Com maturidade, 2017 pode ser o novo 1995

Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Ainda pensando numa grande arrancada para se aproximar do líder, o Verdão vinha de uma boa sequência e tinha pela frente uma tabela bastante favorável – passando pelo Santos, a tendência era encostar no rival em algumas rodadas, impressão que se fortaleceria ontem com mais um tropeço do SCCP.

Só que mais uma vez o Palmeiras não fez sua parte. A derrota no clássico de sábado foi mais um grande desapontamento no ano. É possível arrumar algumas desculpas, e algumas podem até justificar – parcialmente – o mau resultado: o estado do gramado, que nivelou por baixo a técnica dos dois times, é uma delas. Mas a decepção por estar praticamente fora da última disputa do ano é o sentimento que predomina na torcida.

Ainda dá

O empate do SCCP diminuiu a tragédia. Na previsão feita no fim de agosto, estaríamos neste momento a onze pontos de distância, e estamos a doze. Um pequeno ajuste, e seguimos no jogo. Esperávamos uma derrota em Porto Alegre, contra o Grêmio – é nesse jogo que precisamos recuperar o que perdemos no sábado, e isso não parece tão impossível quando nos lembramos que a partida será quatro dias antes da semifinal da Libertadores e o professor Renight deve colocar o sub-13 em campo.

O que torna difícil manter a chama de esperança acesa são nossos próprios erros. Para tirar esses doze pontos, tínhamos uma pequena margem para erro, a qual praticamente esgotamos no clássico. Para chegar ao título, o Palmeiras precisa ser praticamente perfeito a partir de agora. É muito difícil, mas ainda dá.

Decepção e maturidade

Se a tendência de passar o ano em branco se confirmar, o ano de 2017 tende a ficar marcado pelo sentimento de frustração, diante da expectativa que foi criada. Mas fica longe de ser um dos piores anos de nossa História.

Mesmo sem os resultados esperados, o Palmeiras está sendo um dos protagonistas. Foi por muito tempo o centro dos noticiários esportivos. Disputou quatro campeonatos com chances reais de vencer – perdeu três em detalhes de mata-mata e ficou longe do título no Brasileirão pela Lei de Guardiola – uma sequência ruim nas sete rodadas iniciais tornou proibitivos tropeços no resto da tabela. Os naturais tropeços continuam vindo e isso está determinando esta situação difícil.

Mas é muito melhor ter um ano como o nosso, de frustração dentro de um cenário de protagonismo, do que seguir sendo coadjuvante, sabendo que não vai chegar longe em campeonato nenhum mesmo antes deles começarem, e ainda se preocupando com rebaixamento. Esta situação incongruente com nossa gigantesca História foi corriqueira para o Palmeiras nos primeiros 12 anos deste século, mas quem a vive hoje são outros clubes.

O fato do Palmeiras ter feito um “enorme investimento” em 2017 e não ter conquistado títulos é uma decepção, mas está longe de ser um desastre. O departamento de futebol segue muito bem estruturado e as finanças estão em ordem; o clube tem poderio econômico para ir ao mercado e continuar se fortalecendo.

A História mostra anos parecidos com 2017 encravados em eras de muitas conquistas. O mais evidente deles é 1995. Não ganhamos nada;  a Terra continuou girando, o trabalho foi aperfeiçoado e mais títulos vieram nos anos seguintes. Para que o ciclo se repita, é preciso que lições sejam aprendidas e ajustes sejam feitos, em todos os níveis – desde a presidência até os jogadores.

São esses ajustes que devem ser cobrados da diretoria pelos conselheiros e pela torcida; de forma propositiva e não politiqueira; pensando em formas de melhorar, não de provar que tinha razão nisso ou naquilo. Enquanto o time ainda se desdobra buscando uma reação quase impossível para ainda tentar salvar o ano, é hora da comunidade palmeirense mostrar maturidade pensando em retomar o ciclo vencedor no ano que vem, quando certamente continuaremos protagonizando o futebol brasileiro.


O Verdazzo é patrocinado pela torcida do Palmeiras.

Aqui, o link para se tornar um padrinho deste site: https://www.padrim.com.br/verdazzo

  • 1995: Começamos sem o pofexô, que foi substituído pelo Valdir Espinoza, que foi substituído pelo Carlos Alberto Silva, que comandou o time naquela sacolada de 0x5 em Porto Alegre; além da cacetada, me lembro que ele ficou perdidão no decorrer do jogo no Olímpico. Só não me lembro quem o substituiu no Brasileiro, já que o Luxpoker tava no Paraná e so voltou pro Palestra no fim daquele ano.
    2017… Bom, como comentaram, melhor compará-lo com 1997 do que com 1995, os resultados foram melhores. Em 1996 perdemos a Copa pras marias, entre algumas razões, porque o Muller já estava negociado com seu retorno pro SPFW, tanto que (se eu estiver errado, me corrijam), a final no Palestra foi numa sexta, e o SPFW jogou um amistoso com o Real Madrid do Rincón no sábado, no Pacaembu.

    • Ele não jogou as finais porque o Palmeiras ‘abriu mão’ (*aqui leia-se Luxemburgo abriu mão, arrogantemente) de fazer ‘um seguro’ que era um dispositivo da época pro cara cujo contrato tinha acabado na reta final de uma competição poder jogar sem assinar outro compromisso longo. era só assinar essa espécie de prorrogação temporária que o cara poderia entrar em campo.

      Acharam que ele não faria falta, mas ele FEZ muita falta, até porque foi retirado nas vésperas do jogo.
      E aquela derrota custou o fim da mística em volta do time, e a consequente desmontagem rápida do mesmo.

  • O bom 2018 dependerá da manutenção de Cuca até o final de 2018.

    Caso contrário, poderemos passar pelos mesmos problemas que estamos passando neste ano.

    Quanto aos atletas, se contratarmos dois laterais titulares, um meia armador e um centro avante, não precisaremos de mais nenhum reforço.

    Quanto ao restante deste ano, ainda acredito que podemos chegar no lîder, passá-lo e consequentemente sermos campeőes…

    • Manutenção do técnico deve ser a base do trabalho para 2018, caso contrário, mais um ano fadado ao fracasso.

    • Eu tbm gostaria que ele ficasse. Mas acho que outro bom treinador pode tbm fazer sucesso no Palmeiras se o Cuca sair.
      Podem até me chamar de louco mas as vezes penso que com esse elenco, o pofexô poderia ter outra oportunidade, até mesmo poderia ter dado certo se tivesse vindo no começo do ano ao invés do Eduardo Baptista.

      • Cara, esquece o pofexô,
        ele não tem mais condições, não consegue emplacar trabalho nenhum à mais de década. Até o 2008 em que ele conseguiu o paulista pra nós o trabalho dele foi muito fraco e abaixo do que deveria ter sido. Totalmente na conta dele não termos conquistado o brasileirão daquele ano, com um elenco muito bom.

