Clubismo tem que ser declarado; caso contrário, é engodo

Nunca vi! Em mais de 40 anos acompanhando futebol, NUNCA VI um time derrotado e eliminado ser tão elogiado, de forma tão desproporcional ao que realmente jogou.

O SCCP foi eliminado da Copa do Brasil com duas derrotas. Não marcou nenhum gol. Já havia dançado miudinho contra o Avenida e contra o Ceará; a queda de ontem foi apenas o restabelecimento da ordem.

Jogaram no Maracanã apenas como um time que precisa reverter uma derrota em casa. Mandaram até duas bolas na trave. Tentaram, se esforçaram, mas não foram capazes de furar uma zaga com Léo Duarte e Rodrigo Caio. Para a imprensa, no entanto, parece que estivemos diante de herois do esporte, como a maratonista suíça Gabrielle Andersen na Olimpíada de 1984.

O clubismo velado vai dominando cada vez mais a mídia supostamente neutra. E o leitor menos atento está sendo cada vez mais vítima de engodos.

Viva o clubismo – desde que declarado

Clubismo é bonito. Defender o clube do coração até as últimas consequências é heroico. É o que fazemos todos os dias nas ruas, na escola, no escritório e nas redes sociais. O clubismo declarado é a alma do futebol.

Tão mau-caratismo quanto virar a casaca é gente supostamente neutra praticando o clubismo. Dissimulados. É o que há de mais desprezível e covarde.

É humilhante esperar uma opinião isenta e ser tapeado por alguém que veste uma camisa por baixo da que as câmeras captam.

Escolha bem onde se informar. Escolha os bons jornalistas a dedo – eles são espécies em extinção.

Prestigie a mídia palestrina!

A mídia alternativa palmeirense tem sites e canais para todos os gostos. Escolha os que melhor satisfazem suas expectativas e prestigie. Comente. Compartilhe as postagens.

Na mídia palestrina o clubismo é aberto, escancarado. Ninguém vai enganá-lo.

O Palmeiras, cada vez mais, vai se tornando independente do resto. Em tudo, até na mídia.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

A praga dos ‘programas esportivos transgênero’ ataca de novo

Ontem aconteceu mais um achaque do programa Os Donos da Bola, da Bandeirantes, ao Palmeiras. O vespertino, comandado pelo humorista torcedor do SCCP Neto, plantou a ideia de que existiria um racha entre Felipão e Mattos. Simples assim. Do nada.

O que é dito por um humorista, claramente caracterizado como tal, não pode ser levado a sério. Mas quando a comunicação é feita por um programa em que a fronteira entre o entretenimento e o jornalismo é propositalmente maquiada, a confusão é inevitável.

A programação visual do programa remete a jornalismo. Além do âncora e do bobo da corte palmeirense, há jornalistas no estúdio, tornando a atração uma espécie de transgênero. Assim, fica difícil para o espectador distinguir o fato da ficção e nenhuma associação de classe de jornalistas parece se preocupar com isso.

E já que os jornalistas não se preocupam em zelar pela integridade da própria classe, o Palmeiras poderia se manter mais ativo diante desse tipo de ataque para deixar mais clara a linha do respeito que não pode se ultrapassada.

Má intenção

Não deveria haver dúvida de que o programa do Neto é entretenimento puro – mas, como já vimos, existem elementos que estimulam a confusão com jornalismo e que induzem o espectador a acreditar no que o programa veicula. Ontem, a necessidade de pauta os levou a inventar o tal racha. Sem a menor faísca, sem o mínimo fundo de verdade. Como roteiristas criativos usando suas mentes inventivas, produziram a ficção. E a escolha do tema deixa clara a má intenção do chefe.

O Palmeiras, então, precisa se posicionar. O site oficial não tem que passar o recibo para o Neto a cada vez que ele fizer uma molecagem com a de ontem. Mas é preciso manter a guarda alta para não permitir que elas causem efeitos colaterais indesejados. A saída talvez seja usar as redes sociais.

A linha de comunicação do Palmeiras nas redes se alinha mais com a sobriedade – o que parece correto. Os canais oficiais de comunicação do campeão brasileiro não podem se equiparar ao perfil zoeiro como o do Íbis, ou mesmo ao de clubes menores que precisam de atenção como o Paraná. Mas cada rede social tem sua característica e é possível notar uma certa leveza no perfil do Palmeiras no Twitter – mais uma vez, uma escolha correta.

Talvez o perfil do Twitter pudesse ser usado pelo clube para esse tipo de situações, usando de ironia inteligente para rebater e esclarecer qualquer tentativa mal intencionada de plantar crise na Academia de Futebol. Obviamente as respostas não podem ficar a cargo do estagiário – elas devem ser produto de uma cuidadosa escolha de palavras dos membros mais experientes da equipe de comunicação. Quem sabe, desta forma, os programas transgênero sintam-se menos confortáveis em usar o Palmeiras para ganhar seus pontos no Ibope.

Para deixar claro

Felipão e Mattos
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O tal racha, é claro, é ficção pura. A foto acima, capturada ontem pelas lentes de Cesar Greco, mostra Felipão e Mattos em total harmonia. A imagem poderia perfeitamente ilustrar um tweet do perfil oficial do clube, que nem precisaria mencionar o Neto ou a Bandeirantes explicitamente, para não dar-lhes o gosto do recibo.

Entre os programas de debate de sofá e os transgênero, prefira sempre a mídia palestrina, que tem abordagens de todos os tipos e muitas delas poderão agradar ao seu perfil. Mesmo aquelas que gostam de cornetar, pelo menos o fazem com o sangue verde.

O Verdazzo está no ar há mais de doze anos e precisa do seu apoio para dar o próximo passo no projeto, que é fazer a cobertura completa do dia-a-dia do clube, com informações direto da fonte. Clique aqui para apoiar nosso projeto e para ajudar a nos aproximarmos ainda mais de nossa meta.

Caros jornalistas: por favor, deixem o humor para os humoristas

A coletiva de Deyverson ontem teve uma característica diferente do normal. Curta, com apenas três perguntas respondidas, sem muita margem para que uma nova hecatombe acontecesse.

Deyverson estava tenso, provavelmente resultado do longo briefing realizado minutos antes dele subir à sala de imprensa. Visivelmente travado, o camisa 16 se concentrou em cumprir um script. O trabalho da assessoria de imprensa, neste caso, foi cuidar para que a situação não piorasse. Em se tratando de Deyverson, o cuidado é mais do que justificado.

Os repórteres presentes à coletiva, claro, não gostaram nada da forma como tudo foi conduzido. O jornalista da Band, Chico Garcia, fez um desabafo em sua conta no Twitter. As respostas dos torcedores, de vários times, dizem muito sobre o que o jornalismo esportivo no Brasil se tornou.

O passo seguinte à thiagoleifertização

Atribui-se a Thiago Leifert uma nova fórmula do jornalismo esportivo: a de mesclar a informação com o entretenimento. Na verdade, isso já existe há muito mais tempo, mas a fórmula aperfeiçoada pelo filho do diretor da RGT produziu resultados comerciais muito consistentes e hoje é replicada em muitos outros canais – estes, por sua vez, fizeram adaptações livres da mistura, e hoje temos na televisão verdadeiras aberrações.

Se hoje os jornalistas se sentem marginalizados nos clubes, a responsabilidade de boa parte disso é dos produtores desses programas vespertinos, que sumiram com a linha que separa uma atividade séria, respeitada e necessária de um programa de humor, e dos próprios jornalistas que compactuam com essa distorção. A partir do momento em que um jornalista se veste de porquinho para as câmeras, fica claro, claríssimo, que alguma coisa está errada. Deixem o humor para os humoristas!

A chacota invadiu o jornalismo e a reação dos clubes, mesmo tardia, veio, com muitas restrições ao trabalho da imprensa. Afinal, como confiar no trabalho de uma turma que chega na coletiva e pergunta ao entrevistado o que ele acha de se parecer com o Zé Ramalho?

Os jornalistas esportivos sérios acabam sendo prejudicados por essa reação. Mas a classe, como um todo, permanece inerte. Ninguém dá um soco na mesa para que todos se olhem no espelho e vejam no que transformaram a atividade. Ninguém cobra os colegas fanfarrões. Ninguém pensa em revisar o código de ética e de conduta da classe diante desta nova realidade. Talvez falte coragem para peitar as editorias, que estão satisfeitíssimas com o resultado comercial da thiagoleifertização. Resta choramingar no Twitter.

Prestigiem a mídia palestrina

É por essa e por outras que a mídia palestrina segue ganhando cada vez mais força. Não existe nenhuma orientação comercial por trás de nosso trabalho. Nossa descontração é natural e só surge quando o momento permite. Nossas perguntas jamais serão pegadinhas, muito menos armadilhas. Nossos comentários podem ser ácidos, mas jamais terão veneno.

A atuação do Verdazzo na Academia de Futebol ainda não começou. Sem nenhum apoio do mercado publicitário, são necessários 1000 apoiadores para que a atividade seja viável economicamente. Estamos próximos de atingir 500 apoiadores, metade da meta. Contamos com nossa torcida para seguir crescendo e, enfim, sermos capazes de fornecer a informação completa, direto da fonte, para nossa torcida. Nós merecemos.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

O peso da cruz do Savóia (e de outros coleguinhas)

Eduardo Savóia na Fox

O episódio em que os empresários de Bruno Henrique alegam ter uma proposta de salário astronômica para o atleta gerou alguns desmembramentos nos últimos dias. Além da bronca de Felipão nos jornalistas, a quem disse que deveriam cobrar comissão dos agentes por estarem fazendo o serviço de pressão para eles, começam a surgir histórias nos bastidores. Historinhas. Conversa pra boi dormir.

O experiente jornalista Eduardo Savóia lançou na Fox Sports, em entrada que você pode ver neste link, que o aumento salarial concedido a Dudu gerou ciúmes em outros jogadores, insinuando um início de crise no elenco.

Bruno Henrique foi um dos jogadores mais importantes na conquista do Brasileirão. É absolutamente legítimo que o atleta, através de seus agentes, busque reconhecimento profissional através de um aumento. Isso não é ser mercenário, nem desleal, nem ingrato, muito menos pode ser visto como intriga de vestiário. Ao contrário, é muito merecido.

A forma com que seus empresários buscaram a aproximação junto ao clube, no entanto, foi das mais infelizes. Aliás, são os mesmos que gerenciam as carreiras de atletas que vivem em apuros, como Gabriel e Gustavo Scarpa, entre outros. Se eu fosse o Bruno Henrique, procuraria desde já outros agentes, que não o fizessem correr o risco de ter a imagem desgastada junto à torcida, sobretudo por intervenções como essa vista no vídeo linkado.

A cruz que os jornalistas carregam

Neto e Velloso

A intervenção de Eduardo Savóia é apenas mais uma entre tantas que podem ser vistas nos programas esportivos de TV, que buscam atingir um público massificado. Mesmo os canais por assinatura buscam números expressivos na audiência, porque a receita com anúncios é diretamente proporcional a eles. Muitas vezes o jornalista que trabalha nesse tipo de redação é pressionado pela chefia a usar recursos rasteiros em busca de números; quem o faz com mais naturalidade – ou menos vergonha – certamente deve ganhar muitos tapinhas nas costas, ao passo que os que preferem o jornalismo reto tendem a trocar de emprego mais vezes.

A insinuação de ciúme no elenco gera burburinho e deixa marcas mais profundas do que pode parecer. No futuro, qualquer coisa diferente que aconteça envolvendo Dudu ou Bruno Henrique será associada a esse factoide. A semente da crise estará eternamente à espera para germinar. E Savóia ou a editoria da Fox não está nem um pouco preocupado com isso.

Um caso semelhante aconteceu há cerca de dez anos no Palmeiras. Em 2009, o time tinha tudo para vencer o Brasileirão, mas acabou sucumbindo na reta final por uma incrível convergência de eventos. Hoje, a maioria dos torcedores atribui o fracasso à contratação de Vagner Love, que teria gerado ciúmes no elenco – algo absolutamente equivocado, visto que o atacante foi bem recebido e manteve um ótimo clima de vestiário com os companheiros até o dia de sua saída. Mas o boato deixou marcas profundas, a começar da própria influência naquela reta final.

O jornalismo nos meios de comunicação de massa parece condenado. Com raras exceções, até os canais por assinatura, antes blindados, já sucumbiram ao mundo cão do deboche raso e do popularesco, da fofoca rasteira e da irresponsabilidade. Não adianta mais se revoltar. A saída está na internet.

Alternativa: a mídia palestrina

Verdazzo - Youtube

O Verdazzo surgiu há doze anos e hoje se posiciona, dentro da mídia palestrina, como alternativa a esse tipo de comunicação. Depois de altos e baixos, contando com a evolução da tecnologia, o site tem uma linha de atuação bem definida e todo o potencial para oferecer conteúdo palmeirense com respeito ao clube e à torcida, sem recorrer a nenhum expediente desleal.

A diferença se dá porque nosso objetivo não é a audiência em massa. Não dependemos de números para ter uma receita expressiva. Nosso posicionamento é o de promover o debate entre a torcida num tom mais ameno, menos novelesco, mais racional – e isso não significa ser melhor ou pior que ninguém, apenas seguir um estilo.

Nós sempre nos preocupamos com o efeito que nossas palavras podem causar ao Palmeiras. Na nossa atuação, o Palmeiras sempre será protegido.

E dentro deste estilo, o projeto precisa de 1.000 apoiadores para conseguir dar seu próximo passo, que é ter um setorista na Academia, buscando as informações e abastecendo a torcida sem viés sensacionalista, sem manchetes arrebatadoras, sem brincar com a expectativa do torcedor.

Teremos nosso canal no YouTube recheado de atrações diárias, com matérias, entrevistas, quadros especiais e resenha. Porque apenas 1.000 apoiadores bastam para tornar esse sonho economicamente viável.

Neste momento, ultrapassamos 45% 46% da meta. Em breve, a torcida do Palmeiras terá em tempo integral uma alternativa à Fox, à ESPN, ao Neto, ao Savóia, e a todos que nos aborrecem tanto. Isso acontecerá mais rápido, quanto mais palmeirenses se juntarem a nós.

Conheça mais sobre nosso projeto clicando aqui; se quiser mais detalhes, entre em contato pelas redes sociais ou pelo formulário de e-mail do site. Será um prazer tê-lo a bordo.

Palmeiras deixa RGT no vácuo; só falta a declaração formal de guerra

RGT no vácuoOs jogadores do Palmeiras passaram reto, sem sequer dar atenção, aos repórteres do SporTV/RGT ao final do jogo de ontem contra o Botafogo.

A cadeira destinada a um representante do Palmeiras no programa “Bem, Amigos”, tradição do programa nos jogos às segundas-feiras, ficou vazia, para evidente constrangimento do apresentador Luiz Roberto.

Segundo a emissora, a negativa partiu dos jogadores. Não é possível saber com certeza até que ponto a ordem veio de cima. Mas é bem pouco provável que os jogadores tenham tido essa iniciativa – até porque, eles adoram uma câmera. Tem todo o jeito de orientação de superiores.

Caso venha à tona que realmente os jogadores estão sendo orientados a ignorar os canais da RGT, se a diretoria de fato entrar de cabeça nessa titânica queda de braço, será uma declaração de guerra inédita e histórica. Será quase como um novo 1942.

“Nunca peite a RGT”

Em conversas com pessoas bastante influentes nos bastidores do futebol, um dos consensos do meio é que comprar uma briga com a RGT é a última coisa que deve ser feita. Além da força da emissora nos bastidores da CBF, a emissora costuma ser a tábua de salvação financeira quando as contas dos clubes não fecham – algo corriqueiro entre as administrações dos cartolas brasileiros.

Provavelmente com um fundo reservado apenas para socorrer clubes com problemas de fluxo, a RGT conseguiu ter praticamente todos nas mãos, e assim consegue dar as cartas não apenas nas transmissões dos jogos, mas também na confecção da tabela. Fora outras influências que ficam na parte de trás das cortinas.

AlexTodo esse poder, que já foi ilustrado por Alex com a frase “quem manda no futebol é a RGT, a CBF só empresta a sala de reuniões”, nunca teve resistência. Ao contrário: o único foco de união dos clubes que poderia um dia ser entrave às pretensões da emissora, o Clube dos 13, foi dissolvido numa manobra arquitetada por Andrés Sanchez e pelos “gângsteres da RGT”, em troca de vantagens para o SCCP – a começar pela equiparação ao Flamengo no contrato para transmissão dos jogos pela TV aberta. Depois disso, o clube ganhou patrocínio estatal, um estádio com dinheiro público e nunca antes na história deste país os árbitros ajudaram tanto um mesmo time. Até bandeirão a torcida deles ganhou de presente.

O Palmeiras, ao contrário, passou a ser sistematicamente prejudicado. Além do cúmulo da roubalheira que são as interferências externas, vemos nas transmissões da RGT sinais claros de prejuízo ao Palmeiras na parcialidade camuflada dos comentaristas e narradores, na sonegação de replays, na construção de efeitos gráficos mentirosos e na direção de som, que sempre abafa nossa torcida.

Diante de tudo isso, nossa diretoria deve ter se perguntado: “de que adianta não peitar a RGT?”

O Palmeiras, depois de um movimento de reconstrução financeira que já está em seu quinto ano, não é mais refém da emissora; o Verdão não precisa fazer, por exemplo, como acabou de fazer o SPFC, que adiantou mais um quinhão e se enforcou um pouco mais para tirar Everton do Flamengo.

Se o clube já é roubado pela arbitragem da FPF e da CBF; se é tratado com um clube de segunda categoria nas transmissões da emissora, e se não precisa do dinheiro fácil vindo dos cofres dos Marinho, para que serve a subserviência afinal? O mantra caiu. Pode peitar a RGT sim! Mas será que vai acontecer?

Os donos do mundo

BozóAo deixar a cadeira vazia, a direção do “Bem, Amigos” quis deixar claro que considerou um acinte a negativa do Palmeiras. Quem trabalha na emissora parece viver num universo paralelo onde Deus é prateado e tem sobrenome: Marinho.

Através do personagem Bozó, Chico Anysio, ainda na década de 70, ironizava a arrogância dos funcionários da RGT que ostentam seus crachás como se pertencessem a uma raça superior. Repórteres da emissora investem sobre os objetos de suas entrevistas com a convicção de que estão fazendo um favor a eles. Quem não quer aparecer na RGT? São os donos do mundo.

Ao ignorar os repórteres da emissora na saída do campo, e pior, ao fazer a “desfeita” de deixar uma cadeira do programa de maior audiência do canal vazia, o Palmeiras ousou fazer o que poucos já tiveram coragem. Quem chegou mais próximo disso foi Eurico Miranda, ao estampar o logo do SBT na camisa do Vasco na final da Copa João Havelange de 2000, só para provocar.

Depois de conseguir sua independência financeira, o Palmeiras tem a chance agora de exigir respeito, revivendo a História escrita há mais de 75 anos por nossos bisavós. À época, usaram a Grande Guerra como desculpa para tomar nosso estádio, mas a italianada colocou os canalhas para correr da rua Turiassú com paus e pedras.

A versão moderna da Arrancada Heroica poderá acontecer na mesa de negociações. Com bastante lastro, proveniente 80% da força da torcida, que sustenta o clube na bilheteria, no Avanti e na compra de produtos licenciados, o Palmeiras bate o pé e arreganha os dentes. Só falta declarar guerra formalmente.

Brigar, pra que?

RespeitoNão temos mais nada a perder. Mas o que temos a ganhar ao bater de frente com a rede de televisão mais poderosa do país?

Para começar, respeito. Da própria RGT, das outras emissoras, das arbitragens e das outras torcidas que sempre sonharam em ver seus clubes fazendo o mesmo.

Caso não acerte com a RGT o acordo para transmitir as partidas em TV aberta, o bloco liderado pelo Palmeiras, que ainda tem Atlético-PR e Bahia, tirará do ar 28% das partidas do Brasileirão da grade da emissora a partir de 2019. Fechar o acordo para TV aberta será bom para os dois lados. E será ótimo se este acordo seja fechado sem que o Palmeiras, a exemplo do Santos, tenha arriado as calças, ganhando o pagamento integral e diminuindo drasticamente a diferença para o que recebem Flamengo e SCCP, os protegidos da emissora, que precisará rever seu sonho da espanholização do futebol brasileiro.

O Verdão tem como trunfo a terceira maior torcida do país, que no engajamento deve ser a primeira. Tem o maior canal de streaming entre todos os clubes da América Latina, a TV Palmeiras/FAM. E pode até vislumbrar transmissões próprias de enorme sucesso, desde que a legislação que hoje determina que os direitos das partidas sejam divididos pelos dois clubes seja readequada, restringindo os direitos apenas aos mandantes. Em caso de fracasso nas negociações, parece claro que o Palmeiras perde menos.

Se realmente levar adiante essa briga, o Palmeiras fará história. Com uma série de vantagens que lhe dão força na  negociação, só não conseguirá êxito se a RGT escolher por não dar o braço a torcer, mesmo que tenha que amargar prejuízo na operação como um todo – neste caso, nossos cofres ainda perceberão a entrada de um bônus do Esporte Interativo.

Em qualquer cenário, o Palmeiras imporá respeito e o caminho estará traçado para que os outros clubes também o trilhem, para livrar nosso futebol da influência nefasta de uma emissora de televisão que trata nosso esporte como seu brinquedo particular. Basta, para isso, seguir em frente na rebelião e se manter firme na mesa de negociação. VAMOS PALMEIRAS!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo