“Futebol é momento”: trabalho de Mattos não pode depender da Libertadores

Alexandre MattosTítulo brasileiro incontestável. O maior patrocínio. A maior renda. O maior programa de sócio-torcedor. O melhor estádio. O melhor elenco. Finanças em dia.

Tudo conspirava a favor do Palmeiras no início de 2017, a não ser por um fato, que está longe de ser apenas um detalhe: Cuca, o comandante do ênea, estava de saída para um período de apoio à família. Isso já havia sido acordado entre Cuca e Alexandre Mattos antes de sua chegada, em abril de 2016. Mattos apostou que, com a futura conquista do Brasileiro, Cuca mudaria de ideia. Perdeu e teve que refazer o plano para 2017, contratando Eduardo Baptista.

Vamos voltar um pouco mais no tempo: a inoperância de Marcelo Oliveira na virada de 2015 para 2016 mereceu duras críticas, já que era o momento do então treinador planejar e executar a evolução do time campeão da Copa do Brasil. Marcelo dormiu sobre os louros da conquista e jogou a Libertadores de 2016 pelo ralo, o que culminou com sua demissão.

Um time chega à maturação no segundo ano de trabalho de um técnico. O Palmeiras perdeu a chance de atingir esse estágio em 2016 e também em 2017. Com Cuca se tornando uma carta fora do baralho, Mattos teve que virar a página e iniciar um novo projeto, do zero. Eduardo Baptista não tem o perfil nem um pouco parecido com o de Cuca, apontam alguns críticos. Mas a bem da verdade, ninguém é parecido com Cuca, nem o Cuquinha.

Apêndice: a montagem do elenco

Alexandre Mattos é criticado pela forma com que montou o elenco para a temporada de 2017. Por ser uma análise razoavelmente extensa, disponibilizamos um texto em separado que serve de apoio ao tema principal. Consulte a análise completa das movimentações do elenco neste link.

O uso do dinheiro

Mattos e BorjaMattos não conseguiu evitar a rejeição de boa parte da mídia por ser o artífice de um projeto que envolve cifras extraordinárias. Mesmo desprezado pelo Governo Federal (via Caixa) e pela RGT, que em momento algum valorizaram a força da camisa do Palmeiras, o clube conseguiu recursos para sanar suas finanças e ter o maior orçamento do futebol brasileiro. E usa tais recursos de forma agressiva, como deve fazer um bom competidor.

Essa agressividade é uma ameaça real a todos os outros clubes – assim, a mídia dita imparcial, mas hipocritamente clubista, trata de distorcer os fatos e vilanizar o Palmeiras, usando Mattos como personificação do inimigo, aproveitando ainda que há alas da política interna do clube que também têm interesse em enfraquecê-lo, vazando informações com esse intuito. Até o ano passado, tal vilanização era projetada em Paulo Nobre.

Mattos tinha um orçamento e o usou para montar um elenco muito, muito forte. E parte dos contratados são investimentos de longo prazo, para serem nossos titulares em 2019 ou 2020. A intensa movimentação no mercado, que aparentemente é sua marca registrada, foram necessárias nestes três anos em que montou nossos elencos – cada ano com sua característica própria. A tendência é que em 2018, finalmente mantendo o treinador, o projeto seja apenas aperfeiçoado, com uma ou outra contratação pontual, sem medo de investir quantias vultosas em poucos, mas ótimos reforços.

O aparente tiro n’água dado com Borja não pode ser analisado de forma isolada. O colombiano, como qualquer jogador, faz parte de um grande pacote, uma espécie de balança que envolve todas as compras e todas as vendas. Um eventual prejuízo com Borja, a ser realizado apenas quando se souber o preço de sua venda, é facilmente neutralizado com um ou dois “Vitor Hugos”. E a coleção de sucessos comerciais de Mattos é muito maior que a de equívocos.

O all in na Libertadores

O jogador Borja, da SE Palmeiras, disputa bola com o jogador Bianchi, do C Atlético Tucumán, durante partida válida pela fase de grupos, da Copa Libertadores, no Estádio Monumental José Fierro.
César Greco / Ag.Palmeiras

De forma simplista, definiu-se que o Palmeiras abriu mão do Brasileirão para ganhar as copas. A eliminação da Copa do Brasil, atrelada à derrota em Guayaquil dá uma perspectiva de fracasso total em caso de eliminação da Libertadores. Tal perspectiva é equivocada. A estratégia do Palmeiras não é para uma temporada. O ano de 2017 foi muito prejudicado em seu início, a despeito de tantas condições positivas elencadas no início do texto. Para piorar, um desempenho atípico do principal rival coloca uma lente de aumento em todas as decepções do ano.

O Palmeiras em momento algum abrir mão do Brasileirão deliberadamente; escalar times alternativos em partidas que antecedem decisões pelas copas foram soluções que deveriam ser suficientes para não perder esses pontos diante da força do elenco – mais uma vez, o atraso no desenvolvimento do time fez com que esses preciosos pontos nos escapassem. Mesmo assim, fechamos o turno com 32 pontos, apenas 4 abaixo do considerado suficiente para uma campanha campeã – de novo é preciso destacar que o desempenho irreal do rival tornou o planejamento insuficiente, e é isto que força o clube a dar o chamado all in na Libertadores. Mas o mundo não acaba em dezembro e os investimentos feitos em 2017 seguirão sendo muito úteis em 2018.

Sempre de olho

Cuca conversa com Maurício Galiotte e Alexandre Mattos
César Greco / Ag.Palmeiras

Alexandre Mattos não está acima do bem e do mal. Ele pode e deve ser avaliado a cada passo que dê, diante da importância de sua função.

Mattos apostou errado que manteria Cuca ao final de 2016. Mas sem essa aposta, não teríamos sequer conquistado o ênea.

A lateral esquerda se tornou, de fato, um enorme problema. Difícil, mas não impossível, de ser detectado no início do ano.

Felipe Melo foi uma aposta errada; seu histórico apontava para uma boa chance de problemas, embora sua qualidade técnica e seu perfil guerreiro dentro de campo fossem tentadores para quem tem na Libertadores o principal objetivo da temporada. Deu errado, mas a correção de rota foi rápida e veio antes até da dispensa, com Bruno Henrique.

Borja custou muito dinheiro para ter um desempenho tão abaixo do esperado. No campo, com atraso, Deyverson chegou para compensar o problema, e o tempo ainda dirá o tamanho do prejuízo (ou do lucro) financeiro. Talvez Mattos tenha entrado de forma amadora no oba-oba da torcida e da imprensa em cima do colombiano, talvez pudesse ter detectado que ele teria tantas dificuldades. Não se tem notícias, no entanto, de nenhuma sugestão concreta de como essa tendência seria de fato detectada. E nem se questiona isso, afinal, “ele é quem ganha rios de dinheiro e tem obrigação de saber isso”.

Futebol não é momento

Alexandre Mattos
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Ser o diretor de futebol do Palmeiras, com o maior orçamento do futebol brasileiro, desperta a vigilância permanente dos olhos da imprensa, da torcida e de diretores e conselheiros. Estar nessa função por três anos é mergulhar num coquetel difícil de ser resumido em poucas linhas, dado que a tendência no futebol é sempre analisar o todo pelo instante. Detratores ficam à espreita do fracasso para bombardear o profissional, apoiados numa frase que, de forma incrível, ainda persiste no futebol brasileiro: “futebol é momento”.

Para qualquer planejador, essa verdade é a maior mentira do mundo. Por exemplo: o Palmeiras perdeu para o Atlético-PR, com o time reserva, para aumentar as chances de se classificar na Libertadores. Há quem diga que a derrota, pelo placar mínimo num jogo equilibrado, decreta que o “elenco forte” é uma falácia – mais uma vez, visando minar o planejamento do elenco.

O Palmeiras viverá na noite desta quarta-feira um jogo fundamental para as pretensões do time em 2017. Em caso de sucesso, o time segue muito forte rumo à conquista idealizada no início do ano. Em caso de derrota, seja amanhã, seja nas fases posteriores, o ano não é perdido: passará apenas a ser um ano lamentavelmente sem conquistas, o que são coisas diferentes. Planejamento não é mais um conceito que se encerra ano após ano; é um processo contínuo.

Eventualmente sem a Libertadores, um 2017 sem conquistas será a base de um 2018 em que, novamente, o Verdão entrará muito forte em todas as disputas, graças a uma enorme conjunção de fatores que envolvem o que hoje é a gigantesca Sociedade Esportiva Palmeiras – e um dos mais importantes deles é a atuação deste gigantesco Alexandre Mattos, que entre acertos e erros, é o profissional mais competente do mercado na função. Sorte nossa de tê-lo trabalhando pelo Verdão. Isso enquanto não conseguem derrubá-lo.


O Verdazzo é patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo