Discussão sobre o gol anulado apenas encobre uma questão muito maior

Reprodução

O jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC, postou em seu blog que a comissão de arbitragem da CBF, chefiada por Leonardo Gaciba, vai enviar o vídeo do gol anulado de Bruno Henrique contra o Internacional, no último final de semana, para ser analisado pela FIFA.

Obviamente, Gaciba segura a barra de Bráulio da Silva Machado e diz que a anulação foi correta, com a ressalva de que deveria ter sido anotada falta a favor do Palmeiras. Mas a atitude de consultar a FIFA contradiz seu discurso.

Os ex-árbitros que comentam nos canais de televisão se dividiram. Teve até um que viu, falou uma coisa, para depois olhar de novo e mudar de ideia. Diante de uma nova determinação da FIFA, ninguém sabe ao certo o que marcar num lance como aquele, embora o bom senso grite: gol legal.

Diante de tamanha confusão, a discussão sobre a legalidade ou não do lance, que nem deveria ter começado, precisa dar lugar a uma questão muito maior: por que os lances duvidosos são sempre decididos contra o Palmeiras? E por que o Flamengo e o SCCP são sempre favorecidos? O Internacional esteve, em menos de quatro dias, nas duas faces desta moeda e pode atestar essa regra não escrita.

Aquela fração de segundo

Nem cabe aqui fazer coro à compreensível teoria conspiratória de que o campeonato está comprado pelo Flamengo ou que a CBF, ou a RGT, ou o papa estão em conluio para dar o título aos cariocas. Não existe o batom na cueca.

Mas existe o medo.

Os árbitros em geral se borram de medo de prejudicar Flamengo e SCCP. Eles jamais admitirão em público, mas caso você tenha a chance de conversar sobre o tema com qualquer um deles, todos dirão o mesmo: não se pode errar contra os dois eleitos.

Há pouco mais de dois anos o árbitro Thiago Duarte Peixoto saiu chorando do Itaquerão, depois de errar a nosso favor num Derby. E tinha razão: pegou uma geladeira monstruosa.

O ex-presidente Paulo Nobre declarou há algumas semanas que vem notando que os árbitros se sentem muito à vontade errar contra o Palmeiras. Se o campeonato está polarizado entre Palmeiras e Flamengo, na dúvida, naquela fração de segundo, os lances serão decididos contra o time de verde. Foi isso que aconteceu no último domingo.

E o inverso é verdadeiro, como foi verificado na última quarta-feira, quando o mesmo Internacional foi assaltado no Maracanã. Cadê a coragem de decidir contra o Flamengo?

O Palmeiras precisa reverter essa tendência. Os juízes precisam ter medo de errar contra nós. Não existe geladeira para quem nos rouba pontos – mas precisa existir!

Seguimos reféns dos sopradores de apito. Enquanto isso, os torcedores dos dois clubes eleitos pela mídia zombam.

O que nossa diretoria fará a respeito nos bastidores para mudar esse panorama e, enfim, nos proteger?

FlaPress em polvorosa

A campanha frenética da imprensa flamenguista, a “FlaPress”, para justificar o ato de Bráulio da Silva Machado e para ridicularizar nossos protestos denota toda a preocupação com a reação do Palmeiras dentro de campo.

Os torcedores travestidos de profissionais se apegam a filigranas do texto – que, como vimos, nem os árbitros conseguem interpretar – para atestar que o Palmeiras clama por algo que não merece. Se ao menos assumissem a parcialidade, como faz a mídia palestrina, seria honesto.

O Verdazzo segue em sua trajetória de crescimento com princípios sólidos. Estamos há doze anos nesta atividade, e há três anos iniciamos a fase de crowdfunding, visando bater de frente com os grandes canais de mídia.

Ainda não temos a estrutura dos grandões, mas, com auxílio da tecnologia cada vez mais acessível, caminhamos na direção de poder competir de igual para igual com qualquer um deles – com a honestidade palmeirense que poucos podem ostentar.

