Guilhotina no Palmeiras deflagra uma nova corrida contra o tempo para planejar 2020

Mano Menezes
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras foi derrotado pelo Flamengo no Allianz Parque na tarde de domingo e, depois de três meses, Mano Menezes acabou demitido. Junto com ele, foi dispensado também o Diretor de Futebol, Alexandre Mattos, que já vinha sendo alvo de uma campanha contra si havia alguns meses.

A derrota, em si, talvez já fosse a gota d’água para ambos. Mas a maneira como o jogo transcorreu tornou a decisão de demitir Mano muito fácil. Ainda durante a partida, ele mesmo já sabia que era o fim da linha; sua expressão corporal à beira do gramado já deixava claro que ele estava ciente que não haveria sequência em seu trabalho.

Incluindo a partida contra o Atlético-MG em que o time foi dirigido pelo auxiliar Sidnei Lobo, foram 20 partidas com a comissão técnica de Mano Menezes, com 11 vitórias, 5 empates e 4 derrotas – três delas na sequência final do trabalho e decisivas: contra o Grêmio, Fluminense e Flamengo. A derrota por 3 a 1 para os rubro-negros foi a pior sofrida pelo Palmeiras em cinco anos de existência do Allianz Parque.

O aproveitamento final da trajetória de Mano no Palmeiras foi de 63%, marca que o coloca apenas dentro da média histórica geral do clube – o que, diante dos novos padrões estabelecidos e da ambição imposta por todos nós, é pouco. Mas não foram apenas os números: a ausência de padrão tático e a postura leniente da maioria dos atletas em campo sob seu comando tornaram a permanência do treinador, num momento de decisão para o projeto técnico-tático da próxima temporada, insustentável.

Mattos foi no embrulho

Alexandre Mattos
Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Não sabemos até que ponto a decisão de demitir Alexandre Mattos passou por discordâncias quanto a segurar ou não Mano Menezes. Era sabido que Mattos estava fechado com Mano e pode ter havido um impasse do tipo “se ele for, eu vou junto” – se houve, Mattos acabou fazendo um favor à direção, dando-lhe o argumento decisivo por sua demissão.

A pressão para demitir o Diretor de Futebol foi mais um produto desenvolvido pela fábrica de problemas que paira sobre o Palmeiras desde 1914. Em vez de pressionarem o presidente para ser menos permissivo com os maus negócios trazidos à mesa por Mattos, como acontecia até 2016, preferiram pedir a cabeça do subalterno e assim demonstram poder. No final, demore o quanto for, essas pressões sempre surtem efeito – pelo menos quando o comando não tem firmeza suficiente.

E agora?

Nós, torcedores, estamos perdidos. “Sabemos” o que não queremos, e normalmente não pensamos muito na hora de clamar por mudanças, mesmo sem ter a menor ideia da nova direção para que devemos remar depois.

Na entrevista coletiva concedida na noite de domingo, o presidente, ao menos aparentemente, mostrou estar na mesma situação. Sua noite de sono não deve ter sido das melhores.

Os rumos do Palmeiras para 2020 passam pela definição, pela ordem, da identidade de jogo que se quer implementar, e de quais profissionais comandarão essa nova implementação – a única coisa já sacramentada é que “a base será utilizada”.

Essas definições precisam ser rápidas, para organizar o roteiro de contratações e dispensas. Diante dos longos contratos a que quase todos os atletas do elenco estão vinculados, as dispensas demandarão tanto ou mais trabalho que as contratações, já que os jogadores precisam ser realocados por empréstimo.

O tempo está passando. Tic-tac.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

  • Aquela coletiva do Galiote foi péssima, está perdido aparentemente. Agora resta rezar mesmo para que a dívida pare de crescer, pois na gestão dele ela disparou.

  • Até agora o bananotti não contratou um novo diretor e um novo técnico. Tá tranquilo… temos tempo de sobra pra planejar 2020…

  • Pra mim foi burrice mandar o mattos embora, a nao ser que ele pediu demissao. ai fica todo mundo discordando de todos os nomes que aparecem como opcao, pq ele é o melhor do brasil na posição.

    • Concordo, como o Conrado pontou bem no Pericazzo, o ideal seria fiscaliza-lo, barrando tentativas de contratações absurdas.

  • Conrado, estou escuatndo o Periscazzo Extra agora, lá vc disse q o São Paulo tá com dinheiro, fiquei curioso, de onde vem o dinheiro deles? De verdade não fazia idéia que o São Paulo tava com dinheiro!

  • Pochettino está na Argentina e livre no mercado (informação do diário Olé da Argentina). Não custa nada tentar.

  • Osorio? Na boa, q isso seja notícia plantada por jornalista gambá. Vamos olhar pra frente! Osorio já esteve por aqui e não fez nada. Não me venham com Aguirre tb. É Sampaoli ou Gallardo, ou entao vamos pesquisar melhor os mercados europeu e argentino. Chega de soluçao fácil!

    • Osório fez um bom trabalho na seleção Mexicana.

      Não o contrataria para o Palmeiras neste exato momento. Realmente existem bons técnicos Argentinos e Portugueses que poderiam vir, mas tudo indica que Sampaoli e Autuori são os escolhidos.

      A conferir…

      • Só pra lembrar: na Copa América de 2016 levou de 7 x 0 do Chile! Na Copa do Mundo, mais do mesmo, o México passou da primeira fase e foi eliminado com tranquilidade pelo Brasil. Na boa, Osório e Rueda, não!

  • Eu acho que o problema vem de cima. Muita bagunça, muito conselheiro cornetando. Uma “virtual” presidenta que nada conforme a maré. Uma bagunça, zero firmeza. Como o Conrado falou num Periscazzo esses dias, o Galliote sabe o qie deve ser feito. Terá peito pra fazer? Ele ainda tem dois anos pra tentar se redimir.

  • Eu apostaria no Renato Gaúcho com todas as forças. Ele, de longe, é quem eu mais queria ver como técnico do Palmeiras.
    Já ganhou Libertadores com time teoricamente inferior ao nosso, além de que vem fazendo um belíssimo trabalho com a integração da base no Grêmio no time principal.
    Penso que ele se adequa perfeitamente para o projeto de 2020.
    Como qualquer outro técnico, ele também seria uma aposta, e essa seria a minha.

  • Infelizmente quem pode arrumar a casa se afastou da politica do Palmeiras graças ao Galinhote. Vejo o Palmeiras voltando pra 2010 nas mãos desses imbecil.

  • Não sou torcedor de jogador, de dirigente ou de técnico, todos vão passar e o Palmeiras vai seguir!

    MAS o que me assusta é a falta de preparo do nosso atual presidente, um incompetente que nem com dinheiro consegue gerir um clube.

    Recentemente um amigo comentou que ele era pior do que o Tirone, tendo a concordar com ele, pois Tirone pegou um clube falido e fez o que se esperava, nos afundou mais.

    Galinhote recebeu a presidência de uma gestão muito boa, com superávit, fez “estágio” com nosso melhor gestor e vem fazendo toda essa merda.

    Espero que não dê mais um passo atrás fazendo um “conselho gestor”, cheio de conselheiros, só para manter a base política.

    • Outra situação preocupante é a sucessão.

      Tudo indica que Leila Pereira será a próxima a ocupar o cargo…

      • o que preocupa nao e a leila mas o pacote que vai com ela leia se paulo serdan e pessoas da torcida organizada mais estupida do mundo.

  • Com a queda de Mattos, o que Mlme preocupa é novamente termos o futebol nas mãos de dirigentes amadores, uma volta ao passado.

    Um trabalho que se iniciou em 2013 por Paulo Nobre pode estar sendo jogado no lixo…

  • Nas derrotas é sempre mais fácil criticar, mas que grande resultado em termos técnicos obtivemos nos últimos 5 anos? Copa do Brasil foi mais acidente do que conquista. Campeonato brasileiro de 2016 veio com duas contratações que por sorte deram certo e uma revelação. 2018 foi quando tivemos consistência no segundo semestre, mas sem jogar bonito. 2019 era pra ser o ano do Palmeiras de fato, mas nada deu certo. Hora de recomeçar.

    • O futebol de resultados é um mal que assola o país há mais de 30 anos.

      Para uma boa parte dos torcedores o que importa sempre será o resultado.

      Quem sabe possamos aproveitar este momento atual e voltamos a jogar um futebol com as tradiçoes da Sociedade Esportiva Palmeiras…

    • Nao concordo. Na Copa do BR de 2015 eliminamos, na ordem: Cruzeiro, Inter, Fluminense e Santos. Só camisa pesada. Em 2016 fizemos um segundo turno com apenas uma derrota (SFC na Vila), campanha só superada pelo primeiro turno do SCCP no ano seguinte. Em 2019 a diretoria se acomodou, resolveu tentar repetir o ano anterior, ao invés de tentar crescer.

    • 2015 acidente por que? E essa Libertadores do Flamengo? Também se classificaram nos pênaltis, estavam perdendo até os 42 do segundo tempo. O que importa é que ganhamos. Não desmereça uma conquista nossa. Aquele time daria uma surra no atual. VOLTA MO!

  • Sei não…técnicos vieram e foram, e o futebol não mudou quase nada nunca. Talvez seja o perfil do elenco, e para mudar isso não será fácil, só com uma limpa, o que não deve acontecer.

  • “Cabeça que não tem juízo, o corpo paga”. É letra de pagode, mas podia também ser de tarantela.

  • Edmundo para diretor de futebol. As colocações dele na Fox ontem foram perfeitas, além de ser identificado com o clube.

  • Acho que esse é um dos grandes problemas. O longo contrato de cada um dos jogadores. Isso leva a esse corpo mole visto nos últimos jogos.