Base do Verdão avança, mas segue falhando na tarefa de revelar talentos

Uma das críticas mais recorrentes ao departamento de futebol do Palmeiras é o baixo aproveitamento dos atletas da base no time principal. Em levantamento feito pelo blog “Futebol em Números”, o Palmeiras é o penúltimo na lista dos clubes que mais aproveitaram atletas das categorias menores no Brasileirão, à frente apenas da Chapecoense.

Academia de Futebol II, em Guarulhos
Academia de Futebol II, em Guarulhos

Nas últimas temporadas, vários jogadores chegaram aos 20 anos e foram incorporados ao time principal do Palmeiras, mas com exceção de Gabriel Jesus, um extra-classe, nenhum emplacou com destaque. Podemos mencionar alguns jogadores que vêm jogando o Brasileirão por outros clubes, mas sem mostrar futebol suficiente para ser incorporado ao nosso plantel em nível compatível com nossas atuais ambições – ao menos na avaliação de nossa comissão técnica.

João Pedro e Nathan na Chapecoense e Vitor Luís no Botafogo são os casos mais notórios. Matheus Sales, depois de um papel fundamental na conquista da Copa do Brasil de 2015, hoje está na reserva do Bahia. Arthur vem tendo algum destaque no Londrina, na Série B. Apesar de todos serem bem melhores que os históricos e folclóricos Chocolate, Daniel Lovinho, Ramazzotti e o incrível Romarinho, nenhum deles, por enquanto, tende a ser chamado de volta ao Palmeiras.

A saída é ir ao mercado e contratar, algo que Alexandre Mattos faz como ninguém no mercado brasileiro – no bom e no mau sentido, recebendo muitos elogios pelos excelentes negócios que faz, em meio a contratações questionáveis. Tomemos com exemplo João Pedro: de fato, ele não enche os olhos de ninguém, mas hoje podemos dizer que não está abaixo do futebol mostrado pelo Mayke.

O elenco profissional do Palmeiras tem, hoje, apenas quatro pratas-da-casa, sendo dois deles o terceiro e o quarto goleiros: Vinicius Silvestre, Daniel Fuzato, Thiago Martins e Vitinho. Este último já está há mais de um ano treinando com os profissionais, ganhou massa muscular, mas não mostra desenvolvimento. Suas últimas atuações pela Copa do Brasil sub-20, em que o Palmeiras foi eliminado pelo Avaí nas quartas-de-finais, foram apenas medianas. Além deles, o atacante Iacovelli, que veio do Flamengo com pouco menos de 18 anos, chegou a ser aproveitado em um jogo do Brasileirão.

Transição falha

As divisões de base do Palmeiras vêm conseguindo resultados expressivos em várias competições nos últimos anos, sobretudo nas categorias menores. Mas a impressão que se tem é que todo esse potencial, à medida que os garotos se aproximam da transição para o profissional, acaba se perdendo. O trabalho final, a lapidação, de alguma forma parece não estar sendo tão bem executado como em outros clubes – hoje a referência é o Grêmio, que sob o comando do professor Renight, tem oito de seus onze titulares vindos da base, jogando em alto nível.

Há cerca de um mês o Palmeiras trocou mais uma vez o técnico do time sub-20. Depois de um ano e meio sem resultados relevantes, seja em conquistas ou em revelações, João Burse deu lugar a Wesley Carvalho, que estava no Vitória. Esperamos que o novo treinador, que já havia trabalhado com o nosso atual coordenador João Paulo Sampaio no clube baiano por muitos anos, tenha sucesso na tarefa de fazer a transição final dos juniores para os profissionais, para que o Palmeiras possa ser referência no futebol como um esquadrão poderoso não apenas pelo seu poderio financeiro, mas também como formador de novos atletas.