0
X
1

Independiente Del Valle 0x1 PalmeirasCesar Greco

O Palmeiras jogou com muita dedicação, paciência e inteligência, e foi recompensado: venceu o Independiente Del Valle em Quito por 1 a 0 e garantiu a classificação para a próxima fase da Libertadores.

A estratégia de Abel Ferreira, construída em conjunto com os jogadores, foi vencedora porque foi executada à perfeição. Era preciso uma noite sem erros, e ela veio. Sem tomar gols atrás, o time precisou apenas ser paciente para encaixar o golpe fatal.

Primeiro tempo

25'

Jogo muito amarrado em Quito. O Palmeiras não abria mão do jogo de contra-ataque; bem fechado, não permitia que o toque de bola do time da casa no campo de ataque prevalecesse. Rony e Luiz Adriano tinham muitas dificuldades em escapar da linha de impedimento da defesa equatoriana. Assim, nenhum dos goleiros foi atacado na primeira metade do primeiro tempo.

33'
Indep. Del Valle

Ortíz bateu falta da meia esquerda; a bola saiu pelo alto, mas assustou Weverton.

42'
Palmeiras

GOL DO PALMEIRAS! Patrick de Paula encaixou o toque para Luiz Adriano, que conseguiu receber sem estar impedido e saiu na cara de Ramírez, que cometeu o pênalti. Raphael Veiga cobrou no meio do gol e deslocou o goleiro, abrindo o placar.

44'
Indep. Del Valle

Vite arriscou de muito longe; Weverton pegou sem problemas.

48'

Jesús Valenzuela, que distribuiu cartões a rodo, encerrou  primeiro tempo.


Segundo tempo

18'

Danilo Barbosa entrou no lugar de Luiz Adriano.

22'
Indep. Del Valle

Murillo recebeu na área, pela direita, e girou – a bola saiu sobre o travessão, com perigo.

24'
Indep. Del Valle

Depois de escanteio, a bola ficou viva e caiu com Landázuri dentro da área; ele bateu prensado, com perigo.

25'
Palmeiras

Rony escapou no contra-ataque, pela esquerda; invadiu a área e chutou no canto do goleiro; Ramírez conseguiu fazer a defesa e mandou a escanteio.

26'

Danilo entrou no lugar de Patrick de Paula.

31'
Palmeiras

Marcos Rocha abriu para Raphael Veiga na direita; o cruzamento veio na risca da pequena área para Danilo, mas Ramírez tirou de soco; a bola foi na direção de Danilo Barbosa que estava na entrada da área e ele testou do jeito que deu, tentando achar o gol vazio, mas a bola saiu à esquerda, por pouco.

35'
Indep. Del Valle

Hurtado passou por Victor Luis e cruzou buscando a chegada de Murillo, mas a bola atravessou toda a pequena área.

37'
Indep. Del Valle

A bola bateu na mão de Felipe Melo a um passo da risca da área. Vite bateu e a bola saiu lambendo o ângulo direito de Weverton.

42'
Indep. Del Valle

Faravelli arriscou de fora; Weverton encaixou no meio do gol.

Gustavo Scarpa e Mayke entraram nos lugares de Raphael Veiga e Felipe Melo.

46'
Indep. Del Valle

Faravelli mandou um foguete de fora da área; Weverton foi na última gaveta e colocou a escanteio.



Ficha Técnica

0

R$ 0,00

Jesús Valenzuela

Indep. Del Valle

Ramírez
Landázuri
Escobar
Schunke
Pacho
Sánchez
Guerrero
Faravelli
Pellerano
Bryan García
Vite
Montenegro
Hurtado
Ortíz
Murillo
Renato Paiva
TÉCNICO


Fim de jogo

Abel Ferreira tinha duas alternativas: tentar o jogo mais franco, agredindo o adversário e arriscando dar-lhes mais espaços, ou se encolher e jogar no contra-ataque, arriscando ser sufocado.

Alertado pelo histórico recentes de times que subiram o morro e fracassaram vergonhosamente, o treinador, em conjunto com os atletas, fechou questão no jogo reativo. A escolha não permitia erros e requeria paciência para encaixar um contra-ataque perfeito.

Tudo deu certo: nossas linhas defensivas, muito bem montadas, executaram o plano à risca, não cometeram erros e Weverton foi pouco importunado. Na frente, após seis impedimentos, uma bola enfiada funcionou e Luiz Adriano cavou o pênalti com muita experiência.

