Palmeiras deixa RGT no vácuo; só falta a declaração formal de guerra

RGT no vácuoOs jogadores do Palmeiras passaram reto, sem sequer dar atenção, aos repórteres do SporTV/RGT ao final do jogo de ontem contra o Botafogo.

A cadeira destinada a um representante do Palmeiras no programa “Bem, Amigos”, tradição do programa nos jogos às segundas-feiras, ficou vazia, para evidente constrangimento do apresentador Luiz Roberto.

Segundo a emissora, a negativa partiu dos jogadores. Não é possível saber com certeza até que ponto a ordem veio de cima. Mas é bem pouco provável que os jogadores tenham tido essa iniciativa – até porque, eles adoram uma câmera. Tem todo o jeito de orientação de superiores.

Caso venha à tona que realmente os jogadores estão sendo orientados a ignorar os canais da RGT, se a diretoria de fato entrar de cabeça nessa titânica queda de braço, será uma declaração de guerra inédita e histórica. Será quase como um novo 1942.

“Nunca peite a RGT”

Em conversas com pessoas bastante influentes nos bastidores do futebol, um dos consensos do meio é que comprar uma briga com a RGT é a última coisa que deve ser feita. Além da força da emissora nos bastidores da CBF, a emissora costuma ser a tábua de salvação financeira quando as contas dos clubes não fecham – algo corriqueiro entre as administrações dos cartolas brasileiros.

Provavelmente com um fundo reservado apenas para socorrer clubes com problemas de fluxo, a RGT conseguiu ter praticamente todos nas mãos, e assim consegue dar as cartas não apenas nas transmissões dos jogos, mas também na confecção da tabela. Fora outras influências que ficam na parte de trás das cortinas.

AlexTodo esse poder, que já foi ilustrado por Alex com a frase “quem manda no futebol é a RGT, a CBF só empresta a sala de reuniões”, nunca teve resistência. Ao contrário: o único foco de união dos clubes que poderia um dia ser entrave às pretensões da emissora, o Clube dos 13, foi dissolvido numa manobra arquitetada por Andrés Sanchez e pelos “gângsteres da RGT”, em troca de vantagens para o SCCP – a começar pela equiparação ao Flamengo no contrato para transmissão dos jogos pela TV aberta. Depois disso, o clube ganhou patrocínio estatal, um estádio com dinheiro público e nunca antes na história deste país os árbitros ajudaram tanto um mesmo time. Até bandeirão a torcida deles ganhou de presente.

O Palmeiras, ao contrário, passou a ser sistematicamente prejudicado. Além do cúmulo da roubalheira que são as interferências externas, vemos nas transmissões da RGT sinais claros de prejuízo ao Palmeiras na parcialidade camuflada dos comentaristas e narradores, na sonegação de replays, na construção de efeitos gráficos mentirosos e na direção de som, que sempre abafa nossa torcida.

Diante de tudo isso, nossa diretoria deve ter se perguntado: “de que adianta não peitar a RGT?”

O Palmeiras, depois de um movimento de reconstrução financeira que já está em seu quinto ano, não é mais refém da emissora; o Verdão não precisa fazer, por exemplo, como acabou de fazer o SPFC, que adiantou mais um quinhão e se enforcou um pouco mais para tirar Everton do Flamengo.

Se o clube já é roubado pela arbitragem da FPF e da CBF; se é tratado com um clube de segunda categoria nas transmissões da emissora, e se não precisa do dinheiro fácil vindo dos cofres dos Marinho, para que serve a subserviência afinal? O mantra caiu. Pode peitar a RGT sim! Mas será que vai acontecer?

Os donos do mundo

BozóAo deixar a cadeira vazia, a direção do “Bem, Amigos” quis deixar claro que considerou um acinte a negativa do Palmeiras. Quem trabalha na emissora parece viver num universo paralelo onde Deus é prateado e tem sobrenome: Marinho.

Através do personagem Bozó, Chico Anysio, ainda na década de 70, ironizava a arrogância dos funcionários da RGT que ostentam seus crachás como se pertencessem a uma raça superior. Repórteres da emissora investem sobre os objetos de suas entrevistas com a convicção de que estão fazendo um favor a eles. Quem não quer aparecer na RGT? São os donos do mundo.

Ao ignorar os repórteres da emissora na saída do campo, e pior, ao fazer a “desfeita” de deixar uma cadeira do programa de maior audiência do canal vazia, o Palmeiras ousou fazer o que poucos já tiveram coragem. Quem chegou mais próximo disso foi Eurico Miranda, ao estampar o logo do SBT na camisa do Vasco na final da Copa João Havelange de 2000, só para provocar.

Depois de conseguir sua independência financeira, o Palmeiras tem a chance agora de exigir respeito, revivendo a História escrita há mais de 75 anos por nossos bisavós. À época, usaram a Grande Guerra como desculpa para tomar nosso estádio, mas a italianada colocou os canalhas para correr da rua Turiassú com paus e pedras.

A versão moderna da Arrancada Heroica poderá acontecer na mesa de negociações. Com bastante lastro, proveniente 80% da força da torcida, que sustenta o clube na bilheteria, no Avanti e na compra de produtos licenciados, o Palmeiras bate o pé e arreganha os dentes. Só falta declarar guerra formalmente.

Brigar, pra que?

RespeitoNão temos mais nada a perder. Mas o que temos a ganhar ao bater de frente com a rede de televisão mais poderosa do país?

Para começar, respeito. Da própria RGT, das outras emissoras, das arbitragens e das outras torcidas que sempre sonharam em ver seus clubes fazendo o mesmo.

Caso não acerte com a RGT o acordo para transmitir as partidas em TV aberta, o bloco liderado pelo Palmeiras, que ainda tem Atlético-PR e Bahia, tirará do ar 28% das partidas do Brasileirão da grade da emissora a partir de 2019. Fechar o acordo para TV aberta será bom para os dois lados. E será ótimo se este acordo seja fechado sem que o Palmeiras, a exemplo do Santos, tenha arriado as calças, ganhando o pagamento integral e diminuindo drasticamente a diferença para o que recebem Flamengo e SCCP, os protegidos da emissora, que precisará rever seu sonho da espanholização do futebol brasileiro.

O Verdão tem como trunfo a terceira maior torcida do país, que no engajamento deve ser a primeira. Tem o maior canal de streaming entre todos os clubes da América Latina, a TV Palmeiras/FAM. E pode até vislumbrar transmissões próprias de enorme sucesso, desde que a legislação que hoje determina que os direitos das partidas sejam divididos pelos dois clubes seja readequada, restringindo os direitos apenas aos mandantes. Em caso de fracasso nas negociações, parece claro que o Palmeiras perde menos.

Se realmente levar adiante essa briga, o Palmeiras fará história. Com uma série de vantagens que lhe dão força na  negociação, só não conseguirá êxito se a RGT escolher por não dar o braço a torcer, mesmo que tenha que amargar prejuízo na operação como um todo – neste caso, nossos cofres ainda perceberão a entrada de um bônus do Esporte Interativo.

Em qualquer cenário, o Palmeiras imporá respeito e o caminho estará traçado para que os outros clubes também o trilhem, para livrar nosso futebol da influência nefasta de uma emissora de televisão que trata nosso esporte como seu brinquedo particular. Basta, para isso, seguir em frente na rebelião e se manter firme na mesa de negociação. VAMOS PALMEIRAS!


Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.padrim.com.br/verdazzo