        Ele não tem moral nenhuma mais com os jogadores, e em algum momento vai meter os pés pelas mãos com sua prepotência e arrogância. Acompanhe o que ele vem fazendo no ixpó. Os jogadores que ele indica… as tretas que ele arruma… a incapacidade de fazer os atletas assimilarem suas ideias…

        Não temos “outro bom treinador no Brasil”, e os de fora demoram muito pra entender que aqui é mais embaixo o buraco….essa é a realidade do Mercado!!!

        O Cuca tem vários defeitos, alguns até bem irritantes, mas qualquer outro que vier vai ter AINDA MAIS DEFEITOS, muito mais irritantes, e comprometedores pro desempenho global da equipe. Colocando na balança todas as qualidades e defeitos de todos os técnicos do mercado, o Cuca é o único com perfil ‘aceitável’ pra panela de pressão Palestrina.

        Quando o cara está fora, enxergamos mais as qualidades de acordo com os resultados do trabalho que ele vem realizando, quando chega aqui os defeitos saltam aos olhos e em pouco mais de 1 mês já estamos irritados e sem paciência. COM QUALQUER um que chegar vai ser assim.

  • Pra quem cresceu sob a sombra do período 2001-2014, 2017 tá sendo fichinha. Daí pra trás eu mal lembro porque era criança.

    • Nasci na época do temido tabu de 17 anos, vi o time ser campeao pela primeira vez em 1993 aos 14 anos !!!

      • Eu tbém vi este tabu. Tinha 12 anos em 1993. Nunca me esquecerei do Dia da Paixão Palmeirense! O restante dos anos 90 foi uma farra…..Só dava Verdão dentro e fora de campo. Qto a 2017?! Somos protagonista “na crise” cazzo! Imagine se estivessemos bem……

        • Rapaziada eu tinha 15 anos, não aguentava a zoeira, mas no Dia da Paixâo Palmeirense tudo valeu a pena, 2017 tá suave, pra quem já teve 2002, 2009 e 2012, a memória simplista de alguns e o calor do momento faz com que decisões ou palavras sejam ditas, mas que nosso clube está saindo ( até o fim de Mumu e sua corja) de um período bem decadente isso estamos.

        • Não concordo quando falam que este ano é o nosso 95 …..
          Houve falhas e pipocagem para perdemos todos os titulos.
          Eu tinha esperança antes de pipocarem para as sardinhas

  • Agora entendo porque no uniforme desse ano retirou-se o escudo oficial: 2017 foi um ano de treino para o Palmeiras.

  • Após mais um jogo frustrante no sábado, tirei uns dias afastado da web por higiene mental e manter a sanidade, ainda nem tive tempo de ler os comentários dos colegas, vi apenas um ou outro quase que de relance.

    O que FALTA à esse time é CONVICÇÃO!!!

    Algo que sobrou no ano passado!!
    Era um time convicto do que queria e do que faria para atingir esse objetivo!!! O time entrava em campo convicto de que iria conquistar os pontos necessários fosse como fosse. As vezes jogávamos bem, as vezes amassávamos o adversário e outras vezes arrancávamos os pontos a fórceps, mas a convicção era sempre de conquistar os pontos!!!

    SE o time encontrar nessa nova pausa a convicção de que VAI GANHAR cada um dos próximos jogos, nem que seja na marra, pensando jogo a jogo, ciente de que só os 3 pontos interessa. Pode estar com dois a menos, pode sair atras faltando 10 minutos, mas TEM que ter convicção que vai de alguma forma arrancar a vitória, ainda dá pra no minimo terminar o ano na briga.

    E chega de DESPERDIÇAR as Chances!!! Vamos caprichar mais na finalização!!!
    FINALIZAR com CONVICÇÃO!!!

    P.S. Dificulta bastante o time atingir ‘a convicção’ SEM BLINDAR o elenco, como foi no ano passado. Como que os caras que vivem pressionados por mídia e parte da torcida vão se sentir CONVICTOS com conselheiros idiotas tendo acesso a eles e questionando tudo e todos, e minando a paciência e confiança dos caras. Sem o menor critério.

    NÃO DÁ NÉ MAURICINHO!!! BLINDA ESSA BIROSCA AÍ CAZZO!!!
    Você é Presidente ou o que???

  • Que o ano de 2017 sirva de lição para 2018. As derrotas ensinam muito mais que as vitórias, portanto acredito que a duras penas os homens que atualmente comandam o futebol do Palmeiras, estão concordando com o que disse o Cuca. O time do Palmeiras desse ano é pior que o do ano passado e não o contrário como muitos achavam, inclusive eu no começo do ano. Mas também não está tudo errado, como disse o Conrado. A estrutura ainda é a melhor do país e será por muito tempo. Basta fazermos acertos pontuais. Mas que pelo amor de Deus não ocorram mais essas trocas mandraques com o Cruzeiro ou qualquer outro time. O ano precisa ser iniciado com o problema Felipe Melo resolvido, dois novos laterais titulares, 1 volante de qualidade para reposição e finalmente um goleador.

  • prefiro pensar que 2017 seja o novo 1997, pq em 1996 so ganhamos o Paulista, em 1998 ganhamos a copa do brasil e mercosul, alem de ter chegado na semi do paulista e nas quartas do brasileiro, disputou tudo naquele ano pra ser campeão

  • Quem nós venceu no Sábado foi o gramado e a já alertada dificuldade em concluir as jogadas.

    O time evoluiu nos últimos jogos, não é o caso de terra arrasada.

    Temos dois pontos fundamentais para o sucesso da temporada que vem. A definição do Cuca em ficar, e a lista dos jogadores para o próximo ano.

    A maior parte do trabalho fica com o Mattos, especialmente resolver a questão Borja.

  • Mais uma análise perfeita do Verdazzo. Verdade que o ano vem sendo decepcionante, devido nossa alta expectativa, porém longe de ser vergonhosa a nossa temporada, afinal chegamos e brigamos em todas as competições. Hora agora de tentar de fazer o máximo de pontos possíveis, classificar direto para a Libertadores e alinhar esse time e principalmente corrigir os principais erros! Perdemos nossa bola parada, perdemos poder de finalização e até aquela intensidade no início dos jogos, são questões que precisam ser trabalhada. Também falta um pouco de sorte, uma vez que nossos melhores atletas não tiveram seus melhores momentos nesta temporada! Avanti Palestra e apóiem e contribuam com a mídia Palestrina.

  • O problema esse ano se resume praticamente à comissão técnica, começando pela desastrosa contratação do Estagiário Baptista e depois com a volta de Cuca, que desde o início mostrou a falta de vontade em trabalhar com foco total no Palmeiras. Além disso, Cuca é um desagregador, birrento e só trabalha com jogador que diz amém às suas invenções. Está fazendo com Borja o mesmo que fez com Barrios, Alecgol e Rafael Marques. Inexplicável a titularidade de um pereba como esse Deyverson que deveria ser no máximo opção no banco de reservas. Possibilidade de alguma conquista em 2018 passa pela troca da comissão técnica, com um treinador mais focado no clube. As vezes chego a pensar que Felipe Melo tinha um pouco de razão naquele áudio.

    • A pior besteira que poderia ser feita agora é mudar a CT. Deixa os caras trabalhar. Se mudar agora vai começar do 0, de novo. Fora que não tem outro nome que possa assumir. 2017 já era. Imagino que lá dentro já estejam planejando 2018. Mais um motivo para não mexer na CT.

      • Concordo. Mas acho q tem q parar com essa visão q existe no futebol brasileiro de q o treinador decide tudo da parte técnica sozinho. Acho q o gerente e o diretor de futebol têm q chegar junto e opinar tb sobre o aproveitamento do elenco, esquema tático, prioridades etc. É inadmissível q os melhores jogadores da América do Sul em 2016 não tenham espaço no time. Se o time estivesse voando, tudo bem, mas não conseguiu fazer uma boa apresentação a temporada inteira! A CT tem q arrumar uma maneira de aproveitar esses jogadores!

        • Ele não decide tudo sozinho. Mas mesmo sendo uma decisão conjunta, se muda uma peça (treinador), as decisões passadas ficam comprometidas, pois tudo faz parte de uma visão. Como acreditamos que o trabalho no Palmeiras é sério, provavelmente já estão com o planejamento para 2018 em andamento. De outro lado, concordo que Borja e Guerra poderiam ser melhor aproveitados. A propósito, eu escalaria o time da seguinte maneira até o fim do campeonato (4-4-2): Prass, Mayke, Edu Dracena, Juninho e Egídio, Thiago Santos, Tchê Tchê, Moisés e Guerra, Dudu (flutuando) e Borja.

          • “e outro lado, concordo que Borja e Guerra poderiam ser melhor aproveitados. ”
            ha tempos eu falo isso inclusive sobre o Borja

  • Impressionante como os rivais jogam como time pequeno em nossa casa. Esse tipo de jogo nojento de retranca e 1 bola de contra ataque nivela o jogo por baixo e não deverá durar até a Copa de 2018, se Deus quiser, porque o futebol sempre vence no final. Ter título conquistado desse jeito deve ser quase tão sem graça quanto campeonato roubado. Ainda bem que na nossa sala de troféus não tem taça ganha através de nenhum dos dois métodos.

    • Meu amigo, concordo que é ruim esse futebol retranqueiro, mas não se esqueça da era Filipão……

      • Cara, os times do Felipão não eram nem de longe equipes retranqueiras que jogavam por uma bola. Normalmente o time propunha o jogo e alternava momentos da partida entre ficar atras, e amassar o adversário freneticamente.

        Apenas em partes do jogo a estratégia que o time adotava era segurar a onda quase que totalmente, mas sempre com um cotra-ataque infernal, que as vezes criava mais situações do que quando o time propunha o jogo.

        Repito: O PALMEIRAS do Felipão NUNCA foi um time retranqueiro, à não ser em um ou outro jogo de mata-mata fora de casa (pois na época não existia o ‘gol qualificado’), mas jamais durante a partida inteira. E nem mesmo nesses jogos fora a retranca era corriqueira, amassamos o Vasco (que na época era um esquadrão) em São Januário, Jogamos muito melhor e empatamos injustamente com o Boca na Bombonera. Transformamos o Mineirão em ‘campo neutro’…

        Tenho a maioria dos jogos bem vivos na memória como se fossem ontem.

      • Acho que hoje está diferente daquela época. O Argel deu uma entrevista falando de 2000, quando o SCCP tinha mais qualidade e mesmo assim nós ganhamos porque encaramos de frente e compensamos a diferença de qualidade com raça e luta e não com retranca, como é feito hoje.

  • Na minha opinião, a grande falha esse ano foi das diretorias (sim, no plural, pois foi um ano de transição no poder). Com a saída do Cuca ao final de 2016 anunciada pelo próprio com bastante antecedência (segundo a própria diretoria), a meu ver, eram dois os caminhos possíveis:
    1- tentar compor um cenário q permitisse ao Cuca tirar um período sabático durante a pré-temporada e o Paulista, com a manutenção da CT e do planejamento.
    2 – se a diretoria estava convencida q a saída dele era melhor, deveria ter começado a buscar um substituto à altura já no final da temporada passada.
    Não fez nem uma coisa nem outra e acabou, inexplicavelmente, contratando um treinador inexperiente, sem currículo, pra comandar o time num ano cheio de expectativas. Resultado, 4 meses de trabalho jogados fora, um elenco montado sem uma cabeça técnica pensante e o retorno do Cuca meio no desespero. Não deu liga e esse ano não vai dar mais. Agora é planejar 2018.
    Outra coisa, para com esse negócio de priorizar mata-mata. O campeonato mais importante do ano é o Brasileirão! Se formos avançando na Libertadores, qdo chegarmos na semi, aí sim se pensa num esquema especial.

    • Com certeza. Também acho que a prioridade sempre deve ser o campeonato de pontos corridos que premia o time mais regular, como foi em 2016. Mata-mata é consequência e sempre pode ser decidido num detalhe, tanto a favor como contra.

  • Prefiro pensar em 97 …. e imaginarmos 2018/2019 como 98/99.
    Com aquele timaço de 96, que durou menos de um ano, ganhamos somente o Paulista.

    • O problema de 1996 é que o Brasileirão era mata-mata e fomos eliminados pelo Juventude, que todo mundo dizia que era uma filial do Palmeiras por causa da Parmalat. Na Copa do Brasil perdemos a final para o Cruzeiro numa improvável falha do Marcos.

        • Não foi Juventude não? Teve um mata-mata que a gente foi eliminado pelo Juventude, só não estou lembrando qual.

          • Nao lembro, acho que foi em 99.
            Isso, dai eles foram para a final e calaram o maracana com 100 mil pessoas e foram campeões.

          • Acho que você se refere ao Brasileirão de 95 que tinha um regulamento esdruxulo que apenas o campeão de cada turno de cada grupo se classificava pras semifinais. No ultimo jogo do 1o turno, eramos lideres e precisávamos ‘apenas’ ganhar do Juventude.

            A imprensa marrom e alguns dirigentes adversários passaram a semana insinuando que o Juventude entregaria por ser patrocinado pela PARMALAT também, aí os caras entraram mordidos em campo e nos seguraram.

            Aí ainda tem que aguentar alguns nauseabundos ‘comentadores’ insinuar que existia ‘esquema PARMALAT’ pra nos favorecer, se nem os outros times da PARMALAT nos facilitavam a vida…

  • O que mais me deixa chateado é que o ano está acabando e não vimos o time mostrar seu verdadeiro potencial

  • Tomo a liberdade de “re-inserir” o que já comentara em 8/8/17, pro post da véspera da eliminação pros Equatorianos.

    “Pra ter-se uma ideia do que pode significar um “2017 sem título” — mas com manutenção da base — e o potencial reflexo em 2018, basta lembrar de 1995 e o reflexo em 1996.

    Em Jan95, tínhamos recém faturado bi paulista, bi brasileiro e rio spaulo.
    Fizemos umas trocas e chegamos às quartas de final LIB contra o GRE com a seguinte escalação (falando de memória, convido correções de quem tiver dados à mão): Sérgio, Cafu, Antonio Carlos, Cleber e Roberto Carlos; Mancuso, Amaral, Valber, Rivaldo, Muller e Alex Alves. Todos lembramos bem dos 0x5 lá, os 5×1 aqui, a eliminação (já algumas semanas antes, fôramos eliminados pelo mesmo GRE nas oitavas da CdBr, num 2×2 em casa, graças ao gol fora qualificado).
    Na mesma semana da eliminação na LIB, perdemos o TRI do paulista pro GAM no célebre gol do Marcelinho Carioca lá em Ribeirão Preto.
    Depois, no brasileiro, voltamos a ser eliminados, desta vez pelo NPS< que viria a ser vice do BOT.
    Logo, num 95 em que muitos ótimos planos foram bem executados, tudo que conseguimos foi montar a base do que seria o esquadrão de 96 (Cafu ficou, Muller ficou, Rivaldo ficou, Djalminha, Luizão e Júnior lateral vieram).
    Lembrando-nos tb que, um fator que furou o planejamento de 95 foi a saída intempestiva do Animal pro FRA#*rda.
    Francamente, eu não acredito que 2017 passe em branco. Mas se passar, que 2018 seja pra 2017, no mínimo, o que 1996 foi pra 1995!
    #ForzaMattos
    #VamosPalmeiras"

    • O resto do ano foi frustrante o desempenho, mas nesse 0x5, 5×1; fomos sacaneados terrivelmente!!

      Com 20 minutos de jogo o safado do apito havia expulsado nossos dois armadores e apenas 1 adversário, de forma totalmente desmedida e parcial. A do Rivaldo, foi ridícula!!! A goleirinha chiliquenta deles SAiU do campo para ir trocar socos com nosso atleta expulso que estava entrando no vestiário e não foi expulso. Ainda foi uma noite bem cagado do Arce e bem infeliz do Sergio, que se não foram falhas, no minimo a maioria dos gols foram bolas difíceis, porém defensáveis. E no jogo de volta, com o Cafú de armador, o Sergião falhou feio de novo no começo do jogo. e ainda fomos buscar heroicamente. Faltou MUITO POUCO!!! Merecíamos ter passado!!!

      • O árbitro foi o Serdeira que, costumava “não nos dar muita sorte”. Parte do azar em relação àquele jogo foi o Veloso ter se machucado contra o Mogi no sábado anterior e ter ficado fora desses jogos todos até a última da final do Paulista contra a Ocrim de Itaquera. Ainda sobre o 0x5, na volta pro segundo tempo, tive a sensação que nosso treinador tinha feito a escolha errada trazendo uma formação que parecia querer, pelo menos, empatar. Minha impressão era que seria melhor “segurar o 0x2”, evitando um placar maior, pra tentar virar tudo em casa.
        Mas, agora é tudo história. Abrazzo.

        • Fui até rever os gols, pra ver se minha memória não estava sendo injusta com o Sergião:

          -o 1o, sem chances;

          -o 2o foi um balão ridículo que o Sergio pulou com bracinhos de tiranossauro.

          -o 3o foi finalização a queima-roupa quase da marca do pênalti, mas a sensação é dele pular atrasado.

          -o 4o um cruzamento balão, que ele demorou uma eternidade pra ‘desgrudar’ da trave no 1o pau e fechar o angulo do outro lado;

          -… e o 5o, outra cabeçada a queima roupa, só que no meio do gol e ele rebate na cabeça do Jardel…

          Puts, eu lembro que passei anos com raiva dele por causa desses dois jogos!!!

  • OK…OK…não é dos piores anos e estamos no caminho certo, mas puta merda…você ver times mais fracos que os nosso irem mais longe por pura aplicação e principalmente vontade é muito dolorido.
    Esse time toda vez que precisou jogar bola, amarelou! Seja em mata-matas, seja em jogos chaves no brasileirão.
    O Cuca está com o mesmo discurso de técnicos perdedores: “fomos melhores nos números da partida em tudo, mas perdemos”…meu Deus, que desgosto esse time me deu esse ano!!

    • Sinceramente, onde o Cuca falou besteira? Os caras vieram jogar como se fossem um Comercial de RP e nós amassamos eles. Concordo contigo pelo péssimo futebol apresentado no primeiro tempo, onde deveria ter havido o mínimo de bom senso da arbitragem, mas aí é pedir demais, creio. No segundo tempo, de fato, perdendo 2 gols em um só lance, o que o técnico pode fazer? Nada né? Entendo a indignação, mas esse jogo é pra ser esquecido e a meu ver, TODO O TIME, tem que trabalhar finalização até escurecer, diariamente, assim como treinar pênaltis! Se tivéssemos um aproveitamento minimamente razoável, teríamos no mínimo 6 pontos a mais (chutando baixo).

      • Amigo, Cuca chega nas coletivas com uma cara de derrota que dá desgosto, além do fato que é um mimimi sobre ficar ou não ficar que dá vontade de mandar ele ir embora cuidar das netas.

        • Amigo, se ele chega nas coletivas sorrindo depois de uma derrota num clássico que não merecíamos perder (ou em qq jogo que perdermos), EU serei o primeiro a pedir a cabeça dele!!! Sobre o mimimi de ficar ou não, quem quer colocar isso nas manchetes, são os péssimos “repórteres” que ainda têm acesso às coletivas. Repito o que disse em um post abaixo: Até quando vamos dar livre acesso à imprensa imunda nas coletivas??? Ele responde o que é perguntado! Não teremos sempre um Felipão que responde à altura palhaços desse naipe! Pessoas são diferentes. Cada um reage de um jeito!

        • Lembra quando ele voltou para o time em sua entrevista coletiva? Desanimei ali com a cara de poucos amigos e ranzinza

          • No ano passado as caras que ele fazia eram idênticas a desse ano nas entrevistas…

  • Dentro de campo temos que pensar jogo a jogo ……. estas projeções dificilmente dão certo .
    Fora de campo nosso presidente precisa conter os aproveitadores de plantão, com certeza virá o terrorismo político afirmando que tudo não presta, os mesmos carcamanos de sempre.
    Acho necessária uma reunião com o Cuca definindo de uma vez sua permanência em 2018 . A partir daí viriam as contratações ( pontuais) e as dispensas ( mais numerosa, pois temos um elenco inchado ) .
    O time deve ser montado e o trabalho deve ser mantido independente da posição que ficarmos no final do campeonato.

  • Eu penso assim: basta dar uma olhadinha em como os times vêm jogar conosco dentro do Allianz e como jogam contra nós em seus próprios domínios! Retranca, sempre!!! Ninguém parte para cima. Os LIXOS, o Prantos, as meninas, estão acuados jogando contra nós. Não tivemos os resultados esperados contra sardinhas e lixos? O que traz esperança para o próximo ano é exatamente o “excesso de respeito” com que jogam contra nós! Todos jogam como se fossem Bragantinos, XV de Piracicabas…

    Me desculpe o linguajar, mas que se foda quem desacredita, eu ainda creio no DECA!!!!

    #VAMOSPALESTRA
    #FORZAPALMEIRAS
    #SCOPPIACHELAVITTORIAÈNOSTRA
    #RUMOAODECA

  • Otimo texto. Ser humano tem memoria curta. Que 2017 ficou abaixo das nossas expectativas, nao existe duvida alguma. Mas parece que muitos se esquecem do que foi ser Palmeirense entre 2000 e 2014. Foram praticamente 15 anos jogados no lixo.

    Analisando friamente, 2017 foi um bom ano. Ficamos entre os 8 da Copa do Brasil, ficamos entre os 16 da Libertadores (perdemos nos penaltis), e estamos entre os 4 do Brasileirao. Somos definitivamente protagonistas mais uma vez e temos tudo para entrar em 2018 com tudo. Vamos suprir algumas carencias importantes e pontuais no elenco e teremos condicao de sermos protagonistas em todos os campeonatos mais uma vez.

    Chega 2018!

  • Rumo a 2018! Confesso que não é nada fácil aceitar o timinho da globo que tem Jô de atacante líder do campeonato e favorito para o título; Complicado! AVANTI !

  • Para os que nao sabem, durante os jogos do Palmeiras , o grupo de WhatsApp dos padrinhos do verdazzo entra em modo JOGO.

    Eu sou um dos que curte trocar ideias e torcer ao mesmo tempo que os amigos .
    Tem muita gente que nao consegue acompanhar o jogo e fazer isto, mas para os que gostam , como eu, e muito legal !!!

    Por exemplo, eu achei e disse durante o jogo que o Palmeiras estava jogando muito bem, encurralando o Prantos , e mesmo que nao ganhassemos ja fiquei contente com o estilo e a vontade do time.

    Infelizmente aconteceu uma das grandes injusticas (em termos de resultado ) deste ano , mas continuo achando que a evolucao do trabalho do Cuca e bastante boa.

    Desde ontem, nesse mesmo grupo ha opinioes bastante diversas ( e bastante emocianadas , como nao poderia deixar de ser na nossa comunidade tao apaixonada ) sobre o jogo em si , as escolhas do tecnico e a qualidade de certos jogadores.

    Ha padrinhos e madrinhas de varias faixas etarias e que portanto passaram por varias experiencias distintas . Os mais experimentados ( como eu 🙂 ) que viveram os anos finais da segunda academia , a seca dos 80, a era Parmalat … os um pouco mais novos que viram a conquista da Libertadores e depois os rebaixamentos …

    Ninguem esta certo de forma absoluta . Ha troca de ideias , debate, e quase sempre a conversa e em altissimo nivel, apesar dos angulos de observacao distintos.

    Em resumo, se alguem aqui ainda tem duvidas sobre a comunidade de padrinhos do Verdazzo , nao tenha ! Junte-se a nos ! Creio que difilcimente irao se arrepender !

    Abracos verdes

  • Concordo! é importante estar sempre ali, competindo. E estamos! Temos excelentes perspectivas. Avanti Palestra!

  • Concordo plenamente. Quando o ano começou botamos muita pilha no time. Me lembro bem que falávamos sobre isso no nosso grupo de wapp de Padrinhos. Vamos em frente!

  • Perfeito texto, é isso mesmo. Voltamos a ser o time a ser batido e a tendência é que isso continue nos próximos anos, não tem nem comparação ao que passamos algumas temporadas atrás. O único detalhe fundamental é aprender c/ os erros, título é quase impossível, mas enquanto tem uma probabilidade matemática, existe chance, mas independente do que acontecer, esse 2017 teve muitos erros, em todas esferas do nosso clube (do presidente até os jogadores) e que se servirem de lição já valeu alguma coisa. Bola pra frente, trabalhar quietinho, somar os pontos e ver como vai estar a situação daqui umas 7 – 8 rodadas. Boa semana a todos palestrinos!!!

  • Toda vez que se criou expectativa em cima do time, ele não correspondeu. Fato!
    Foi só começar a falar em título, que não deu certo. Até domingo passado, eramos nós que falávamos que poderia ganhar, que ainda dava. No meio da semana, Moisés falou em título,Cuca falava de meta e título. Não deu em nada. Era melhor ficar quieto, trabalhando dia após dia e pronto. Deixasse para nós torcedores ou a impressa essa coisa de caçar o líder.

  • Esse negocio de Cuca sair é coisa da imprensa pra perturbar nosso ambiente, o contrato dele é até fim de 2018, então ele vai ficar e ponto final, não vão no embalo dessa imprensa maldida não gente

    • gosto bastante do Cuca, mas desde q voltou tá muito mau nas entrevistas … hoje diria q com a rapidez da internet e redes sociais, lidar bem com a imprensa é tão importante qto dirigir o time nas 4 linhas

      • Eu acho que estamos demorando para romper de vez com uma imprensa lixo que não fala nem o nome do estádio e não tem compromisso algum com a verdade!!!

      • Já eu acho que a postura deve ser CAGAR e ANDAR pras entrevistas!!!

        Já que romper totalmente pode trazer um monte de encheção de saco, o que deveria ser feito era o escalado chegar lá, fingir que não ouviu ou entendeu as perguntas e dar SEMPRE respostas genéricas. OU fazer que nem aquele doido dos SEAHAWKS da NFL que quando era forçado a dar entrevistas ficava falando nada com nada durante todo o tempo exigido kkkkk

  • Já mandaram o m..do cuca embora? O que o banana do galiinhote esta esperando? Este fdp do cuca parece que está fazendo um favor de ficar no Palmeiras. Puta má vontade, parece que é o cara mais infeliz do mundo.

  • sobre 1995:

    1. lembro de, ano seguinte, Brunoro comentar que aquele ano fora sua grande frustração. Ele trinha trazido o Cafu na triangular com Zaragoza da Espanha e, depois com a saída intempestiva do Edmundo, trouxe o Muller. Tinham também vindo o Valber (como Rivaldo, compusera o Carrossel Caipira do MoriMirim em 92/93) e o Nilson. Ele disse que contava muito que o time venceria a Libertadores com aquele grupo.

    2. o time fez grandes jogos — o pico foi o 5×1 no GRE aqui — ao longo ano e só deixou completamente de ter chances no Brasileiro depois de ser batido 1×0 no Porcambu pelo NPS< com gol de um Vagner que depois iria pra Espanha, num passe de calcanhar de um emergente Giovanni que, entre 1996 e 98 brilharia no Barcelona junto com Rivaldo.

    3. Quase foi TRI-CAMPEÃO paulista (93/94/95).

    E mesmo com tanto investimento, tanta expectativa, tantos bons jogos, tantos "quase" virou o ano sem caneco.

    Depois, veio 1996…… que dispensa apresentações.

    Que venha 2018!

    Mas enquanto o ano não acaba: #VamosPalmeiras

      • é isso aí. Mas, mesmo com o erro do RC no primeiro jogo, poderíamos ter mantido o 1×0 que conseguimos no meio do 2o tempo do 2o jogo.Mas, já passou. Abrazzo.

  • O que tem que acabar é essa palhaçada do Cuca ficar pensando em sair toda vez que tiver algum resultado negativo. Se for pra querer sair, que avise já enquanto ainda há tempo, vamos atrás de um outro treinador para não repetirmos o erro de 2017.

  • É isso ai. O protagonismo será nossa realidade daqui em diante. Se pararmos pra pensar, todos os times mais perdem do que ganham campeonatos. Nem nas Academias ganhavamos tudo. Então paciência pq vamos ganhar muitos titulos ainda, e teremos outros anos frustrantes. Faz parte. Futebol não é só conquistas.

  • A primera questão que a diretoria do Palmeiras deve responder é:
    Cuca continuará em 2018?
    Outras questões dependem dessa resposta.

  • Chega de fazer contas. Pra mim agora é acompanhar o time e torcer pela vaga na Libertadores.
    A verdade é que o Palmeiras passou longe de ganhar qualquer título neste ano. Foi eliminado precocemente de todas as competições.

    A Libertadores acabou para nós em 09/08 e o returno se iniciou em 13/08. De lá para cá foram 7 rodadas e várias semanas livres para treinar e recuperar atletas. Tivemos também intervalos de datas FIFA, como este de 12 dias que virá agora. Todavia, na prática, o Palmeiras é o 9º colocado do returno. Não dá para perder tempo simulando sequências galácticas com o time assim.

  • Texto sensacional! A derrota no sábado foi dura pelas circunstâncias, por ser um clássico, um rival direto e por ser em uma partida em que fomos superiores. Além disso o tropeço frustrou em muito a esperança da torcida em tomar o título dos gambás e trouxe à tona a realidade de um ano que seria promissor poder acabar sem conquistas.
    Mas sentimentos a parte, temos que voltar a nossa atenção as nossas condições de hj. A sociedade e a imprensa tem o costume de avaliar o sucesso apenas pelo resultado. Resumindo: “Se não é campeão o que foi feito não serviu de nada.”
    Matematicamente, ainda existem possibilidades, porém mesmo não conquistando o título, temos uma base que foi vencedora em 2016, um treinador competente e um diretor de futebol que apesar de ter cometido erros, entende de futebol e pode trazer jogadores de qualidade para compor o elenco de 2018.
    Eu vejo muitos dizendo que o ano acabou por causa da derrota de sábado, mas com ou sem chances de título continuarei acompanhando o time até o final! Eu não vi o timaço de 96 jogar, comecei a torcer pelo Palmeiras em 99, vi poucos títulos, mas não deixei de torcer quando sofremos com os rebaixamentos e as administrações lamentáveis de Tirone, bem como os terríveis jogadores da série “Eu sobrevivi”. O pior já passou, agora a hora é de guardar a corneta, renovar as esperanças e deixar que o trabalho continue sendo feito com os aprendizados de 2017.

  • To vendo muita gente reclamando do que o Cuca falou a coletiva.
    Eu não vi nada demais, só vi ele dizendo que se a diretoria achar que não deve mante-lo no cargo ele sai sem problemas. E acho isso normal.

  • O que me deu raiva é que virou uma lenga-lenga de que o Verdão era favorito em tudo e conforme o time foi dando com os burros n’água, virou um mimimi de que os jogadores não deveriam ser pressionados para não sentir o peso que é fazer parte de um time nas dimensões do Palmeiras, como se fossem feitos de cristal…

  • Perfeito. E lembrando que em 1996 começamos o ano com um supertime e não conseguimos mais do que um Campeonato Paulista. Perder um clássico deixa todo mundo de cabeça quente, mas o Palmeiras tem melhorado, está com uma defesa muito mais firme, Dracena e Juninho têm feito grande trabalho, Prass está voltando a ser aquele porto seguro de sempre, Tchê Tchê foi o melhor em campo sábado. Moisés deu uma caída, continuamos sentindo falta de um armador, já que o Guerra não se firmou. E falta, sobretudo, alguém que chute a bendita bola no gol. São ajustes, não é o fim do mundo. Para aqueles que acham teimosia do Cuca deixar o Borja no banco, vale lembrar que isso não foi invenção dele. O Batistinha já tinha sacado ele do time ao perceber sua postura zumbi dentro do campo. E, para aqueles que já pedem a cabeça do treinador (que qualquer outro time gostaria de ver defendendo suas cores), pergunto: quem vocês colocariam no lugar dele? O Jair Ventura? Na primeira derrota vão chamar de estagiário. O Roger? Fez um trabalho catastrófico no Atlético. O Luxa? O Sport não vence há 9 partidas consecutivas. Também acho que temos um bocado a melhorar, mas um pouco menos de histeria e de cair nas provocações da imprensa mosqueteira faria um bem enorme.

  • Não dá para comparar esse ano com 95,
    Em 95 tinhamos uma reformulação no elenco, fato.
    Esse ano mesmo com a mudança de alguns e IMPORTANTISSIMOS jogadores, tinhas condições de chegar a alguma final e ganhar (o que ocorreu em 95, fomos vice no paulistão).

    Esse ano esta mais para 2009
    Troca de tecnico, voltou um badalado e…….

    • mas, em 95 também houve troca de técnico, duas trocas: Espinosa por Carlos Alberto Silva e este último pelo Lucsemburgo; todos bem badalados. Os dois que entraram estavam voltando ao clube: CAS treinara o Palmeiras em 1984 e Lucsemburgo, bem, quanto a esse nem precisamos entrar em detalhes. Abs.

  • Todos precisam amadurecer pro ano que vem… Em especial, com respeito a algo que não gosto muito: prioridade pela Libertadores.

    Esse negócio de obsessão tomou conta do ambiente dos jogadores e meteu uma pressão desnecessária.

    Com certeza a Libertadores é um título que agrega valor, mas calma. Obsessão tem que ser brigar por todos os títulos.

    E pra ser sincero, por causa da Conmebol, nem faço muita questão de ganhar a Libertadores… Eu prefiro muito mais ser campeão brasileiro, embora a CBF seja outra porcaria.

    Enfim, espero que o Cuca ajeite o time e possamos ter as alegrias que não tivemos nesse ano.

  • Não fizemos bem nossa “lição de casa”. As derrotas para sccp, chapecoense, atlético-pr e sardinhas contribuíram para ficarmos longe da liderança. No mais, sem essa de “tragédia” ou “fiasco”. É só um ano (provavelmente) sem título. Que em 2018 a história seja diferente – e melhor! – futebolisticamente falando. Abraço.

  • Segue o baile e segue a vida, não dá pra ficar remoendo e apontando o dedo para este ou para aquele. Pra 1995-2017 ficou a missão de garantir a vaga para a Libertadores-18, de preferência dentro do G4. Agora o que todos precisamos fazer é RECONHECER onde erramos e CORRIGIR para as próximas temporadas:

    – O técnico que faz a pré-temporada precisa ter a oportunidade de seguir à frente do time o ano todo;
    – Os juízes não podem nos roubar descaradamente como vêm fazendo, não é possível que praticamente todo jogo tenhamos 01 pênalti escandaloso não marcado. Paulo Nobre latia alto em relação a isso e funcionava;
    – Precisamos de laterais à altura das demais posições. Refugos e reservas de equipes menores que a nossa não vão dar conta;
    – Atacantes podem ajudar na marcação, mas sua função principal é criar chances de gol e convertê-las. Lucas Barrios no Grêmio foi a maior lição que tivemos nesse sentido;
    – Derrotas infelizmente são normais em todas as profissões. Precisamos conviver melhor com elas e sair desse ciclo Apocalipse-Gênesis a cada vez que o time não ganha os 3 pontos. Em 2017 aprendemos que pressão mal calibrada só ajuda o time visitante;
    – Pensar duas vezes antes de trazer jogadores polêmicos-amantes de redes sociais. O jogo acontece dentro das quatro linhas, e não numa timeline de Twitter.

    • sobre contratações, acho que devemos aproveitar o nosso poderio financeiro e ajudar a desmanchar nossos rivais, estilo o que o Bayern Munchen faz na Alemanha.

      • Tbm acho q dá pra aproveitarmos 1 dos gambás e dois do prantos, mas a China e a Europa deve se encarregar em fazer a limpa neles.

    • “RECONHECER onde erramos e CORRIGIR para as próximas temporadas:”

      Isso ja era para estar sendo feito ha tempos.

      • OK, concordo. Mas a vida não é caranguejo, então precisamos todos fazer o que está ao alcance daqui pra frente. Inclusive os que não entram em campo.

  • Ao menos G6 tem q conseguir. Senão a tragédia de 2017 avançará sobre 2018. E olha q o risco é bem alto.

    • Durante um tempo eu pensei isso tbm Nero, mas acho q hj ficar fora de uma libertadores não é o fim do mundo. O clube faz um puta planejamento, abdica de outras competições ai vem a arbitragem lixo da CONMEBOL e põe tudo a perder, fora as confusões que os times varzeanos fazem com pancadaria e tudo e depois fica por isso mesmo.
      Entre vencer uma liberta e não vencer, eu prefiro ser campeão, é claro. Mas é um torneio que não tem mais a mesma grandeza há tempos.

      • Fataço! A Conmebol é um circo. Arbitragens tendem sempre para os argentinos e uruguaios. Não há segurança para os clubes brasileiros, além do absurdo dos clubes mexicanos convidados, sendo que eles fazem parte da Concacaf.

  • Sim, podemos repetir 1995, mas precisamos reforçar algumas posições carentes como a LE.
    Agora, o Cuca, de novo, deixar em aberto a possibilidade de sair no final do ano…..pqp, não pode deixar ele fazendo doce, esta situação precisa ser resolvida o mais rápido possível, se ele ficar indeciso como no ano passado, tragam logo o Jair Ventura e começamos o planejamento de 2018, senão corremos o risco de esperar o Cuca até o Natal, ele resolver não ficar e sobrar para o Palmeiras, de novo algum técnico que sobrou para contratar, um novo Eduardo Baptista.
    Só umas observações sobre o futebol brasileiro, fazendo esta comparação com 1995.
    Lembro que no final de 1995 o Palmeiras trouxe de uma tacada Djalminha, Luizão e Junior LE.
    Estes caras se juntaram aos que já estavam Rivaldo, Cafu, Muller, Clebão e formaram aquele time inesquecível.
    Hoje, em todo o futebol brasileiro, não temos um único jogador do quilate do Rivaldo ou do Djalminha, naquela época tinhamos dois no Palmeiras.
    E no Palmeiras de hj os únicos jogadores que teriam algum espaço naquele time seriam o Dudu que na minha opinião é pau a pau com o Muller e o Moises no lugar do Galeano ou do Amaral, todos os demais seriam banco ou nem isso.

  • Ao que tudo indica, 2017 está acabando para nós e de uma maneira frustante. E, sim, o Conrado está certo, o último ( e único) fruto que este ano pode nos dar, são as lições para que os erros não se repitam e quiçá, iniciar um ciclo virtuoso nos próximos anos.
    Na minha humilde opinião, alguns dos principais erros que nos levaram a essa temporada frustante são: a descontinuidade no trabalho do Cuca, no qual a diretoria está isenta de responsabilidade e o erro estratégico de não priorizar o Brasileirão em detrimento da Copa do Brasil. Se você tem o melhor elenco do país, e o Palmeiras tem, é mais inteligente ir com força total neste campeonato que invariavelmente premia o time mais constante e homogêneo, do que um torneio mata-mata onde o acaso e o imponderável tem muita mais possibilidade de acontecer, como infelizmente vimos e sentimos na pele.Caímos fora por causa de um primeiro tempo desastroso. Neste caso a diretoria tem responsabilidade direta.
    Não estou, com isso, dizendo que devemos substituir o Cuca ou o Alexandre Mattos como alguns estão sugerindo, pelo contrário, acredito que são justamente eles que tem condições de corrigir os erros e dar sequência ao trabalho num patamar de maturidade muito mais elevado para o ano que vem.
    Trazer novos personagens faria com que iniciássemos um novo trabalho do zero, um trabalho que talvez tenha que passar por erros e frustrações até produzir frutos o que demandaria um tempo que não acho que a torcida esteja disposta a dar.

  • O grande problema no âmbito dentro das quatro linhas é o casamento do Cuca com algumas situações. Essa teimosia (já passou da fase da insistência) no mesmo esquema, com a mesma forma, sem variações e sem criatividade não agrada ninguém. Pode ser que funcione em um jogo ou outro, mas na hora que precisa tirar um coelho da cartola, falha. E aliado a isso, existe um grave problema que é a falta de insistência com alguns jogadores e a demasiada insistência com outros. Deyverson não para em pé, só fica caindo e não finaliza quase nada. Temos Borja que é nosso melhor finalizador, mas que quando entra precisa que o time jogue em sua função – o que nunca ocorre. Todo centroavante de área vai morrer de fome com um esquema que não o favorece – até o Deyverson pode ser que renderia mais se isso ocorresse. Bato na tecla de que o Cuca ainda projeta o Gabriel Jesus nos outros atacantes, e isso acaba os queimando uma vez que eles nem são 10% do que o nosso menino de ouro era. O moleque tinha uma característica única de atacar e voltar pra marcar com vigor e qualidade por 90 minutos, tendo uma facilidade enorme para fazer gols e uma inteligência ímpar pra jogar e ganhar dos zagueiros. Nenhum atacante tem essas características de marcação e técnica dessa forma a nível mundial, e não vai ser Deyverson e Borja que vão ter. Outro ponto é a ineficiência da bola parada. Os cruzamentos em especial do Jean não chegam nem na altura do peito dos jogadores. Alia-se o fato de não termos Mina e Vitor Hugo (sdds) e não temos poderio algum ofensivo na bola parada. A criatividade passa pela presença do Guerra em campo, uma vez que o Moisés ainda está se readaptando e demora pra isso acontecer de forma plena, embora ele venha melhorando jogo a jogo. São ajustes, onde essas semanas de treinamento deveriam estar fazendo efeito de forma mais eficiente mas não é o que se observa em campo. Ganhamos alguns jogos e não convencemos; o que importa são os três pontos é fato, mas não apenas isso que importa. O time precisa crescer de forma coletiva, de jogar pertinho, compactado e criar jogadas para criar mais situações de gol como consequência. E os atacantes devem estar afiados nas finalizações, porque com retrancas cada vez mais fechadas cada chance desperdiçada pode custar o resultado, assim como ocorreu no clássico quando perdemos aquele lance onde dois jogadores não alcançaram uma bola cruzada na pequena área e quando Dudu cabeceou pra fora sozinho. Falta capricho, mas o coração me faz acreditar que ainda dá. VAMOS PALMEIRAS!

    • Perfeito, e repito o que já disse em outras oportunidades (já está ficando repetitivo e chato): Barcos, Barrios, Fred, Pratto, Ceifador, Evair ou Oséias passariam fome no ataque do Palmeiras com esse monoesquema do Sr. Cuca.

  • Enquanto houver chances matemáticas, temos que acreditar e buscar fazer a nossa parte. Esqueçam o GAM, eles não tem mais fôlego, vão ganhar 4 de cada 9 pontos daqui por diante no máximo será isso. E ainda temos o confronto direto. O NPS< ganhou da gente e todo mundo viu sob quais circunstâncias, mas é um time que nos tira 3 pontos e depois vai lá e perde pra Atlético/GO. O Grêmio está focado na Liberta, tudo que os gambás mais sonham na vida deles nesse momento é que a gente jogue a toalha. Não vamos jogar (a toalha), vamos aterrorizar a vida deles, não temos mais nada na vida pra fazer, exceto ser o pior pesadelo da vida deles. Não desistam, ainda não acabou.

    • To contigo tbem, 12 rodadas muita coisa vai acontecer, tem que só fazer nossa parte, infelizmente sabado não deu, sem desculpas mas a chuva atrapalhou sim, bola pra frente e ganhar os prox 3 jogos Bh,AtlGo e Ponte que ja encostamos

      • Bahia vem de uma enorme inconstância, Atlético Goianiense idem. Pros lados de Campinas, a casa caiu feio e é a chance que temos de aproveitar. Não tem desculpa, tem que focar e ir pra cima. O Cuca precisa fazer o elenco enxergar isso. VAMOS PALMEIRAS!

        • Acho que dos 4 primeiros quem tem a vida mais facil nestas 3 rodadas somos nós, da pra fazer 9 pontos tranquilo, são 2 jogos em casa, mas tem que jogar focado,determinado e sem essa de que ja ganhou, temos elenco pra isso

    • E se o grupo não estiver mais motivado para lutar pelo título, esta é a oportunidade perfeita para dar ao Borja a sequência de jogos que nunca teve. Não dá para ficar dependendo de Deyverson, quando ele tá jogando sinto até vontade de parar de assistir. Embora valorize seu “papel tático”, não consigo aceitar um atacante que não faz gols após uma sequência tão longa de titularidade (vale lembrar, ainda, do pênalti que perdeu recentemente contra o galo, que nos daria a vitória do jogo)

  • Sempre que me lembro da decada de 80 e de 2000 a 2013, fico um pouco mais calmo antes de sair criticando tudo e todos na atual SEP.

  • A derrota no sábado foi tão broxante que eu não quis saber de futebol no domingo. Nem sei dos demais resultados.

    Passada a ressaca é preciso respirar e sacudir a poeira.

    Continuo insistindo em um ponto que parece ser difícil para alguns torcedores assimilar: no futebol não se pode esperar ganhar campeonatos com um planejamento de apenas um ano.

    É preciso insistir na coerência de procedimento, manter um método e aperfeiçoa-lo até que fique acima da linha da mediocridade.

    Isso só se consegue com, no mínimo, três anos de boas práticas permanentes.

    Temos um bom elenco, temos um bom técnico (apesar dos haters) e o clube não precisa sair desesperado vendendo jogador de qualquer jeito para conseguir pagar a conta de luz do mês seguinte.

    Só isso já nos coloca em situação privilegiada no futebol brasileiro.

    É preciso contornar a frustração com esta maturidade destacada pelo Verdazzo e SEGUIR APRIMORANDO O PLANEJAMENTO, sem dar passos tolos para trás.

    Ah, não custa lembrar que será a primeira vez que Cuca fará uma pré-temporada pelo Palmeiras.
    Dispensá-lo seria perder MAIS UMA VEZ a chance de começar o ano na frente de todos.

    • Eu só acho que o Cuca tem potencial pra montar um time que apresente mais do que esse vem apresentando. É um futebol burocrático e mecânico; quando precisa de algo diferente não tem como fazer. Mas dá pra melhorar e vai melhorar, se Deus quiser!

  • Na verdade eu já perdi as esperanças, este ano para mim já acabou (to secando gamba e torcendo pro rebaixamento dos bambis), classificar pra Libertadores é obrigação.
    Não tivemos um jogo sequer que o verdão foi dominante total, uma sequencia que animava…quando pensávamos que teríamos, veio o balde água fria. A eliminação para a Ponte Preta no Paulista já era um indício de como seria o ano…perdemos para um time horrível, onde os gambas, com o time limitado deles não tiveram dificuldades nenhuma para levar o título. Resta agora o planejamento do ano que vem, e que se defina logo “cuca vai ou cuca fica” ? não podemos ficar refém de treinador…..

  • É meu amigo a coisa ficou dificil depois de sábado , já me contento com uma vaga direta na liberta….Tenho um conhecido que é um desses malucos por matemática e estatística e que também é doente pelo Verdão , me disse que fez uma dessas avaliações e que para chegarmos ao título precisamos de nove vitórias nos últimos doze jogos e 3 empates…o probelma é a bola que estamos jogando…