3
(3)
X
1
(2)

Depois de perder o jogo de ida das oitavas-de-final da Libertadores de 2000 para o Peñarol por 2 a 0, no Uruguai, o Palmeiras bateu o time uruguaio no tempo normal por 3 a 1 e, nas penalidades máximas, viu São Marcos brilhar novamente para garantir a classificação do Verdão às quartas-de-final daquela edição.

Em desvantagem no placar agregado, o Palmeiras, que tinha Felipão suspenso assistindo ao jogo das tribunas, partiu pra cima do adversário. Aos 26 minutos de jogo, Neném cobrou uma linda falta que acertou o ângulo esquerdo de Elduayen para fazer 1 a 0 Verdão.

Precisando de mais gols para continuar vivo na competição, o Palmeiras prosseguiu atacando e no fim da etapa inicial, aos 46 minutos, Marcelo Ramos, que havia entrado no lugar de Basílio, aproveitou cruzamento de Junior para ampliar o placar, 2 a 0.

No começo da segunda etapa, aos 10 minutos, Alex deu um lindo passe para Marcelo Ramos; dentro da área, o camisa 18 bateu de primeira para deixar o Palmeiras com 3 a 0 no placar, resultado daria a classificação direta ao alviverde às quartas-de-final. Mas cinco minutos mais tarde, Bengoechea cobrou uma falta rápido, a defesa do Verdão ficou parada, e Pacheco tocou por baixo de Marcos, fazendo o gol do Peñarol.

Antes da partida chegar ao fim, Euller teve a chance de fazer o quarto gol, mas desperdiçou um pênalti. Ao fim do tempo final, 3 a 1 Palmeiras, e a decisão foi para as cobranças de penalidades máximas.

Euller abriu as cobranças palmeirenses e perdeu novamente, mas Marcelo Ramos, Alex e Rogério marcaram; já no time uruguaio, Pacheco parou na trave; Aguirregaray e Cedrés, nas mãos de Marcos: 3 a 2 para o Palmeiras e classificação às quartas-de-final, no qual o Verdão pegaria o Atlas, do México.




Ficha Técnica

Peñarol

Elduayen
Cafu
Enrique De Los Santos
Marcelo De Los Santos
Borjas
Aguirregaray
Giacomazzi
Cancela
Romero
Cedrés
Pacheco
Bengoechea
Franco
Bueno
Julio Ribas
TÉCNICO

Disputa de Pênaltis

Peñarol

Palmeiras

Bengoechea
Euller
Pacheco
Marcelo Ramos
Bueno
Alex
Aguirregaray
Rogério
Cedrés