Com Luxa, Palmeiras mostra perda de prestígio, mas segue postulante a títulos

Duas semanas após demitir Mano Menezes, o padrasto, o Palmeiras anunciou finalmente seu técnico para a temporada 2020. Ao ver frustrada a tentativa de trazer Jorge Sampaoli para o clube, o Verdão optou por dar mais uma chance a Vanderlei Luxemburgo, que fez uma campanha relativamente boa no Vasco, depois de mais de um ano desempregado.

Luxa treinará um time de ponta novamente após dez anos. Seu último comando num time realmente forte foi efetivamente em 2008/2009, quando passou pelo Palmeiras, conquistou o título estadual e passou perto de conquistar o Brasileirão – acabou agredido pela organizada no aeroporto; o time sentiu a pressão e perdeu rendimento nas rodadas finais.

Ao lado de Felipão e de Osvaldo Brandão, Vanderlei Luxemburgo é um dos maiores vencedores da História do Palmeiras. Sob seu comando, o Verdão conquistou dois Brasileirões, um Torneio Rio-SP e quatro estaduais – numa época em que eles eram bem mais valorizados. O título paulista de 1993, por tudo que o cercou, é tido como um dos mais importantes de todos os troféus levantados pelo Palmeiras. Além disso, dois dos maiores esquadrões de nossa galeria tiveram sua assinatura: o time bicampeão paulista e brasileiro de 93/94; e o avassalador campeão paulista de 1996, que marcou 102 gols em 30 partidas.

Parece ter sido apoiado nessa história vencedora que Luxemburgo foi contratado, após as negociações com Sampaoli terem feito água. O veterano treinador, a despeito de ter deixado o candidatíssimo a rebaixamento Vasco da Gama na zona intermediária da tabela, não parece ter evoluído com os conceitos táticos do futebol contemporâneo. É verdade que teve poucas chances de mostrar todo seu potencial os últimos dez anos. O Palmeiras de 2020 será sua última chance.

Perda de prestígio

Mauricio Galiotte
Fernando Dantas/Gazeta Press

Depois de ter frustradas três tentativas para contratar um diretor de futebol para o lugar de Alexandre Mattos, o Palmeiras ficou com o “plano D”, Anderson Barros. Na sequência, passou por mais um grande desapontamento ao ver a recusa de Jorge Sampaoli – disfarçada de pedida astronômica.

O Palmeiras, de astro do mercado, objeto de desejo de dez entre dez profissionais, agora é o número dois no potencial – algo até natural na dinâmica do esporte, já que poucos conseguem se manter no topo por muito tempo. Só que o Verdão já não é nem a segunda escolha entre os melhores executivos e treinadores.

Profissionais renomados hoje ponderam o trabalho na Academia de Futebol. É sabido que a pressão dentro do Palmeiras é desproporcional, maior do que em qualquer outro clube. A torcida apedreja ônibus e ameaça treinador de morte. A imprensa tem uma má vontade natural com tudo que envolve nosso dia-a-dia. As arbitragens vivem nos roubando livremente. Os tribunais brincam em nossas denúncias e julgamentos. E os rumores de problemas financeiros e de ingerência de neófitos na direção são recorrentes.

Com esse cenário, mesmo com um elenco ainda muito profícuo, não é difícil compreender porque só profissionais em baixa, com perspectiva curta, aceitaram trabalhar por aqui.

Mesmo assim, dá pra ganhar

A célebre preleção de Luxemburgo, vazada na internet, antes da partida entre Flamengo e Vasco no Brasileirão (4 a 4), mostra que o jeito de liderar um grupo permanece o mesmo – há onze anos, uma fala muito parecida foi registrada no vestiário antes do Palmeiras golear a Ponte Preta por 5 a 0 e conquistar o estadual de 2008. Em sua primeira passagem, a energia vista antes da prorrogação do Paulista de 93 foi latente e o Palmeiras foi campeão depois de dezesseis anos.

Isso, não tem modernidade que mude. E com um elenco que segue sendo bom – e para o qual, esperamos reforços – a possibilidade de triunfo é bem palpável, sobretudo nos mata-matas, quando uma de nossas maiores queixas em relação a nosso time foi a falta de pegada.

Mas é impossível não se encher de dúvidas quando traçamos as perspectivas para o Brasileirão. Luxa talvez seja suficiente para liderar um grupo de forma competitiva para chegar aos 75 pontos, quem sabe 80. Ficaremos, certamente, entre os dois ou três primeiros, mais uma vez. Mas será suficiente para o título?

A competição está mais complicada com a ascensão do Flamengo e nossa meta, hoje, tem que ser perto de 90 pontos. Se o atual campeão brasileiro não sofrer uma queda de rendimento, parece difícil acreditar que nossa campanha sob o comando de Luxemburgo será páreo. E o Palmeiras não pode se contentar em se posicionar com postulante ao título confiando numa queda do rival. Temos que acompanhar a subida de nível. Esse é o maior desafio de Luxemburgo, e estaremos torcendo muito para que ele surpreenda e eleve o rendimento do Verdão também nos pontos corridos.

Afinal, se torcemos até para o time sob o comando do Mano Menezes, como não apoiaremos um time comandado pelo pofexô, ca pica apontada po xéu? VAMOS PALMEIRAS!


O Verdazzo é um projeto de independência da mídia tradicional patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Conheça mais clicando aqui: https://www.verdazzo.com.br/padrinho.

  • Luxa quando está preocupado e focado somente em treinar o time, é um dos melhores do país. Ah mas vai ser suficiente? Depende. O futebol é cíclico e tudo muda muito rapidamente. O que aconteceu com o Flamengo foi fruto de anos batendo na trave tentando chegar onde chegamos. Encerramos um ciclo e começaremos outro. O planejamento não pode se restringir a 2020. Quero que o trabalho de Luxemburgo dê certo, mas se os títulos não vierem porém o time tiver atitude, ir bem, e se identificar na ideologia de futebol ofensivo que está sendo planejada tendo um norte a continuar sendo seguido, a manutenção precisará acontecer. A estrutura financeira precisa de um ano abaixo pra tomar fôlego, basta ver que o Flamengo está buscando compor o elenco esse ano e fortalecer este elenco a reforçar mais ainda o titular até agora. Com certeza, uma ou outra contratação pontual mais avantajada deverá acontecer mas nada com a voracidade que foi em 2019. Outros times que se seguraram esse ano poderão gastar mais pra tentar coisas melhores. O Palmeiras vem gastando muito dinheiro tem algumas temporadas. Na minha visão, não se contentando com pouco, mas mais importante até do que ganhar um título num tiro certeiro como foi o BR 2018, seria primordial criar essa bendita identidade que falamos aqui já tem uns 6 anos pra mais. Esse resgate, acima dos resultados, precisa acontecer. O resto será consequência.

  • Vamos ganhar o Paulista depois de muitos anos com o Luxa. Anotem aí. O vai ser só o Paulista mesmo kkkkk

  • Pelo que entendi não e perda de prestígio mas a era Alexandre Matos que todos reclamavam acabou. Os diretores queriam ser um novo Mattos com salário do Mattos. Quando viram que a direção mudou desistiram

  • Os Urubus jaja tomam alguma sabugada, lá tem politicagem também, o que a gente noa entende é que o futebol brasileiro em si nao evolui. Nao tem bons técnicos, tudo é na base do grito, jogador mal formado na base sem o mínimo de preparacao…Achamos que o Brasil é o centro do mundo do futebol, mas nao conseguimos entender que o futebol brasileiro é irrelevante atualmente. Moro na Europa e ninguém aqui sabe b**** nenhuma sobre os times brasileiros. Outras coisa, essa parada de mundial pra eles é irrelevante, nem na TV vai passar.

  • Enquanto isso os urubus vão contratando e se profissionalizando. E nós graças a esse “presidente” estamos regredindo. Os dinossauros que achavamos que estavam extintos no Palmeiras, estão de volta com as garras mais afiadas ainda.

