Desempenho do elenco e posições na tabela convidam a uma reflexão sobre as escolhas de Felipão

Deyverson
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras completou 104 anos ontem e esteve em Porto Alegre para disputar mais uma partida pelo Brasileirão. O adversário não poderia ser mais difícil: o Inter é um dos poucos clubes que conseguem ter vantagem contra o Verdão no confronto direto, sobretudo em seu estádio. Os gaúchos ainda vinham de uma sequência de cinco vitórias, sem levar nenhum gol.

Felipão não se abalou. Numa demonstração de extrema confiança no elenco, mandou a campo um time com nove “reservas” – e aqui as aspas cabem perfeitamente, dado que todos os jogadores vêm atuando com alguma frequência aos finais de semana. E nosso time fez um belíssimo papel, dominando o jogo completamente, sendo ameaçado uma ou duas vezes durante os noventa minutos; a vitória não veio apenas por detalhes.

Tal desempenho nos leva a pensar a respeito da escolha de nosso treinador. Afinal, se com o time que não é exatamente o preferido do treinador, encaramos de cima para baixo o time mais perigoso neste momento da tabela, quem poderia oferecer problemas para o time de cima?

Que este questionamento não seja confundido com soberba. Futebol não é algo binário e obviamente o Inter poderia ter vencido o time considerado principal. Mas podemos imaginar que esta seria uma tarefa bastante difícil no momento atual dos times. E se seria difícil para o time que vem batendo todos os adversários um a um, torna-se lógico projetar uma dificuldade ainda maior para os outros concorrentes.

Será?

Jean
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Se o Palmeiras vive um momento de superioridade em relação aos demais, será que não seria melhor escalar a máxima força possível também no Brasileirão, galgar a tabela de forma mais rápida e administrar as possíveis lesões usando, aí sim, os suplentes?

Claro que a estratégia de Felipão tem suas vantagens. Ao usar com frequência como titulares pelo menos 20 jogadores, mantém quase todo o elenco extremamente motivado. O risco de lesões diminui sensivelmente e podemos chegar fortes nas três frentes na hora do funil.

Por outro lado, ao arriscar mais os pontos no Brasileirão, provavelmente já deixamos pelo caminho quatro pontos fundamentais num campeonato que, injustamente, tem recebido menos importância do que merece diante dos apelos da imponência da Libertadores e da premiação da Copa do Brasil.

O sentimento nos empates contra o América e contra o Inter ao sair do campo não foi exatamente de satisfação. Conquistar pontos fora é sempre bom, mas ficou a sensação de poder ter feito mais, ainda mais com a vitória do SPFC pela manhã, que mesmo com um elenco inferior lidera a competição e incomoda.

Dilema

Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A tabela de classificação sugere que o empenho do Palmeiras, mesmo querendo administrar o elenco, deva ser um tanto maior no Brasileirão. Em caso de lesão nos titulares, aí sim, recorreria-se aos reservas, que estão se mostrando em alto nível, fruto da tão propagada “qualidade do elenco”.

Não basta ganhar os campeonatos; é preciso não deixar que os rivais estaduais o façam.

Ou será que os reservas não renderiam tanto assim se fossem acionados somente em caso de necessidade? Ou será que não é exatamente por causa do ritmo de um jogo por semana que todos estão rendendo tão bem? É difícil saber.

Felipão parece já decidido sobre a estratégia. Mas será que ela não merece uma pequena reflexão, diante do cenário atual, em que nosso elenco parece muito forte e onde um inimigo histórico parece se aproximar de um campeonato que o tirará de uma fila de dez anos?


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Brasileirão 2018 – planejamento de pontos: terceiro quartil

CalculadoraO Palmeiras venceu o Vitória ontem à tarde no Barradão e com isso chegou ao final do primeiro turno com 33 pontos ganhos. É uma pontuação razoável, que combinada com uma campanha acima da média no segundo turno pode, como veremos a seguir, levar o time ao décimo título brasileiro.

Sempre é bom lembrar que, desde que este modelo de Brasileirão foi instituído, em 2006, com 20 clubes disputando o campeonato em pontos corridos, jamais o vice-campeão fez mais que 72 pontos. Isto não significa que 73 pontos é garantia de título, ainda mais da forma com que este campeonato vai se configurando, com seis times se descolando do resto do bloco – a disputa tende a ser mais parelha até o final e é possível que, desta vez, o vice-campeão chegue a 74 ou 75 pontos.

Exatamente por isso que nossa projeção de pontos no início do campeonato prevê a conquista de 77 pontos para chegar ao caneco – o que também não garante nada, mas deixa as probabilidades bem maiores. Para chegar a essa marca, projetamos no início do campeonato os resultados que o Palmeiras precisaria conquistar ao longo da campanha.

Vacilos importantes no primeiro turno deixaram o Palmeiras seis pontos abaixo dessa projeção, sobretudo os tropeços contra Chapecoense, Sport e América . Mantendo a previsão inicial daqui para a frente, o Palmeiras chegaria a 71 pontos – já tivemos campeões com menos do que isso, mas não parece que essa marca será suficiente este ano. É preciso mais.

Ajustes

Brasileirão 2018Na projeção feita em abril, o terceiro quartil previa a marcação de vinte pontos em dez jogos, com cinco vitórias e cinco empates: vitória contra o Botafogo, em casa; empates no Sul contra Inter e Chapecoense, vitórias em casa contra Atlético-PR e SCCP (questão de honra), mais duas vitórias fora contra Bahia e Sport, e três empates contra Cruzeiro (C), SPFC (F) e Grêmio (C).

Estando a seis pontos abaixo da meta de 77 pontos, é claro que alguns ajustes precisam ser feitos para cima. E os jogos com empates em casa que seriam tolerados contra Cruzeiro e Grêmio passam a exigir vitórias, perfazendo uma campanha de 7 vitórias e 3 empates no terceiro quartil. Assim, após a rodada 29, estaríamos a apenas dois pontos da meta.

Brasileirão 2018Cumprindo a previsão inicial do quarto quartil, chegaríamos então a 75 pontos, o que pode ser insuficiente para a conquista – mas a última partida, contra o Vitória, no Allianz Parque, foi prevista como “empate” – pensando numa situação otimista de chegar campeão a esta partida e com o time já relaxado.

Obviamente, se o Palmeiras chegar na última rodada precisando vencer o Vitória em casa para se sagrar campeão, tende a conseguir o resultado, e o ajuste final estará feito.

Dificuldades

Os adversários mais duros este ano, segundo a tabela e de acordo com a tendência mostrada em campo, são Grêmio e SPFC. Com 36 pontos, o Grêmio já não tem a Copa do Brasil entre as partidas do Brasileirão, o que significam algumas semanas livres para recuperação física e eventuais acertos no time.

Já o SPFC se dedica apenas ao Brasileirão e conseguiu, de forma surpreendente, 41 pontos no turno, uma campanha inédita.

Além destes dois times, correm por fora o Flamengo, o Inter e o Galo, todos à frente do Palmeiras, que segue na disputa da Copa do Brasil e da Libertadores, o que exigirá muito do físico de nossos atletas.

Razões para acreditar

O SPFC não deve repetir a campanha única que fez no primeiro turno. Mesmo com o ritmo de partidas mais espaçado por estar eliminado de todas as outras competições, deve voltar ao aproveitamento normal e não deve fazer mais que os bons 33 pontos que o Palmeiras fez neste turno – o que deixará o time, no máximo, com 74 pontos. O SPFC depende de veteranos como Nenê e Diego Souza, que não devem passar ilesos no segundo turno. A idade tende a cobrar o preço.

O Grêmio resiste à saída de Arthur e segue competitivo, mas ainda disputa a Libertadores e a competição sul-americana também costuma mandar a conta. São apenas três pontos de diferença para os gaúchos e temos o confronto direto em casa para tirá-la.

Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Flamengo, Inter e Galo também estão no páreo, mas nenhum deles parece capaz de chegar à pontuação suficiente para o título – seja por seus elencos, seja pelo padrão de jogo que vêm exibindo. Todos devem chEgar ao final do ano com pontuações altas, mas 77 pontos parece uma meta fora do alcance para esses clubes.

Se o Palmeiras conseguir essa arrancada de 7 vitórias e 3 empates nos próximos 10 jogos – uma campanha extraordinária, é claro – terá tudo para chegar forte na reta final. Mas para um time embalado, com um elenco em que os reservas estão conseguindo desempenhar no mesmo nível que os titulares, com uma defesa que se recusa a levar gols, e com um general no banco de reservas, por que não acreditar? VAMOS PALMEIRAS!

Felipão pratica o futebol simples e responde ao rótulo de ultrapassado

Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Cinco jogos depois da saída de Roger Machado, o Palmeiras segue sem levar gols. Felipão já comandou o time em três partidas, Paulo Turra em uma, e Wesley Carvalho logo após a saída – e em todas o Palmeiras passou sem ser vazado.

O ponto em comum de todos os jogos foi a simplicidade com que o time se postou em campo. Se a diretriz é mudar o comando, um novo trabalho precisa ser iniciado, e nada melhor que uma combinação básica – uma “camiseta e calça jeans” – para começar o desenvolvimento.

Uma dupla de volantes bem instruída e laterais que só sobem na boa. Com esse bê-á-bá defensivo, o Verdão marcou 7 de 9 pontos no Brasileiro e conseguiu bons resultados fora de casa nos dois mata-matas – talvez o empate com o América tenha sido a única ressalva nesse período.

No ataque, o jogo calcado na presença do centroavante voltou a prevalecer. Com Felipão, Borja tem tudo para marcar os caminhões de gols que esperamos desde sua contratação – e até Deyverson já voltou a se reencontrar com as redes.

Ultrapassado?

Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Felipão carrega consigo a pecha de ultrapassado. A Copa do Mundo foi um golpe muito forte na carreira do velho campeão e parte da imprensa, com ressentimentos que remontam à década de 90, quando o Flamengo e o SCCP eram judiados pelos times de Scolari, veio à forra. As campanhas fracas no Grêmio de 2015 e no Palmeiras entre 2010 e 2012, apesar do título da Copa do Brasil, ajudaram a mídia a reforçar o estigma – a fragilidade dos dois elencos foi convenientemente esquecida.

Scolari foi à China e ganhou tudo. Mano Menezes, Luxemburgo e Cuca não tiveram o mesmo sucesso – tampouco Alberto Zaccheroni, Fabbio Cannavaro, Radomir Antic, Manoel Pellegrini, Felix Magath, André Villas-Bôas, Sven-Goran Eriksson, Paulo Sousa e Uli Stielike, entre outros nomes importantes do futebol internacional que estão no futebol chinês ou por lá passaram recentemente, lograram tamanho êxito. Vejam a idolatria da torcida do Guangzhou Evergrande por ocasião da despedida de Felipão nesta matéria.

Na volta ao Brasil, nos poucos treinos que a imprensa teve acesso, Felipão mostrou métodos que não são exatamente “ultrapassados”. Períodos curtos, intensidade, espaço reduzido, atividades específicas – totalmente alinhado com os métodos modernos dos “estudiosos”.

Quem esperava só treino físico, preleções cheias de pilha, coletivo e rachão, esperou errado.

Um novo pacote

Felipão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Felipão não anda mais acompanhado apenas pelo Murtosa. Ele tem uma equipe de suporte atualizada sob seu comando e mescla conceitos modernos de treinamento com sua insubstituível vivência e conhecimento do ambiente do futebol. Seu carisma é o amálgama que arremata o pacote Felipão.

É verdade que as tabelas ajudaram e nenhum dos adversários enfrentados após a saída de Roger Machado está entre os mais cotados para levantar taças este ano – Paraná, Bahia, América, Cerro Porteño e Vasco são equipes do pelotão inferior do futebol brasileiro e sul-americano. Mas o Palmeiras aproveitou bem as oportunidades e começou a nova etapa de forma promissora.

Sob o comando deste renovado homem de 69 anos, o Verdão está a cinco jogos do título da Copa do Brasil e a sete da Libertadores. Ainda temos 60 pontos em disputa no Brasileirão e mais dois anos de trabalho para buscar mais títulos.

Sob o comando deste vencedor, rodeado pelos camarões que tanto sonhou, alguém ainda está pessimista?


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

É pênalti para o Palmeiras! Correu… Bateu… Errou!!!

JeanÉ pênalti para o Palmeiras! Correu… Bateu… Errou!!!

Esta tem sido a tendência nas últimas quatro cobranças do Verdão. Felipe Melo fez graça e chutou para fora contra o Novorizontino. Keno bateu mal e Magrão defendeu, contra o Sport. Bruno Henrique bateu forte, no travessão, contra o Bahia. E Jean recuou para João Ricardo, do América.

Antes dessas, Dudu acertou as duas que cobrou, contra Mirassol e Novorizontino, perfazendo dois acertos em seis batidas em 2018 – isso sem contar a decisão do Paulistão, na qual o Palmeiras também saiu derrotado.

Em 2017, o retrospecto também não foi bom: foram nove pênaltis, com cinco acertos e quatro erros, mais a eliminação da Libertadores para o Barcelona de Guayaquil. Tem coisa errada aí.

Lance livre

O pênalti é o lance menos futebolístico do futebol, um esporte em que a bola está sempre viva e a aleatoriedade dos acontecimentos prevalece. A bola está parada e a conclusão do lance é instantânea, basta um toque na bola. Assemelha-se muito ao lance livre do basquete.

Grandes arremessadores de lance livre têm seus pequenos rituais antes de arremessar a bola. Hortência batia a bola várias vezes e respirava fundo antes de mandar para dentro. Stephen Curry mastiga o protetor bucal enquanto se concentra. Do outro lado, se a torcida é contra, a arquibancada do ginásio faz de tudo para desconcentrar o rival, desde a trivial agitação de bastões até simulação de partos na arquibancadas – o vídeo abaixo é hilário.

De forma análoga no futebol, desconcentrar o batedor é uma excelente maneira de aumentar as chances de erro. Nem sempre existe a proximidade entre a arquibancada e o gol para que os torcedores façam suas performances e quem acaba exercendo esse papel é sempre o goleiro. Quem não se lembra de Fernando Prass apontando um canto nas decisões por pênaltis da Copa do Brasil? Ou do famoso “acabou, Petros”?

A primeira decisão por pênaltis que me recordo de assistir foi a decisão do Brasileirão de 1977, quando o goleiro Waldir Peres do SPFC infernizou a vida dos batedores do Galo, revertendo uma decisão em que os atletas de seu time haviam errado as duas primeiras cobranças – os jogadores do Atlético cobraram TRÊS pênaltis por cima do gol.

EvairPoucos gênios têm a capacidade e a frieza de esperar a decisão do goleiro e decidir no último instante em qual canto vai bater. E acabam manjados, fazendo com que muitos goleiros acabem esperando no meio e obrigando o batedor a improvisar o chute num dos cantos – a chance de defesa aumenta se o pênalti não for muito bem batido.

Por isso, se o batedor não for um abençoado como Evair ou o Ceifador, só existe uma maneira de bater pênaltis: ignorar completamente o goleiro e bater onde treinou exaustivamente. Não importa que o goleiro saiba onde vai a bola: se o pênalti for fora de sua área de alcance, pode telegrafar, mandar fax ou whatsapp, que o goleiro não pega.

Treino mecânico e mental

Treinar, treinar e treinar. Como os arremessadores do basquete, batida de pênalti é treino constante. O batedor deve ensaiar exaustivamente dois lugares para bater, e mandar sempre num deles á sua escolha. Nos cantos, de preferência alta – em qualquer área da zona indefensável da figura abaixo serve. Dosar a força da batida é importante para que o chute não saia por cima. E isso é T-R-E-I-N-O.

Pênalti

Bem treinado mecanicamente, o atleta terá mais confiança na hora de bater. E então só vai faltar executar a outra parte: o isolamento mental. Ao ajeitar a bola na cal, o jogador já deve decidir onde vai bater. Não deve olhar para a torcida, muito menos para o goleiro. Deve fechar os ouvidos, e se concentrar no que fez nos treinos. E ainda precisa esquecer todo o contexto, entrar numa bolha, e só focar em acertar o gol. O atacante precisa virar uma espécie de robô. Não é simples, mas bem treinado, qualquer atleta pode chegar a 90% de eficiência nos pênaltis, o que pode fazer com que seu time dificilmente seja batido numa decisão.

Ciência

Altamiro BottinoPara atingir esse nível de efetividade, é necessário que a comissão técnica entenda como cada jogador responde a essas situações de pressão e identifique o melhor método para que ele consiga entrar na tal bolha.

O Palmeiras demitiu em 2017 o coordenador científico Altamiro Bottino, que rapidamente foi contratado pelo SPFC, e não contratou ninguém em seu lugar. Uma de suas atribuições poderia ser introduzir no clube esse tipo de treinamento, identificando a melhor forma de trabalhar cada atleta para que se transformassem em máquinas de bater pênaltis e tornasse o Palmeiras imbatível nesse tipo de lance.

Apenas dinheiro não resolve nada. É preciso ser um clube de futebol. Enquanto a atual diretoria pensar que apenas contratar jogadores caros basta para o Palmeiras ganhar títulos, e que fazer pizzadas políticas no clube social é mais importante, continuaremos jogando títulos fora. Perdemos o Paulista, em casa. Já jogamos três pontos fora no Brasileiro e a classificação na Copa do Brasil já poderia estar bem encaminhada. Vão esperar sermos eliminados mais uma vez da Libertadores?


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo

Aos 69, Felipão está de volta ao Palmeiras para completar o ciclo de conquistas

FelipãoMenos de 24 horas depois de dispensar Roger Machado, o Palmeiras definiu o novo treinador para a sequência da temporada: ninguém menos que Luís Felipe Scolari, o segundo treinador que mais dirigiu o Verdão na História e que nos levou a muitas conquistas.

A trajetória de Felipão no Palmeiras começou em 1997, depois de conduzir o Grêmio a alguns títulos – alguns deles após embates inesquecíveis contra o próprio Palmeiras. Após levar o Verdão ao vice-campeonato brasileiro no primeiro ano, o comandante Scolari conduziu o clube às conquistas da Copa do Brasil e Mercosul em 1998, Libertadores em 1999 e Rio-SP em 2000, além de outras campanhas inesquecíveis.

Frizzo e TironeCom o fim da cogestão com a Parmalat e o desmonte do departamento de futebol, Felipão deixou o Verdão em 2000 para voltar dez anos depois, numa passagem bem mais tumultuada. Em meio ao completo caos administrativo, Felipão ainda conseguiu levar um elenco de nível Série B à conquista de mais uma Copa do Brasil. Mas o caminho à segunda divisão parecia inevitável e, de forma amarga, Scolari deixou o clube na quinta rodada do returno, antes que a queda se concretizasse.

Fora do Palmeiras, Felipão ainda conquistou uma Copa do Mundo, tendo chegado à semifinal três vezes; uma Copa das Confederações, mais uma Libertadores, um Campeonato Brasileiro, mais duas Copas do Brasil, uma Recopa Sul-Americana, uma Liga dos Campeões da Ásia, um Campeonato Japonês, um Campeonato Uzbeque, três Campeonatos Chineses, uma Copa da China, uma Taça do Uzbequistão, uma Copa Sul-Minas, um Campeonato Catarinense e três Campeonatos Gaúchos, entre outras conquistas menores.

Estratégia política

Maurício GaliotteA volta de Felipão tem como pano de fundo a nefasta política do clube. A interrupção do irregular trabalho de Roger Machado não foi correta e teve como fator preponderante a eleição que acontece em novembro – leia aqui tudo o que envolveu a equivocada decisão.

Felipão chega para realinhar a estratégia política da presidência. Caso as conquistas não venham, o general Scolari tem o estofo necessário para levar a culpa sozinho, supostamente isentando a diretoria de responsabilidade nos eventuais fracassos e mantendo grandes as chances de reeleição de Maurício Galiotte.

Esperança renovada

FelipãoO Palmeiras está a seis jogos de levantar mais uma Copa do Brasil – os dois primeiros, contra o Bahia; e a oito jogos do bi da Libertadores, onde tem a vantagem de decidir em casa em todos os confrontos. Scolari é um especialista em mata-mata e sua trajetória recente no futebol chinês sugere que não perdeu o tino pelas conquistas.

Scolari herdará um time bem organizado por Roger Machado, que usava um sistema ao qual já está habituado: o mesmo 4-2-3-1 que empregou na Copa de 2014. Terá à sua disposição um elenco poderoso, recheado de camarões, bem superior ao que deixou por aqui em 2012.

Felipão 2000Diante adversários que igualmente tocam o futebol sem um projeto sério definido, nivelados por baixo, o Palmeiras segue com boas chances de conquista ainda este ano. O comandante é um medalhão acostumado a pressão e a conquistas, o elenco segue forte e depende apenas de que uma boa química seja encontrada na largada para que voltemos a ser candidatos reais a conquistas ainda este ano. As primeiras semanas de trabalho revelarão se teremos essa dose de sorte.

Com um contrato até o final de 2020, o experiente treinador pode estar iniciando o último degrau de sua carreira. Aos 69 anos, com a vida financeira absolutamente resolvida, Felipão volta ao Palmeiras para apagar o saldo negativo de sua segunda passagem pelo clube e para resgatar de vez sua imagem perante o público brasileiro, abalada após os vexatórios 7 a 1. Deve estar com sangue nos olhos, mais do que nunca. BEM VINDO, GENERAL SCOLARI!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo