3
X
1

09/07/2017 - 16:00

Pré-Jogo

Pré-jogo Cruzeiro x Palmeiras

Na tarde deste domingo, a Sociedade Esportiva Palmeiras visita o Cruzeiro, no Mineirão, já com a cabeça totalmente de volta no Brasileirão, em sua 12ª rodada. Ou não, já que é difícil não pensar neste jogo como uma espécie de prévia da decisão da vaga nas semifinais da Copa do Brasil – o novo confronto entre as duas equipes acontece no dia 26.

Palmeiras

DESFALQUES
Lesionados:
Fabiano e Borja     
Recuperação física:
Arouca, Moisés, Thiago Martins, Jean e Felipe Melo
Suspenso: Juninho
Dispensado: Guerra

Pendurados: Felipe Melo, Michel Bastos, Roger Guedes e Thiago Santos

Cheio de desfalques importantes, Cuca mais uma vez vai recorrer à vastidão do elenco do Palmeiras para montar um time forte para o confronto. Além dos desfalques já conhecidos que vêm do último jogo, Fabiano se submeteu a uma cirurgia dentária e foi detectado em Borja um problema intestinal que pode até exigir uma intervenção.

Com o que tem em mãos, Cuca pode armar o seguinte time no Mineirão: Fernando Prass; Mayke, Mina, Luan e Egídio; Bruno Henrique (Thiago Santos) e Tchê Tchê; Roger Guedes, Dudu e Keno; Willian Bigode.

Cruzeiro

Surpresa na defesa: mesmo sem poder contar com Manoel e Dedé, lesionados, Mano Menezes deixou de relacionar o equatoriano Caicedo, muito criticado pela torcida após os últimos jogos. Assim, o quinto zagueiro do elenco, Murilo Cerqueira, deve alinhar ao lado de Léo. Se a defesa vai mal e o LÉO é o melhor zagueiro deles, podemos nos animar bastante.

Mano vai improvisar na lateral: Lucas Romero substitui Ezequiel, que sente uma pubalgia. Robinho também está no DM e Hudson entra em seu lugar, tornando o time mais cauteloso.  Provável formação do Cruzeiro é Fábio; Lucas Romero; Léo, Murilo Cerqueira e Diogo Barbosa; Ariel Cabral, Henrique e Hudson; Thiago Neves e Alisson; Rafael Sobis.

Lei do Ex

Muitos ex-cruzeirenses em nosso suposto time que sai jogando: Mayke, Egídio, Dudu e Willian Bigode. Do lado de lá, só o Léo de titular, além do Fabrício e do Rafael Marques no banco.

Retrospecto

Aproveite todas as funcionalidades do Almanaque do Verdazzo. Consulte os links abaixo, e faça os cruzamentos com outros dados como preferir:

Cruzeiro
Cruzeiro
Mineirão
Mineirão
Péricles Bassols Pegado Cortez
Péricles Bassols Pegado Cortez
Campeonato Brasileiro
Campeonato Brasileiro

 

Parpite

Se o Cuca escalar o Keno e forçar o jogo em cima do lado direito da defesa deles com o apoio do Egídio, ganharemos com alguma facilidade. Lucas Romero é bom marcador, mas não está habituado a confrontos com pontas; e na cobertura está o Léo. O LÉO! Vai Cuca! Para 17.987 pagantes, dá Verdão: 3 a 1, com gols de Dudu, Willian e Roger Guedes. VAMOS PALMEIRAS!

Transmissão

TV GloboGlobo – para SP, MG, RS, SC, PR, GO, TO, MS, MT, BA, AL, CE, MA e PA

PFCPFC

Pós-Jogo

Cruzeiro 3x1 PalmeirasCésar Greco / Ag.Palmeiras

O Palmeiras foi derrotado pelo Cruzeiro no Mineirão por 3 a 1, numa partida parelha em que qualquer resultado poderia ter acontecido. O Cruzeiro, que teve a semana toda para descansar e treinar, foi favorecido pelo árbitro que deixou de dar dois pênaltis a nosso favor e teve muita felicidade nos dois gols marcados no primeiro tempo. O Palmeiras diminuiu o placar mas não conseguiu manter o ritmo para buscar o empate e agora foca no Derby, que sempre é um ponto de inflexão na temporada – para quem ganha e para quem perde.

PRIMEIRO TEMPO

Cuca armou o time com Zé Roberto no meio-campo, como volante sem a bola, armando um 4-3-2-1; e como meia quando o time tinha a bola – Tchê Tchê também avançava e o time mudava para um 4-1-4-1. E o jogo começou bastante intenso, com os dois times lutando muito pela supremacia do meio do campo. A um minuto, Tiago Neves armou a jogada pela direita, ganhou de Egídio e Luan e ligou com Sóbis, que aparou para Henrique, que bateu sem marcação no canto esquerdo – Fernando Prass foi buscar.

Aos 5, Dudu tocou de calcanhar para Egídio, que conseguiu o cruzamento para cabeçada de Roger Guedes – a bola saiu por cima do travessão. Aos 8, boa triangulação entre Mayke Tchê Tchê e Roger Guedes, que invadiu pela direita e cruzou – Willian Bigode fechou marcado por Léo e a bola saiu por pouco.

Aos 12 após escanteio para o Cruzeiro, Dudu puxou ótimo contra-ataque, ligando com Egídio na velocidade; Alisson chegou chegando e deu o rapa, fazendo a falta. Na cobrança, Bruno Henrique bateu muito bem, buscando o ângulo direito de Fábio, mas a bola saiu raspando a forquilha. Dois minutos depois, mais um lance do Verdão: Roger Guedes tirou dois da jogada, tabelou com Bruno Henrique e foi lançado na direita, cruzou para Dudu que fechava livre para abrir o placar, mas Lucas Romero afastou a escanteio.

O Palmeiras venceu a disputa pelo meio campo e passou a comandar o jogo, com muito mais posse de bola e não permitindo ao Cruzeiro que chegasse junto à nossa área, mas por outro lado o time mineiro conseguiu encaixar a marcação, evitando que o Verdão acionasse com tanta frequência as jogadas pelas laterais. Aos 18, Roger Guedes ganhou de Murilo e quando se preparava para entrar na área foi puxado: pênalti que Péricles Bassols não assinalou.

A chance seguinte só saiu aos 27, curiosamente a mesma jogada do lance anterior: Roger Guedes foi ao fundo e cruzou buscando Dudu; Lucas Romero mais uma vez cedeu escanteio. Aos 29, Léo agarrou Mina na área após cobrança de falta de Dudu, e o juiz mandou seguir de novo.

Aos 32 o jogo mudou num lance de rara felicidade: Sóbis iniciou o lance pela direita e acionou Alisson, que conseguiu um passe na medida para Thiago Neves, marcado por Luan; com pouquíssimo ângulo, o meia tocou por cima, no único local possível, e marcou um belo gol com todos os méritos para si.

O Palmeiras ainda tentava se reorganizar após o gol para voltar a pressionar o time da casa, quando aos 42 Lucas Romero arriscou um chute de muito longe, sem pretensão alguma – talvez até a bola saísse mas Hudson enfiou a cabeça nela e desviou, a bola tomou a direção do gol e Fernando Prass não conseguiu defender. O Cruzeiro, desta forma, tirou dois gols da cartola e construiu uma vantagem injusta no primeiro tempo.

SEGUNDO TEMPO

Cuca voltou com Keno no lugar de Mayke, amarelado – Tchê Tchê foi para a lateral direita, Zé Roberto recuou para a volância e Dudu caiu para o meio. Os dois times voltaram disputando cada pedaço do gramado e a primeira chance de gol só saiu aos 14: Keno ganhou de Lucas Romero e Hudson no mesmo drible, invadiu a área, puxou para o meio e bateu de curva, mas pegou mal na bola.

Aos 17, Tchê Tchê conseguiu bom lançamento para Roger Guedes na direita; ele ganhou no corpo de Alisson e cruzou na medida para Willian, na risca da pequena área, e ele fuzilou Fábio com uma testada violenta, diminuindo o placar.

Um minuto depois, Egídio aproveitou a segunda bola após cruzamento, levantou de volta na área e Mina testou, por cima. O Cruzeiro sentiu o golpe, mas a exemplo do jogo no Allianz Parque há dez dias, usou a experiência para esfriar o jogo. O Palmeiras não soube manter o ritmo, ninguém conseguiu repetir o que Dudu fez naquele jogo e liderar o time em busca da reação – nem ele mesmo.

Aos 27, Keno partiu para cima de Léo, ganhou, foi ao fundo dentro da área e cruzou na boca do gol, mas Willian não conseguiu o arremate. O Cruzeiro finalmente respondeu: aos 30, Diogo Barbosa conseguiu um bom cruzamento e Sassá, que tinha acabado de entrar, testou forte, mas Prass defendeu com bastante reflexo e salvou o Verdão.

Cuca então tentou mudar o ritmo do time mandando Raphael Veiga a campo no lugar de Zé Roberto, e pouco depois trocou Egídio por Michel Bastos, mas o time continuou sem organização, incapaz de furar a fraca defesa do Cruzeiro. O aspecto físico também pesava, visivelmente: quando o corpo não ajuda, a cabeça falha.

Com o Palmeiras lançado à frente no desespero, o Cruzeiro conseguiu o terceiro gol nos acréscimos: aos 47, Elber foi lançado na direita, Luan falhou e ele saiu na cara de Prass, que fechou bem o ângulo e defendeu o primeiro chute, mas a bola pipocou em Veiga e no próprio Prass e se ofereceu para Elber, que não desperdiçou a segunda chance com o gol vazio. E o jogo terminou.

FIM DE JOGO

Não são “desculpas”, até porque o Verdazzo não está aqui para se desculpar com os leitores pelo resultado. Mas existem vários atenuantes para a derrota:

  • Cuca não consegue treinar variações ofensivas e ajustes defensivos;
  • O Cruzeiro treinou a semana toda pensando no Palmeiras, e estava fisicamente mais inteiro;
  • O Palmeiras perdeu nesta semana Guerra e Borja, e já estava sem Jean, Moisés e Felipe Melo;
  • O juiz não deu dois pênaltis quando o jogo estava 0 a 0;
  • O adversário é um time da primeira linha do futebol brasileiro, jogando em casa.

Mesmo com tudo isso, poderíamos ter tido melhor sorte, a exemplo do jogo no Equador. Pela projeção de pontos ajustada, a derrota já era esperada. Estamos em plenas condições de atingir os 77 pontos, mas o problema é que o líder do campeonato está com uma pontuação muito acima de qualquer previsão – é verdade que com uma tabela bastante favorável. Por isso mesmo é que temos que manter a tranquilidade; a tabela vai inverter no segundo turno e eles, mesmo focados apenas no Brasileirão, devem ter problemas para manter esse ritmo.

Mas temos que começar essa reação já na quarta-feira. Qualquer resultado que não seja a vitória vai tirar qualquer chance de reação e ainda pode complicar muito o ambiente com as pressões, que podem atrapalhar as disputas das copas. Estamos dentro de todas as competições e temos que jogar junto. VAMOS PALMEIRAS!

Ficha Técnica

Cruzeiro

GOL
Fábio
LAD
Lucas Romero
ZAG
Léo
ZAE
Murilo Cerqueira
LAE
Diogo Barbosa
VOL
Henrique
VOL
Hudson
VOL
Lucas Silva
VOL
Ariel Cabral
MEI
Thiago Neves
MEI
Elber
ATA
Rafael Sóbis
ATA
Sassá
ATA
Alisson
TÉCNICO
Mano Menezes

Palmeiras

GOL
Fernando Prass
LAD
Mayke
ATA
Keno
ZAG
Mina
ZAE
Luan
LAE
Egídio
LAE
Michel Bastos
VOL
Bruno Henrique
VOL
Tchê Tchê
MEI
Roger Guedes
MEI
Zé Roberto
MEI
Raphael Veiga
MEI
Dudu
ATA
Willian
TÉCNICO
Cuca

Notas


Jogador
Descrição
Nota
Fernando Prass
No primeiro gol, só quem não tem a menor noção da posição de goleiro acha que foi falha. Mas é possível que, mesmo como desvio, a bola do segundo gol fosse defensável.
5
Mayke
Regular, ganhou e perdeu jogadas sem maiores consequências.
6
Keno
Podia ter sido mais incisivo em cima de seus marcadores; se livrou da bola várias vezes.
6
Mina
Se destacou mais uma vez, sempre preciso e com muita personalidade.
8.5
Luan
Certamente seu pior jogo com a camisa do Palmeiras. Sefor para jogar com essa lentidão, é melhor colocar o Edu Dracena que sabe se posicionar melhor.
3
Egídio
Boas participações no início do jogo, mas quando o time fica atrás no placar, seu cérebro entra em pane.
6
Michel Bastos
Jogou pouco.
s/n
Bruno Henrique
A boa impressão do "ótimo passador" deixada no início já ficou para trás.
5
Tchê Tchê
Será que tá com uma bolinha no intestino também?
4
Roger Guedes
Participou das jogadas mais importantes do time, inclusive do gol.
8.5
Zé Roberto
Uma partida boa na meia não deveria ser suficiente para que ganhasse tantas chances.
5.5
Raphael Veiga
Sua entrada deveria ter sido a cartada decisiva, mas não aconteceu nada.
5
Dudu
Teve alguns bons lampejos, mas ficou devendo.
5.5
Willian
Não fazia lá grande partida, mas cumpriu parte de sua obrigação indo às redes.
7
Técnico Cuca
Cuca
Entrou bem montado, mexeu bem no intervalo, mas as substituições finais não serviram para nada.
5.5