  • Luxa é só a cereja do bolo. O q essa contratação sinaliza é a volta do amadorismo no futebol do Palmeiras. Tudo o q o PN levou 4 anos para implementar (a gestão profissional e a blindagem do departamento de futebol) está sendo jogado no lixo, com o futebol voltando a ser comandado por diretores amadores, vaidosos e arrogantes. Qto ao Luxa, é lógico q ele pode ganhar um título, aliás, como Mano, no Cruzeiro, e Felipçao, ano passado, conseguiram. O problema é q estamos vivendo um momento especial, raro no Palmeiras das últimas duas décadas, qual seja, a possibilidade de brigar pela hegemonia do futebol brasileiro e sulamericano. Mas parece q vamos nos contentar com brilharecos esporádixos.

  • Assisti a uma entrevista pós-jogo do Profexor no Vasco não faz muito tempo. Ele assumidamente diz que não tem dedicação total ao trabalho de técnico, que é dono de emissora em outro estado e tem outros compromissos. Esse para mim é o maior problema dele nos últimos trabalhos, nunca mais se dedicou integralmente aos times, o “pojeto” é só história pra boi dormir. Lembram-se na última passagem pelo Verdão em que ele preferiu comentar um jogo pela RGT a ir comandar o time em campo? Por essas e outras acho que há pouco a comemorar nessa contratação, espero que o Pofexor queime minha língua.

    Quanto à bagunça que está a direção do time, o Conrado expôs muito bem no Periscazzo Extra, vale a pena conferir.

  • Eu não estou acreditando, ainda não digeri a notícia, nem acabou 2019 e o presidente já acabou com nosso 2020. Lamentável o que esse senhor está fazendo com o Palmeiras.

  • eu pensei que somente eu estava orfão de Paulo Nobre…
    se era para modernizar, que viesse o campeão da sul americana, vão na europa, está cheio de técnico demitido…
    até mesmo o Valentim… o Ceni jamais…
    vamos esperar que 2021(isso mesmo 2021) já está logo ai e que o profexo consiga se reerguer como o Felipão conseguiu e consiga voltar a ser o tecnico que chegou ao Real Madrid…

  • Bom, visto as opções que tinhamos… esse argentino já nao quero ele nem de graça mais, nunca. Agora sinceramente se não houver uma mudança boa no elenco, o time vai jogar a mesma bola que jogou com o mano e felipão. Pesa a favor do luxa q ele não é paizão e vai botar no banco quem tiver q botar, e isso fez falta em 2019. Aguardemos…

  • Se os vazamentos estiverem corretos, e devem estar já que a diretoria não contraria nada, o professor vai ganhar 1/3 do que ganharia o Sampaoli, então, que usem esse 2/3 no salário de um jogador p1ca em 2020.

  • Claro, sempre iremos apoiar e torcer para dar certo.

    Luxemburgo sempre terá todo respeito que ele merece por parte de todos os Palmeirenses que presenciaram o que ele fez nos anos 90, nos dando o título mais importante da nossa história.

    Mas é importante pontuar que o Palmeiras voltou a ser aquele time de bairro, de quermesse, onde mais vale a opinião de alguns conselheiros, que pararam no tempo, e que ficam com seus egos massageados quando são ouvidos e quando estes tem acesso às informações nas quais podem vazar para algum amigo da imprensa.

    Onde a opinião de uma torcida uniformizada é levada em consideração para decisões que devem ser tomadas.

    Quem em sã consciência toparia vir trabalhar em um ambiente destes ?

    O Palmeiras é um clube gigante que, em uma grande parte de sua história, os dirigentes insistem em dirigir como se fosse um clube provinciano…

  • Diretoria de merda, omissa, fraca! Devolvam nosso Palmeiras….
    Toda sorte do mundo pra você, Luxa. Apoio não vai faltar, ainda quero acreditar no seu potencial e que com reforços nos iremos longe. Rezando p/ 2020 ser o menos tenebroso possível e que o Galiotte suma o mais rápido possível.

  • Realmente a volta desse técnico mostra que a velha e fétida política interna vêm ganhando força cada vez mais dentro do Palmeiras.

    Tem muito velho lá dentro que deve ter ganho algo com esse técnico já e que fizeram pressão para que o contratassem novamente e o Galiote cedeu.

    Estamos no mesmo caminho dos bambis.

    Com todo respeito à história desse técnico, entendo que ele, assim como o JJ, fizeram história porque tinham os melhores jogadores nas mãos.

    Minha esperança é que jogadores cheguem e resolvam o problema do time dentro de campo.

    Porque fora, estamos [email protected]@$.

  • Se tivéssemos um presidente e uma diretoria de verdade, teríamos trazido o R Gaúcho. Mas infelizmente estamos regredindo. Esse presidente é uma mistura de Frizzo e Tirone. Mas fazer o quê. Vamos torcer para o Profexô calar nossa boca. Trabalhar ele sabe, vamos ver se está a fim. Volta Nobre.

  • O Palmeiras é uma vergonha. O presidente vem a público com um discurso que precisava do novo, mudar….vai lá e trás o Luxemburgo. Tem que parar com essa história de raiz, e grito, não sei o que lá… futebol mudou, precisa do novo, quem não enxerga, fica pra trás. Esse ano vai ser mais do mesmo, demissão em Maio.
    O presidente é uma vergonha. Sinto pena, esse ano vai ser mais do mesmo. Que o Luxa enterre minha boca. No mais, vai se fuder Diretoria do caralho.

  • O Luxa hoje é uma caricatura do que já foi. Chega até a ser meio folclórico. Um Papai Joel com um pouco mais de grife. Fiquei totalmente desanimado com essa chegada. Se fosse um técnico incontestável, já seria difícil segurar numa eventual sequência ruim, devido a nossa torcidinha insuportável. O Luxa não dura até o final do paulistinha. 2020 parece que será um novo início de anos trevosos. A diretoria tá perdidinha, como antes do Paulo Nobre.

  • Só um ponto, o Grêmio de 2013 era muito bom e o Luxemburgo fracassou. Os gaúchos contavam com Dida, Grohe, Cris, Alex Teles, André Santos, Souza, Fernando, Elano, Zé Roberto, Vargas, Marcelo Moreno, Willian José, Barcos e Kleber.

  • O que me preocupa é quem vai comprar e negociar jogadores novos pro Palmeiras? Vamos dar chapéu ou levar chapéu?
    Será que os nomes de peso vão querer vir pro Palmeiras?
    Infelizmente a bola da vez é o Flaglobo. E ao que parece vai manter o nível.

    • Vai ser um parto conseguir contratar. Se pra diretor conseguimos a quarta opção e pra técnico o Luxa… imagine pra trazer reforços. O Mattos com carta branca foi péssimo, mas sabia negociar. Agora é tudo uma incógnita lá dentro. E a perspectiva, na minha opinião, não é boa.

  • Luxa teve um esquadrão incrível em 1996. Um dos melhores times da história do Brasil. Ganhou um único título, o estadual.
    Acabou em terceiro na primeira fase do Brasileiro (atrás de Cruzeiro e Guarani). Foi eliminado na PRIMEIRA FASE do mata-mata do Brasileiro tomando 3 do Grêmio, meses depois da eliminação na Libertadores com direito a goleada. Pelo menos chegou à final da Copa do Brasil, mas também perdeu.

    Em 2008, tinha um elenco excelente, mas não ganhava de ninguém fora de casa. Saindo na frente contra o Sport fora, conseguiu tomar uma goleada da qual só esquecemos porque na época de B1 e B2 tomamos outras mais humilhantes.

    Em outras palavras, a especialidade do manager é perder campeonato com timaços. Era mais negócio ter contratado o Alberto Valentim pra pegar uma dobradinha botafoguense. Quem sabe repatriar o Diego Showza?

    Podemos, sim, ganhar títulos no ano que vem: Paulista e Sula Miranda, se tivermos a sorte de ficar exatamente em terceiro lugar no grupo da Libertadores (e não passarmos líderes pro mata-mata pra sermos eliminados em casa de novo). Depois disso, acabou o ano.

  • Eu ainda acho que o maior problema da Palmeiras está fora de campo. E isso significa considerar que temos uma gestão perdida e fraca, cercada por conselheiros que plantam discórdia apenas para ver seu lado triunfar nas panelinhas internas, uma torcida bipolar que não sabe apoiar o time quando ele mais precisa e a tradição dos últimos anos de rifar bons profissionais ao primeiro deslize, ou de querer trazer de volta um passado que não existe mais. Tenho saudades de quando tínhamos um padrão de jogo, como na época da academia. Um time refinado que jogava bonito e pra frente. Um time que todos podiam reconhecer e dizer: esse é o Palmeiras. É óbvio que não seria o caso de tentar transplantar isso para os tempos atuais, mas pelo menos tínhamos que ter uma “assinatura”, ainda que nova ou diferente. Isso evitaria essa série de equívocos em contratações dos últimos tempos, seja de jogadores, seja de técnicos e corpo diretivo. Hoje não dá mais para saber que tipo de time o Palmeiras representa. Estamos por ai, tentando achar uma nova identidade já faz um bom tempo…

  • Sempre gostei do Luxemburgo e acredito que as perspectivas são boas. Sabemos do potencial dele quando pega times estrelados e, fora isso, talvez seja essa a última chance dele conquistar uma libertadores.
    Em 2019 o flaglobo foi o ponto fora da curva por várias circunstâncias, mas em 2018 também fomos e em 2019, com praticamente o mesmo time, não rendemos a mesma coisa.
    Isso também poderá ocorrer por lá. Vários atletas renderam no cheirinho muito mais do que jamais haviam rendido em suas carreiras, vide Bruno Henrique e Gabicelha, por exemplo. Sinceramente, não acredito que eles conseguirão repetir toda essa pegada ano que vem.
    Vamos aguardar e ver como se dará o planejamento a partir de agora e torcer para que a torcida deixe o pofexô trabalhar. No mínimo, poderemos esperar os jogadores com um pouco mais de sangue nos olhos em jogos decisivos…

          • Desculpe, mas isso não é argumento. Felipão também ganhou libertadores em outro século. 20 anos depois veio aqui e faturou o BR18.
            Luxemburgo é um dos maiores de nossa história. Está ultrapassado? Não sei. Teremos a oportunidade de ver agora. Fato é que o último grande elenco que ele treinou foi o Palmeiras de 2008 que sobrou no Paulista…
            Nesses últimos antos já tivemos Mano, Eduardo Baptista e Roger Machado. Os 3, a meu ver, não são meio Luxemburgo. Temos que apoiar.

        • Isso aí foi quando ele ainda era técnico. Antes de virar mênadjer. Quando a Seleção jogava e mais da metade dos atletas atuava no Brasil.
          Na passagem seguinte, ganhou só um Paulista com o melhor time da história recente do Brasil.
          Na terceira passagem, desmontou um time que tinha metido 4×2 no BAM em pleno Morumbi, ficado atrás do Gambá (outro esquadrão) na primeira fase do RJ-SP por saldo de gols e sido eliminado no mesmo torneio pelo critério ridículo dos cartões amarelos.
          Passou o vexame da eliminação pro ASA na Copa do Brasil (não muito diferente do vexame pro Ceará em 94).
          Deixou o Alex sair pra Itália, vazou pro Cruzeiro e depois levou o Alex pra lá.
          Daí voltou, ganhou um Paulistinha que já não valia mais nada, passou o terceiro vexame na Copa do Brasil, contra o Xpot (que depois dessa começou a achar que era nosso rival) e contratou os famigerados cracks do Iraty Paulo Miranda (esse mesmo que hoje tá no Grêmio, só que era bem pior anos atrás), Thiago Cunha e Maurício Ramos (o melhorzinho desses, mas que tivemos que aguentar por 5 anos). Tinha um elenco que poderia disputar Libertadores (se a gente tivesse se classificado) e acabou em quarto no Brasileiro.

