor de R$ 120 milhões da noite para o dia, com a anuência do presidente.

O COF, comandado por Mustafá, reprovou as contas da gestão – coberto de razões técnicas para tal. O que não significa, caso fossem aliados políticos, que fossem feitas vistas grossas. Foi o preço pago pela dupla Galiotte/Leila por romper com o velho cacique.

Caminho livre

Pizza!A escalada política de Leila Pereira prosseguiu com a alteração estatutária que ampliou o mandato do presidente para três anos. O tema era um justo anseio dos palmeirenses durante décadas, já que o mandato de apenas dois anos tornava o ambiente no clube excessivamente carregado de tensões políticas.

Ocorre que a mudança só foi colocada em pauta porque beneficiava exatamente a Leila Pereira, que por isso terá condições de concorrer à presidência ao final de 2021. Se o mandato permanecesse em dois anos, ela teria que esperar até 2022.

Para que a alteração, casuísta, fosse aprovada, Leila não mediu esforços. Rodízios e mais rodízios de pizza foram promovidos no clube social; presentinhos baratos como bolas de plástico para crianças e selfies e beijinhos distribuídos sem parcimônia, tudo para que os associados fossem favoráveis à mudança, usando a “modernidade” como retórica.

Leila PereiraEnquanto escalava rapidamente a política palmeirense, Leila via a importância da Crefisa nas contas do clube crescerem cada vez mais, com a queda ininterrupta do número de associados do Avanti, num processo de “unimedização” de um modelo de receita que antes era tremendamente equilibrado.

Foi sob o comando de Galiotte e Leila que o Palmeiras, apesar do elenco fortíssimo, patinou em sete campeonatos no biênio 2017/2018, conseguindo conquistar o brasileiro graças à mudança desesperada de comando técnico em julho, num golpe que acabou se mostrando certeiro.

Os desafios da próxima gestão

Mauricio GaliotteNo curto prazo, o futebol do Palmeiras seguirá forte. Seguiremos surfando na onda atual, já que temos um elenco fortíssimo que precisa apenas de ajustes pontuais para seguir protagonizando o futebol nacional. Alguns contratos importantes precisam ser renovados – sobretudo o de Dudu. Caso não obtenha sucesso, Galiotte terá recursos para uma reposição à altura – até porque, haverá a receita da saída do camisa 7.

O Avanti vive uma crise gravíssima. O programa que deveria ser a principal base de sustentação da economia palmeirense está deteriorando. Produtos pouco atraentes e falhas constantes no sistema de venda de ingressos impelem o palmeirense a desistir de fazer parte do quadro de associados, recorrendo cada vez mais às cadeiras da WTorre como alternativa para ter garantia de acesso aos jogos.

O enfraquecimento do Avanti traz na esteira a enorme deficiência do processo de precificação dos ingressos. Os constantes clarões vistos no estádio evidenciam o problema; as faixas de preço parecem definidas “no chute” e não obedecem a um modelo técnico.

Enquanto isso, o time desfruta da proteção restabelecida na Academia de Futebol após a chegada de Felipão – a blindagem fazia muita falta nos tempos de Eduardo Baptista, de Cuca em sua segunda passagem e de Roger Machado, que tinham que conviver com um entra-e-sai incessante de pessoas sem nenhuma relação com o dia-a-dia do futebol, fruto de concessões políticas a conselheiros e patrocinadores. Essa proteção deve permanecer com ou sem Felipão, a diretoria precisa respaldar a condição da Academia como “lugar sagrado”.

ArbitragemAo mesmo tempo em que protege o elenco de influências externas, a diretoria precisa, de uma vez por todas, estancar os danos causados pelas arbitragens. Este ano, o Palmeiras teve forças suficientes para vencer o Brasileirão, nos pontos corridos, apesar das sucessivas interferências dos árbitros. Mas por absoluta inoperância nos bastidores, acabamos alijados das disputas do Paulista e da Copa do Brasil, decididos em mata-matas – sem mencionar o próprio Brasileirão do ano passado.

Por fim, Galiotte precisa colocar o Palmeiras acima dos interesses políticos e/ou pessoais de qualquer personagem, inclusive os de Leila Pereira. Se houver a possibilidade de um contrato de patrocínio maior que o da Crefisa, ela deve ser tratada com a devida atenção, nem que isso signifique um realinhamento da relação com Leila. O Palmeiras deve vir sempre em primeiro lugar.

Boa sorte

Que o presidente reeleito Mauricio Galiotte tenha boa sorte neste triênio à frente do clube. Que o Palmeiras siga trilhando o caminho das conquistas, protagonizando o futebol brasileiro. Que nosso clube siga subindo o sarrafo e puxando a fila, sem regredir. Que o modelo de receita seja reequilibrado, que as arbitragens voltem a nos respeitar. E que a Política volte a ser praticada de forma altiva, com “P” maiúsculo, com “P” de Palmeiras.

Mesmo apoiando o grupo derrotado na eleição, o Verdazzo seguirá torcendo sempre pelo sucesso do Palmeiras, seja quem for o mandatário, mantendo a lealdade como padrão. Mas sempre atento e vigilante.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Era uma vez um Reino de periquitinhos e porquinhos…

PizzaEra uma vez um Reino de periquitinhos e porquinhos que vivia muito feliz. Nesse Reino, os periquitinhos eram os mais inteligentes e lideravam os porquinhos, que eram a força de trabalho. Todos eram sempre muito barulhentos, viviam se desentendendo, mas sempre arrumavam uma solução – e comiam pizza para comemorar. Tudo acabava em pizza naquele Reino, que brilhou por muitos anos.

Um periquitinho chamado Ibrahim era muito mais esperto que os outros e, pouco a pouco, foi atraindo para si o controle de todos os cantinhos do Reino sem ninguém perceber. Quando todos viram, Ibrahim controlava quase o Reino inteiro. Comeu tanta pizza que ficou muito gordo e se transformou num enorme sapo-boi. Mas os periquitinhos continuavam a apoiá-lo, em troca de alguns afagos.

JabbaIbrahim foi consumido pelo poder, tornou-se muito malvado e passou a mandar e desmandar no Reino. Os periquitinhos e os porquinhos faziam as vontades do sapo Ibrahim – os periquitinhos convenciam os porquinhos que estava tudo bem e ganhavam mais afagos por isso – e, claro, algumas pizzas.

Mas o Reino, antes próspero e feliz, passou a se degradar sob a batuta de Ibrahim. Alguns periquitinhos queriam mais afagos que Ibrahim podia dar e tentaram, por anos a fio, tirar seu poder. Mas Ibrahim sempre foi mais inteligente e esses periquitinhos nunca tiveram sucesso; restou a eles desejar profundamente que algum tipo de milagre acontecesse.

Porquinho LigeiroIbrahim foi envelhecendo e ficando cada vez mais cansado. Um porquinho muito ligeiro, que não concordava muito com os desmandos de Ibrahim, passou a se destacar e ganhou a confiança do velho sapo.

Sem milagre, sem desperdiçar recursos com afagos e com trabalho sério, os tempos prósperos voltaram sob o comando desse porquinho ligeiro, que entendeu exatamente como governar o Reino sem que Ibrahim se sentisse ultrajado.

O Reino voltou a brilhar!

Os outros porquinhos e periquitinhos, em vez de ficarem felizes com o Reino voltando aos bons tempos, se enciumaram com o sucesso do porquinho ligeiro e seguiram desejando profundamente que um milagre acontecesse – desde que com muitos afagos.


CarmenUm dia, uma borboleta chamada Carmen surgiu, do nada. Lindíssima, ela pousou sobre os quatro cantos do Reino e seduziu a todos com um fantástico poder: ela tinha uma bolsa mágica que fazia afagos e pizzas brotarem infinitamente. Até Ibrahim, que gosta muito afagos e de pizza, foi seduzido por Carmen sem entender direito quem ela era e o que realmente desejava.

Os periquitinhos e os porquinhos, encantados, amaram sua nova amiga. Quase todos só pensavam em como ela era linda e naquelas deliciosas pizzas. Mas o porquinho ligeiro percebeu que tinha algo errado.

Carmen foi ficando cada vez mais poderosa e percebeu a ameaça: mexeu seus pauzinhos para banir o porquinho ligeiro do Reino e para colocar em seu lugar um periquito sem penas e que atendia a todos os seus desejos. Carmen então passou a perna em Ibrahim e o isolou no pântano, se tornando a única pessoa com influência sobre o governo do periquitinho sem penas.

Ela dizia amar o Reino, mesmo tendo acabado de chegar. Os periquitinhos e porquinhos que diziam odiar Ibrahim e tinham inveja do porquinho ligeiro acreditaram piamente nesse amor e se derreteram pela borboleta, que não poupava afagos e pizzas. O milagre tinha acontecido!

Mas Carmen guardava um segredo: ela ainda precisava mudar as escrituras do Reino para se tornar a rainha eterna. Nunca se viu tantas pizzas no Reino. Como se não bastasse, também passou a distribuir milhões de afagos aos periquitinhos da corte. Dizem até que mandou abrir os portões para que centenas de novos porquinhos leais a ela passassem a viver no Reino, tudo sob o olhar inerte do periquito sem penas.

RainhaA história ainda não foi totalmente escrita. Dizem que os periquitinhos e porquinhos aceitaram mudar as escrituras e que a borboleta Carmen se tornou de fato a rainha eterna. Soube-se depois que ela era dona de um Império que precisava de um quintal, e que o Reino acabou servindo apenas a esse propósito.

Continuou distribuindo afagos e pizzas – não na quantidade de antes; apenas para alguns poucos periquitinhos mais próximos. Carmen, enfim, se tornou uma nova versão de Ibrahim – a única diferença era sua enorme beleza.

O Reino voltou às trevas, enquanto o porquinho ligeiro continuava correndo pelo mundo, resignado, e todos os outros periquitinhos e porquinhos seguiram desejando não ter mudado a escritura e esperando por outro milagre. E todos viveram infelizes para sempre.

***

Desculpem pela absoluta falta de jeito em escrever uma fábula infantil, afinal, essa não é exatamente a especialidade do site. Mas foi a forma encontrada para tentar fazer os porquinhos do Reino entenderem onde estão se metendo. Cuidado!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Aos 69, Felipão está de volta ao Palmeiras para completar o ciclo de conquistas

FelipãoMenos de 24 horas depois de dispensar Roger Machado, o Palmeiras definiu o novo treinador para a sequência da temporada: ninguém menos que Luís Felipe Scolari, o segundo treinador que mais dirigiu o Verdão na História e que nos levou a muitas conquistas.

A trajetória de Felipão no Palmeiras começou em 1997, depois de conduzir o Grêmio a alguns títulos – alguns deles após embates inesquecíveis contra o próprio Palmeiras. Após levar o Verdão ao vice-campeonato brasileiro no primeiro ano, o comandante Scolari conduziu o clube às conquistas da Copa do Brasil e Mercosul em 1998, Libertadores em 1999 e Rio-SP em 2000, além de outras campanhas inesquecíveis.

Frizzo e TironeCom o fim da cogestão com a Parmalat e o desmonte do departamento de futebol, Felipão deixou o Verdão em 2000 para voltar dez anos depois, numa passagem bem mais tumultuada. Em meio ao completo caos administrativo, Felipão ainda conseguiu levar um elenco de nível Série B à conquista de mais uma Copa do Brasil. Mas o caminho à segunda divisão parecia inevitável e, de forma amarga, Scolari deixou o clube na quinta rodada do returno, antes que a queda se concretizasse.

Fora do Palmeiras, Felipão ainda conquistou uma Copa do Mundo, tendo chegado à semifinal três vezes; uma Copa das Confederações, mais uma Libertadores, um Campeonato Brasileiro, mais duas Copas do Brasil, uma Recopa Sul-Americana, uma Liga dos Campeões da Ásia, um Campeonato Japonês, um Campeonato Uzbeque, três Campeonatos Chineses, uma Copa da China, uma Taça do Uzbequistão, uma Copa Sul-Minas, um Campeonato Catarinense e três Campeonatos Gaúchos, entre outras conquistas menores.

Estratégia política

Maurício GaliotteA volta de Felipão tem como pano de fundo a nefasta política do clube. A interrupção do irregular trabalho de Roger Machado não foi correta e teve como fator preponderante a eleição que acontece em novembro – leia aqui tudo o que envolveu a equivocada decisão.

Felipão chega para realinhar a estratégia política da presidência. Caso as conquistas não venham, o general Scolari tem o estofo necessário para levar a culpa sozinho, supostamente isentando a diretoria de responsabilidade nos eventuais fracassos e mantendo grandes as chances de reeleição de Maurício Galiotte.

Esperança renovada

FelipãoO Palmeiras está a seis jogos de levantar mais uma Copa do Brasil – os dois primeiros, contra o Bahia; e a oito jogos do bi da Libertadores, onde tem a vantagem de decidir em casa em todos os confrontos. Scolari é um especialista em mata-mata e sua trajetória recente no futebol chinês sugere que não perdeu o tino pelas conquistas.

Scolari herdará um time bem organizado por Roger Machado, que usava um sistema ao qual já está habituado: o mesmo 4-2-3-1 que empregou na Copa de 2014. Terá à sua disposição um elenco poderoso, recheado de camarões, bem superior ao que deixou por aqui em 2012.

Felipão 2000Diante adversários que igualmente tocam o futebol sem um projeto sério definido, nivelados por baixo, o Palmeiras segue com boas chances de conquista ainda este ano. O comandante é um medalhão acostumado a pressão e a conquistas, o elenco segue forte e depende apenas de que uma boa química seja encontrada na largada para que voltemos a ser candidatos reais a conquistas ainda este ano. As primeiras semanas de trabalho revelarão se teremos essa dose de sorte.

Com um contrato até o final de 2020, o experiente treinador pode estar iniciando o último degrau de sua carreira. Aos 69 anos, com a vida financeira absolutamente resolvida, Felipão volta ao Palmeiras para apagar o saldo negativo de sua segunda passagem pelo clube e para resgatar de vez sua imagem perante o público brasileiro, abalada após os vexatórios 7 a 1. Deve estar com sangue nos olhos, mais do que nunca. BEM VINDO, GENERAL SCOLARI!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Conselho aprova “Emenda Leila” e mandato do presidente será de três anos

Leila PereiraO Conselho Deliberativo do Palmeiras votou ontem textos para mais uma mudança estatutária. O ponto mais importante foi a alteração da duração do mandato do presidente, que passa de dois para três anos.

Como já vem sendo dito aqui nos posts do Verdazzo há anos, essa é uma das alterações mais importantes que era necessário fazer em nosso estatuto. O mandato curto, de dois anos, exige que o toma-lá-dá-cá prevaleça na vida do clube quase que constantemente, para que quem concentra capital político sustente seu poder.

Exatamente por isso, enquanto Mustafá Contursi deu as cartas no clube, esse ponto do estatuto jamais foi tocado. Agora, que ele encontrou uma adversária política do mesmo calibre, as coisas mudaram. A emenda, que precisava de 141 votos, teve 143 e foi aprovada. Uma derrota monstruosa de Mustafá; e uma demonstração de força imensa de Leila Pereira, que assim abreviou em mais um ano seu tempo de espera para se candidatar à presidência do clube.

Mustafá Contursi definha no Conselho Deliberativo, mas ainda tem força no COF. Grandes operações econômicas ainda podem ser contestadas e barradas por ele. Mas com a saúde financeira que o clube se encontra, a tendência é de que o velho manda-chuva finalmente vista seus pijamas e calce suas pantufas. E isso é muito bom.

Virada nos acréscimos

Informalmente, os grupos políticos do Palmeiras mantêm mapas em suas pranchetas com a tendência das votações mais importantes. Os placares ao final da última semana apontavam para a barração da alteração estatutária com alguma margem – de cinco a dez votos de folga.

No final de semana, provavelmente diante de todo o poder de persuasão de Leila Pereira, o jogo virou. Interessante notar que um grupo tido como progressista, que havia anunciado que votaria contra a mudança, teve quatro de seus cinco conselheiros repentinamente votando a favor da alteração. Democracia é isso.

Rei morto; rei posto

A ascensão de Leila Pereira é impressionante. Rapidamente, a empresária saiu do completo anonimato, em janeiro de 2015, para favorita à cadeira da presidência em 2021, para provavelmente assumir o cargo em janeiro de 2022 – Maurício Galiotte deve concorrer à reeleição em novembro próximo, já contemplando os três anos de mandato.

A conselheira tem muitos méritos. É conhecida como “trator”, expressão bastante comum no meio corporativo para designar profissionais que passam por cima das dificuldades para conseguir o que precisam, nas empresas que comanda. É muito bem sucedida e não precisa se apropriar do dinheiro do Palmeiras para ser feliz – ao contrário, direciona boa parte da verba publicitária de suas empresas para o clube. É verdade que consegue ótimos abatimentos em suas obrigações tributárias com essa prática, mas isso não diminui o bem que faz ao clube.

#sejasocioavantiMas Leila tem características pessoais que torna temerário o acúmulo de poder – presidente e patrocinadora – em suas mãos. Basta lembrar que, por promover o Avanti no lugar do nome dos jogadores em março de 2016, o Palmeiras sofreu represálias da patrocinadora, que deixou de fazer os pagamentos mensais, prejudicando o fluxo de caixa do clube que diz amar. O Avanti é a fonte de renda mais importante do Palmeiras, mas ela não abriu mão do que achava ter direito. O contrato foi ajustado e a situação se normalizou, mas o trator colocou uma roda em cima do clube.

O estatuto do clube prevê a trajetória que uma pessoa qualquer precisa, a partir do momento em que fica sócia, percorrer para chegar a presidência. Até a década passada, eram necessários pelo menos onze anos de clube para aspirar ao cargo máximo. Um tempo exagerado, mas que era imposto por quem mantinha o poder no clube. Com sucessivas manobras, Leila triturou essas carências e abreviou o tempo com um cacife político inédito. O estatuto do Palmeiras permitiu que uma milionária chegasse do nada e rapidamente tomasse o clube para si. Os conselheiros, que ainda poderiam ser a defesa final do clube para essa temeridade, baixaram a ponte levadiça. Leila, como uma conquistadora, entrou com tudo.

Os vitalícios permanecem

Mustafá Contursi
Keiny Andrade/Folhapress

Outro ponto delicado da reforma estatutária foi a diminuição do peso dos conselheiros vitalícios na estrutura do Conselho Deliberativo. Havia uma proposta para diminuir de 148 para 100 cadeiras dessa categoria, o que faria que o número de conselheiros eleitos a cada quatro anos subisse dos atuais 152 para 200. A proposta foi rejeitada e tudo segue como antes.

Mustafá, afinal, ainda respira por aparelhos.

É hora de pensar em precauções

A Assembleia Geral de sócios ainda pode barrar as decisões do Conselho, mas para isso são necessários 2/3 do quórum e a chance disso acontecer é bem pequena. Serão três anos e meio até que a candidatura de Leila vá às urnas, e o Palmeiras precisa se precaver ao máximo das consequências que uma administração possivelmente centralizadora pode ter.

É hora de discutir, por exemplo, a instituição de um limite na fatia do patrocínio dentro do orçamento. Não se trata de recusar dinheiro; ao contrário, é uma forma de estimular os esforços para que as outras receitas cresçam. Eleita ou não presidente, um dia Leila Pereira vai retirar o patrocínio da Crefisa.

É para evitar que um movimento abrupto desse leve o Palmeiras a uma situação semelhante à do Fluminense pós-Unimed que algum mecanismo de defesa tem que ser criado. O clube precisa incrementar ainda mais as receitas do Avanti; as bilheterias precisam continuar vultosas e outras iniciativas de marketing precisam ser exploradas para que não se estabeleça uma perigosa e indesejável dependência da Crefisa.

Leila Pereira, para ser uma grande presidente, deve fazer uma gestão baseada em ações inovadoras, não em política apoiada em seu poderio econômico, para manter o Palmeiras forte dentro e fora de campo. Caso eleita, ao final de seus três (ou seis) anos, precisa deixar o clube saudável financeiramente e estruturado para a saída de suas empresas, se assim desejar. Patrocinador forte só funciona num clube forte.

O Verdazzo e toda a mídia palestrina torcem para que a eleição deste ano seja limpa e justa; assim como a de 2021 e de 2024; permaneceremos atentos, trazendo à luz todos os movimentos, para que a torcida do Palmeiras esteja sempre ciente da situação e dos eventuais perigos que se avizinhem.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Patrocinador forte num clube fraco não adianta nada

Lamacchia, Mustafá e Leila PereiraO Palmeiras viverá na noite desta segunda-feira uma noite crucial para os próximos anos de sua trajetória. O Conselho Deliberativo votará a chamada “emenda Leila”, uma modificação no estatuto do clube que contemplará, entre outras alterações, a mudança na duração do mandato do presidente do clube de dois para três anos.

É evidente que a mudança, por si só, seria benéfica ao clube. O mandato de dois anos amarra o presidente à política do clube, sempre efervescente. Com três anos de mandato, é possível projetar uma gestão mais sólida e não se perde tanto tempo fazendo política. Esta questão é praticamente ponto pacífico.

Ocorre que a mudança que está sendo proposta visa ter efeito já nas próximas eleições, marcadas para novembro deste ano na qual o atual presidente, Maurício Galiotte, concorrerá. A proposta seria válida se Galiotte não pudesse ser candidato. Os três anos de mandato são muito bem-vindos, mas só a partir da eleição marcada para novembro de 2020. Aplicadas ao atual presidente, configura casuísmo.

Mas toda essa discussão é apenas cortina de fumaça. Tanto os que defendem o “avanço político”, quanto os que previnem sobre o “casuísmo”, estão discutindo sobre o nada – e sabem disso – porque, na verdade, a alteração tem por único objetivo acelerar a chegada de Leila Pereira à presidência do clube. Nossa patrocinadora não está medindo esforços para chegar a esse posto, para acumular as funções de fornecer recursos ao Palmeiras e decidir o que é feito com esses recursos.

Estamos prestes a cometer um erro gravíssimo

Leila Pereira em campanha
Sergio Barzaghi/Gazeta Press

A força do Palmeiras vem da solidez de suas instituições: a torcida, o quadro associativo, a diretoria executiva e os órgãos colegiados. Estes últimos, sabemos, não costumam ser tão sólidos assim. É exatamente na mão de um desses órgãos, o Conselho Deliberativo, que está uma das decisões mais importantes para o futuro próximo do clube.

Leila Pereira mostra uma avidez pelo poder inédita na História do clube. Além de, na condição de patrocinadora, já participar da tomada de decisões no que diz respeito ao andamento do Departamento de Futebol, acelerou de forma incrível sua trajetória política, tornando-se sócia em 2015 (alegadamente, em 1996), conselheira em 2017 e candidata não assumida para o pleito que, caso a emenda que leva informalmente seu nome seja aprovada, será realizado em novembro de 2021.

A conselheira vem proporcionando agrados a dezenas de conselheiros, bancando viagens e jantares sem constrangimento, tudo para cooptá-los a aprovar a emenda que tanto deseja. Seu avião particular, onde costuma dar carona a colegas do Conselho para assistir aos jogos fora do Allianz Parque, é chamado à boca pequena de “aeroestatuto”.

Leila na cadeira de presidente em 2021 é errado duplamente: primeiro, por forçar o clube a alterar a regra no meio do jogo, dando três anos de mandato a uma reeleição que estava prevista para ter apenas dois; e segundo, e muito mais preocupante, por concentrar poder demais nas mãos de apenas uma pessoa, uma empresária de grande sucesso no ramo financeiro, mas que tem um preocupante histórico de impulsividade e que não entende nada de futebol  – e não se trata aqui das quatro linhas, mas sim de tudo o que envolve as atividades de um presidente de clube da grandeza do Palmeiras. A solidez do Palmeiras, apoiada no equilíbrio entre suas instituições, ficará abalada por essa abrupta concentração de poder.

Aeroestatuto
Leila Pereira dá carona a conselheiros do clube, entre eles Wlademir Pescarmona e César Maluco, para assistir ao jogo contra o Atlético-PR (reprodução: Twitter)

A Crefisa não é a Parmalat

Um dos principais argumentos dos defensores da escalada de Leila é que o Palmeiras tratou muito mal a Parmalat na virada do século; a multinacional italiana, ainda com muito por contribuir com o Palmeiras, foi impelida a sair do clube, que mergulhou num caos completo, culminando com o rebaixamento em 2002.

Tal argumento é completamente falacioso. As relações entre Palmeiras e Parmalat, sob um modelo de cogestão, respeitavam a soberania do clube no processo de tomada de decisões. O leitor Douglas Monaco resgatou os fatos históricos e descreveu com precisão neste post como era a dinâmica equilibrada e harmoniosa entre as duas partes – pelo menos até Mustafá Contursi resolver acabar com tudo.

Se rejeitar a aceleração do processo de condução de Leila à presidência significa afastar a Crefisa e todo seu potencial financeiro do clube, pode-se concluir que Leila Pereira não quer exatamente o bem de nosso Palmeiras enquanto patrocinadora, e sim que ela usa o patrocínio apenas como fator de pressão para um dia ser alguém que concentrará muito poder, criando uma dependência temerária.

Muito respeito ao patrocínio

Mauricio Galliote e Leila PereiraA Crefisa é a melhor patrocinadora que um clube poderia ter no cenário nacional. Não se pode confundir a necessidade de proteger as instituições palmeirenses com alegados maus tratos à patrocinadora, semelhante ao que ocorreu há cerca de duas décadas, quando Mustafá colocou a Parmalat para correr do Palmeiras.

Precisamos muito de um patrocinador forte, mas de nada adiantará se o clube se enfraquecer em suas instituições, revivendo o modus operandi exatamente de quem Leila Pereira hoje se declara inimiga: o próprio Mustafá. Estaremos trocando um modelo onde as fontes de receita são bem equilibradas por outro onde a origem dos recursos estará concentrada nas mãos da presidente-patrocinadora, tornando o Palmeiras, na prática, uma espécie de Crefisa FC – exatamente como desdenham hoje nossos invejosos adversários.

A única condição para que Leila Pereira se torne uma presidente que respeita o equilíbrio entre as instituições do clube seria, ironicamente, retirando o patrocínio ao se sentar na cadeira. E isso, ninguém quer – nem ela mesma.

Leila acena com a retirada do patrocínio se o Palmeiras eleger outro presidente ao fim do ano que não seja seu atual aliado, Maurício Galiotte. Há quem diga até que a Crefisa saia do clube em caso da “emenda Leila” não passar – terrorismo puro.

Perder a Crefisa ao fim deste ano seria um golpe duro ao clube, mas que teríamos que superar. A melhor forma de Leila Pereira demonstrar, de fato, seu amor e respeito pelo Palmeiras é mantendo o patrocínio e apoiando a gestão que o quadro associativo, através da Assembleia Geral, vier a escolher em todas as eleições, já que o retorno às marcas de suas empresas é mais do que evidente conforme ela mesma declarou várias vezes.

O Palmeiras não pode viver com a faca no pescoço e ser dependente de quem quer que seja. Patrocinadores vêm e vão; o Palmeiras precisa seguir forte e independente. Patrocinador forte, num clube fraco, não adianta nada.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo