Palmeiras reage e ataca esquema de arbitragens a favor da ORCRIM de Itaquera

O favorecimento da arbitragem ao SCCP rompeu fronteiras ontem, após o bandeirinha anular um gol em que o atleta do Independiente que anotou o tento estava a mais de um metro em posição legal quando a bola saiu do pé de seu companheiro. Aos 40 minutos do segundo tempo, o gol empataria a partida; ato contínuo, o auxiliar levantou seu instrumento e garantiu a vitória da ORCRIM de Itaquera.

Já não há outra forma de se referir ao inimigo, ex-rival. Com um time apenas bem arrumadinho, recheado de jogadores medíocres e um técnico que segue o script que seus antecessores escreveram e puseram em prática nos últimos oito anos, o SCCP vem ganhando partidas e títulos por obra das arbitragens, num esquema cuja estrutura pode suscitar dezenas de teorias conspiratórias diferentes – mas que os efeitos são óbvios e inegáveis. A velha desculpa de que “os erros acontecem para todos os lados e se anulam” não cola mais.

O presidente atual do SCCP já admitiu que “no futebol, se não roubar, não ganha nada”. Para eles, talvez seja assim mesmo e o que vemos é a teoria sendo colocada em prática; o que vem sendo feito nos últimos Derbies é a avacalhação completa das arbitragens e da administração do futebol, tudo para que o clube que ganhou um estádio de graça às custas do meu e do seu imposto levante troféus.

Ganhar partidas e títulos graças a arbitragens não é privilégio do SCCP – Flamengo e SPFC também são outros notórios favorecidos dos homens de preto. Mas a lista da ORCRIM de Itaquera é gigante e tem histórias escabrosas que se espalham por décadas, como o caso Ruy Rey, de 1977; o 1-0-0 de Alberto Duailibi e Ivens Mendes, em 1997; o Zveitão 2005 em que não apenas pênaltis, mas partidas inteiras foram revogadas; sem falar no Brasileirão do ano passado, em que fomos assaltados numa operação dupla feita por Heber e Daronco. Entre muitos outros casos.

Ontem, na Argentina, o esquema rompeu fronteiras. Nem a imprensa consegue mais disfarçar, apesar do esforço da RGT em sonegar os replays na transmissão ao vivo. A credibilidade do futebol, que nunca foi lá essas coisas, nunca esteve tão em xeque. Todas as torcidas, não apenas as do Palmeiras, já manifestam extremo descontentamento com a situação.

Soco na mesa

O Palmeiras deu um soco na mesa e partiu para a ofensiva – ainda que em território hostil, a “Justiça” Desportiva, que claramente faz parte do mesmo macro-organismo. Primeiro, o clube muniu-se de provas coletadas na televisão, na TV Palmeiras/FAM e até em imagens captadas por torcedores para evidenciar a manobra que evitou que o pênalti sobre Dudu marcado aos 26 minutos do segundo tempo fosse batido.

O TJD promoveu audiência acerca da denúncia na última terça-feira. Os depoimentos da equipe de arbitragens, além de contraditórios, foram risíveis. Justificaram até a presença de um elemento completamente estranho ao jogo, o tal tutor – o folclore do futebol agradece a criação de mais um personagem.

Um dia depois deste episódio circense, o Ministério Público, na figura do promotor Paulo Castilho, se pronunciou a respeito do caso, revelando que vai analisar o material para decidir se vai levá-lo adiante – não devemos alimentar grandes esperanças de que saia coelho desta toca, já que a motivação parece ser apenas a usual: holofotes.

PerdigueiroO Palmeiras tem que se defender sozinho, e por isso anunciou que contratou a Kroll, empresa privada de investigações de enorme reputação, para escavar. Diante da excelência dos serviços da empresa, podemos esperar que apareçam evidências concretas não apenas de irregularidades na final do Paulista, mas também em muitas outras instâncias. O que não faltam são pontinhas de fio soltas, e se tem alguém que sabe achar essas pontas e puxar o fio, é a Kroll. Aí o Ministério Público vai ter que agir de verdade.

O fato do Palmeiras ter colocado um perdigueiro na jogada, por si só, já vai fazer com que alguns e-mails sejam deletados e algumas resmas sejam incineradas em atos de desespero. A operação vai precisar ser colocada, no mínimo, em modo de espera. Os juízes que antes choravam no vestiário se errassem contra a ORCRIM de Itaquera e entravam em campo com instruções específicas, agora, não vão poder aceitar as encomendas. É capaz até de nos darem algum pênalti de presente para tentar mostrar que erram para todos os lados – algo que não pedimos e não queremos.

Cadeia neles!

ArbitragemEstá em andamento no país uma varredura nos políticos corruptos inimaginável há dez anos – resultado da ganância sem limites dos agentes públicos atuais. Paulo Maluf e Fernando Collor, dois dos corruptos mais notórios da política brasileira, são ladrões de galinhas perto da camarilha que comandou Brasília e os principais partidos políticos do país nos últimos anos. Roubaram tanto, mas tanto, que até a sociedade brasileira, sabidamente mansa, acordou para a vida e hoje assiste os bandidos de gravata dando entrada na cadeia pela televisão.

A posição do SCCP no futebol é similar. Vicente Matheus fazia suas mutretas, mas hoje seria um mero bagrinho perto do que fez Duailib e fazem seus sucessores. Não dá mais para esconder. Só esperamos que, a exemplo do que acontece na política nacional, os ladrões desta máfia do apito ligados à ORCRIM de Itaquera também ganhem suas roupinhas listradas.

Todas as torcidas do Brasil agradecem – exceto a do inimigo, ex-rival.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Palmeiras joga fora a arminha de plástico e mostra o canhão

O Palmeiras protocolou junto ao TJD nesta terça-feira um pedido de investigação a respeito de interferência externa no Derby do último domingo que decidiu o Paulistão 2018.

O clube organizou um material em vídeo que comprova a comunicação entre Dionísio Roberto Domingos, diretor de arbitragem da FPF, e a equipe de arbitragem – uma espécie de “telefone sem fio” que passou pelo bandeirinha, pelo quinto árbitro, depois pelo quarto árbitro, até chegar em Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza. Veja o material editado pela TV Palmeiras/FAM:

Existe a possibilidade do clube pedir a anulação da partida, o que daria dois possíveis destinos ao Paulistão 2018: ou a partida final precisaria ser novamente disputada, ou o campeonato é encerrado e declarado sem campeão.

As provas apresentadas pelo Palmeiras são contundentes, mas o próprio presidente do TJD, delegado Olim, em ato falho embaraçoso, admitiu em entrevista à Fox Sports que houve a interferência externa. Confira no vídeo abaixo:

Chega a ser irônico que o delegado Olim tenha se complicado exatamente num momento de auto-promoção pessoal na mídia.

Com isso, o Palmeiras dá uma resposta à altura dos acontecimentos de domingo e busca, munido de provas concretas, restabelecer a justiça. Sai a carta aberta onde o clube faz ameaças vazias à FPF e entra uma peça jurídica extremamente consistente. Sai o revólver de plástico e entra um canhão.

Não cabe, de forma alguma, desqualificar o pedido conjecturando se foi pênalti ou não, como alguns setores da imprensa estão tentando fazer. Quem vai nessa direção está apenas tentando jogar uma cortina de fumaça sobre o real atentado às regras do jogo, que é a interferência externa na arbitragem. Independente do que aconteceu dentro de campo, o mero contato do diretor de arbitragem e do “quinto árbitro” com a equipe de arbitragem já caracterizam essa situação.

Outra ironia da história é que justo o clube que liderou o voto contrário à implantação do árbitro de vídeo é o que foi beneficiado por seu uso irregular, tendo um pênalti contra si sendo revogado.

E o mais trágico é que se o VAR estivesse valendo e o responsável por sua operação fosse o diretor de arbitragem da FPF, ele teria anulado erradamente o pênalti, já que é evidente a falta de Ralf em Dudu.

O Verdazzo parabeniza a diretoria do Palmeiras pela reação. Não podíamos esperar nada a menos que isso. Considerar o assalto de que fomos vítima “página virada” não coaduna com nossa natureza. Agora, atletas e torcida se sentem amparados e podem voltar a se concentrar em jogar bola e a torcer. Se o trabalho preventivo ainda precisa melhorar, o reativo dá sinais de força.

Não parece haver clima para disputar uma nova partida. O mais indicado, diante de todo o cenário montado, seria declarar o Paulistão 2018 sem vencedor. Não apenas porque o SCCP não fez por merecer o título em campo, mas também para simbolizar o fracasso completo que foi este campeonato, a começar pelo regulamento bizarro, passando pelo baixíssimo nível técnico, pelas ações de marketing de péssimo gosto, pelo tribunal de cartas marcadas, culminando com a extrema incompetência das equipes de arbitragem.

No Campeonato Paulista de 2018, todos perderam.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Palmeiras usa revólver de plástico para pressionar a FPF

O Palmeiras, através de carta aberta aos torcedores, assinada pelo presidente Maurício Galiotte e publicada na noite de ontem no site oficial do clube, anunciou de forma oficial o rompimento com a FPF, impondo condições para rever o posicionamento. Confira o texto da nota a seguir:

A Sociedade Esportiva Palmeiras entende que a instituição e seus torcedores sofreram um duro e irremediável prejuízo por uma atuação desastrosa, incompetente e irregular da comissão de arbitragem que trabalhou na partida deste domingo entre Palmeiras e SCCP.

Houve clara e evidente interferência externa na arbitragem, comprovada através de imagens indiscutíveis, e essa atribuição não consta na regra da competição. Assim sendo, visando a lisura e transparência durante as partidas de futebol, o Palmeiras entende ser inegociável que a Federação Paulista de Futebol adote as seguintes medidas:

  1. Implantação do árbitro de vídeo para todas as partidas do Campeonato Paulista a partir do ano de 2019;
  2. Criação de um sistema de gravação e divulgação, quando houver necessidade, de toda comunicação entre os integrantes da arbitragem durante os jogos;
  3. Reavaliação criteriosa de quem dirige o Departamento de Árbitros da FPF e avaliação mais rigorosa sobre aqueles que comandam as partidas.

Enquanto não houver uma manifestação oficial por parte da Federação Paulista de Futebol, de que essas medidas transparentes que prezam pelo bem do esporte serão adotadas, o Palmeiras irá se manter rompido com a FPF.

Dentro de campo, o Palmeiras considera a partida deste domingo como uma lamentável página virada. Há outras competições pela frente e iremos fazer todo o esforço que estiver ao nosso alcance para conseguirmos conquistá-las. O torcedor palmeirense é peça fundamental nesse processo e seu conhecido engajamento será ainda mais importante.

Avanti Palestra!

Atenciosamente,

SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS
Maurício Precivalle Galiotte
Presidente

A publicação vem ao encontro da necessidade, apontada ontem no Verdazzo, de prover aos jogadores e à torcida um sentimento de amparo. Ao se declarar rompido com a FPF e fazer uma série de exigências, a diretoria do Palmeiras dá sinais de que não aceita passivamente a roubalheira de que fomos vítima no último domingo.

O teor da carta, no entanto, não pode ser considerado satisfatório. O Palmeiras se declara “rompido” com a Federação Paulista de Futebol, sem deixar claro o que isso quer dizer exatamente. O Palmeiras fez seu manifesto para o próximo campeonato, mas não deixou claro que tipo de prejuízo a FPF terá se não atender às condições impostas pelo clube.

As demandas

As exigências listadas na carta são rasas. A implantação do VAR ajudaria bastante, embora precise ser melhor desenvolvida – a operacionalização do sistema tem que ser absolutamente transparente e não pode ficar a cargo de quem está em processo de retaliação contra o Palmeiras.

O monitoramento das comunicações entre os membros da equipe de arbitragem seria de grande valia, desde que se assegure que qualquer respiração de toda a equipe que esteja no circuito fique gravada, sem cortes, e devidamente identificada – um desafio que precisa de auditoria técnica para que tenha credibilidade. Só em caso de implantação bem-sucedida desse sistema é que o Palmeiras, com auxílio de uma equipe paralela de captura de imagens direcionada a toda a equipe de arbitragem, teria todos os elementos para questionar qualquer marcação considerada indevida e, desta forma, colocaria pressão sobre os árbitros eventualmente mal intencionados.

ArbitragemUma exigência simples que pode ajudar bastante nesse processo e que ainda pode ser feita, inclusive para o Brasileirão, é que a emissora detentora dos direitos de transmissão só mostre os replays das jogadas depois que a bola voltar a estar em jogo, a fim de diminuir as chances de interferência externa nas decisões dos árbitros. A tática dos jogadores do SCCP nos dois últimos Derbies em que saímos derrotados foi clara: pressionar a arbitragem e não deixar o jogo prosseguir até que os replays dessem alguma brecha para direcionar as marcações – casos do pênalti e expulsão de Jailson, em fevereiro, e do vergonhoso pênalti revogado no último domingo.

Já o terceiro item, em que pede e “reavaliação” da chefia do departamento de arbitragem e “avaliação” dos árbitros é risível e nem de longe fará com que nenhum juiz chore no vestiário se errar contra o Palmeiras, como ocorre em equívocos contra nosso inimigo, que já foi rival. Nossa diretoria se furtou a apontar o dedo efetivamente para os agentes que nos prejudicaram e a exigir que fossem punidos, afastados ou mesmo exonerados.

Revólver de plástico

Mesmo afirmando haver (e há) “clara e evidente interferência externa na arbitragem, comprovada através de imagens indiscutíveis”, o Palmeiras preferiu considerar o episódio uma página virada. Brigar pelo título, a esta altura, não faria sentido, mas fazer com que o campeonato realmente vá para a lata do lixo, ao exigir que o resultado final do campeonato seja “sem campeão”, lutando com todas as energias e usando as evidências para que o jogo seja anulado, seria uma resposta bem mais enérgica e satisfatória.

O clube não poderia ter tomado posições extremas como deixar de participar do Paulistão – o atual presidente, cujo mandato se encerra ao final do ano, não pode prometer essa retaliação já que não é certo, embora provável, que siga no comando do clube. Algo mais radical ainda como a desfiliação, como sugerem alguns torcedores, implicaria em deixar de participar não apenas do Paulistão, mas também de todas as outras competições organizadas pela CBF e é algo fora de cogitação.

Mas há outras atitudes que soariam como respostas adequadas à agressão que sofremos, como disputar a competição com uma equipe alternativa composta por jogadores da base mesclados com “emprestáveis”, mandando as partidas em estádios como o de Barueri ou o de Itu, enquanto o grupo principal faz a pré-temporada com o calendário mais folgado. Isso puniria a FPF, que abocanhou cerca de R$ 900 mil do Palmeiras só de taxa sobre as arrecadações este ano; puniria a RGT, que perderia parte da audiência que a equipe principal do Palmeiras atrai; e ainda daria chance aos jogadores fora dos planos se destacarem e se valorizarem para futuras transações ou mesmo de cavarem lugar no grupo principal.

Durante a realização do Paulistão, o Palmeiras poderia realizar amistosos convidando equipes importantes da América do Sul aos finais de semana para dar ritmo aos considerados titulares – a torcida adoraria lotar o Allianz Parque para tomar contato com os novos contratados em jogos internacionais e ainda minimizaria o problema da perda de receita com bilheteria. As partidas poderiam ser vendidas para concorrentes da RGT ou mesmo terem transmissão própria da TV Palmeiras/FAM.

Se quisesse planejar algo que realmente significasse uma reação, a diretoria do Palmeiras se prepararia para colocar o Paulistão em segundo plano de uma vez, em vez de fazer exigências para o próximo. Do jeito que as cartas foram jogadas, se a FPF decidir ignorar as demandas do Palmeiras não terá absolutamente nada a perder. Foi como ameaçar alguém com um revólver de plástico.

Estratégia de comunicação

Maurício GaliotteAo redigir uma carta com exigências para a FPF e colocar no título que se trata de uma “carta aberta aos torcedores”, a diretoria clara e escancaradamente jogou para a arquibancada.

Na prática, não houve rompimento algum. Nossa diretoria aceitou o roubo de domingo e fez algumas exigências rasas, sem ameaçar de fato nenhuma fragilidade da FPF ou da RGT. A estratégia de comunicação foi pobre; a redação da carta tem erros gramaticais. Um fiasco.

Se a intenção era apenas dar uma sensação de amparo à torcida, nossa diretoria terá que torcer para que o tom revoltado do texto e o simples boicote à festa de encerramento do campeonato realizada na noite da última segunda-feira surtam o efeito esperado sobre a massa de torcedores. Mas basta uma leitura um pouco mais crítica sobre seu conteúdo para verificar que as medidas, até agora, são completamente inócuas.

Precisamos de mais.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Todo mundo odeia o Palmeiras

Paulistão - classificação geral
srgoool.com.br – Reprodução

Três a zero, mesmo sem exibir um grande futebol. Objetivo, eficiente, o Verdão trouxe a vitória de Novo Horizonte e só não se classificará às semifinais em caso de hecatombe. Os outros ditos grandes, por outro lado, estão em apuros e terão que suar para passar à próxima fase.

Na tabela de classificação geral, que determina os mandos das próximas fases, o Palmeiras já tem a vantagem garantida nas eventuais semifinais e com apenas mais uma vitória nos próximos três jogos garante também a vantagem nas possíveis finais. O time está cada vez mais redondo, entrosado, querendo dar liga, ao passo que vemos nossos adversários bem atrás nessa caminhada – talvez o SCCP tenha ainda alguma vantagem neste aspecto, mas sofre com a queda no nível técnico de seu elenco em relação ao ano passado.

Tudo isso é refletido na tabela de classificação geral do campeonato e converge para uma conquista alviverde, mantidas as CNTP. Claro, jamais podemos desprezar as contingências de um mata-mata: mesmo no mais honesto deles, os times menos dotados têm plenas condições de sobrepujar um favorito. Imaginem no Paulistão.

No Campeonato Paulista, um árbitro que erra contra o SCCP chora no vestiário, pois sabe que a carreira está seriamente prejudicada. A TV aberta oficial torce abertamente: financia bandeirão, faz mosaico virtual e seus narradores  e repórteres parecem fazer parte da equipe de um site de torcedor – algo como um Gambazzo deles. Que beleza!

Pacote completo

Delegado OlimMas não é “só” a arbitragem e a imprensa. Nos últimos dias, o prédio da Barra Funda partiu para a ofensiva, diante da iminente conquista do Palmeiras. Sem o menor compromisso com a disputa esportiva, tentam reequilibrar o campeonato com manobras vergonhosas.

A comédia em que se transformou a marcação dos jogos das quartas-de-finais, quando tentaram nos afastar do Allianz Parque ao mesmo tempo em que o SCCP era beneficiado com dois jogos na capital paulista foi o primeiro bombardeio.

Em seguida, apareceu o TJD-SP, que tirou da manga denúncias convenientemente guardadas contra Jaílson, Felipe Melo e Dudu por fatos ocorridos no Derby, há três semanas. Os três serão julgados hoje por terem ousado reclamar do escandaloso favorecimento da arbitragem de Raphael Claus ao time de Itaquera e podem pegar de uma a seis partidas de suspensão.

O pior é a forma como essa ação foi orquestrada nos bastidores: o “delegado Olim”, que inexplicavelmente, mesmo sem ser um jurista, é o homem forte do TJD, fez as denúncias após conversa com Andrés Sanchez, por quem parece guardar certa subserviência – o áudio divulgado pela rádio Jovem Pan, quando o delegado ainda pretendia apenas chamá-los para “dar explicações”, é nauseante.

É contra tudo e todos, sim

Torcida do Palmeiras no Allianz ParquePerdoem pelo chavão um tanto quanto piegas, mas este Paulistão para o Palmeiras está sendo contra tudo e contra todos mesmo. Pagamos por nossa competência e por não ser o queridinho da maioria, o time do povão sofrido. Se não tiram o título na bola, vão fazer de tudo para fazê-lo por outros meios, sem o menor pudor.

Aos palmeirenses, resta torcer para que a excelência de nosso clube, que foi tão cobrada e que chegou com tantos custos, seja tão grande que se sobreponha até a esses desmandos. Que as patacoadas da imprensa sirvam de combustível para motivar ainda mais o grupo. Que nosso time, mesmo com os possíveis desfalques, tenha em seus substitutos jogadores de nível suficiente para manter o padrão de jogo que nos deu liderança tão destacada e que sigam vencendo os jogos mesmo com a arbitragem manipulando as partidas.

Que nossa torcida se una como nunca nas redes sociais e nas arquibancadas, e empurre nossos jogadores. Se a conquista vier, mesmo tratando-se de um campeonato menor, será comemorada como uma Libertadores. E mesmo antes de se conhecer o destino do trofeu, os patrocinadores do campeonato, da arbitragem e da TV oficial já podem muito bem ser educadamente questionados por nossa torcida, diante de tamanho amadorismo.

Serviço

Patrocinadores da arbitragem
Patrocinador do campeonato
Patrocinadores da TV detentora dos direitos de transmissão

Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Conselho Técnico faz reunião desastrosa e já começou a estragar o Brasileirão

Em reunião realizada ontem na sede da CBF, no Rio de Janeiro, o Conselho Técnico de clubes deliberou sobre três pontos polêmicos acerca do regulamento do Brasileirão de 2018. Em todas as decisões, a escolha foi a mais errada possível.

Em vez de zelarem pela esportividade e pela a lisura da competição, os clubes tomaram decisões que visam apenas o aspecto econômico, além de darem margem a picaretagens e injustiças. Vamos a elas.

Gramado sintético

Gramado Sintético da Arena da Baixada
Agência Estado

Na reunião de 2017, havia sido decidido que o Atlético-PR, único clube da Série A que tem estádio com gramado artificial, teria um ano para replantar o gramado natural e que a partir de 2018 a Arena da Baixada, bem como qualquer outro estádio com jogos pelo Brasileirão, deveria ter gramado natural. A decisão havia sido tomada porque os clubes entenderam que o clube paranaense tinha vantagem técnica ao mandar seus jogos num gramado que altera significativamente a disputa da partida.

O Atlético trabalhou nos bastidores para que os clubes votassem por derrubar esse veto a partir deste ano, usando como argumento a fraca campanha de 2017. Ou seja, de um ano para outro, o gramado deixou de alterar o andamento do jogo porque o Atlético montou um time ruim no ano passado.

Assim como o Allianz Parque, a Arena da Baixada tem problemas com o gramado diante da falta de luminosidade causada pela cobertura do estádio. O Palmeiras luta, mas mantém o gramado natural. O Atlético se pendura na regulamentação da FIFA, que permite o uso de grama sintética, desde que dentro de determinadas especificações. O erro, no caso, é muito mais da FIFA, que dá brecha para esse tipo de aberração esportiva. O Atlético apenas se aproveita dessa brecha e conta com a conivência dos outros clubes brasileiros, que poderiam sustentar o veto, mas por algum motivo preferiram ceder..

Mando de campo fora da cidade de origem

Flamengo x Palmeiras, em Brasília
Adalberto Marques/ Agif/Gazeta Press

O estrago continuou quando os representantes dos clubes decidiram revogar a proibição de mandar jogos fora de sua cidade e até mesmo de seu estado de origem. Isso permitirá que clubes com menor poder de arrecadação  tenham oportunidades de levar as partidas para outras praças onde o visitante tende a ter torcida forte, e assim lucrar com a torcida adversária.

Além de provocar claro desequilíbrio técnico gritante no campeonato, a medida visa casuisticamente proteger os times do Rio de Janeiro, que por motivos culturais enfrentam problemas para atrair suas torcidas aos estádios cariocas. Um certo lobby das administrações dos grandes elefantes brancos construídos para a Copa de 2014 também deve ter funcionado, e desta forma veremos muitos jogos em Brasília, Cuiabá, Natal e Manaus.

Para não deixar escancarado, algumas restrições foram impostas:

  • os times só poderão mandar cinco jogos fora de seu estado de origem;
  • o mando fora do estado de origem pode ser vetado pelo visitante;
  • a prática está vetada nas últimas cinco rodadas do campeonato.

Árbitro de vídeo: um sonho adiado

VARO ponto mais importante da reunião, claro, foi a deliberação a respeito da adoção do VAR – o chamado “árbitro de vídeo” – nas partidas do Brasileirão. Por 12 votos contra 7, o VAR foi rejeitado para o Brasileirão 2018. Votaram a favor o Palmeiras, mais Bahia, Botafogo, Chapecoense, Flamengo, Grêmio e Inter. Contra o VAR, votaram SCCP, Santos, Vasco, Fluminense, Cruzeiro, Atlético-MG, América, Sport, Atlético-PR, Paraná, Ceará e Vitória. O SPFC não votou porque é café-com-leite.

A CBF determinou que, caso quisessem adotar o sistema, os clubes é que precisariam arcar com os custos, avaliados em R$ 20 milhões – o que daria R$ 1 milhão por clube para ter o VAR em todas as partidas do campeonato. Essa imposição teria sido a razão para que alguns clubes desistissem de usar o recurso.

Palmeiras x Cruzeiro - gol de Borja anuladoDa forma como tudo aconteceu, a CBF parece pouco ou nada interessada na adoção do VAR. Seria muito interessante ter acesso à planilha de custos estimados para chegar ao valor médio, por partida, de mais de R$ 50 mil para montar uma estrutura de replay e comunicação, composta por profissionais qualificados. Parece bem pouco provável que as cifras sejam tão altas.

E mesmo que sejam, a CBF tem por obrigação usar seus próprios recursos para que seu principal campeonato não seja decidido por erros de arbitragem, como aconteceu no ano passado e outras tantas vezes. Afinal, pra que mesmo a entidade cobra tantas taxas dos clubes e mantém, hoje, mais de R$ 250 milhões em seu caixa? Na prática, o repasse dos custos funcionou como um veto à implementação do sistema.

Gol de mão de JôDe qualquer forma, fica a questão – a qual todos nós já sabemos a resposta: por que o SCCP não quis que o VAR fosse adotado mesmo?

Esperamos que, de uma vez por todas, nossa diretoria esteja muito atenta a tudo isso, e que tome as devidas providências antes do leite ser derramado. Perdemos o campeonato no ano passado, entre outras razões, por conta dessa omissão. Não suportaremos ver isso acontecer de novo, em anos consecutivos.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo