Defesa do Palmeiras iguala recorde e faz História

Weverton
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Elogiar o atual sistema defensivo do Palmeiras, hoje, é fácil. Difícil foi chegar a este ponto, equilibrando uma defesa que ninguém passa com um ataque que resolve os jogos.

Todos os méritos desse nível de jogo são dos jogadores e da comissão técnica, que resistiram às pressões da imprensa e da própria torcida para implementar no Verdão uma identidade de jogo que o torna o time mais “chato” de se enfrentar no futebol brasileiro.

Com a vitória de ontem sobre o Sampaio Corrêa, o time de Felipão igualou um recorde histórico: é a maior sequência de vitórias sem tomar gols em todos os 104 anos de História do Palmeiras.

Em 1992, Otacílio Gonçalves conseguiu a mesma marca, ao comandar um time que venceu  consecutivamente Noroeste, Bragantino, SPFC, Atlético-PR, SCCP, Guarani e Mogi Mirim, marcando 11 gols. A atual sequência do Palmeiras, que ainda pode aumentar, tem 12 gols marcados.

Números

Waldemar Carabina

Outros técnicos conseguiram boas sequências sem tomar gols. O recorde é de Waldemar Carabina, que ficou 12 jogos (8V 4E) sem levar gols no Paulistão de 1987 – a sequência foi quebrada num empate por 1 a 1 contra o Santo André – e o gol do Ramalhão foi justamente de Luiz Pereira.

O Palmeiras ficou 9 jogos “clean sheet” por 3 vezes na História:
– em 1969 com Filpo Nuñez (5V 4E) – quatro desses jogos foram no Torneio Início, comandado por Julinho Botelho;
– em 1973 com Oswaldo Brandão (6V 3E);
– em 2018, logo após a saída de Roger Machado, com Wesley Carvalho, Paulo Turra e Felipão (6V 3E).

Em 1965, Filpo Nuñez conseguiu manter a defesa invicta por 8 jogos (5V 3E).

Oswaldo Brandão

Por cinco vezes, o Verdão ficou 7 jogos sem tomar gol:
– 1971 – Oswaldo Brandão (4V 3E)
– 1978 – Jorge Vieira (4V 3E)
– 1989 – Leão (4V 3E)
– 1992 – Otacílio Chapinha (7V)
– 2019 – Luiz Felipe Scolari (7V)

Fazendo História

Gómez
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

Até hoje, quem viveu o Palmeiras no ano de 1987 se lembra da sequência impressionante do limitado time de Waldemar Carabina – os méritos recaem muito sobre o goleiro Zetti, que vivia uma fase espetacular. Os números daquele time entraram para o imaginário eterno da torcida, mesmo fracassando na busca por títulos.

O que esta equipe de Felipão está fazendo pode superar tudo: além de se manter no caminho para bater o recorde de 1987, pode conquistar troféus até o fim do ano, o que coroaria a trajetória extremamente promissora do time atual e escreveria o nome destes atletas no livro eterno da memória palmeirense.

Os próximos jogos do Palmeiras são contra a Chapecoense (F), Athletico-PR (C) e Avaí (C). Felipão sinalizou em coletiva que “um ou dois” amistosos poderão ser marcados na intertemporada, o que totalizariam os 12 jogos. Dá pra alcançar a marca.

Para bater o recorde e chegar a 13, seria necessário manter a defesa zerada no primeiro jogo das quartas-de-final da Copa do Brasil, já após a parada.

Mas isso pode mudar se o STJD resolver remarcar o jogo contra o Botafogo, diante da suposta irregularidade cometida pelo árbitro para consultar o VAR no jogo disputado em Brasília. Até isso o choro do pequeno clube carioca pode estragar.


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

Com ou sem Mina, defesa permanece incerta para 2018

Roger Machado
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

O Palmeiras está treinando em ritmo intenso, debaixo de chuva e no fim-de-semana. As movimentações promovidas por Roger Machado até agora serviram para desenferrujar os jogadores – as imagens divulgadas pela TV Palmeiras mostram treinos com bola em terreno reduzido com muita intensidade, mas que não dão nenhuma dica do time que Roger pretende usar como base.

As laterais, o meio-campo e o ataque, no entanto, parecem encontrar consenso na torcida. Marcos Rocha e Diogo Barbosa saem na frente, sem dúvidas. Na frente, o quarteto Lucas Lima-Keno-Dudu-Borja também aparenta ter apoio da esmagadora maioria. E mesmo na volância não há muita discussão – Felipe Melo e Moisés gozam do apoio maciço da torcida. 

Ainda não sabemos bem o que Roger pretende. Cheio de personalidade, nosso novo treinador pode aparecer com um time base bastante distinto do que a torcida imagina – e nosso elenco tem qualidade suficiente para que ele faça as escolhas que achar melhor sem perder apoio.

Obviamente não há nenhuma unanimidade e cada leitor tem sua própria escalação na cabeça que nem sempre vai bater com a maioria ou com a do treinador, mas em linhas gerais, pelo menos entre a torcida, estamos perto de definir um time-base – a não ser na zaga.

Defesa que muita gente passou

Pedrão
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

A maior fragilidade do Palmeiras em 2017 foi, indiscutivelmente, o setor defensivo. Tivemos erros individuais decisivos, mas também vimos um sistema coletivo de recomposição bastante falho.

Há quem simplifique tudo e decrete que Edu Dracena, Luan e Juninho são fracos, indignos de vestir nossa camisa. Edu Dracena, campeão por quase todos os time que jogou, tem sua capacidade colocada em xeque devido à idade; Luan e Juninho, a despeito de terem sido zagueiros de grande destaque no Vasco e Coritiba, foram pregados na cruz por falhas decisivas – principalmente Juninho.

Mina, provavelmente o melhor zagueiro que o Palmeiras teve neste século, também não teve grande desempenho em 2017, mas foi poupado por seu histórico – o que nos leva a ponderar se o problema realmente está na técnica dos nossos zagueiros. Quem jogou mais está levando mais pancada. Não admira que, com apenas nove jogos, Antônio Carlos passou a ser muito bem avaliado – quem garante que, caso tivesse jogado mais, não estaria sendo o centro das críticas? 

Confiáveis ou não, parece correto afirmar que, devido a um sistema imperfeito que os deixava muito expostos, nossos zagueiros acabaram falhando. Defensores de técnica bem mais questionável tiveram desempenho melhor em outros times jogando num sistema que os deixava bem protegidos. Este tema é muito subjetivo e há até quem diga que pode ser as duas coisas: sistema ruim com zagueiros ruins. Será?

Vote na enquete e escolha sua zaga ideal

O Verdazzo abre a discussão e lança a enquete, levando em conta que Mina parece mesmo de malas prontas para a Catalunha e vai deixar o Palmeiras. Escolha dois, entre os sete zagueiros de nosso elenco, que você considera os melhores para compor a zaga no início da temporada.

Escolha DOIS atletas para compor a zaga titular em 2018

  • Edu Dracena (30%, 901 Votos)
  • Luan (26%, 801 Votos)
  • Thiago Martins (16%, 488 Votos)
  • Emerson Santos (15%, 455 Votos)
  • Antônio Carlos (6%, 196 Votos)
  • Juninho (5%, 138 Votos)
  • Pedrão (2%, 73 Votos)

Total de Participantes:: 1.531

Carregando ... Carregando ...