No segundo tempo, após os 15 minutos sem ser muito incomodado, tudo parecia resolvido, mas a primeira substituição de Abel, trocando Luiz Adriano por Danilo Barbosa, deu mais espaço ao time da casa e retirou metade das chances do Palmeiras encaixar o contra-ataque. O jogo ficou aberto de novo.

Essa escolha reforça a confiança do time neste estágio de desenvolvimento tático na temporada. A pressão veio, mas o Palmeiras saiu-se muito bem. É verdade que uma coisa é suportar a pressão do Del Valle; outra, é a do River ou a do Flamengo. Mas para esta noite, foi suficiente. Deu resultado.

O time, ao que parece, deu liga. A fase insana do calendário, de três jogos por semana, está no fim e o elenco já pode ser considerado com 18 a 20 jogadores no mesmo nível – sai um, entra outro, e o nível tende a ser o mesmo. É isso que será importante para manter a regularidade no Brasileirão, enquanto as rodadas de mata-mata da Copa do Brasil e da Libertadores pingam aqui e ali. Dá pra disputar tudo.

Enquanto essa fase da temporada não chega, o estadual, torneio de pré-temporada, ganha importância relativa. A classificação antecipada na Libertadores permite até desviar um pouco a estratégia para tentar ganhar o bi, já que, além de tudo, nossos jogadores chegaram à fase decisiva com menor minutagem que os dos adversários. Que estratégia ruim, que vexame! VAMOS PALMEIRAS!





  • Vivos, classificados nos dois torneios e um controle rígido que não sobrecarrega fisicamente os jogadores. Vai firme com boas chances de ganhar tudo o que disputa.

    Uma grande vergonha, um vexame intergaláctico.

  • Gostei da atuação dos nossos laterais ontem; marcaram demais.
    Como é bom ter o V. Luis no elenco; mostrou que não é um mero reserva do Viña.

  • A importância de vencer o torneio de pré-temporada se torna menos relativa quando imagino a cara dos adversários se chegarmos lá. Principalmente do time do Jardim Leonor.

  • Raphael Veiga vem mostrando uma qualidade que, pelo menos eu, não enxergava antes: Vem carregando mais a bola e desafogando o meio com jogadas do camisa 10 clássico. E quem joga sabe como é importante ter esse cara que segura a bola, sofre falta e ganha tempo na pressão do adversário. Pra mim, o melhor em campo.

    • Jogador de futebol com confiança é outro nível… A jogada do pênalti começou com uma arrancada dele. Tá comendo a bola!

  • Caraca, partida PERFEITA!
    Verdadeiro treino de mata-mata.
    Nota 10 pra todos, menos pro Vítor Luís, que ganha 11.

  • A parte inicial da entrevista coletiva do mister monstro Abel me chamou muito a atenção.

    Cobrou a diretoria com todas as letras. Está visivelmente desgastado com o assunto de contratações e aparenta até um grande desânimo.

    Por que essa diretoria não entrega pro cara o que ele pede? Ele tá tirando leite de pedra e dando um show de planejamento, organização, dedicação e respeito ao Palmeiras.

    E o que essa diretoria letárgica tem feito por ele? Pelo amor de Deus! Que vergonha que dá de ver tanta inércia nessa diretoria. É um contraste abissal com o nosso treinador. Por San Genaro!!! Acorda Presidente! Acorda Barros!!!!!!!!!!

    • Efeito casal Crefisa em tempos de pandemia. O velhaco cara torta deve ter cortado verba….. Ainda que não cortaram patrocínio, creio. Cabeça de Egg não manda niente.

  • O discípulo De Mourinho mandou muito bem hoje.

    Defender é uma arte.

    Parabéns Abel Ferreira e atletas, vocês fizeram história…

  • O Marcos Rocha e o Luan jogaram bem, a zaga como um todo, mas destaco os dois mais perseguidos
    Coitado do Rony, as pernas do cara devem estar fritando de tanto que correu a toa

  • Lembrando que eles jogam com um 12º jogador que é a altitude , jogo difícil pra sentir a Libertadores , mas o time ja pegou uma casca, ja ta acostumado com jogos decisivos , se jogar o que sabe sai com a vitória, mas vai ser difícil

  • Tudo o que os equatorianos querem é sair na frente.

    Caso isso aconteça, não poderemos sair de uma vez, como fizeram os urubus que acabaram tomando mais quatro.

    O Palmeiras precisa deixar o jogo se tornar chato. Então eles é que vão querer resolver a todo custo. É nessa hora que ganharemos o jogo.