  • Vamos torcer muito! Realmente gostaria de ver o Luxa dando a volta por cima e nos trazendo conquistas novamente. Mas o que um presidente fraco e uma política tóxica não faz né? Tínhamos tudo pra fazer diferente… triste

  • Em 2008 lembro que perdemos o Brasileiro devido às saídas de Valdivia (que naquela época estava jogando muito) e do Henrique, que era nossa segurança na zaga. O problema é que eu acho que os times do Luxemburgo não tem características de time pra ganhar Libertadores, que querendo ou não, é a nossa principal meta. Agora é torcer, pois não tinha outro técnico melhor disponível no momento. Avanti Palestra! Boa sorte profexô!

  • Diante disso tudo, só consigo tecer dois comentários:
    – Boa sorte pro Luxemburgo. Não era meu favorito, mas é o que temos.
    – Galiotte está fazendo frente ao Tirone como um dos presidentes mais perdidos e incompetentes da História do Palmeiras. O Tirone era burro com pouco dinheiro. O Galiotte é um burro rico.

  • Presidente mais perdido que cebola em salada de frutas. Quis transparecer que tinha um plano de mudança mas, já na ocasião da demissão do Mano e do Mattos, era óbvio que estava apenas reagindo a uma situação específica. Ele não tem convicção de nada. Está preocupado com o clube social e com a política do clube. Tirone é 1000x melhor que o Galliote!

  • Que a diretoria está perdida isso ninguém discorda. O que discordo é que o Cheirinho é essa potencia toda. Acertaram esse ano, deu tudo certo, mas o próprio JJ sabe que isso não vai se repetir e vai picar a mula de lá, após o mundial. Por isso mesmo o Sampaoli já comprou apartamento no RJ porque está acertado com o Cheirinho. Mesmo que oferecêssemos 5 milhões ele não viria. Alias, viria, porque é um mercenário, mas dai o Cheirinho ofereceria 6 milhões e ele ficava de novo.

    Seja bem vindo pofexô, esse ano apesar de tudo e com um elenco cheio de gente que andou em campo fizemos 74 pontos, perdemos pontos bobos para Atlético/MG, Gambás, Vasco (6 pts), fomos roubados em outros jogos como Bahia, Inter e Gremio (6 pts) que soma mais 12 pontos que nos dariam 86 pontos ante os 90 do super mega time que jogou com atleta dopado e teve vários jogos ajudados pela arbitragem.

    Ficamos devendo? Sim! Mas peraí, com um comandante convicto e com o elenco nas mãos e com algumas contratações em posições carentes mais os meninos da base, podemos sim bater de frente com todo mundo, inclusive com o Cheirinho.

    Feliz 2020 a todos os palmeirenses e vamos PALMEIRAS! fiu fiu!

  • Dois pontos: primeiro, ainda acho Luxa um técnico muito bom, partindo da premissa de que ninguém esquece o que aprendeu. Luxa já foi inspiração até para o português do cheirinho. E há uma identificação muito grande com o time, pois, se o Palmeiras é o time que a imprensa ama espezinhar, Luxa é o técnico que a imprensa ama perseguir. Segundo, falta muito ao Palmeiras alguém que estude constantemente o mercado, mapeando opções e alimentando um banco de dados, para que não fiquemos nessa situação ridícula de refém do argentino, é preciso ter sempre duas ou três opções em vista, diante de eventual necessidade.

  • 2020 promete fortes emoções ! Quero acreditar que o Profexô vai quer mostrar que tem bala pra comandar um time de ponta e com forte ligação. #euacredito

  • Ele e nós teremos de buscar lá dentro de cada um aquela vontade do objetivo maior prevalecer sobre o ego. Juntos, podemos criar essa massa crítica. Temos de ter força e juízo.

    #VamosPalmeiras