Para chegarmos nesse patamar, precisamos do seu apoio. Torne-se um padrinho do Verdazzo e seja mais um a lutar pela informação independente, declaradamente apaixonada. Aqui, você sempre saberá o que está consumindo.

Queremos o VAR da Copa

Gol irregular de Rodrigo Lindoso
Reprodução

Os erros cometidos pelas arbitragens no Campeonato Brasileiro reacenderam as discussões acerca do sistema VAR – Video Assistant Referee. Erros grosseiros foram referendados pelos árbitros, mesmo consultando o vídeo por minutos a fio.

Na rodada de ontem, Flamengo e Internacional foram vergonhosamente beneficiados pelos árbitros. Coincidentemente, são dois clubes que podem ameaçar a disparada do Palmeiras na tabela.

No Beira-Rio, Rodrigo Lindoso abriu o placar na partida contra o Bahia ao receber a bola em impedimento claro. Claríssimo, sem sombra de dúvida. Depois de mais de cinco minutos de paralisação para consulta no VAR, o árbitro validou o gol.

Em Brasília, quando o jogo ainda estava 0 a 0, a bola disparada contra o gol de Diego Alves foi desviada pelo braço aberto de Willian Arão. Não há dúvidas ou discussão, o lance é claro. O árbitro consultou o vídeo e reiniciou a partida seis minutos depois, sem marcar o pênalti.

O problema não é o VAR

Pênalti de Arão não marcado
Reprodução

Esses erros retomam a discussão acerca do uso do VAR. Enquanto novidade, o sistema ainda gera discussões acaloradas, já que interfere significativamente na dinâmica das partidas.

Um dos argumentos contrários ao uso do sistema é que ele estaria “legitimando o erro” dos árbitros. Nada mais equivocado.

O VAR é um instrumento da arbitragem, assim como o apito, os cartões e as bandeirinhas. Quando um árbitro usa bem seus instrumentos, a arbitragem é perfeita. Os erros não foram cometidos por causa do VAR, e sim porque as pessoas que utilizaram o sistema o fizeram de forma grosseira.

Se os erros estivessem sendo “legitimados”, ninguém os estaria discutindo neste momento. O uso do VAR apenas torna mais escancarada a absoluta incompetência do corpo de arbitragem da CBF.

Tocar fogo no sofá

Na Copa do Mundo o sistema de vídeo funcionou de forma perfeita. Os árbitros não apenas corrigiram marcações equivocadas, fazendo justiça aos atletas e ao esporte, como o fizeram rapidamente, sem interferir demais na dinâmica do jogo. A ferramenta é, indiscutivelmente, um sucesso.

O VAR-jabuticaba da CBF não funciona corretamente por culpa das pessoas que o operam e não porque o sistema não presta.

O que precisa ser discutido não é a continuação do VAR, e sim a forma como é operado. Usar os erros dos árbitros para argumentar pelo fim do uso do VAR é exatamente igual a tocar fogo no sofá.

Os erros não ficam mais ou menos escancarados com o sistema. O que fica mais evidente é que há algo muito errado nas arbitragens. Antes, havia a desculpa de que os lances eram rápidos e que o olho humano pode cometer falhas. Agora os juízes erram mesmo podendo consultar o replay. Isso nos leva a duas hipóteses: ruindade extrema, ou má intenção. Ou as duas coisas.

O Palmeiras sempre foi um clube extremamente prejudicado pelas arbitragens e um sistema de vídeo só pode ser muito bem-vindo por nossa torcida. Resta agora pressionar em cima dos erros dos juízes mesmo utilizando a ferramenta.

Qual a desculpa agora? Por que os juízes erram tanto, mesmo vendo o replay dezenas de vezes? E por que demoram tanto para decidir? E por que não dão os devidos acréscimos ao final dos 45 minutos? O que faz afinal a Comissão de Arbitragens da CBF?

Se o VAR funcionou perfeitamente na Copa do Mundo, também pode funcionar aqui no Brasil. Interromper o uso do VAR é tudo o que os clubes usualmente favorecidos pelas arbitragens querem.

Queremos o VAR da Copa. Honesto, preciso e rápido. Pela bala que os clubes pagam para implantar o sistema, não é pedir muito.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Luiz Flávio apita o Derby e a guerra aberta com a FPF segue

A Federação Paulista de Futebol escalou Luiz Flávio de Oliveira para apitar o Derby, que acontece no próximo sábado no Allianz Parque.

Os números de Luiz Flávio apitando os jogos do Palmeiras sugerem honestidade. De fato, o índice de 73,6% de pontos conquistados em 24 partidas é um dos mais altos entre todos os juízes, e acima da média histórica de pontos do Verdão.

Mesmo nos clássicos, a marca de 7-1-4 em 12 jogos é notável. Especificamente contra o SCCP, no entanto, o retrospecto é de equilíbrio, com duas vitórias para cada lado.

Mas não são os números que depõem contra essa escalação. A família Oliveira, que além do aposentado Paulo César e de Luiz Flávio, tem também a sobrinha Patrícia Carla em seus quadros e a relação de longa data com a comissão de arbitragem é estreita.

Paulo César de Oliveira foi a voz do crime praticado em 8 de abril, quando vaticinou em rede nacional que não houve falta de Ralf em Dudu e desencadeou toda a operação para desmarcar o pênalti.

A influência do SCCP em todas as esferas de poder da FPF é assustadora,
a escalação de Luiz Flávio vem carregada de simbologia e é uma demonstração clara da Federação de que a guerra está em seu auge.

Se o Palmeiras quiser vencer o Derby no sábado, vai precisar jogar muito mais bola que o adversário. Mas muito mais. Cabe a todos nós, palmeirenses empurrarmos o Verdão com todas as forças dos pulmões para cima da ORCRIM de Itaquera.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras. Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho

FPF mostra as garras e deixa claro que não teremos vida fácil em 2019

Matheus Neris
Fabio Menotti / Ag.Palmeiras

O Palmeiras foi derrotado pelo Figueirense por 2 a 1 ontem, em Capivari, e acabou eliminado da Copa São Paulo de Juniores. O time catarinense mostrou um jogo eficiente, catimbou após abrir a vantagem no placar e conseguiu segurar a vitória.

Mas não há dúvidas que o fator determinante para o resultado da partida foi a atuação desastrosa da arbitragem. O primeiro gol do Figueirense saiu de uma falta inexistente, inventada pelo árbitro Jefferson Dutra Giroto a um passo da linha da área, dentro da meia-lua.

Com o nervosismo, os meninos do Palmeiras se desorganizaram defensivamente e permitiram ao Figueirense chegar ao segundo gol. Mesmo assim, com garra, diminuíram o placar aos 39 e foram para o abafa nos minutos finais. O gol de empate veio aos 47, marcado por Léo Passos, mas o bandeirinha Paulo Cesar Modesto, perfeitamente alinhado à jogada, preferiu anular alegando impedimento – que não existiu.

O Palmeiras já vinha sendo prejudicado pelas arbitragens durante a competição, sem prejuízo até então para o avanço na competição. A sede, Capivari, é disparada a menos estruturada entre as disponibilizadas para os quatro grandes clubes paulistas. A Federação Paulista de Futebol não faz a menor questão de esconder que é, de fato, inimiga do Palmeiras.

As ponderações de sempre

Há quem diga que é choro de perdedor, há quem diga que os erros de arbitragem acontecem para todos os lados. E de fato, se quisesse, o apitador poderia ter expulso Marcus Meloni, que reagiu a uma pancada desleal do adversário com uma cabeçada. O árbitro viu, mas fingiu que não viu.

Paradoxalmente, o episódio evidenciou ainda mais a má intenção da arbitragem. Seria ruindade e configuraria erro se não tivesse visto, se estivesse desatento. O fato de ter deliberadamente ignorado a obrigação da expulsão evidencia que o árbitro sabia o que estava acontecendo e que atrairia uma revolta generalizada, inclusive das arquibancadas, se fizesse o que mandava a regra. Para se proteger, fez média.

Pneu amarrado na cintura

Heber Roberto LopesEm 2017, o Palmeiras chegou atropelando na reta final do Brasileirão, mas uma força-tarefa da CBF, em roubos seguidos operados por Héber Roberto Lopes e Anderson Daronco, manteve o SCCP na liderança da competição. O Verdão foi melhor que os adversários na média geral, mas não com margem de suficiente para superar os descontos promovidos pelos árbitros.

Este post foi escrito em novembro de 2017, por ocasião de dois roubos dos juízes da FPF em jogos de nossa base, exatamente no contexto da mencionada operação do Brasileirão de 2017.

Em 2018, o Palmeiras foi tão superior, mas tão superior, que mesmo os seguidos roubos não foram suficientes para nos tirar o decacampeonato, o que só reforça uma máxima repetida por nossa torcida: para o Palmeiras ganhar um título, não basta ser melhor que os outros: tem que ser MUITO MELHOR.

É com essa âncora que o Palmeiras começa a temporada. O elenco é o mais forte do país, o sistema de jogo já está em desenvolvimento desde o ano passado, portanto, à frente da maioria dos concorrentes que trocou de treinador e parte do zero – ou seja, temos todos os elementos para construir essa vantagem larga que compensaria o peso das arbitragens tendenciosas.

Mas num mata-mata isso pode cair por terra num estalar de dedos – como vimos na Copa do Brasil, quando fomos assaltados no confronto contra o Cruzeiro. O Palmeiras segue sendo presa fácil para as arbitragens; levantamento da própria CBF corroborou com essa tendência.

No campeonato paulista, não devemos esperar nada. A Copa São Paulo já evidenciou o que nos espera num campeonato promovido pela FPF. O torneio deve ser encarado apenas como preparação técnica. É claro que, quando a bola rola, queremos ganhar, como sempre. Mas provavelmente seremos roubados e eliminados. E ficaremos com muita raiva, de novo.

Entra ano, sai ano, e nossos bastidores seguem sendo o elo fraco da corrente. Tudo o que queremos é poder disputar um campeonato sem um pneu de trator amarrado na cintura.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho

O caminho para o deca e os cuidados para que 2009 não se repita

Mauricio RamosEm 2009, o Palmeiras tinha o Brasileirão nas mãos, mas uma série de fatores convergiram para que nosso time naufragasse na reta final e ficasse fora até do G4 – e consequentemente sem a vaga para a Libertadores. O desastre começou na rodada 28, quando empatamos em casa contra o Avaí – mesmo assim, mantivemos a margem de cinco pontos para o vice-líder. Mas daí para a frente, uma sucessão de problemas nos tirou do prumo – um jogo desastroso no Recife, com mais de meio time lesionado ou suspenso, determinou uma derrota por 3 a 0 para o Náutico. Uma derrota dura para o Flamengo de Petkovic no Palestra aumentou o problema: a vantagem caiu para 4 pontos para o segundo colocado, e o próprio Flamengo se aproximou, ficando a seis pontos.

Na rodada 31, perdemos para o Santo André quando Cleiton Xavier sentiu lesão no primeiro tempo. O time já havia perdido Pierre cinco rodadas antes e o meio-campo sentiu muito mais essa perda. A margem de liderança caiu para apenas um ponto. A vitória sobre o Goiás no Palestra, na rodada 32, renovou os ânimos e subimos a diferença para dois pontos, mas em seguida veio um empate por 2 a 2 no Derby em Presidente Prudente. A esta altura, estávamos empatados na liderança com o SPFC, ganhando só nos critérios de desempate.

A partida seguinte, no entanto, foi quase uma pá de cal. A arbitragem criminosa de Carlos Simon na partida contra o Fluminense destruiu o moral do time, que perdeu a liderança após 15 rodadas na ponta. O trauma se refletiu na rodada seguinte, quando ficamos apenas no empate com o Sport em casa, 2 a 2, e vimos o SPFC abrir 3 de frente, com o Flamengo em segundo.

Na antepenúltima rodada, com os nervos em frangalhos, não conseguimos um bom resultado em Porto Alegre, perdendo para o Grêmio por 2 a 0 e vendo dois jogadores nossos sendo expulsos no intervalo por saírem na mão entre si. A vitória contra o Galo no Palestra, com um gol antológico de Diego Souza, foi capaz de nos recolocar em condições matemáticas de chegar ao título na rodada final, mas o Flamengo venceu o sub-13 do Grêmio na rodada derradeira e chegou ao título, enquanto perdíamos melancolicamente para o Botafogo e acabamos o campeonato em quinto lugar.

De volta ao presente: quatro vitórias e um empate

Palmeiras 3x2 SantosApós mais um bom resultado no Brasileirão, o Palmeiras ficou bem mais próximo da conquista do decacampeonato. A vitória sobre o Santos, num dos jogos mais memoráveis do ano, deixou o Verdão a quatro vitórias e um empate da conquista, com seis rodadas para o fim. É uma situação bem diferente, para melhor, da vivida em 2009 no mesmo ponto da disputa.

Com quatro vitórias e um empate, chegaremos a 79 pontos. O Flamengo, com seus atuais 60, mesmo que vença todos os seus jogos, só pode alcançar 78. O Inter pode chegar aos 79, mas teria que descontar nove gols no saldo.

Em nossa tradicional projeção de pontos, a conta para se chegar ao título com alguma margem de conforto é 77 pontos. Considerando que tanto Flamengo como Inter ainda podem tropeçar nesta reta final, a conta parece bastante plausível. Mas, para o momento, precisamos trabalhar apenas com a frieza dos números, para não corrermos riscos. Quatro vitórias e um empate, é o que nos separa da conquista.

Considerando que nosso time vem de uma sequência avassaladora de 13 vitórias e 4 empates, com uma tabela razoavelmente tranquila à frente, a meta parece perfeitamente alcançável. Mas não podemos nos esquecer de 2009 e do redemoinho que nos apanhou na reta final. Na rodada 29, tínhamos 5 pontos de frente e acabamos fora até da Libertadores. A atenção tem que ser total.

O que vem pela frente

Atlético-MGSem as disputas paralelas no calendário, a conquista do Brasileirão está de fato bastante próxima. A partida mais difícil, na teoria, é a próxima, diante do Atlético Mineiro, em Belo Horizonte. O time de Levir Culpi vive um péssimo momento, tendo conquistado apenas um ponto nos últimos cinco jogos – mas exatamente por isso pode se tornar um problema, já que tem sua vaga para a Libertadores, bastante tranquila até duas semanas atrás, bastante ameaçada pelo Santos. Temos plenas condições de vencer, mas um tropeço pode acontecer.

FluminenseEnfrentar o Fluminense no Allianz Parque sempre foi sinônimo de vitória: desde a inauguração, foram quatro confrontos com 100% de aproveitamento. Desta vez, o visitante virá sem maiores aspirações – já está a uma distância confortável da zona da confusão e pensa nas semifinais da Sul-Americana. Talvez  nem jogue com força máxima. A vitória é bastante provável.

Paraná ClubeA partida a seguir é contra o lanterna, o Paraná, no Durival de Britto – pelo menos até a presente data, embora haja rumores dando conta que o já rebaixado time de Curitiba quer levar a partida para Londrina, reduto palmeirense. Mas mesmo que o local seja mantido, uma vitória do Palmeiras neste jogo é praticamente uma obrigação.

América-MGO mesmo pode se dizer da partida seguinte, contra o América, no Allianz Parque. O time de Adilson Batista entrou numa espiral negativa e conseguiu apenas oito pontos nos últimos 30 disputados. O que pode complicar é o fato de estarem lutando desesperadamente contra mais um rebaixamento. Mesmo assim, jogando em casa, o Palmeiras deve se impor e vencer.

VascoO penúltimo passo é o Vasco, em São Januário. Até lá, seria ótimo que o time carioca já tenha se livrado do rebaixamento, para tirar da partida qualquer aspecto de decisão. Caso isso não aconteça, a partida se torna bem mais complicada, diante do peso da camisa vascaína. Um tropeço aqui não pode ser descartado.

VitóriaSe chegarmos à última rodada precisando de três pontos, eles devem vir. O adversário é o Vitória, no Allianz Parque. Neste momento é um time que está se salvando do rebaixamento pelos critérios de desempate; depois de mais cinco rodadas pode estar já rebaixado, livre, ou lutando com todas as suas forças. Seja qual for a situação, imaginem um Allianz Parque lotado, com o Palmeiras a um triunfo para ser campeão brasileiro, enfrentando o Vitória. Devem vir mais três pontos.

Teoria x prática

Como vimos, na teoria, temos pela frente quatro vitórias e dois possíveis tropeços – se um deles for um empate, chegamos à conta mágica. Mas podemos perder de Galo e Vasco. E também podemos, claro, tropeçar nos quatro jogos que contamos com a vitória certa.

Nestes casos, ainda temos que contar com a boa possibilidade de Flamengo e Inter não fazerem campanhas perfeitas. O Flamengo vem de dois empates e vive uma crise interna séria. O Inter tem uma tabela bastante tranquila e parece ter feito as pazes com as arbitragens – ganhou dois pontos de graça no fim-de-semana, graças a um pênalti inventado os 48 do segundo tempo contra o time reserva do Atlético-PR. Mas tem um elenco bastante limitado e o fim de temporada costuma ser cruel com as coxas e panturrilhas dos jogadores. Não podemos contar com tropeços dos adversários – mas que eles podem acontecer, podem.

Atenção total

Em 2009, perdemos para o limitado poder de reposição das peças principais. Duas baixas na reta final, Cleiton Xavier e Pierre, prejudicaram demais o rendimento do time. Além disso, Diego Souza teve uma queda brusca de rendimento após ter sido convocado para um jogo na Bolívia pelas Eliminatórias da Copa de 2010 – nosso camisa 10 voltou abalado pela má exibição.

A atuação grotesca de Carlos Simon no Maracanã, na operação que salvou o Fluminense do rebaixamento, foi um golpe duro no moral do time. Os jogadores passaram a se sentir desprotegidos e a confiança foi pelo ralo. A própria torcida sentiu o golpe – este site mesmo entrou em depressão e ficou até o ano seguinte fora de atividade.

Sem controle dos nervos, o time sucumbiu em Porto Alegre na antepenúltima rodada e ficou apenas com chances matemáticas de chegar ao título – algo que, sabemos, passou longe de acontecer no final.

Esse cenário tenebroso está bem longe do atual, a começar pelo fato de que estamos a apenas seis rodadas do fim – em 2009, o problema começou a dez rodadas do encerramento. A tabela de 2018 parece bem mais tranquila que a de nove anos atrás.

Felipão tem peças de reposição muito mais qualificadas que Muricy Ramalho; além de ter o time muito mais na mão – em conversas com jogadores de 2009, os relatos são de que havia insatisfação no elenco em relação à proposta tática de Muricy.

A única coisa que ainda pode ser igual é a ação da arbitragem. A ajuda que o Internacional, clube que assinou com o Grupo Turner a transmissão dos jogos para TV fechada, mas que lidera uma reviravolta em favor da Rede Globo, recebeu ontem no Beira-Rio contra o Atlético-PR foi escandalosa. E a arbitragem de Bráulio Machado no clássico contra o Santos, apesar de nossa vitória, se vista sob a lente adequada, foi escabrosa.

Se nos resguardarmos com relação às arbitragens, é bem pouco provável que 2009 se repita. E é bom que não se repita mesmo, porque os desdobramentos daquele fracasso refletiram no clube por mais três anos e culminaram com o rebaixamento em 2012, numa sequência mais triste até que a que nos levou ao primeiro rebaixamento, em 2002.

O final de 2018 tende a ser muito, muito mais feliz. Abre os olhos e VAMOS, PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo