O que o Palmeiras pode aprender com a Copa

FrançaA Copa do Mundo acabou e os olhares se voltam novamente ao futebol doméstico. Depois de cinco semanas de recesso, como acontece a cada quatro anos, os principais clubes voltam às disputas do Brasileirão, da Copa do Brasil e da Libertadores, dando um choque de realidade às torcidas. A diferença que se notará ao assistir aos primeiros jogos de clubes em relação ao que nossos olhos se acostumaram a ver nos últimos 30 dias chegará a doer.

Um Mundial sempre deixa lições. Uma das mais antigas de todas é que o futebol é uma grande alegoria da sociedade e do mundo. Talvez a maior lição desta Copa é que, tal e qual no mundo, não se pode dividir as coisas de forma tão tacanhamente binária. Futebol não é só jeito x força, não é só experiência x juventude, não é só obediência tática x criatividade.

A última binariedade do futebol que vem sendo discutida ao longo dos últimos dez anos é a importância da posse de bola. A Espanha, a partir de 2008, apoiada pelo desempenho fenomenal do Barcelona, consagrou o tiki-taka – a troca de passes envolvente, não raro precedida por uma introdução longa e paciente em busca do melhor cenário para o bote. A conquista de dois campeonatos europeus e da Copa de 2010 entre eles parecia não deixar dúvida sobre esse caminho.

Até que José Mourinho empurrou a tradicional retranca a níveis mais elevados. Seu desafio era parar a máquina de passes dos espanhóis, fazer com que a busca pelo espaço para a finalização passasse de incessante para infinita – e para isso resolveu estacionar um ônibus na pequena área: duas linhas, normalmente de quatro jogadores, absolutamente compactas e quase intransponíveis, composta não só por marcadores implacáveis, mas também por craques de bola que, ao recuperar a posse, armariam na velocidade da luz um bote vertical, mortal. Teve sucesso na Internazionale, conquistando tudo no mesmo ano em que o tiki-taka levantava sua Copa do Mundo.

Diego Simeone reproduziu a estratégia à sua maneira num Atlético bem menos estrelado, mas tão eficiente quanto, e reforçou o aparente sucesso da fórmula. Estava armado o embate, que, está claro agora, era vazio. A Copa de 2014 tentou mostrar, mas não deixou claro, o que a Copa de 2018 finalmente escancarou: assim como na vida, não existe uma fórmula clara para o sucesso no futebol atual, tão cheio de nuances e fatores aleatórios. Não existe um conceito perfeito calcado numa binariedade, mas sim uma combinação de técnicas, e basta que uma delas não seja perfeita para que o projeto caia por terra durante algo tão aleatório quanto um jogo de futebol eliminatório.

Conhecimento e técnicas

Griezmann e De BruyneEste Mundial pareceu enterrar a discussão em torno da posse de bola. A França, campeã, teve menos posse de bola em quatro de seus sete jogos. Já a Bélgica, tida por muitos observadores como o futebol mais bem jogado da competição, só teve menos posse de bola em dois jogos, mesmo contando com ataques rápidos e verticais comandados por De Bruyne e Hazard. Fica difícil estabelecer a dependência entre posse e resultado, ainda mais levando-se em conta que o comportamento das seleções entre ter a bola ou não ter mudou conforme as marchas dos placares.

A conclusão é que não basta ter a bola ou saber não tê-la, algo transformado em frase de efeito por Tite com seu “saber sofrer” que encantou a  tantos jornalistas. O mais importante de tudo é ser eficiente dentro da proposta que cada jogo oferece. Seja esperando o adversário, seja propondo o jogo, a eficiência nos passes e nas conclusões é quem manda. A tática nunca foi a protagonista absoluta; a qualidade técnica dos jogadores voltou a ser um grande diferencial, com um ingrediente que precisa ser cada vez mais valorizado: o controle emocional. Tudo isso se atinge com a aquisição de conhecimento e desenvolvimento de técnicas.

Aplicando os conceitos aos clubes

Centro de ExcelênciaSe eu fosse o presidente do Palmeiras, direcionaria o desempenho do elenco principal e sobretudo da base visando o desenvolvimento máximo de fundamentos. Errar menos passes para não ser surpreendido em contra-ataques e ser preciso e letal nas conclusões, já que as chances de gol se tornam cada vez mais raras, requer treinamento incansável, com técnicas cada vez mais modernas que os profissionais da área seguem aprimorando. A França está longe de ser a equipe que mais finalizou a gol. Mas quando o fez, teve um aproveitamento incrível.

O equilíbrio emocional, é cada vez mais evidente, é parte fundamental dessa base. O Brasil poderia ter passado pela Bélgica, pela Inglaterra e pela França, mas os atletas pareciam frágeis demais emocionalmente. Nervos descontrolados atrapalham o raciocínio e a execução dos movimentos. A pressão acontece por vários motivos, desde a formação inadequada, passando pela exposição desnecessária – causada muitas vezes pelos staffs dos próprios atletas, em busca de contratos suplementares de publicidade.

E para completar o tripé, a tática continua valendo, e muito. Saber ler o adversário, prever seus movimentos, ter um elenco completo à disposição, com jogadores de todas as características, possibilita a um treinador preparar a melhor estratégia para cada jogo – e para isso, precisa ter um elenco na mão: conhecer exatamente o que cada jogador pode oferecer e como pode utilizá-lo. E é necessário tempo suficiente para atingir essa compreensão e fazer os jogadores entenderem cada modelo de plano de jogo – tudo isso em paralelo a ensaios exaustivos para desenvolver um arsenal de jogadas de bola parada, na defesa e no ataque. Daí o mantra de não mandar um técnico embora na primeira sequência ruim de resultados.

Alemanha 2014Com esse leque de valores, baseado em conhecimento e desenvolvimento de técnicas, a Alemanha conquistou a Copa no Brasil quase sem sustos, no auge de um projeto absurdamente bem estruturado usando todos esses conceitos, enquanto o mundo discutia a posse de bola. A Alemanha falhou em 2018 na reposição das peças; os jogadores que colocaram o mundo no bolso em 2014 perderam o brilho – mas a essência do projeto permanece, com Joachin Löw mantido no comando, em busca de uma nova geração.

É essa essência que os clubes, que têm muito mais condições de montar trabalho consistentes que as seleções, precisam buscar. Com jogadores muito bons tecnicamente, equilibrados emocionalmente, sobre uma concepção tática que não se prende a apenas um modelo, mas que consegue se adaptar ao adversário, a chance de sucesso se multiplica.

No futebol brasileiro, que ainda vive no século 20, quem sair da binariedade e fizer isso primeiro terá vários anos de supremacia, até ser copiado. Não basta estrutura física, algo que já temos. É preciso um projeto de futebol completo, como o da Alemanha, que começou em 2006 e teve seu pico em 2014, que foi emulado pela França em 2018, contou com uma geração talentosíssima e é a grande campeã do mundo.


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo