A diferença sutil entre ser protagonista e favorito

Bem-vindo Lucas LimaO anúncio oficial da contratação de Lucas Lima qualifica demais o elenco do Palmeiras num setor onde tivemos alguns problemas este ano. Somada à contratação de Diogo Barbosa e às duas ou três que ainda estão por vir, a notícia mantém o Palmeiras no papel de protagonista do futebol brasileiro. Naturalmente, será um dos candidatos aos títulos em disputa em 2018.

“Um dos”, que fique claro.

O clube, o elenco e a torcida não devem cair na mesma armadilha que nos foi lançada este ano. Com contratações importantes, o time campeão brasileiro de 2016 foi apontado pela imprensa como favorito destacado e absoluto para todos os campeonatos que disputaria em 2017. A pressão se tornou insustentável para um time que passava por mudanças no comando técnico e que enfrentava as oscilações naturais desse estágio. As eliminações foram se sucedendo, aumentando ainda mais a pressão para as disputas seguintes, e o grande favorito terminou o ano sem conquistas.

Apenas três clubes conquistaram campeonatos relevantes este ano – todos os outros terminaram com o mesmo número de troféus novos em suas galerias: nenhum. O curioso é que só para o Palmeiras é que ficar sem títulos numa temporada virou sinônimo de fracasso, um gatilho para críticas ferozes e descontroladas, ao menos para a má imprensa e para a parte da torcida que nela se pauta. Inter, Atlético, Santos, Fluminense, Botafogo, SPFC, Vasco e Flamengo podem passar em branco que está tudo bem – afinal, esses times não foram apontados por ninguém como favoritos.

ESPN
Reprodução

Assim, o que vemos são sucessivas matérias, disfarçadas de informação, que tem como único objetivo efervescer nosso ambiente – seja demonizando o sucesso financeiro do clube, seja distorcendo ou descontextualizando declarações e situações. O que importa é desestabilizar.

Já era difícil, sob o espectro de ter torcedores rivais nas redações, ser o rival direto do clube de torcida mais numerosa de São Paulo, algo que enfrentamos há décadas. Agora que o Flamengo se posicionou esportivamente num patamar de disputa direta conosco, a competição ficou mais desleal ainda.

Nossa torcida está desistindo da imprensa

Este trabalho de combate velado ao Palmeiras se intensificou muito nas última temporadas, o que fez com que nossa torcida já tenha levantado a orelha. Ainda cola, mas não tanto assim. As redes sociais se tornaram mais vigilantes e os maus jornalistas de hoje, mesmo os mestres na arte da dissimulação, são pressionados pela torcida – ou pelo menos pela parcela que ainda quer continuar seguindo os grandes canais de mídia e que esperam que eles tratem o Palmeiras como respeito que o clube merece.

Fox
Reprodução

Melhor: já é possível notar uma parcela que desistiu da grande mídia. Os jornalistas que fazem do clubismo o norte para o exercício de suas profissões estão afastando uma porção de torcedores que já estão preferindo se informar e viver o dia-a-dia dos clubes através de canais que não escondem a que vieram. Já que é para ter a informação com viés clubista, que esse viés seja assumido, não escamoteado.

A mídia alternativa palmeirense segue se estabelecendo há mais de dez anos e é a mais ativa dentre as mídias alternativas de todos os clubes. O trabalho é sério e feito com paixão – às claras.

Na mídia palmeirense, você ouvirá que o Palmeiras está forte financeiramente, mas que às vezes contrata errado, não que é “rico e esbanjador”. Aqui, você ouvirá que o Palmeiras é protagonista, não que é “favorito”. Se você consegue captar a diferença entre as abordagens, está pronto para sair da influência da mídia tradicional e dar um voto de confiança para palmeirenses que respeitam o clube acima de tudo e que abraçaram a missão de fazer o elo entre o time e o torcedor de todas as partes do planeta.

Roger Machado terá um excelente elenco nas mãos, mas os primeiros meses podem ser turbulentos em razão das adaptações entre elenco e a nova comissão técnica. Os primeiros resultados ruins serão um prato cheio para os maus jornalistas tripudiarem, aumentando a pressão sobre nosso elenco e usando a parte mais impaciente da torcida como combustível, repetindo a tática que deu certo este ano.

Recusemos. Somos protagonistas, sim, mas recusamos o rótulo de favoritos. Vão jogar semente de crise em outro lugar, porque a torcida do Palmeiras está de saco cheio de ser tratada como adubo.


O Verdazzo é patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo