A torcida do Palmeiras parece o Neymar

PorcoO Palmeiras venceu ontem e segue na caça da liderança do Brasileirão. A vitória quebrou algumas escritas recentes. Apesar de ser um grande freguês do Palmeiras, o Galo vinha de uma sequência inédita de 13 jogos, sete anos sem derrota para o Verdão. E o golaço de falta de Bruno Henrique foi o primeiro em três séculos em jogos “oficiais” – para a imprensa, o gol no amistoso na Costa Rica não contava.

Após três empates decepcionantes – mesmo sendo dois fora de casa e um contra o líder do campeonato – o Verdão chegou ao terceiro gol no último lance do jogo contra o Atlético Mineiro e levou a torcida a um estado de êxtase.

Pelo menos é o que poderia ter acontecido.

Mas o clima na torcida na arquibancada, nas redes e nos grupos era de descompasso total. Não foi nada diferente do que se vê nas derrotas. O claro desequilíbrio do time em campo, que remete à real possibilidade de terminar a temporada sem título algum, causa chiliques inacreditáveis na torcida. Num dos grupos de mensagens alguém acertou a mosca: “a torcida do Palmeiras parece o Neymar”.

Semelhança total

NeymarProvavelmente a tirada saiu espontaneamente, referindo-se apenas à tendência de exagerar nas reações de ambos. Mas se ampliarmos a comparação, tudo encaixa.

A torcida do Palmeiras sempre foi especial, diferenciada, e muitas vezes decidiu jogos, como Neymar; está na primeira prateleira. Assim como o camisa 10 da CBF, a torcida do Palmeiras viu-se rapidamente diante do estrelato total: líder de bilheteria e arrecadação e um dos maiores planos de sócio-torcedor.

A casa também mudou: saiu a humilde e já surrada, mas cheia de decência, casa de dois quartos, para uma suntuosa, moderna, ampla e iluminada nova residência. Os ganhos financeiros do menino Ney também cresceram bastante – os do Palmeiras, nem tanto, mas para a torcida, inflamada pelos reportes venenosos da imprensa, acredita torcer para o time do Tio Patinhas – na verdade, é só um bom patrocínio de camisa (que está virando outra coisa, mas isto é assunto para outro dia).

A chegada ao topo completa o cenário. As conquistas da Copa do Brasil de 2015 e do Brasileiro de 2016 deram a falsa impressão aos palmeirenses de que todo ano seria ano de conquista. Neymar foi alçado ao posto de estrela máxima do esporte brasileiro, paparicado, desfila com namorada global e atingiu a aura de invencível.

Não é bem assim

Neymar e CavaniOfuscado por uma estrela muito maior no Barcelona, Neymar decidiu ir a Paris, onde outros ótimos jogadores supostamente trabalhariam para que ele brilhasse sozinho. Não contava com a personalidade de Cavani e com estouro de Mbappé. Neymar teve dificuldades em lidar com a concorrência, o que o levou a chiliques e a reações absurdamente exageradas durante os jogos na Rússia, virando piada em todo o mundo. Seu rosto quando leva uma pancada parece o de quem levou uma facada – assim como a torcida do Palmeiras, diante da possibilidade de não erguer um troféu ao final de uma temporada.

Neymar é um jogador extra-classe, absurdamente talentoso. Mas precisa entender que não é invencível, que no esporte existem as vitórias e as derrotas; do outro lado existem adversários que também se esforçam muito para chegar à vitória. Como na Copa do Mundo, onde existem sete ou oito seleções que podem brigar pelo título, no cenário brasileiro há muito mais concorrentes aos principais títulos. Nos campeonatos europeus apenas dois ou três clubes se revezam no alto do pódio, sempre com mais de 80 pontos, muitas vezes passando de 90. Um clube brasileiro dificilmente terá a mesma frequência de conquistas da Juventus, do Real Madrid, do Barcelona ou do Bayern. Nossa torcida precisa entender isso melhor e lidar com mais dignidade com uma ou duas temporadas sem conquistas.

Problemas evidentes

O Palmeiras atual tem problemas claríssimos em seu plano de jogo. O desempenho final fica abaixo do que a escalação sugere. Roger Machado está evoluindo de forma mais lenta do que gostaríamos e parece ter problemas de leitura nos jogos.

Mesmo assim, o time está a sete pontos do líder, com 24 rodadas pela frente e uma tabela favorável até o fim do turno. Nas duas copas, está bem posicionado nas chaves e ninguém diria que não é time para chegar pelo menos às semifinais – até lá, muitos acertos ainda podem ser feitos. Talvez não vençamos nada, mas temos chances bem interessantes. Nada justifica o ambiente tóxico visto ontem no Allianz Parque e nas redes sociais.

Objetivo maior

BeicinhoO objetivo maior do Palmeiras não deve ser simplesmente se posicionar entre sete ou oito clubes para tentar ganhar um campeonato por ano. O Palmeiras precisa buscar se destacar de vez no futebol brasileiro, se tornando um dos times a revezar com apenas mais um ou dois na supremacia doméstica e até continental. Para isso, antes de tudo, precisa consolidar sua identidade de jogo, tendo em seus quadros uma figura, um diretor de bola, que se torne a cara do futebol palmeirense e a quem o técnico – seja quem for – precisa se reportar. É nessa direção que a torcida tem que pressionar.

Um projeto de futebol bem sucedido não precisa necessariamente ter títulos logo nos primeiros anos. O Palmeiras recomeçou do zero em 2015 e os dois troféus levantados no Allianz Parque foram resultado de tiros bem dados, não de um planejamento a longo prazo. O crescimento sofreu rupturas graves com as constantes trocas de técnico, o que atrasou ainda mais o sucesso.

Roger Machado, assim como Eduardo Baptista, tem muito potencial teórico, e ainda tem a vantagem de ter sido um atleta vencedor. Quanto mais permanecer no comando do clube, mais chance terá de fazer uma leitura melhor do jogo e de tomar melhores decisões, no tempo certo – e mais importante: de criar a identidade do time.

Messi e Cristiano RonaldoTrazer outro treinador agora não é garantia de nada, é apenas desespero. Os títulos não virão se a torcida fizer carinha de Neymar e xingar muito nas redes sociais exigindo cabeças. E mesmo que troque-se o técnico e um título venha, em mais um golpe de sorte, a implantação de um projeto de identidade vai sofrer mais um atraso – e o ano que vem mais uma vez dependerá de tiros certeiros.

Nossa torcida precisa ser madura, como éramos há algumas décadas, mesmo em tempos de anos e anos sem títulos. Aprendemos a perder, depois aprendemos a ganhar. Ser Neymar deve ser bom. Mas ser Messi ou Cristiano Ronaldo com certeza deve ser muito melhor.


Verdazzo é patrocinado pela parte da torcida do Palmeiras que não parece o Neymar.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Periscazzo (20/07/2018)

Palmeiras não vence o Santos e Roger faz sua pior partida no comando do Palmeiras.

Apoie o Verdazzo, torne-se um padrinho do site: http://www.padrim.com.br/verdazzo

Trabalhando a decepção: os ajustes que Roger precisa fazer

Lucas Lima
Cesar greco/Ag.Palmeiras

A partida de ontem à noite contra o Santos decepcionou a torcida e a porção bipolar fatalista, que é bastante barulhenta, já decretou o fim do ano. Com esse técnico não iremos a lugar algum, manda esses mercenários embora, pra jogar no meu Verdão tem que ter raça e vontade. Aquelas coisas de sempre.

Mas é inegável que o time ainda precisa de ajustes. Algo não encaixa. A mesma razão que nos fez perder pontos preciosos contra o Ceará, há 40 dias, afetou nosso time na noite passada no Pacaembu e sofremos um empate dolorido. É frustrante perceber que em cinco semanas aspectos táticos e técnicos foram aprimorados, mas algo permanece nos tirando pontos.

Nossos jogadores são muito bons. Eles sabem o que fazer diante da proposta do comandante e têm muita vontade – basta perceber que quando o time precisa do gol, é um tormento para o goleiro adversário: ontem, chegamos à abertura do placar com apenas seis minutos e criamos pelo menos três chances claras de gol após sofrermos o empate. Contra o Ceará, tínhamos 2 a 0 com menos de 20 minutos, mas acabamos levando o 2 a 2 quase nos acréscimos.

Nossa transição ofensiva precisa de um jogador mais veloz – a formação de ontem com Scarpa, Lucas Lima e Hyoran deixou isso claro e a volta de Dudu tende a corrigir o problema. A recomposição defensiva fica muito prejudicada quando os dois laterais apoiam ao mesmo tempo, outra situação evidenciada neste empate. São pequenos ajustes que tendem a ser feitos rapidamente, sem maiores dificuldades.

O que está errado afinal?

Weverton
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras confia tanto em seu sistema defensivo que despreza as possibilidades de gols fortuitos, como o que aconteceu ontem. O Santos jamais penetraria em nossa defesa na forma que a partida se desenrolava. Mesmo a bola aérea, que causou algum desconforto no primeiro tempo, parecia neutralizada no segundo, com os laterais mais postados e evitando as possibilidades de cruzamentos, matando o problema na raiz. Mas uma falta arrumada pela arbitragem no bico da área somada a uma bola de fliperama na área determinou o empate.

Um gol de vantagem não resolve nada. Mesmo uma defesa absolutamente sólida não está imune ao imponderável – imaginem a nossa, que jamais se converteu num ônibus estacionado na pequena área e ainda não é exatamente intransponível.

Empatando ou perdendo, o Palmeiras precisa assumir riscos e atacar – essa parte, está fazendo muito bem. O que não se vê é o controle do ritmo do jogo com um gol à frente no placar. O time pode gastar o tempo com a bola no pé, se quiser, mas para isso precisa garantir que o adversário se mantenha longe de nossa área sem a bola; meio-campistas com boa capacidade de marcação ajudam muito nesse ponto – por exemplo, Jean.

Uma opção melhor ainda é dar a bola para o adversário e se armar para o contra-ataque, com pontas velozes que façam com que o adversário a não se lance tanto à frente; ontem, a opção óbvia seria Artur. Ao mesmo tempo que manteria o adversário não tão perto de seu goleiro, ainda teria boas chances de matar o jogo.

Roger Machado não fez nem uma coisa, nem outra. Só após tomar o empate, o treinador colocou Jean no Hyoran, precisando de gol. Demorou mais dez minutos para colocar Artur, que participou de duas jogadas agudas no pouquíssimo tempo que esteve em campo. Errou no ‘quando’ e no ‘como’, e isso aconteceu porque está errando no ‘o que’.

Então agora é ‘fora Roger’?

Roger Machado
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Claro que não. Qualquer treinador que comece o trabalho agora não vencerá o Brasileiro e só terá chances de conquistar algum título este ano num mata-mata, na base do vamo-que-vamo, como nossa Copa do Brasil em 2012 ou a Croácia na Copa do Mundo– derrotada na final. É muito mais fácil Roger corrigir seus erros e aproveitar toda a base tática montada desde o início do ano do que recomeçar um trabalho do zero com outro treinador, que também terá seus defeitos e entrará rapidamente na alça de mira da porção dramática da torcida. Com o outro, seja quem for, também não iremos a lugar algum.

Roger precisa ajustar suas nuances táticas (‘como’) a uma estratégia de jogo (‘o que’) menos reativa (‘quando’) após abrir o placar. É preciso dar confiança ao time para abrir vantagem maior no marcador. Nossos jogadores parecem muito focados em obedecer a tática do treinador, e isso é bom. O problema é que a estratégia despreza o imponderável. Os jogadores sentem esse perigo e perdem a confiança e daí vem a impressão de um time impotente. Afinal, mesmo um ônibus estacionado pode ter uma janela quebrada pelo imponderável.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Brasileirão 2018 – planejamento de pontos: segundo quartil

O Palmeiras volta à disputa do Brasileirão, e o Verdazzo atualiza o acompanhamento da projeção de pontos, construída antes do início do campeonato.

Devido à Copa do Mundo, o primeiro quartil acabou um pouco espichado, com 12 jogos. A projeção de pontos apontava a conquista de 23 pontos antes da parada para a Copa, sempre visando a contagem final de 77 pontos – esse número baseia-se no fato que desde 2006, quando o campeonato passou a ter este formato, nenhum vice-campeão ultrapassou a marca de 72 pontos. Chegar a 77, diante desse histórico, dá alguma margem de segurança.

Brasileirão 2018O Palmeiras iniciou o campeonato dentro da previsão, empatando fora contra o Botafogo e vencendo o Inter. O tropeço contra a Chape (roubado) foi compensado pela boa vitória em Curitiba.

Depois de dois resultados dentro do previsto, novo tropeço: contra o Sport, em casa – algo compensado com a ótima partida em Porto Alegre. O Verdão caminhava para chegar ao fim do quartil dentro do planejamento, quando os tropeços finais contra Ceará e Flamengo nos deixaram a quatro pontos da meta.

Ajustes no segundo quartil

Brasileirão 2018Esses maus resultados na reta final do quartil obrigam o Palmeiras a fazer uma campanha espetacular nos sete jogos deste segundo quartil; a previsão inicial de 5V 1E 1D precisa ser ajustada para cima. Com seis vitórias e um empate, o Verdão ficará a apenas um ponto da meta do turno, de 39 pontos. Uma campanha perfeita, de sete vitórias, nos leva a uma folga de dois pontos.

Olhando apenas para os números, a meta é ousada e difícil, muito improvável estatisticamente. Mas a tabela permite sonhar, já que todos os jogos são perfeitamente “ganháveis”. O que complica ainda mais a tarefa são os três jogos de mata-mata encravados na trajetória – a ida ao Paraguai, pela Libertadores, e os dois confrontos contra o Bahia pela Copa do Brasil.

Cenário incerto

Gustavo Scarpa
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A previsão está muito mais sujeita a complicações porque o cenário pós-Copa é tradicionalmente muito nebuloso. Além das mudanças nos elencos, os times tendem a usar a intertemporada para experimentar mudanças táticas; muito do que se viu até junho deixa de ser referência para o resto da temporada.

O Palmeiras perdeu Keno, mas ganhou Gustavo Scarpa, que já volta com status de titular. O jeito de jogar do time deve mudar, sobretudo fora de casa, quando tivemos grandes resultados. Por outro lado, a presença de meias que se movimentem mais horizontalmente tende a ajudar o futebol de Lucas Lima, o que reforça a esperança de uma grande campanha.

O Flamengo desponta como o principal concorrente, mas já vimos o quanto a tabela foi marotamente direcionada para que eles (junto com o SCCP, que não aproveitou) abrissem vantagem no começo do campeonato. A tabela deles no segundo quartil é bem mais complicada, jogadores importantes deixaram a Gávea e a tendência é que a distância diminua nas próximas rodadas.

Esperança é o que nos move, sempre. Os 77 pontos projetados visam um resultado seguro, mas nada impede que 75 ou 74 pontos não sejam suficientes para a conquista. Por outro lado, o Flamengo (ou outro concorrente) pode fazer uma grande campanha e elevar o patamar da disputa. A nós, resta fazer o papel de sempre: apoiar, apoiar e apoiar, para que no final do ano, independentemente do resultado das copas, possamos encerrar o ano com mais uma grande conquista levantando o decacampeonato.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Regulamentação do uso de redes sociais pelos atletas: já passou da hora

Dudu InstagramEm sua conta no Instagram, ontem, Dudu manifestou-se aparentando uma certa resignação. A imagem ao lado reproduz a postagem: “Feliz ou não, é a lei da vida. Seguir em frente com a cabeça erguida. Superando tudo que está por vir”.

Pouco depois, O atacante retirou o trecho “Feliz ou não, é a lei da vida”, mas já era tarde. Centenas de torcedores manifestaram toda sua indignação e intolerância para com o atleta, como se ele houvesse desrespeitado o Palmeiras.

Dudu teve uma proposta financeira muito alta da China e quis sair. Talvez as críticas desmedidas e raivosas de alguns torcedores em outros episódios de tensão tenham pesado em seu desejo; talvez tenha sido só a grana mesmo. Mas a diretoria do Palmeiras, após vender Keno, não abriu mão do camisa 7 para não prejudicar ainda mais o projeto esportivo de 2018 e manobrou para que Dudu permanecesse no clube pelo menos até o fim deste ano – seu contrato vai até 2022.

A mensagem de Dudu não foi negativa, muito menos desrespeitosa ao Palmeiras. Foi um desabafo pessoal, de quem queria algo mas teve que se resignar com um desfecho diferente. Parece que alguns torcedores não sabem conviver com esse tipo de manifestação e se sentem ofendidos com o fato de existir no mundo um atleta que prefere não estar no Palmeiras, por algum motivo. Parece que os jogadores são obrigados a amar o Palmeiras como se fossem os próprios torcedores. É muito melindre.

O dia seguinte: feliz!

Hoje Dudu chegou à Academia de Futebol para o treino da manhã e não aparentava nenhuma negatividade, como se pode ver abaixo, na sequência de tweets dos setoristas Thiago Ferri, do Lance, e Rodrigo Fragoso, do Esporte Interativo:

Dudu parece focado no trabalho, feliz, e possivelmente segue tendo em vista uma transferência ao final da temporada. Isso não impede que o atleta tenha um bom desempenho até o final do ano; o tom de resignação de sua mensagem transparece exatamente isso.

Podia ter evitado

Dudu
Djalma Vassão/Gazeta press

O inferno das redes sociais já condenou Dudu. Sabemos, no entanto, que esses chiliques são efêmeros e duram, se tanto, duas semanas – a não ser que o jogador demonstre apatia em campo e/ou tenha mais episódios de destempero que remetam à manifestação de ontem. Neste caso, a sementinha plantada no Instagram tende a virar uma árvore de frutos bem amargos. Dudu será vaiado e perseguido – e se o time desgraçadamente acabar eliminado de forma precoce de alguma competição, será prudente evitar até visitas a supermercados e agências bancárias.

Talvez Dudu tenha tentado passar uma mensagem de positividade, com foco na maturidade em aceitar uma situação que não considerava a melhor para si, mas que aceitou pelo bem do grupo, para cumprir uma palavra empenhada. Talvez ele estivesse tentando mostrar que sabe levantar a cabeça e seguir em frente. Sabe-se lá qual o foco principal da mensagem. Mas em tempos de absoluta intolerância e falta de raciocínio, a postagem se mostrou um desastre. Se bem assessorado, ele podia ter evitado.

O uso de redes sociais por parte de jogadores não pode ser comparado aos de pessoas comuns. Atletas profissionais são figuras públicas e representam o clube que os pagam. Em casos extremos algumas declarações podem até condenar uma temporada inteira – como pode ter acontecido com o “áudio vazado” de Felipe Melo no ano passado.

Enquanto os clubes não regulamentarem o uso das redes sociais por parte dos atletas que mantêm sob contrato, terão que conviver com a tensão permanente de terem que desarmar uma bomba-surpresa. Se essa regulamentação for redigida de forma criteriosa, contemplando apenas os assuntos sensíveis, e for muito bem explicada e assimilada pelos jogadores sem deixar a impressão de ser um mero instrumento repressivo e ditatorial, todos têm a ganhar, principalmente os próprios atletas.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo